Um benefício da fidelidade

Por Fernando Reinach – O Estado de S.Paulo
Do ponto de vista evolutivo, o número de descendentes deixados por cada indivíduo é a única medida de seu sucesso. A razão é simples. Se na média esse número for menor que um, a espécie se extingue; se for maior, ela se expande. Todas as espécies compartilham esse objetivo numérico, mas a estratégia utilizada para atingi-lo varia. Algumas, como os camarões, produzem milhões de ovos, que são abandonados ao sabor dos mares na esperança de que alguns sobrevivam. Em outras espécies, a fêmea se responsabiliza por garantir a sobrevivência dos poucos filhotes, enquanto o macho busca fertilizar o maior número possível de fêmeas. Em algumas, pai e mãe trabalham juntos para garantir a sobrevivência da cria. Quando há colaboração entre os pais, é fácil entender a motivação: o filhote transmite para gerações futuras os genes de cada progenitor.
Mas como explicar que em algumas espécies irmãos e tios ajudam a criar um recém-nascido? Eles não deveriam se preocupar em deixar seus próprios descendentes, passando seus genes para a próxima geração? Esse aparente paradoxo, resolvido em 1964 pelo biólogo e matemático W. D. Hamilton, justifica o aparente altruísmo de tios e irmãos e explica o surgimento de agrupamentos sociais entre animais. Hamilton propôs que tios e irmãos, ao ajudarem a criar os parentes, aumentam as chances de seus próprios genes passarem para as gerações seguintes. Isso porque irmãos e tios carregam parte dos genes presentes nos filhotes que ajudam a criar. Afinal, eles compartilham os mesmos pais ou os mesmos avós com os filhotes nos quais investem seus esforços.
Mas, se a explicação de Hamilton está correta, é de se esperar que um irmão “prefira” cuidar de irmãos gerados pelos mesmos pais, com os quais compartilha 50% do genes, que de um meio-irmão. Se um dos pais é infiel ou promíscuo e o filhote é somente um meio-irmão – e, portanto, compartilha somente 25% dos genes -, o “incentivo” para ajudar a criá-lo é menor. Com base nesse raciocínio, Hamilton propôs que a colaboração na criação dos filhotes deveria ser muito mais frequente em espécies em que ocorre a fidelidade conjugal. Agora, um estudo detalhado em 267 espécies de pássaros confirmou a teoria de Hamilton.
Para cada uma das 267 espécies, foi estudado o comportamento do grupo na criação dos filhotes. Em algumas, somente o pai ajudava a mãe. Em outras, irmãos e tios também ajudavam a alimentar os filhotes no ninho. Nos casos extremos, como os Corcorax melanorhamphos, os filhotes simplesmente morrem de fome se os pais não forem auxiliados pelos parentes. De uma forma ou de outra, em aproximadamente 10% das espécies de pássaros os pais contam com a ajuda dos parentes.
Além de determinar o comportamento social de cada espécie, os cientistas fizeram testes de paternidade por DNA nas famílias de cada espécie para determinar o grau de fidelidade conjugal. Espécies nas quais todos os filhotes, mesmo de diferentes ninhadas, possuíam os mesmos pais foram classificadas como fiéis. Quando a porcentagem de filhotes de pais diferentes aumentava, a espécie era classificada em grupos de promiscuidade crescente.
Finalmente, os cientistas puderam correlacionar o grau de fidelidade de cada espécie com a sua estrutura social. Essa comparação, feita nas 267 espécies, demonstra que, à medida que aumenta a infidelidade, diminui a quantidade de ajuda que os pais recebem dos parentes na criação dos filhos. Isso significa que fidelidade e ajuda da família estão correlacionadas e provavelmente têm uma relação causal.
Quando uma espécie adota a fidelidade conjugal, os parentes passam a ter uma vantagem reprodutiva se ajudarem a criar os filhotes. Por outro lado, ao abrir mão do direito de procriar com diversos machos, a fêmea está colocando todos os seus ovos na mesma cesta: se o macho tiver genes piores, eles estarão em todos os seus filhos. O equilíbrio entre a estratégia da fidelidade, na qual a fêmea conta com a ajuda dos parentes, mas sacrifica a liberdade sexual, e a estratégia promíscua, na qual a fêmea possui a vantagem da diversidade de machos, mas sacrifica a ajuda da familiar, é tênue. Tanto assim que as duas estratégias são amplamente utilizadas pelos pássaros.
O interessante é que esse mesmo comportamento, disfarçado e encoberto pelas convenções sociais, pode ser observado nas sociedades humanas. Basta lembrar das malvadas madrastas retratadas em muitas histórias infantis.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Pesquisar

Últimos posts

Arquivo de postagens

Siga o CRBio-04

Rolar para cima