Colaboração e convergência

Em 1999, o uso de softwares com base na internet possibilitou a concretização de um marco da ciência brasileira: o sequenciamento completo do DNA da bactéria Xylella fastidiosa, causadora da clorose variegada de citros, popularmente conhecida como praga do amarelinho.
Para o pesquisador britânico Steve Oliver, que integrou o comitê diretivo do projeto de sequenciamento, realizado no âmbito pelo Programa Genoma-FAPESP, a iniciativa não apenas correspondeu à introdução da bioinformática no Brasil, mas também revolucionou a cultura de cooperação científica no país.
Oliver, que é diretor do Centro de Biologia de Sistemas da Universidade de Cambridge (Reino Unido), participou, no dia 24 de fevereiro, do Workshop on Synthetic Biology and Robotics, organizado pela FAPESP e pelo Consulado Britânico em São Paulo, no âmbito da Parceria Brasil–Reino Unido em Ciência e Inovação.
No evento, Oliver falou sobre a aplicação da automatização à análise metabolômica – área que procura explorar toda a diversidade metabólica existente nos sistemas biológicos – e à quimiogenômica, ou o estudo das respostas genômicas dos compostos químicos com o objetivo de identificar novos fármacos e alvos terapêuticos. Nesses estudos, ele utiliza “robôs cientistas” desenvolvidos na Universidade de Gales, no Reino Unido.
Em entrevista à Agência FAPESP, Oliver analisou o perfil do cientista que trabalhará na área emergente que reúne a robótica e a biologia sintética. O cientista também comentou a evolução da ciência brasileira, nesse período, no campo que compreende a ciência da computação aplicada à biologia.
Em uma de suas mais recentes colaborações com brasileiros, Oliver e Fábio Costa, do Instituto de Biologia (IB) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), desvendaram o mecanismo de ação da violaceína. Esse composto, isolado por Costa a partir de bactérias do rio Amazonas, é um eficaz antimalárico. Mas, sem conhecer o mecanismo de ação, seria impossível transformá-lo em uma nova droga.
Agora, com ajuda de um robô cientista, os pesquisadores poderão testar outras drogas contra o mesmo alvo identificado no mecanismo de ação da violaceína. O trabalho feito a partir de um único composto poderá ser testado, graças à automação, em bibliotecas inteiras de outros compostos, acelerando o processo e aumentando exponencialmente a chance de se chegar a um novo fármaco contra a malária.
Agência FAPESP – Depois do seu envolvimento com o projeto de sequenciamento genético da Xylella fastidiosa, há mais de dez anos, o senhor manteve parcerias com cientistas brasileiros?
Steve Oliver – Sim, tenho contato com a comunidade científica brasileira há muito tempo, antes mesmo de ser convidado para participar do comitê do projeto Genoma Xylella. Mas a partir daquele momento tive oportunidade de desenvolver uma boa rede de contatos no país e de levar adiante alguns projetos de pesquisa em cooperação.
Agência FAPESP – Qual a sua visão sobre a evolução no Brasil, durante esse período, das áreas que integram ciências biológicas e tecnologia computacional? Houve avanços?
Oliver – Os projetos Genoma, na minha opinião, transformaram a ciência brasileira, em particular no caso do Estado de São Paulo. Em muitos aspectos, acho que houve nesse período avanços em relação ao desenvolvimento de novas competências, na formação de cientistas talentosos e melhoramento na infraestrutura – com boas instalações e equipamentos.
Agência FAPESP – O que deu àqueles projetos esse caráter transformador?
Oliver – Principalmente a maneira como o projeto foi levado adiante. Algo semelhante ao que ocorreu na Europa com os grandes projetos de sequenciamento do genoma. O aspecto fundamental é que nesses projetos os cientistas têm que cooperar, necessariamente. Lembro que, em meus primeiros trabalhos com brasileiros, a ausência da cooperação entre os laboratórios chamava a atenção.
Agência FAPESP – O projeto Genoma Xylella deu um impulso inédito à cooperação científica?
