Cientistas brasileiros pesquisam na Antártida mutações causadas pelo aquecimento

A cada ano, cerca de 70 pesquisadores passam pela Estação Antártica Comandante Ferraz, a base científica brasileira no continente gelado. Ferraz fica na Ilha Rei George, no Arquipélago das Shetlands do Sul. É o conjunto de ilhas antárticas mais próximo do continente americano e, apesar de não estar em solo continental, tem uma localização privilegiada para o estudo das mudanças climáticas.

A região da Península Antártica é uma das que mais aqueceu nos últimos 50 anos, 3 graus a mais, contra 0,8 no restante do mundo. Com esse cenário, as pesquisas desenvolvidas atualmente pelo Brasil têm dois focos principais: as mudanças climáticas e o impacto provocado pela própria estação no ambiente local. Uma pesquisa da Universidade Federal do Paraná, em parceria com a Universidade de Taubaté, analisa peixes da Baía do Almirantado.

Entre as variáveis analisadas estão alterações que podem surgir nos animais em decorrência do aumento da temperatura. Os biólogos Edson Rodrigues e Lucélia Donatti fazem experimentos com água a 0°C, normal para a região, e a 4°C, simulando um aquecimento.

“Nós utilizamos informações dessa região como se ela fosse um laboratório. Em nosso caso, queremos entender como um eventual aumento da temperatura da água e diminuição da salinidade poderiam estar mexendo com o metabolismo desses peixes”, diz Rodrigues.

Já o doutorando do departamento de biofísica da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Eduardo Delfino, quer descobrir as concentrações de black carbon nos arredores da estação. O material particulado é expelido pelos geradores de energia, que anualmente queima 320 mil litros de combustível, e pelo incinerador de lixo da base. “O black carbon pode ser transportado por longas distâncias, e estudos recentes mostram que sua deposição em geleiras pode acelerar o derretimento do gelo”, analisa Delfino.

Só o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, o INPE, controla três laboratórios de medições meteorológicas e atmosféricas na estação, todos instalados em contêineres, como o prédio principal. O laboratório de meteorologia, por exemplo, envia dados em tempo real para a sede do Inpe, em São José dos Campos.

São números de temperatura, velocidade do vento, umidade e acumulação de neve, entre outros, que abastecem uma página da internet (http://antartica.cptec.inpe.br/) e dão subsídio a outros grupos que pesquisam o impacto das alterações climáticas em plantas e animais. No quesito meio ambiente, a estação científica brasileira marca pontos na gestão do lixo.

Por exigência do Tratado Antártico, que rege as atividades na região, é proibido deixar resíduos na Antártida. Com isso, todo o lixo produzido aqui é rigorosamente separado, embalado e enviado de navio para o Rio de Janeiro, onde os materiais recicláveis são encaminhados para o reaproveitamento.

Fonte: G1, Hellen Santos Da TV Vanguarda, na Estação Antártica Comandante Ferraz

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Pesquisar

Últimos posts

Arquivo de postagens

Siga o CRBio-04

Rolar para cima