quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Anuidade 2013



Biólogos registrados no CRBio04 que pagarem a anuidade até o dia 28 de fevereiro de 2013 (hoje) terão 30% de desconto (R$258,66). Caso o profissional tenha optado por dividir a anuidade em 3 vezes, dia 28 de fevereiro é a data-limite para pagamento da 2ª parcela (R$98,54).

O boleto já foi enviado por correio para os registrados, mas caso o Biólogo queira imprimir uma 2ª via (tanto de parcela única, quanto de 3 vezes), ele deverá acessar o CRBio04 Online, no canto superior da tela do site www.crbio04.gov.br .

Caso o profissional não tenha recebido o boleto por correio, ele deve entrar em contato com o CRBio04 através do e-mail  tesouraria@crbio04.gov.br

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Retificação de edital para contratação dos serviços de locação e caracterização ambiental de Reserva Legal



A pedido do CRBio04, o edital 2013/01367 de pregão eletrônico do Banco do Brasil foi retificado.

Anteriormente, pessoas jurídicas registradas em qualquer CRBio não poderiam participar do processo licitatório. Agora, a PJ poderá ser registrada no CRBio04 ou em qualquer Conselho Profissional Competente.

O edital visa a contratação dos serviços de locação e caracterização ambiental da Reserva Legal de imóveis localizados no estado de Minas Gerais, visando regularização da Reserva Legal junto ao Instituto Estadual de Florestas - IEF e averbação junto aos Serviços de Registro de Imóveis.

O início do acolhimento de propostas é 07 de março e o limite é no dia 12 de março de 2013.

Mais informações:
http://www.licitacoes-e.com.br/aop/index.jsp (procurar no serviço de busca, no canto direito da página, o seguinte número de licitação: 467932)

21º ConBio



O 21º Congresso de Biólogos do CRBio-01 (21º ConBio), a ser realizado no campus da Universidade Santa Cecília (UNISANTA), em Santos (SP), no período de 14 a 17 de julho de 2013, tem em sua programação 10 Conferências, 09 Mesas-Redondas, 18 Minicursos, 06 Curso de Atualização, a 3ª Mostra de Fotografias e apresentação de Trabalhos Científicos na forma de Painéis, enfocando temas diversos das Ciências Biológicas, que serão objeto do prêmio Drª. Bertha Lange de Morretes.
As inscrições no Congresso e cursos serão realizadas antecipadamente e somente via internet; com trabalho até 24 de maio de 2013 e, sem trabalho, até 28 de junho de 2013.

O CRBio-01, autarquia federal de orientação e fiscalização do exercício profissional do Biólogo, com jurisdição nos estados São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, em função de suas competências legais tem adotado ações possíveis na missão de difundir o conhecimento e buscar o aprimoramento profissional, bem como discutir os problemas e definir os rumos da profissão de Biólogo. Com esse objetivo vem realizando atividades como Cursos de Atualização, Concursos, Simpósios e bianualmente os Congressos de Biólogos do CRBio-01 (ConBio), que no ano de 2013 contará com a sua 21ª Edição.

Mais informações sobre o evento:

Curso Atualização em Direito e Administração de Águas no Brasil



Data
09 a 11 de abril

Local
Brasília – DF

Duração
24h em 3 dias.

Objetivo
Abordar os princípios e as normas desse ramo bastante especializado do Direito, desconhecido da maioria dos profissionais e, às vezes, ignorado até pelos militantes das  áreas hidrológicas.

Mais informações

Estágio Ambev 2013



O Estágio Ambev 2013 está com as inscrições abertas para as turmas de maio, agosto e outubro. É necessário o candidato estar cursando o penúltimo ou último ano do ensino superior (nível Bacharelado) em Biologia ou Ciências Biológicas.

O estagiário deve ter inglês intermediário.

As áreas de atuação são: vendas e industrial (http://migre.me/drMzW). Existem vagas nos principais estados brasileiros. Entretanto, a empresa não menciona quais cargos específicos os graduandos em Biologia ou Ciências Biológicas podem se candidatar. 

IMPORTANTE: Somente candidatos com conclusão da graduação entre julho/2013 e dezembro/2014 serão considerados no processo seletivo.

Para efeito de atendimento aos pré-requisitos, não importa a data da colação de grau, mas a data de términos dos compromissos com a Universidade - aulas, provas etc.

Mais informações:

Darwin Day



A Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da Universidade de São Paulo (USP) realizará no dia 05 de março a primeira edição do Darwin Day.

O evento é uma celebração global da ciência e racionalismo e tem por objetivo a propagação de ideias relacionadas à evolução e ciências biológicas, além do pensamento científico e sua divulgação, não apenas para a comunidade acadêmica, mas para a sociedade em geral.

Participam do evento pesquisadores como Tom Wenseleers (KU Keuven, Bélgica), que falará sobre “Evolution and its role in Science and Society”, e Maria Isabel Landim (Museu de Zooologia da Universidade de São Paulo), com a palestra “Por que celebrar o Dia de Darwin”.

Gratuito e aberto ao público, o Darwin Day ocorrerá a partir das 9 horas no Anfiteatro Lucien Lison, na FFCLRP (Av. Bandeirantes, 3.900, Ribeirão Preto).

Mais informações: www.facebook.com/darwindayrp e (16) 3602-3704.

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Biólogos trabalham para preservar o cambucá na região serrana do RJ



Os biólogos do Projeto Cambucás, desenvolvido no Rio de Janeiro, trabalham para a preservação da espécie imponente, de copa arredondada e de caule forte que é nativa da Mata Atlântica. O desmatamento feito pelo homem colocou o fruto em risco de extinção. O longo tempo de produção faz com que o cambucá não seja uma fruta comercial, o que agrava o problema. Os primeiros frutos começam a aparecer entre 15 e 18 anos.

Um levantamento feito pela bióloga Fabiana Corrêa, coordenadora do Projeto Cambucás, em Cantagalo, na região serrana do Rio de Janeiro, mostrou que há oito exemplares da árvore em terrenos particulares, na zona rural do município, e em áreas próximas. Em uma fazenda da região, que é do século 19, há apenas dois pés de cambucá.

A coordenadora do projeto conta que o objetivo é aumentar o número de árvores. “Uma das ideias do projeto é resgatar o cambucá presente nos quintais para que a gente tenha cada vez mais sítios, chácaras, o quintal da casa e fazendas com cambucá”, diz Fabiana.