Oliver – Sim, foi fundamental para criar essa cultura. Antes o dinheiro era mais escasso e as pessoas ficavam realmente ciumentas em relação ao que conseguiam. Isso gerava situações tolas: houve momentos em que pesquisadores vieram me pedir para fornecer reagentes que eles poderiam conseguir com o colega de departamento, atravessando o corredor. Em relação a isso, o projeto Genoma Xylella mudou as coisas completamente, ao gerar mais acesso a recursos e a novos equipamentos, facilitando o trabalho em cooperação. A situação da cooperação entre cientistas no Brasil é muito mais saudável agora. As pessoas começaram a trabalhar juntas. É bobagem não cooperar.
Agência FAPESP – Essa interação também se intensificou em relação aos grupos internacionais?
Oliver – Sem dúvida. Em relação a isso, a FAPESP, que já tinha feito a diferença com o Genoma Xylella, deu uma contribuição decisiva nos últimos anos intensificando suas relações internacionais. É o caso do acordo da FAPESP com os Conselhos de Pesquisa do Reino Unido (RCUK). Essas ações fazem parte desse contexto geral de avanço da cooperação internacional da ciência brasileira.
Agência FAPESP – É importante para o Brasil investir nas tecnologias de automação voltadas para a biologia sintética? Ou não vale a pena focar os recursos em infraestrutura desse tipo?
Oliver – Acho importante. Alguém poderia argumentar que não há tantos limites de mão de obra no Brasil e por isso não valeria a pena automatizar os processos. Mas não acredito nisso. Em primeiro lugar porque ainda há escassez de talentos em relação à demanda, em especial agora, com a economia crescendo, com o acesso cada vez mais fácil às instalações disponíveis para fazer ciência de ponta. Em segundo lugar, porque cada vez mais se tem necessidade de experimentos que tenham alta reprodutibilidade. E os robôs podem conseguir isso muito melhor do que os cientistas humanos. O Brasil tem condições de desenvolver tecnologias de automação e elas são fundamentais para que os dados de um experimento possam ser aplicados em inúmeros outros estudos. A robotização tem um efeito multiplicador na ciência.
Agência FAPESP – A automação aplicada à biologia sintética é uma área que requer um perfil de cientista muito especial. Como formar esse pessoal?
Oliver – Posso falar do Reino Unido, onde o grande problema é que os estudantes de biologia em geral não tendem a ser bons em matemática. Em várias grandes universidades, eles não têm estímulo para aprimorar o conhecimento nas matemáticas. Em Cambridge é diferente, insistimos muito nisso. Mas, olhando para minha própria educação, vejo que eu nunca pensava que ia precisar saber mais matemática ou química. Agora vemos que já há biólogos com um background de matemática, ciências físicas ou engenharia, e isso é muito bom.
Agência FAPESP – Mas é possível – e necessário – ter conhecimento em alto nível nas duas áreas?
Oliver – Acho que é possível, sim. Mas não acho que todo mundo precise fazer isso. Alguns indivíduos podem explorar esses talentos muito bem, como uma estudante do meu laboratório que se formou em matemática em Cambridge e agora está fazendo o doutorado em ciências biológicas. O essencial, no entanto, é que um especialista tenha o conhecimento suficiente para poder se comunicar com os especialistas de outras áreas. Em Cambridge tentamos incentivar esse diálogo, mesmo entre os indivíduos que não têm aptidão para mergulhar a fundo em duas ou mais áreas.
Agência FAPESP – Como vocês incentivam isso?
Oliver – Começamos, por exemplo, a fazer um programa de cursos com foco interdisciplinar em Cambridge, para alunos de quarto ano. Recebemos estudantes com background de matemática, computação, física e biologia. O curso começa antes do início do ano acadêmico, com aulas intensivas em todas essas áreas. Promovemos essa formação mínima para que haja um diálogo entre eles, conectando as pessoas. O importante é colocá-los em contato. É minha convicção que os estudantes aprendem mais com outros estudantes do que com os professores. Acho que está funcionando muito bem. É importante não para incrementar o currículo deles, mas para possibilitar esse contato e fazer com que eles ensinem uns aos outros.
Fonte: Agência FAPESP
Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Pesquisar

Últimos posts

Arquivo de postagens

Siga o CRBio-04

Rolar para cima