Biólogo poderá ser autuado em R$50 milhões

O presidente do Conselho Regional de Biologia 7ª Região (CRBio-07), Rogério Duílio Genari, pretende submeter o caso do abate de dois guarás, pássaros ameaçados de extinção, à comissão de ética do conselho. O abate, ocorrido em maio em Guaratuba, foi noticiado no domingo retrasado pela Gazeta do Povo. O biólogo Louri Klemann Júnior foi credenciado pelo Instituto Am­­biental do Paraná (IAP) e pelo Instituto Bra­­sileiro do Meio Ambiente (Ibama) para realizar pesquisa na Área de Proteção Ambiental de Guaratuba e coletar outras duas espécies, tapicuru-de-cara-pelada e caraúna-de-cara-branca, mas abateu os guarás. Ele teria confundido as espécies. O IAP poderá multá-lo em até R$ 50 milhões.

Segundo Genari, Klemann Junior não tinha Anotação de Responsabilidade Técnica (ART), documento expedido pelo CRBio que credencia o biólogo a exercer suas atividades. “Ele não fez a solicitação de ART para abater qualquer tipo de ave no local, muito menos os guarás. É no mínimo estranho que o IAP, o Ibama e o Museu [de História Natural Capão da Imbuia] tenham dado a autorização sem a apresentação desse documento”, diz.

Genari afirmou ainda que, caso fique comprovado que o abate foi intencional, pretende sugerir a cassação da licença do biólogo e que ele seja denunciado ao Ministério Público. “A mim causa estranheza ele ter confundido as espécies. Alguém que só estuda isso não pode cometer esse erro. Se ele não tinha certeza, por que atirou mesmo assim?”, questiona. Genari avalia que não era preciso matar as aves para estudá-las. “É possível armar uma rede, capturar a ave, filmá-la, fotografá-la e soltá-la.”

Segundo nota da Diretoria de Biodiversidade e Áreas Protegidas do IAP, após ser informado do caso pela reportagem o órgão cancelou a licença concedida ao biólogo, que também deverá ser autuado. A nota afirma que a multa pode chegar a R$ 50 milhões. A diretoria afirmou que concedeu a licença de pesquisa após o biólogo apresentar todos os documentos exigidos, inclusive a licença de abate, expedida pelo Ibama, e que a ART não é exigida.

O Museu de História Natural Capão da Imbuia afirmou que é apenas o fiel depositário das aves (instituição responsável por receber os animais que são abatidos) e que não tem vínculo empregatício com o pesquisador. Segundo a assessoria do museu, o biólogo apresentou todos os documentos exigidos pelo Ibama e pelo IAP e a ART não constava entre eles. O Ibama foi procurado pela reportagem, mas não deu retorno até o fechamento desta edição.

Fonte: Gazeta do Povo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Pesquisar

Últimos posts

Arquivo de postagens

Siga o CRBio-04

Rolar para cima