O cambucá é da mesma família da jabuticaba. Há várias características em comum entre as duas frutas. Uma delas é o crescimento muito lento. Em áreas de mata fechada, a árvore do cambucá pode chegar a dez metros de altura, mas o tamanho fica um pouco menor em áreas de pomar. Cada fruto tem uma semente e a germinação leva em torno de 40 a cem dias depois de plantada. Os primeiros frutos começam a aparecer entre 15 e 18 anos. Os frutos aparecem geralmente nos meses de dezembro e janeiro, mas alguns pés florescem mais tarde.

Comer o fruto pouco conhecido já se tornou um privilégio para quem tem a oportunidade de experimentar o cambucá. Além de saborosa, a fruta é muito importante para o equilíbrio ecológico. Segundo especialistas, muitas espécies se alimentam do cambucá.

A dona de um sítio Thaís Campanate diz que é tomado cuidado especial para não deixar a árvore morrer. Ela apoia o projeto e afirma que já plantou outras mudas no local. Em 12 anos, muitas pessoas fizeram parte do grupo que luta para não deixar os cambucazeiros desaparecerem da região. A ideia se transformou em um livro infantil que reforça a importância de se preservar essa relíquia da natureza. A inspiração fez José Guilherme, que acompanhou o início dos trabalhos, a escolher a profissão de técnico ambiental.

Fonte: G1

Biólogos implantam chips em bagres do Madeira para monitorar desova



O ciclo de reprodução dos bagres, no Rio Madeira, em Rondônia, começa em dezembro. Para acompanhar o percurso dos peixes pelo Sistema de Transposição de Peixes (STP), os biólogos implantam chip nas espécies. O trabalho é feito em um tanque através de uma micro cirurgia com anestésico. O chip possui um número de série, tipo de identidade do animal e GPS. Após a cirurgia o peixe é retirado do tanque, pesado e medido. O trabalho precisa ser realizado com rapidez.

A pesquisa começou em 2011, mas este ano, de fevereiro a abril, será a primeira vez que piracema dos peixes de couro será acompanhada pelo sistema.

Na região onde está sendo construída a Usina Santo Antônio, em Porto Velho, foi construído há dois anos um canal artificial de um quilômetro de extensão no meio da barragem, onde antes havia a cachoeira de Santo Antônio, para que os peixes pudessem fazer o caminho da desova.

Do tanque o peixe é solto no rio. Num raio de dez quilômetros da usina, os biólogos conseguem monitorar o animal. Por meio de 14 antenas de radiofrequência e uma antena acoplada ao barco utilizado pelos técnicos, o sinal emitido pelo chip é identificado e quando localizado um apito sinaliza onde o peixe está.

"A cada bip é salvo a hora, o local, a data e o código do peixe. Quando passo esses dados para o computador consigo analisar o peixe", explica o biólogo Leonardo Donado Nunes.

Cerca de 370 bagres de 15 espécies diferentes receberam o chip. "Algumas espécies já estão fazendo uma exploração o canal, entram, saem, mas voltam no dia seguinte", diz Alexandre Marçal, biólogo responsável pelo Programa de Monitoramento de Peixes da Santo Antônio Energia, concessionária da usina hidrelétrica.

Fonte: G1

Seminário Sobre Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos



O Seminário Sobre Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos acontecerá nos dias 12 e 13 de março 2013 em Viçosa – MG.

Pretende-se reunir diversas entidades afim de debater sobre os impactos e apontar soluções a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Como o Brasil passou a ter um marco na Gestão do Saneamento Básico, faz-se necessário que os municípios se adequem e adotem estratégias estruturais, administrativas para atender a Legislação e serem habilitados para participar dos editais. 

Mais informações:

I Simpósio sobre Cultivo de Orquídeas



Data
05, 06, 07 e 08 de março de 2013
(Inauguração do orquidário UFC 5/março: 16h) 

Local
Casa José de Alencar
Avenida Washigton Soares, número: 6055 
Bairro: Alagadiço Novo, Fortaleza - CE

Tema Central
Cultivo, Técnicas e Sustentabilidade dos pequenos aos macros empreendimentos do agronegócio com a Orquideocultura.

Objetivo
Buscar mover os estudos do terreno acadêmico do Cultivo de Orquídeas para um encontro com as soluções de mercado.

Mais informações
http://www.aceg.ufc.br/simbraorq/

Campus Fiocruz da Mata Atlântica lança projeto ecológico com o apoio do BNDES



O Campus Fiocruz da Mata Atlântica (CFMA), em Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, deu início ao Projeto de Recuperação e Restauração Ecológica em seu território. Orçado em R$ 2,5 milhões, obtidos junto ao BNDES, o projeto teve origem a partir do diagnóstico do uso e ocupação do solo da região da antiga Colônia Juliano Moreira e na verificação do risco que a forte pressão antrópica exerce sobre a Mata Atlântica na vertente sudeste do Maciço da Pedra Branca, onde está o CFMA. 

Segundo uma das coordenadoras do projeto, a bióloga e doutora em biologia vegetal Andrea Vanini, a proposta é gerar modelos sustentáveis para a restauração florestal e conservação dos serviços ambientais do maciço e têm como foco a revitalização das microbacias dos rios Pavuninha e Engenho Novo ambos, localizados em Jacarepaguá. O projeto também busca o enriquecimento e a proteção da faixa marginal e de áreas de APPs, além da organização de cursos de capacitação em agente de restauração florestal e viveirista, em convênio com o Laboratório de Responsabilidade Sócio-Ambiental do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, coordenado pelo pesquisador João Silva.

Vamos trabalhar abaixo da cota 100, que é a área de preservação situada até o limite de 100 metros de altitude em relação ao nível do mar. Toda esta região do CFMA, que no passado sediou fazendas de cana de açúcar e café, passou por séculos de devastação. Em geral, em 1 hectare de Mata Atlântica encontram-se cerca de 400 espécies de árvores. Aqui, no entanto, estamos encontrando uma média de apenas 50 espécies”, afirma Andrea. Outro problema observado pela bióloga e equipe é a expressiva quantidade de espécies exóticas, como pés de jaqueira e de Jamelão, que serão gradativa e corretamente retirados e substituídos por plantas nativas da Mata Atlântica. 

“Isso tem que ser feito de maneira equilibrada, porque a fauna da região já está acostumada com essas árvores e delas extraem seus alimentos”, diz Andrea, acrescentando que o enriquecimento ambiental é uma das tarefas do projeto. O processo de licenciamento ambiental para a retirada de árvores exóticas está sendo apresentado à Secretaria Municipal do Meio Ambiente, órgão responsável pelo procedimento. Junto com Andrea, no projeto Junto com Andrea, no projeto estão também a bióloga e coordenadora Ivonne San Martin Gajardo, os engenheiros florestais Renata Moysés Carrione e Thiago Souza e o engenheiro agrônomo Marcelo Stumbo.

