8 de março – Dia Internacional da Mulher

Neste 8 de março, data em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, o CRBio-04 presta uma homenagem a todas as biólogas exaltando as realizações de grandes pesquisadoras no campo das Ciências Biológicas. Conheça um pouquinho mais sobre cada uma delas:

Rosalind Franklin
(1920-1958)
Rosalind foi uma biofísica britânica, pioneira da biologia molecular. Em 1952, trabalhando no King’s College de Londres, a pesquisadora obteve com raio-X ótimas imagens de DNA, em especial uma que ficou conhecida como “fotografia 51”. As imagens ficaram guardadas com Rosalind por alguns meses, sem que ela chegasse a alguma conclusão sobre o modelo da cadeia. Sem que tivesse ciência, as imagens foram então compartilhadas com dois pesquisadores de Cambridge: Francis Crick e James Watson, que publicaram o famoso estudo sobre a dupla hélice. O reconhecimento do seu papel fundamental na descoberta só veio anos mais tarde.

Lynn Margulis
(1938-2011)
O conhecimento que se tem sobre desenvolvimento celular pode ser dividido em antes e depois de Lynn Margulis. Foi a bióloga americana, na década de 1960, a responsável pela formulação da teoria endossimbiótica, que revolucionou a compreensão existente até então. Segundo a teoria, as mitocôndrias e os cloroplastos das células eucariontes teriam sido organismos procariontes de vida livre, englobados por células maiores. As mitocôndrias seriam o resultado da endocitose de procariontes aeróbios e os cloroplastos de procariontes fotossintetizantes. Desta forma, forneceriam energia à célula hospedeira, enquanto esta os protegeria do meio externo.

Barbara McClintock
(1902-1992)
Barbara McClintock é considerada, ao lado de Gregor Mendel e Thomas Hunt Morgan, uma das mais importantes cientistas do campo da genética. Recebeu o Nobel de Medicina em 1983 pela descoberta dos elementos genéticos móveis: ela demonstrou que dois elementos do genoma denominados de Dissociador ( Ds ) e Ativador ( Ac ) podiam trocar de posição nos cromossomos do milho. Atualmente crê-se que a transposição descrita por McClintock está envolvida com a evolução dos organismos.

Rachel Carson
(1907-1964)
O dicloro-difenil-tricloroetano (o inseticida DDT) começou a ser empregado na década de 1930 no combate a insetos transmissores de doenças como tifo e malária. Após a Segunda Guerra, passou também  a ser utilizado na agricultura. Rachel Carson estudou o composto e seus efeitos por quatro anos e lançou, em 1962, o livro Primavera Silenciosa. Na obra a bióloga apontou que o DDT, além das pragas, atingia todo o ecossistema, matando espécies, contaminando águas e solo, afetando a reprodução de animais e podendo até causar câncer. Hoje, o DDT está banido de vários países e a Convenção de Estocolmo sobre Poluentes Orgânicos Persistentes, assinada por cerca de 180 países, restringe seu uso a casos especiais de controle de vetores de doenças.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Pesquisar

Últimos posts

Arquivo de postagens

Siga o CRBio-04

Rolar para cima