Chapada Diamantina desapropria área para regularização

Há pouco mais de um mês, a administração do Parque Nacional Chapada Diamantina (PNCD) conseguiu concluir a oitava desapropriação de uma área dentro da unidade, com mais de quatro mil hectares. Outras sete áreas estão em processo final de desapropriação, previstas para este ano.
O processo de regularização da unidade está ainda na fase inicial. Segundo o analista ambiental que trabalha na unidade, Cezar Gonçalves, existem mais de 300 propriedades, entre imóveis de comunidades que já moravam na região antes de o parque ser criado em 1985 e fazendas, que ocupam a maior área ainda irregular.
“Com a conclusão da negociação das sete áreas que estão sendo regularizadas e outras nove que estão na Justiça, vamos conseguir regularizar 80% dos quase 30 mil hectares de área que precisam ser regularizados”, calculou o Biólogo. O parque, considerado um dos maiores do país fora da região amazônica, ocupa quase 152 mil hectares. Desse total, mais de 60% são terras da União. Apesar da extensão, a unidade representa apenas uma pequena parte de toda a Chapada Diamantina.
Ainda assim, a unidade, que abrange seis municípios da Bahia – Ibicoara, Itaeté, Lençóis, Mucugê, Palmeiras e Andaraí -, é a guardiã de nascentes importantes para a região. O Rio Paraguaçu, responsável pelo abastecimento de 60% da população da capital baiana, corta todo o território da unidade, que também é reconhecida por pesquisadores como sede de importantes bancos genéticos.
Estimativas divulgadas no site da Chapada Diamantina apontam que, anualmente, quatro ou cinco novas espécies de plantas endêmicas e três de animais são descobertas na região. “É variável, mas essa tem sido a média, o que, para os padrões mundiais, é muita coisa”, destacou Gonçalves.
O registro de visitações do parque ainda não está consolidado, mas a Associação dos Condutores de Visitantes do Vale do Capão (ACV-VC), uma das organizações que colaboram com a administração da unidade com monitoramento voluntário há mais de 12 anos, registrou, no ano passado, a presença de quase 16 mil pessoas na Cachoeira da Fumaça. A queda d’água, de 340 metros de altura, é considerada o principal atrativo turístico do PNCD.
Fonte: Agência Brasil
Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Pesquisar

Últimos posts

Arquivo de postagens

Siga o CRBio-04

Rolar para cima