A sustentabilidade dos projetos de recuperação e restauração ecológica está diretamente relacionada à origem das sementes e à produção de mudas de boa qualidade e alta variabilidade genética. Andrea diz que a coleta de sementes para a produção de mudas será realizada nas áreas no entorno do Parque Estadual da Pedra Branca. As coletas serão restritas as áreas abaixo da cota de 100. As sementes serão catalogadas, armazenadas e semeadas no viveiro do Horto-Escola do CFMA, que está em reforma para abrigar essa atividade, com a utilização de mão de obra local, capacitada nos cursos que são organizados pela equipe técnica do projeto.

Outra parceria, com pesquisadores do Laboratório de Sementes do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, prevê o desenvolvimento de estudos relacionados ao potencial de germinação de sementes de espécies de alto potencial de uso em projetos de restauração florestal. A cooperação, além de oferecer o conhecimento científico por meio de orientação técnica, disponibiliza a estrutura do laboratório de sementes da instituição. Os dados complementarão as informações sobre as espécies presentes no CFMA, sua importância ecológica e grau de ameaça e auxiliarão a definir estratégias de preservação.

Andrea adianta que o Horto-Escola, que será instalado no CFMA, garantirá não somente a produção de mudas para a restauração florestal, mas também o desenvolvimento de atividades pedagógicas para preparação de mão-de-obra qualificada para um mercado de trabalho promissor, que tem crescido bastante na região. Assim, o projeto também pretende constituir uma intervenção social direcionada à população do entorno do CFMA que seja capaz de elevar o nível de formação básica e profissional das comunidades, possibilitando a geração de oportunidades de emprego pela oferta de cursos nas áreas de meio ambiente.

Para a equipe envolvida no projeto de recuperação, a relevância da questão ambiental está expressa nas diretrizes do Plano Diretor do Campus Fiocruz da Mata Atlântica, dentre as quais podem ser citadas a garantia da preservação da biodiversidade; a criação de corredores ecológicos integrando fragmentos vegetais, de forma a facilitar o fluxo de espécies vegetais e animais; e a valorização e preservação dos elementos do patrimônio ambiental. 

O projeto quer restaurar  o ecossistema onde o campus está inserido para que volte a propiciar os serviços naturais, melhore a qualidade de água, previna problemas de abastecimento e reduza a erosão. “Além disso, vamos proteger a flora e fauna da Mata Atlântica, um bioma considerado como um dos hotspots mundiais, ou seja, uma das prioridades para a conservação de biodiversidade no planeta”, resume Andrea.

Fonte: Fiocruz

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Revista Eletrônica das Unidades de Conservação de Minas Gerais



O Instituto Estadual de Florestas (IEF) acabou de lançar a edição piloto da Revista Eletrônica das Unidades de Conservação de Minas Gerais.

A publicação reúne o material produzido pelas próprias equipes das unidades de conservação. “A edição tem o objetivo de divulgar o trabalho realizado nas unidades de conservação estaduais de Minas Gerais”, afirma o diretor de Áreas Protegidas do IEF, Leonardo Cardos Ivo.

Leonardo Ivo observa que o projeto gráfico foi criado de forma a manter a identificação de cada unidade e, ao mesmo tempo, ter o status de publicação oficial do IEF. A revista será disponibilizada num formato comum na internet e poderá ser visualizada em qualquer computador.

Já as unidades de conservação poderão imprimir toda a revista ou somente as páginas que desejarem. “A intenção é preservar a comunicação direta da unidade com as suas comunidades do entorno e parceiros”, explica Leonardo Ivo.

O número zero da Revista Eletrônica das Unidades de Conservação de Minas Gerais está disponível na internet, no endereço: http://migre.me/djNST

Contaminação química das águas pode ser causa de tumores em tartarugas-verdes



Dados coletados pelo Projeto Tamar, que trabalha com conservação de tartarugas marinhas, aponta que cerca de 16% da população de tartarugas-verdes presente na faixa litorânea brasileira sofre do mal chamado fibropapilomatose associado a um vírus que provoca surgimento de verrugas de até 30 centímetros de diâmetro na pele dos animais. Pesquisadores tentam descobrir as causas dessa anomalia e como evitar uma epidemia da doença, provocada pela contaminação dos mares por reagentes químicos.

Apesar das erupções cutâneas serem consideradas tumores benignos, pesquisadores do Centro de Energia Nuclear na Agricultura da Universidade de São Paulo, que analisam a doença, afirmam que a queda da imunidade das tartarugas teria relação com a enfermidade e pode abrir brechas no sistema imunológico para outras doenças.

Segundo os pesquisadores é preocupante a possibilidade de exemplares saudáveis contraírem os tumores devido à convivência com espécimes contaminados, o que aumentaria ainda mais a vulnerabilidade dessas tartarugas.

Para descobrir mais detalhes a respeito, além de buscar formas de prevenção e preservação das tartarugas-verdes, cientistas investigam como resquícios de despejos químicos podem provocar a fibropapilomatose.

De acordo a doutoranda em Ecologia Aplicada na USP, Silmara Rossi, uma das responsáveis pela análise, compostos orgânicos com cloro despejados em rios ou depositados no solo, que entraram em contato com cursos d'água e se encaminharam para o mar, podem ter relação com os casos de tumores nas tartarugas. Segundo ela, pertencem a esse grupo químico os pesticidas, agrotóxicos, além de materiais utilizados na produção de transformadores elétricos. "Esses compostos são persistentes no meio ambiente. Alguns deles foram utilizados na década de 1970, mas ainda tem reflexo na água e no solo", explica Rossi.

O acelerado crescimento das zonas costeiras do país também oferece risco às tartarugas, de acordo com informações do portal de notícias G1. Cecília Baptistotte, da coordenação nacional de Medicina Veterinária do Projeto Tamar, afirma que a prevalência da doença é muito maior em regiões densamente ocupadas, ou seja, que registram maiores índices de lançamento de dejetos de esgoto doméstico, industrial e agrícola.

