Dinossauro seduzia fêmeas com penas chamativas e brilhantes

Por razões sexuais, um pequeno dinossauro que viveu na China há 130 milhões de anos adotou penas chamativas para ter vantagens no acasalamento e na evolução da espécie.
Um estudo publicado recentemente na revista “Science” mostra que o microrraptor tinha cores predominantes em preto e azul, como um corvo. Ele também portava uma longa calda para chamar a atenção das fêmeas.
Graças a microscópios eletrônicos de varredura, os pesquisadores puderam analisar a forma das menalossomas, células que participam da produção da melanina, um pigmento da pele, e deduzir as cores do microrraptor.
A espécie de dinossauro é uma das primeiras a fornecer evidências da irisdescência (reflexos brilhantes) em penas.
“Com a descoberta de vários fósseis de pássaros, plantas e flores, sabemos que o Cretáceo [começou há cerca de 145 milhões de anos e terminou há 65 milhões de anos] era um mundo colorido. Também descobrimos que o microrraptor tinha cores peroladas”, ressaltou Ke-Qin Gao, da Universidade de Pequim, um dos autores do estudo, que reúne
“Há alguns anos atrás teria sido inconcebível conduzir uma investigação como esta”, acrescentou.
A iridescência, uma propriedade de determinadas superfícies que permite refletir as cores do arco-íris, está presente em muitos insetos, borboletas, peixes e aves, que ganham uma cor perolada.
“Os pássaros existentes hoje usam suas penas coloridas para muitas coisas que vão desde o voo, a camuflagem, a termorregulação e a sedução sexual”, explicou à AFP Matt Shawkey, professor de biologia na Universidade de Akron (Ohio, EUA).
Fonte: Folha Online
Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Pesquisar

Últimos posts

Arquivo de postagens

Siga o CRBio-04

Rolar para cima