Minas, novamente, campeã em desmatamento na Mata Atlântica

O Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica, divulgado dia 04 de junho, pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e pela organização não-governamental (ONG) Fundação SOS Mata Atlântica, informa que Minas Gerais foi o estado que mais desmatou, foram 107 km² de floresta derrubada entre 2011 e 2012. De acordo com o atlas, o aumento na taxa de desmate no estado foi 70% maior que no período anterior.
O Atlas conclui que, em todo território nacional, neste mesmo período, o desmatamento causou perda de uma área de 235 km² de floresta (que inclui mangues e restingas), taxa anual considerada a maior desde 2008.
Entre 2010 a 2011, a taxa média anual de desflorestamento foi de 140 km² e entre 2008 e 2010 este número ficou em 151 km².
Além do estado mineiro, Bahia, Piauí e Paraná também apresentaram situação crítica, pois neles igualmente foi constatado avanço na derrubada da vegetação nativa.
De acordo com o portal G1,os dados divulgados mostram que, logo atrás de Minas Gerais, no período de 2011-2012, está a Bahia que perdeu 45 km² de floresta. O Piauí, monitorado pela primeira vez, perdeu 26 km² de área e já é considerado o terceiro estado que mais desmatou Mata Atlântica.
Nos últimos 27 anos, o bioma, um dos mais ameaçados do mundo, perdeu 18.269 km² de vegetação nativa, uma área equivalente a 12 cidades de São Paulo. De acordo com a Fundação SOS Mata Atlântica, levando em consideração os dados divulgados hoje, sabe-se que restam apenas 8,5% de sua vegetação original, que alcança 17 estados brasileiros e é considerado o bioma mais ameaçado do país.
A Mata Atlântica é uma das paisagens naturais mais ricas em biodiversidade do planeta. Até 60% de suas espécies de plantas são endêmicas, ou seja, só existem naquela região.
Fonte: AMDA
Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Pesquisar

Últimos posts

Arquivo de postagens

Siga o CRBio-04

Rolar para cima