Fonte: G1

Aproximadamente 50% das zonas úmidas do planeta foram destruídas por ações humanas no século XX



Cerca de 50% de todos os ecossistemas que formam as áreas úmidas foram destruídos pela expansão da ocupação humana ao longo do século XX. A informação consta no relatório da iniciativa Economia dos Ecossistemas e Biodiversidade (TEEB, na sigla em inglês), que apresenta um prognóstico negativo sobre as áreas úmidas, áreas de transição entre os ecossistemas aquáticos e terrestres como pântanos, lagos, manguezais, áreas irrigadas, entre outros. Criado em 2007, a TEEB é elaborada pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) para desenvolver uma análise global sobre o impacto econômico gerado pelas perdas da biodiversidade.

A maior parte das perdas aconteceu entre as décadas de 50 e 80, de maneira diferente em cada parte do mundo. A Europa teve a perda mais significativa: entre 55 e 67% de suas áreas úmidas desapareceram no século passado. "Não obstante o grande valor dos serviços que prestam à humanidade, as zonas húmidas continuam a ser degradadas ou perdidas devido aos efeitos de produção agrícola intensiva, irrigação, extração para uso doméstico e industrial, urbanização, infraestrutura e poluição", aponta o documento do TEEB.

O relatório enfatiza que as zonas úmidas são cruciais na manutenção do ciclo da água que, por sua vez, sustenta todos os serviços dos ecossistemas. A questão da disponibilidade da água é de tamanha importância que a Organização das Nações Unidas declarou 2013 como o Ano Internacional da Cooperação pela Água.

Conforme reportagem do portal O Eco, em 2012, dos 127 países signatários da Convenção de Ramsar - ou Convenção sobre Zonas Úmidas, tratado intergovernamental que estabelece marcos para ações nacionais e internacionais para a conservação e o uso racional de zonas úmidas e de seus recursos naturais -, 28% indicaram que houve piora no estado das zonas úmidas. Apenas 19% dos países apresentaram bons resultados em relação à preservação desses ecossistemas.

Fonte: O Eco

4º Congresso Brasileiro de Genética Forense



A melhoria dos serviços de ciência forense no século XXI e a coleta de amostras para identificação humana são alguns dos temas que serão discutidos no 4º Congresso Brasileiro de Genética Forense, que ocorre entre 7 e 10 de maio no Memorial da América Latina, em São Paulo.

O prazo para a inscrição para o evento com resumo termina no dia 28 de fevereiro.

O congresso é realizado pela Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (EPM/Unifesp), pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FM-USP) e pelo Instituto de Criminalística de São Paulo, com apoio da Sociedade Brasileira de Genética (SBG) e da FAPESP.

A conferência de abertura “O estado da arte do DNA forense” será proferida pelo químico norte-americano John Butler, do National Institute of Standards and Technology (Nist), dos Estados Unidos, que participou do trabalho de identificação das vítimas do 11 de setembro de 2001 em Nova York e é um dos autores mais citados na área de medicina legal e ciência forense.

Mais informações:

Curso no IBB Unesp aprofunda conceitos sobre toxicologia aplicada



O Centro de Assistência Toxicológica (Ceatox), unidade auxiliar do Instituto de Biociências de Botucatu/Unesp (IBB) promove, de 11 a 16 de março, curso de extensão universitária em toxicologia aplicada. São disponibilizadas 70 vagas para estudantes e profissionais das áreas de ciências biológicas, medicina humana, nutrição, ciências agronômicas, zootecnia, física médica, farmácia-bioquímica, enfermagem e medicina veterinária.

Nas 30 horas previstas de duração do curso estão previstos tópicos que abrangem a toxicologia, como seus conceitos básicos, além da toxicocinética (estudo do movimento dos agentes tóxicos após contato com o organismo) e toxicodimâmica (verifica a ação tóxica de substâncias químicas no corpo). Os palestrantes ainda abordarão considerações sobre intoxicação provocada por medicamentos, praguicidas, animais peçonhentos, praguicidas, metais e toxicomania (uso descontrolado e contínuo de substâncias tóxicas ou drogas).

Todos os facilitadores do curso serão pesquisadores e professores da Unesp como Antônio Godinho, Alaor Almeida, João Chaguri e Roberto Inoue, médico da Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB). Todas as aulas serão realizadas na Central de Salas de Aula do IBB, no campus de Rubião Júnior da Unesp. Os horários são das 8 às 12 horas e das 18h30 às 22h30 (de segunda a sexta-feira). No sábado, o conteúdo será passado das 8 às 15h30.

Inscrições para o curso devem ser efetuadas até 8 de março via online pelo site do evento (www.ibb.unesp.br/#!/eventos/). O investimento para a capacitação varia de R$ 50 (graduandos), R$ 75 (pós-graduandos) e R$ 150 (profissionais graduados). No caso de alunos (tanto em graduação quanto pós), é necessária comprovação da matrícula por meio de um comprovante em seus referidos cursos pelo email: fundibio@ibb.unesp.br 

 Informações adicionais podem ser obtidas pelos telefones (14) 3815-3048 ou (14) 3880-0673. Há ainda disponível o email: ceatox@ibb.unesp.br

Serviço
Curso de Extensão em Toxicologia Aplicada
Quando: 11 a 16 de março
Local: Central de Salas de Aula- Instituto de Biociências de Botucatu, campus da Unesp em Rubião Júnior
Quanto: R$ 50 (estudantes de graduação), R$ 75 (estudantes de pós-graduação) e R$ 150 (profissionais da área)

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Perito da Polícia Federal e PCs (Biólogo/Biomédico) – Preparatório + Pós-graduação



Está confirmada para o dia 02 de março, às 10h, em Brasília, a aula inaugural da 5ª turmas da Pós-Graduação em BIOCIÊNCIAS FORENSES + Preparatório para PF e Polícias Civis.

A especialização visa preparar os candidatos com conteúdos específico da PF, PCDF e demais polícias civis, além de conteúdos da prática Forense. O curso é chancelado pela Universidade Católica de Goiás.  

A aula inaugural PERITO CRIMINAL – DESVENDANDO O EXERCÍCIO DA FUNÇÃO terá o renomado Perito Criminal da PCDF Cássio Thyone. 

Faça sua pré-matrícula e reserva de vaga para aula inaugural no site: ifar.com.br - Vagas limitadas. 

Mais informações: 
(61) 3274-7777 / (61) 3347-9538 / (61) 9655-9759 (Marco, Coordenador do Curso)

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Ciclo de Palestras "A Informação e o Meio Ambiente"



Comemorando seus 13 anos de fundação, a Ponto Terra realizará o Ciclo de Palestras "A Informação e o Meio Ambiente", que reunirá em Belo Horizonte jornalistas, autores, editores e outras personalidades ligadas ao universo da informação ambiental.

