quinta-feira, 14 de maio de 2015

Rede de Pesquisa e Conservação de Lepidópteros (borboletas e mariposas) de Minas Gerais



RedeLep-MG Rede de Pesquisa e Conservação de Lepidópteros (borboletas e mariposas) de Minas Gerais

No dia 31 de março de 2015 foi fundando o Grupo de Pesquisa e Conservação de Lepidópteros de Minas Gerais, nomeado RedeLep-MG, o qual pertence à Rede Nacional de Pesquisa e Conservação de Lepidópteros (RedeLep). O grupo é formado por pesquisadores de diversas instituições de ensino superior especialistas em ecologia de lepidópteros, que desenvolvem pesquisas em diversos locais e Unidades de Conservação de Minas Gerais. A RedeLep-MG pretende implementar no Estado as ações elencadas no Plano de Ação Nacional para Conservação dos Lepidópteros Ameaçados de Extinção - PAN- Lepidópteros, programa proposto pelo ICMBio (Instituto Chico Mendes) para conservação de espécies ameaçadas. A formalização do RedeLep-MG facilitará a articulação das atividades, a centralização de informações e a divulgação de trabalhos para conservação dos lepidópteros do Estado. Assim, estão previstas reuniões periódicas para agrupar as informações já disponíveis sobre as espécies ameaçadas registradas em Minas Gerais, bem como planejar novos estudos tendo em vista as lacunas de conhecimento no Estado. Os integrantes do grupo estão disponíveis para esclarecimentos, informações ou sugestão de pauta. Abaixo vai o resumo de dois trabalhos já desenvolvidos por integrantes da Rede.


Borboleta Parides burchellanus recém nascida no borboletário da Fundação Zoo- botânica de Belo Horizonte. Fonte: Marina do Vale Beirão. 

Pesquisadores Mineiros descobrem populações de borboletas ameaçadas em Minas Gerais

Em Minas Gerais são conhecidas mais de 1.600 espécies de borboletas, sendo 16 consideradas ameaçadas de extinção. Nos últimos anos pesquisadores têm intensificado os estudos das espécies ameaçadas em diversos locais e Unidades de Conservação em Minas. Na região de Casa Branca, no município de Brumadinho, pesquisadores não só registraram a ocorrência da borboleta Parides burchellanus ameaçada de extinção no Brasil, como também descobriram que essa espécie vive em grupos de 10 a 30 indivíduos com mais machos do que fêmeas. Além disso, os machos vivem como adultos por mais tempo que as fêmeas, e geralmente deslocam mais na mata, enquanto as fêmeas ficam próximas às plantas onde colocam seus ovos. Outra borboleta ameaçada de extinção, a Nirodia belphegor, também foi encontrada em diferentes locais do nosso Estado, como por exemplo Serra do Cipó, Reserva Particular de Patrimônio Natural Santuário do Caraça, Parque Nacional das Sempre Vivas e Parque Estadual do Rio Preto. Nesse estudo, os pesquisadores descreveram características da borboleta Nirodia belphegor ainda desconhecidas para a ciência, como a planta em que as lagartas se alimentam, e descreveram as características das áreas onde estas borboletas ocorrem.

Informações como estas são imprescindíveis para a conservação dos lepidópteros (borboletas e mariposas), principalmente as espécies ameaçadas de extinção que ainda vivem em nosso Estado. Com o intuito de facilitar a cooperação em pesquisas sobre os lepidópteros, no ano de 2010 foi criada a Rede Nacional de Pesquisa e Conservação de Lepidópteros RedeLep. A RedeLep reuniu diversas instituições de ensino superior do Brasil, da qual fazem parte a UFMG, UFRGS, UFSM, UFPR, UNICAMP, USP, UFG, UFOPA, INPA, UFRN, UFRB e UFBA. Ela estabeleceu uma rede de troca de informações e colaboração entre seus membros com o objetivo principal de desenvolver pesquisa científica, visando ampliar o conhecimento e entendimento sobre a biodiversidade brasileira dos lepidópteros. Com a proposta de ramificar a RedeLep, foi criado a RedeLep-MG.

Contatos:

- e mail: redelepmg@gmail.com

Postar um comentário