sexta-feira, 31 de julho de 2015

Observatório MERCOSUL lança estudo sobre recursos humanos em Saúde





Observatório MERCOSUL de Sistemas de Saúde (OMSS) disponibilizou a mais recente pesquisa sobre a oferta e necessidades de recursos humanos em saúde nos cinco Estados-Membros: Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela.

O estudo foi realizado no âmbito do Projeto "Observatório MERCOSUL de Sistemas de Saúde sobre Recursos Humanos em Saúde". Os autores dos relatórios foram selecionados pelos Ministérios de Saúde de cada país e a informação contida neles é composta em sua totalidade de fontes oficiais.

No Brasil, o relatório foi escrito pela Dra. Celia Regina Pierantoni, professora associada do IMS/UERJ, e pela enfermeira Carinne Magnago, mestre em Saúde Coletiva e doutoranda em Saúde Coletiva no IMS/UERJ. Já a edição do material foi realizada pela Dra. Delia M. Sánchez, do OMSS.

O objetivo geral do relatório é conhecer a oferta e a necessidade de Recursos Humanos em Saúde, atual e esperada para os próximos 10 anos.

BIÓLOGO E DEMAIS PROFISSIONAIS DA SAÚDE

O relatório realizado no Brasil ressalta que atualmente são consideradas 14 as profissões da saúde no País, conforme dados do Conselho Nacional da Saúde. São elas: Biologia, Biomedicina, Educação Física, Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Medicina, Medicina Veterinária, Nutrição, Odontologia, Psicologia, Serviço Social e Terapia Ocupacional.

Antes de aprofundar sobre o quadro de demanda e oferta de médicos no Brasil, o estudo se debruça sobre a situação das demais profissões que possuem atuação na saúde, como é o caso das Ciências Biológicas, apresentando a distribuição de cursos, vagas, ingressos e concluintes por graduações no Brasil.

Segundo a pesquisa, "no que compete à distribuição de cursos por graduação, os dados apontam que, em 2000, o curso de Ciências Biológicas detinha o maior percentual de participação (16,6%) em relação ao total de cursos da área da saúde, e Biomedicina, o menor (0,4%)".

"Já em 2012, o cenário mostrou-se diferente: a Educação Física se tornou a graduação com maior concentração percentual da oferta de cursos da saúde - 17,3%, seguida de Ciências Biológicas (16,1%) e Enfermagem (14,0%). Terapia Ocupacional, por sua vez, além de diminuir sua participação, que caiu de 1,9% para 0,2%, passou a concentrar a menor oferta, à exceção da Saúde Coletiva", conclui o documento.

Já em relação à distribuição segundo natureza jurídica, o estudo demonstra que o setor privado domina em todos os cursos, tanto no número de cursos e de vagas quanto no de ingressos e concluintes. A exceção está no curso de Ciências Biológicas, onde há predomínio do setor público em número de cursos e ingressos, e na Saúde Coletiva, que também possui predominância do setor público para todas as variáveis.

O estudo revela ainda que a maior discrepância é observada na Enfermagem, em que menos de 10% das vagas são ofertadas pelo setor público, e 86,5% dos concluintes são provenientes do setor privado.

Confira, aqui, na íntegra o relatório "Oferta e Necessidades de Recursos Humanos em Saúde - República Federativa do Brasil".
Para acessar os relatórios produzidos nos demais países e o compilado do MERCOSUL, acesse: http://www.observasalud.mercosur.int/es/publicaciones-omss

Saiba mais sobre áreas de atuação do Biólogo aqui => http://www.cfbio.gov.br/area-de-atuacao


FONTE: CFBio
Postar um comentário