Data
Quinta, 04 de abril de 2013

Horário
8h30 até 22h

Local
Auditório Fênix da Faculdade de Ciências Humanas da Fumec - Rua Cobre, 200 - Bairro Cruzeiro - BH/MG

Mais informações

Curso Teórico e Prático sobre Técnicas de Levantamento de Fauna para Licenciamento Ambiental



Local
Reserva Ecológica de Guapiaçu - Cachoeiras de Macacu - RJ

Carga Horária
24horas/aula

Data das aulas
10 a 12 de maio de 2013.

Objetivo
Ao final do curso o aluno estará apto a realizar as principais técnicas de levantamento e análise de biodiversidade faunística.

Objetivos Específicos
- Executar as técnicas de captura e identificação de anfíbios,
répteis, aves e mamíferos.
- Executar técnicas de quantificação de fauna.
- Elaborar relatórios de dados de levantamentos faunísticos .
- Complementar a carga horária prática dos cursos de graduação.

Mais informações

Instituto de Ciências Biomédicas da USP seleciona professor


Estão abertas até o dia 5 de março as inscrições para o concurso público para a contratação de um professor doutor na área de Bioinformática e Biologia de Sistemas Aplicada ao Estudo de Parasitas e seus Vetores, no Departamento de Parasitologia do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da Universidade de São Paulo (USP).

Os candidatos deverão ter experiência em Bioinformática e Biologia de Sistemas, mesmo que em outros modelos de estudo. Uma vez contratado, espera-se que o profissional desenvolva projetos aplicados ao estudo de parasitas e seus vetores.

O salário é de R$ 8.715,12.

As inscrições devem ser feitas nos dias úteis (das 9 às 12 horas ou das 14 às 16 horas) na Assistência Acadêmica do Instituto de Ciências Biomédicas - Edifício Biomédicas III, na Cidade Universitária, em São Paulo.

O edital pode ser conferido no endereço www.icb.usp.br/~svacadem/concursos/Editais/edi-par.html

Uso das mídias sociais na ciência



O uso de Twitter, Facebook, YouTube e outras mídias sociais para a divulgação de informações sobre pesquisas científicas foi defendido pelos participantes de um painel sobre comunicação em ciência na reunião anual da American Association for the Advancement of Science (AAAS), realizada de 14 a 18 de fevereiro em Boston, Estados Unidos. O detalhe é que os painelistas eram não apenas comunicadores, mas também cientistas.

Entre os dados apresentados está que a internet ultrapassou os jornais como a segunda maior fonte de notícias (após a televisão) para o público geral nos Estados Unidos. Mas, no caso de informação científica e para quem tem menos de 30 anos, a principal fonte são os veículos on-line.

“Se os cientistas não estão utilizando as mídias sociais, eles simplesmente não estão se comunicando com a maioria da população”, disse uma das palestrantes, Christie Wilcox, do Departamento de Biologia Celular e Molecular da Universidade do Havaí.

“Mais de 680 mil atualizações de status por minuto são compartilhadas pelo Facebook. Em um segundo, o YouTube recebe uma nova hora de vídeo e o Twitter, 4 mil novos tweets. Você pode atingir milhares de pessoas com um único tweet, mas consegue falar com apenas um punhado de pessoas em um dia”, disse.

Até aí, nada de novo, mas o ponto principal é que os cientistas estão atrasados nessa tendência. Apesar do elevado nível de escolaridade e familiaridade com o uso de computadores e de tecnologia, em grande parte dos casos, os pesquisadores estão utilizando menos as redes sociais do que a população geral, de acordo com Wilcox.

“Um levantamento com chefes de laboratório apontou que mais da metade não tinha contas em serviços de mídias sociais. Sem esse alcance, cientistas ficam limitados a quantas pessoas eles podem atingir. Se você está fora das mídias sociais, pode fazer muito barulho, mas poucos serão os que o ouvirão”, disse.

“Quando um cientista escreve um livro a respeito de sua pesquisa, as pessoas que o comprarem serão pessoas interessadas em ciência. São importantes, mas compõem apenas uma pequena parte da população. Por isso, é fundamental atingir aqueles que ainda não se interessam por ciência”, disse outra palestrante, que atende pela alcunha “Scicurious”, com o qual assina um popular blog científico na revista Scientific American.

Com doutorado e pós-doutorado em neurociências, Scicurious salientou que as mídias sociais ajudam a tornar a ciência uma experiência mais próxima do público geral e podem dar aos pesquisadores uma possibilidade de mostrar “sua personalidade fora do laboratório”.

“A maior parte dos cientistas pode não ter tempo de manter um blog, mas felizmente plataformas como o Facebook oferecem maneiras eficientes de compartilhar informações científicas. Com 67% dos internautas usando o Facebook, os pesquisadores têm ali uma forma de atingir uma rede de pessoas com a qual, de outra forma, não poderiam se comunicar”, disse.

Otimismos à parte, a palestrante Dominique Brossard, professora de Comunicação na Universidade de Wisconsin em Madison, concordou com a importância das mídias sociais, mas sugeriu cautela na utilização dessas formas de comunicação para a transmissão de informações científicas.

Em um artigo publicado no Journal of Computer Mediated Communication, Brossard concluiu que o tom dos comentários em um blog ou em um post influencia a percepção dos leitores.

“O ponto principal é que a publicação em mídias sociais é uma comunicação bidirecional. Cada publicação pode vir acompanhada de comentários, que podem ser favoráveis ou contrários ao que se está informando”, disse.

De acordo com Brossard, quando comentários sobre uma pesquisa mencionada em redes sociais são rudes ou depreciativos, os leitores se tornam mais propensos a adotar um ponto de vista negativo a respeito do estudo. “Mas uma série de regras ou diretrizes de uso de mídias sociais, nesse caso, pode mitigar o problema e levar a melhorias na etiqueta on-line”, disse. 

Fonte: Agência FAPESP

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Curso de Legislação Ambiental



Entre os dias 18 e 23 de março, o IETEC irá oferecer o curso de Legislação Ambiental. O curso pretende apresentar aos participantes uma visão geral da estrutura do sistema nacional e estadual de meio ambiente, além de as premissas da política ambiental nos níveis federal e estadual e a sua aplicação nos empreendimentos. 

