Grupo protesta contra Belo Monte no centro de SP

Um grupo realizou, na tarde deste domingo, um protesto em São Paulo contra a construção da usina de Belo Monte, no Pará.
Os manifestantes se concentraram na avenida Paulista e seguiram pela rua da Consolação (região central). Segundo a Polícia Militar e a CET (Companhia de Engenharia e Tráfego), por volta das 17h, cerca de 200 pessoas ocupavam parte da Consolação.
A página do protesto no Facebook diz: “Somos a favor da preservação do Xingu, somos a favor da revisão do código florestal que como está desfavorece o povo e a natureza, somos a favor de lisura no Congresso Nacional e no executivo.”
Também foram organizadas manifestações contra a construção da usina no Rio de Janeiro, Salvador, Porto Alegre, Aracaju, Belo Horizonte e Curitiba.
O Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) emitiu no último dia 1º a licença de instalação da usina hidrelétrica de Belo Monte. Com a licença, as obras das barragens dos sítios Pimental e Belo Monte podem ser iniciadas.
Há grande resistência à usina de associações científicas, movimentos sociais, além do Ministério Público e da OEA (Organização dos Estados Americanos), devido a questões ambientais e sociais.
USINA
A Usina de Belo Monte, quando pronta, será o terceiro maior complexo hidrelétrico do mundo pelo quesito capacidade instalada. Os 11.233 MW de potência de todas as suas turbinas só será menor que o projeto binacional de Itaipu, entre o Brasil e o Paraguai, a Usina Hidrelétrica de Três Gargantas, na China.
Embora tenha toda essa capacidade, o aproveitamento hidrelétrico do rio Xingu produzirá bem menos energia ao longo de um ano. Dada a oscilação natural do rio, na média Belo Monte produzirá cerca de 4,5 mil MW de energia para o sistema elétrico.
Fonte: Folha Online
Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Pesquisar

Últimos posts

Arquivo de postagens

Siga o CRBio-04

Rolar para cima