sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Mudanças climáticas podem causar extinção de até 12% das espécies de anfíbios até 2050



As mudanças climáticas previstas para ocorrer na Mata Atlântica nas próximas décadas poderão diminuir sensivelmente o número de espécies e o tamanho das populações de anfíbios existentes. A previsão é de um grupo de pesquisadores do Laboratório de Biogeografia da Conservação da Universidade Federal de Goiás (UFG).

De acordo com Rafael Loyola, coordenador do laboratório e um dos autores do estudo, há 431 espécies de anfíbios na Mata Atlântica - bioma que detém 18% de todas as espécies desses animais na América do Sul. Por meio de seis diferentes modelos de distribuição, pelos quais se associa a presença de uma determinada espécie a um conjunto de variáveis ambientais, tais como a média anual de temperatura e de precipitação, os pesquisadores estimaram como essas espécies de anfíbios estão distribuídas hoje pelas unidades de conservação na Mata Atlântica.

Com base em quatro simulações climáticas distintas para a América do Sul até 2050, utilizadas no 4º Relatório de Avaliação do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), os pesquisadores estimaram em quais áreas de proteção da Mata Atlântica essas espécies de anfíbios estarão localizadas, levando em conta o tamanho, a forma e a posição geográfica das reservas florestais e as habilidades de dispersão dos animais em raios de 50, 100 e 200 quilômetros ao longo de 30 anos.

Segundo reportagem da Agência Fapesp, as projeções indicaram que os locais climaticamente adequados para a sobrevivência de anfíbios na Mata Atlântica deverão diminuir até 2050. Por isso, até 12% das espécies de anfíbios, localizados principalmente nas porções norte e sudoeste do bioma, deverão entrar em extinção e 88% terão retração da população.

"Isso quer dizer que esses 12% de espécies de anfíbios sofrerão uma contração na população de tal ordem que desaparecerão do bioma. Não são espécies que sairão da Mata Atlântica em direção ao Cerrado ou à Caatinga. Elas realmente podem desaparecer", ressaltou Loyola.

O coordenador explicou que com essa mudança, "em algumas áreas de proteção da Mata Atlântica a diversidade filogenética dos anfíbios poderá aumentar em razão da extinção de espécies muito recentes, o que fará com que espécies basais aumentem sua distribuição pelo bioma". Em outro estudo, os pesquisadores avaliaram se as mudanças climáticas também poderiam alterar a relação evolutiva entre espécies de anfíbios que ocorrem no bioma a fim de verificar se esses animais responderiam às alterações como clados - grupos que partilham um ancestral comum exclusivo - ou como espécies isoladas.

Os resultados apontaram que grupos mais antigos (basais) de espécies de anfíbios, como as cecílias ou cobras-cegas, do grupo Gymnophiona, e o sapo-aru, da família Pipidae, poderão ser afetados positivamente pelas mudanças climáticas e deverão ampliar suas distribuições geográficas pela Mata Atlântica. Já os grupos mais recentes (derivados) de anfíbios, como as pererecas de vidro, da família Centrolenidae, e outras espécies de pererecas, deverão ser severamente impactados e sua distribuição geográfica pelo bioma poderá ser reduzida em até 90%.

Com informações da Agência Fapesp
Postar um comentário