Poderão participar profissionais que atuam na área de meio ambiente e que necessitam aprofundar seus conhecimentos sobre a Legislação Ambiental brasileira e mineira. As aulas serão realizadas das 18h30 às 22h30, na sede do IETEC (Rua Tomé de Souza, 1065, Savassi, Belo Horizonte - MG). 

Mais informações podem ser obtidas pelos telefones (31) 3223-6251 e (31) 3116-1000, e pelo e-mail cursos@ietec.com.br

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

II REFOREST - Simpósio de Restauração Florestal



Data
07 a 09 de agosto de 2013

Realização
Sociedade de Investigações Florestais

Local
Viçosa (MG)

Objetivo
Promover um fórum de discussão sobre os problemas relacionados à restauração florestal de áreas de preservação permanente, reserva legal e áreas degradadas em geral.

Inscrições com desconto
Até 20 de agosto de 2013

Mais informações

XXVIII Reunião Anual da Federação de Sociedades de Biologia Experimental



Data: 21 a 24 de agosto de 2013

Realização: Federação de Sociedades de Biologia Experimental

Local: Caxambu (MG)

Informações: www.fesbe.org.br

Observação: Está aberto até o dia 22 de fevereiro de 2013, o período para envio de propostas de cursos, módulos temáticos, conferência e simpósios para a XXVIII Reunião Anual de Biologia Experimental.

27° Congresso Brasileiro de Microbiologia



O 27° Congresso Brasileiro de Microbiologia, organizado pela Sociedade Brasileira de Microbiologia (SBM) será realizado no período de 29 de setembro a 03 de outubro de 2013, no Centro de Convenções de Natal, na cidade de Natal, Rio Grande do Norte.

O congesso serão formado por 03 eventos paralelos: II Simpósio Iberoamericano sobre Micro-organismos Fotossintetizantes; XV Simpósio Brasileiro de Micobactérias; II Simpósio de Fermentação Alcoólica.

A data-limite para submissão de resumos é 24 de junho de 2013.

Mais informações:

Biodiversidade – conceito, valores e ameaças



Biodiversidade – conceito, valores e ameaças é o tema da primeira das nove conferências do Programa BIOTA-FAPESP voltadas para a Educação, programadas para 2013. O evento ocorre no dia 21 de fevereiro, das 13h30 às 17 horas no Auditório da FAPESP. 

Os nove encontros programados até novembro de 2013 tratarão de conceitos e ameaças à biodiversidade, dos seis biomas brasileiros – Pampa, Pantanal, Cerrado, Caatinga, Mata Atlântica, Amazônia –, de ambientes marinhos e costeiros e da biodiversidade em ambientes rurais e urbanos. As palestras serão realizadas para grupos de até 180 alunos e professores do ensino médio, alunos de graduação e pesquisadores.

A programação pode ser conferida no site www.fapesp.br/7466 e as inscrições devem ser feitas pelo site www.fapesp.br/eventos/biota_biodiversidade/inscricao

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Curso Administração de Resíduos Sólidos Industriais



Nos dias 18, 19 e 20 de março, profissionais envolvidos no processo produtivo da indústria, além de gerentes de manutenção e de segurança devem participar do curso de Administração de Resíduos Sólidos Industriais. 

Oferecido pelo IETEC, o curso tem como objetivo a fornecer informações essenciais para a gestão dos resíduos industriais dentro das empresas, além de capacitar os profissionais para desenvolver uma estratégia de gestão ambiental. 

As aulas serão realizadas das 18h30 às 22h30, na sede do IETEC (Rua Tomé de Souza, 1065, Savassi, Belo Horizonte - MG). 

Mais informações podem ser obtidas pelos telefones (31) 3223-6251 e (31) 3116-1000, e pelo e-mail cursos@ietec.com.br

Simpósio Brasileiro de Ciências Fisiológicas



Estão abertas as inscrições para a participação na primeira edição do Simpósio Brasileiro de Ciências Fisiológicas, que ocorrerá entre 02 e 04 de maio em Manaus.

Promovido pelo Departamento de Ciências Fisiológicas do Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), o encontro tem como objetivo criar oportunidades de diálogo entre a ciência, a tecnologia e a comunidade e é voltado a alunos de graduação e pós-graduação, professores e pesquisadores das áreas da saúde e ciências biológicas.

O tema do simpósio é “Avanços nas Ciências Fisiológicas” e a apresentação dos trabalhos e as atividades durante o evento ocorrerão na forma de minicursos, conferências, mesas-redondas, apresentações orais e exposições técnico-científicas e institucionais.

O período de submissão de resumos vai até 10 de março. As inscrições pelo site seguem até o dia 26 de abril.

Mais informações e inscrições no site:

A era dos genomas comparáveis



Há pouco mais de uma década quase não havia genomas completos para serem analisados. Hoje faltam programas e mão de obra especializada para dar conta da quantidade de sequências de DNA já depositadas em bases públicas de dados e que saem diariamente de uma nova geração de sequenciadores.

Extremamente velozes, essas máquinas determinam os pares de bases do material genético, as chamadas letras químicas, a um preço milhares de vezes menor do que no início dos anos 2000, quando chegou ao fim a epopeia de sequenciar o primeiro genoma humano.

De olho nesse desafio, o matemático João Meidanis, sócio-fundador da empresa Scylla Bioinformática e professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), investiu numa linha de pesquisa: criar métodos mais simples e eficientes para comparar dois ou mais genomas.

Ao lado de Pedro Feijão, ex-aluno seu de doutorado, formulou em 2009 a base teórica de uma técnica para comparar genomas inteiros denominada single-cut-or-join (SCJ) e, no ano passado, testou-a na prática em genomas de alguns organismos, como plantas e bactérias.

“Com nosso método, podemos comparar facilmente dois ou mais genomas sem aumentarmos exponencialmente o número de cálculos, como ocorre com outras técnicas”, afirma Meidanis. “Assim podemos construir árvores genealógicas e ver quais são os genomas mais próximos e os mais distantes do ponto de vista evolutivo.”

O matemático foi um dos coordenadores de bioinformática do projeto que sequenciou, no ano 2000, o genoma da bactéria da Xylella fastidiosa, causadora da doença do amarelinho nos laranjais. O trabalho rendeu a primeira capa da revista científica Nature a uma pesquisa brasileira.

Para confrontar todo o material genético de uma espécie com o de outra, os pesquisadores têm de recorrer a simplificações. A principal delas é considerar que os genes presentes nos genomas comparados são exatamente os mesmos, embora estejam ordenados de forma diferente na sequência específica de cada organismo.

Partindo desse raciocínio, os métodos para comparar genomas contabilizam o número de rearranjos que teriam sido necessários para que um genoma se transformasse no outro. Esses rearranjos decorrem da movimentação de grandes segmentos de DNA ocorrida ao longo do tempo na sequência original. Dessa forma, quanto menor for o número de rearranjos que separam dois genomas, mais próximos eles se encontram na árvore evolutiva.

Em seu método, Meidanis e Feijão formularam uma definição alternativa para o conceito de ponto de quebra (breakpoint), parâmetro importante para encontrar rearranjos numa sequência e, assim, calcular a proximidade de dois genomas. Ponto de quebra é o local em que há uma interrupção num longo segmento conservado nos genomas que estão sendo comparados.

No ano passado, a dupla ainda refinou outro método de comparação de genomas, mais elaborado que o SCJ. Inicialmente proposta no ano 2000, essa segunda técnica permitia confrontar apenas genomas circulares. Com o aperfeiçoamento, passou também a ser útil para comparar o material genético de cromossomos lineares.

Leia a reportagem completa em: 

Processo Seletivo Semad e IEF – MG (16 vagas para Assistente Ambiental)


A Semad, juntamente com o IEF de Minas Gerais, divulgaram edital destinado a processo seletivo, que visa o preenchimento de vagas para o cargo de Assistente Ambiental.

As inscrições devem ser feitas entre 15 e 27 de fevereiro pelo site www.meioambiente.mg.gov.br (link Processo Seletivo Simplificado/SisemaCurrículo).

O salário previsto é de R$ 2.401,25 e a jornada de 40h semanais de dedicação.

Existem 03 vagas para Biólogos com local de atuação em Belo Horizonte e outras 13 para trabalhar em cidades do interior de Minas Gerais: Teófilo Otoni, Ubá, Montes Claros Sete Lagoas, Varginha, Governador Valadares, Diamantina, Barbacena, Unaí, Uberlândia, Divinópolis, Januária e Patos de Minas.

Todos os inscritos serão avaliados por meio de análise curricular e entrevista. As novas contratações estipuladas pelo edital 001/2013 se darão por tempo determinado.

Mais informações:

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

37º Congresso da Sociedade de Zoológicos e Aquários do Brasil



O 37º Congresso da Sociedade de Zoológicos e Aquários do Brasil será realizado de 13 a 17 de março de 2013, no Beto Carrero World, em Penha – SC. 

O tema desta edição do congresso é: “Zoológicos e aquários: O futuro da conservação”.

Além da programação normal (conferências e palestras), o evento contará com vários minicursos relacionados ao tema.

Mais informações:

8th Latin American Biodeterioration and Biodegradation Symposium (Labs)



O Departamento de Microbiologia, Imunologia e Parasitologia e o Programa de Pós-Graduação em Microbiologia Agrícola e do Ambiente da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), junto com a Sociedade Internacional de Biodeterioração e Biodegradação (IBBS), promovem entre 7 e 10 de abril de 2013 o 8º Labs, um simpósio internacional para debater os avanços científicos na área.

O evento é voltado a pesquisadores da academia, indústrias de tintas, biocidas, materiais de construção em geral, indústria do petróleo e órgãos governamentais preocupados com os efeitos deletérios dos macro ou micro-organismos na deterioração de materiais, assim como nos efeitos benéficos da biodegradação em tratamentos de resíduos.

Mais informações e inscrições: 

Concurso Prefeitura de Dr. Maurício Cardoso – RS (01 vaga para Biólogos)


A Prefeitura Municipal de Doutor Maurício Cardoso – RS lançou edital destinado a concurso público.

As inscrições poderão ser feitas até o dia 22 de fevereiro de 2013, exclusivamente pela internet, através do endereço eletrônico www.alternativeconcursos.com.br .

Biólogos podem concorrer ao cargo Licenciador Ambiental. O vencimento é de R$2.210,77.

A prova escrita objetiva tem previsão para ser realizada no dia 10 de março de 2013 das 9h às 12h na Escola Municipal de Ensino Fundamental Professor Otalisio Hartemink, situada à Rua 15 de Novembro, n.° 730, Centro, no Município de Doutor Maurício Cardoso (RS).

Mais informações:

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

MMA reconhece Mosaico de Áreas Protegidas do Oeste do Amapá e Norte do Pará



O Mosaico de Áreas Protegidas do Oeste do Amapá e Norte do Pará acaba de ser reconhecido pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA). Uma área superior a 12.397.347 hectares compõe, agora, um mosaico formado por Unidades de Conservação (UCs), áreas protegidas e terras indígenas dos dois Estados.

Este é o décimo quarto mosaico reconhecido pelo órgão. O elenco, formado por cinco UCs, uma floresta nacional e três terras indígenas, será administrado por um conselho consultivo, que atuará como instância de gestão integrada e participativa dessas áreas protegidas. Conforme informações do MMA, integram o Mosaico o Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque, a Floresta Nacional do Amapá, a Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Iratapuru, o Parque Natural Municipal do Cancão, a Reserva Extrativista Beija-Flor Brilho de Fogo e as áreas Terra Indígena Wajãpi, Terra Indígena Parque do Tumucumaque e Terra Indígena Rio Paru D'Este.

A partir da publicação da portaria, as instituições que integram o mosaico têm 90 dias para eleger seus representantes no Conselho Consultivo e elaborar o regimento interno. Caberá aos conselheiros propor diretrizes e ações para compatibilizar, integrar e aperfeiçoar as atividades desenvolvidas em cada UC, tendo em vista, especialmente, os usos na fronteira entre as unidades, o acesso a elas, a fiscalização, o monitoramento e avaliação dos planos de manejo, a pesquisa científica e a alocação de recursos provenientes do licenciamento ambiental de empreendimentos com significativo impacto ambiental.

Fernando Lima, técnico especialista do Departamento de Áreas Protegidas (DPA/MMA), explica que a gestão integrada do Mosaico permitirá traçar planos estratégicos comuns para combater problemas ou ameaças recorrentes nas áreas como incêndios, desmatamentos, conflitos fundiários e invasões. Segundo Lima, o planejamento deve levar em conta a composição heterogênea dessa extensa área, formada por diferentes tipos de solo, relevo, clima, vegetação, fauna, flora e água, entre outros elementos. O termo mosaico é usado para representar um modelo de gestão integrada das unidades de conservação e áreas protegidas.

Fonte: AMDA

Desmatamento na Amazônia é responsável pela emissão de até cerca de 25 toneladas de CO2 por metro cúbico de madeira serrada



A derrubada de árvores na Floresta Amazônica é responsável pela emissão de 6,5 a 24,9 toneladas de dióxido de carbono (CO2) por metro cúbico de madeira serrada. A estimativa é uma das conclusões da dissertação de mestrado "Emissão de CO2 da madeira serrada da Amazônia: o caso da exploração convencional", realizada pela arquiteta Érica Ferraz de Campos na Escola Politécnica (Poli) da Universidade de São Paulo (USP). O estudo mostra a emissão de CO2 ao longo de todo o processo de produção da madeira serrada, do corte de toras até seu transporte para o mercado consumidor.

Durante o estudo, a pesquisadora analisou o processo produtivo da madeira serrada na Amazônia, isso é, a transformação das toras em tábuas, por exemplo. "Ele [o processo] é constituído por quatro etapas: extração das árvores, deslocamento delas entre a floresta e a serraria, processamento das toras em produtos serrados e transporte delas ao mercado consumidor, com diferentes graus de impacto ambiental em cada uma. Ao longo dessas etapas, o carbono é liberado principalmente como CO2, a partir da degradação de resíduos de biomassa, gerados na extração e no processamento, e da queima de energia fóssil", explica Ferraz.

Segundo ela, em cada hectare da Floresta Amazônica há entre 200 e 425 (média de 300) toneladas de biomassa seca (madeira livre de água, seca em estufa), que estocam de 98 a 208 (média de 147) toneladas de carbono. "Na exploração convencional, sem manejo, são extraídas de três a nove árvores por hectare, o que representa entre 4% e 14% da biomassa dessa área", conta. "Durante essa primeira etapa do processo, pode ser danificada de 7% a 33% da biomassa florestal para abertura de trilhas, derrubada e retirada da madeira comercial. Essa variação está principalmente relacionada à densidade da vegetação na floresta e procedimentos adotados pelo madeireiro. São resíduos como árvores destruídas, troncos quebrados ou ocos, pedaços de madeira sem aproveitamento comercial, galhos de pequeno diâmetro e folhas, por exemplo, que são abandonados na floresta, onde se decompõe, liberando CO2 para a atmosfera", pontua.

Na segunda etapa do processo, que ocorre nas serrarias, devido ao baixo aproveitamento delas, pelo menos 54% da biomassa das toras são transformadas em resíduos, como pedaços de madeira, cascas, aparas e pó de serragem, que são queimados ou se degradam, transformando-se em outra fonte de CO2. Além disso, em toda a cadeia produtiva é consumida energia fóssil, principalmente óleo diesel, para funcionamento de equipamentos como motosserras, tratores, maquinário de processamento das toras e veículos de transporte que levam as toras da floresta até as serrarias. É a terceira etapa, na qual também é liberado CO2, resultante da demanda energética.

No total, Ferraz estimou que esse processo produtivo libera entre 7,5 e 28,4 toneladas de dióxido de carbono por tonelada seca de madeira serrada. A esse valor, deve-se acrescentar o que é liberado na quarta etapa, que é o transporte do produto entre a serraria e o mercado consumidor. Considerando-se a distância média percorrida legalmente com a madeira amazônica no Brasil, que foi estimada em 1.956 quilômetros, essa etapa libera mais algo entre 0,03 e 0,12 tonelada de CO2 por tonelada de tora processada.

Diante de tais dados, a pesquisadora salienta que o impacto da madeira amazônica serrada não pode ser desprezado, mesmo em casos de exploração legal. Para ela, o modelo convencional de exploração tem que ser revisto, criando-se políticas para minimizar a liberação de CO2 e promover a conservação da floresta.

 Com informações do EcoDebate

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Propostas de edição ao Regulamento Brasileiro da Aviação Civil nº 164 - "Gerenciamento do Risco da Fauna nos Aeródromos Públicos Brasileiros”



A ANAC - Agência Nacional de Aviação Civil está com uma audiência pública em aberto para propostas de edição do Regulamento Brasileiro da Aviação Civil nº 164 (RBAC nº 164), intitulado “Gerenciamento do Risco da Fauna nos Aeródromos Públicos Brasileiros”.

As contribuições deverão ser encaminhadas à Divisão de Relações Urbanas e Meio Ambiente - DRUM da Superintendência de Infraestrutura Aeroportuária  – SIA  por meio de formulário próprio disponível no http://www2.anac.gov.br/transparencia/audienciaspublicas.asp, até as 18h do dia 22 de fevereiro de 2013.

Curso Ecologia de Paisagens


Retificação do Concurso Público Codemig (Cadastro de Reserva para Biólogos)


Graças a solicitação do CRBio04, foi retificado (http://migre.me/d9y4J) o edital do concurso público da  Codemig - Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais.

O cargo Analista de Meio Ambiente agora abrange graduados em Ciências Biológicas.

O local de atuação é em Belo Horizonte (MG).

A remuneração é de R$5.100,00 e o cargo é destinado a cadastro de reserva.

Para inscrever-se, o candidato deverá acessar o endereço eletrônico www.gestaodeconcursos.com.br, entre os dias 07 de fevereiro e 14 de março de 2013.

As provas objetivas serão aplicadas no município de Belo Horizonte (MG), no dia 28 de abril de 2013.

Mais informações:
http://migre.me/d9ya7

Observação: O cargo Analista de Meio Ambiente contempla apenas bacharéis em Ciências Biológicas. O CRBio04 já esclareceu à CODEMIG que portadores de diploma de bacharelado ou licenciado em Ciências Biológicas possuem as mesmas atribuições profissionais perante o Sistema CFBio/CRBios. Dessa forma, o Conselho está aguardando nova manifestação da CODEMIG.

Pós-graduação UNA



A UNA está com inscrições abertas para seus cursos de pós-graduação.

Alguns deles são de interesse dos Biólogos, tais como: Perícia, Auditoria e Análise Ambiental; Gestão Ambiental; Genética da Conservação; Ciências Forense e Perícia; Biotecnologia; Análises Clínicas; MBA em Consultoria e Licenciamento Ambiental; Oncologia, Infectologia e Cardiologia.

As aulas tem previsão para começar em março de 2013 e acontecerão em Belo Horizonte (MG).

Mais informações:

Hora do Planeta 2013



Desde 2009, a WWF Brasil organiza a Hora do Planeta no país. A iniciativa é um ato simbólico, difundido ao redor do mundo, envolvendo governos empresas e população que são incentivadas a apagar as suas luzes por 60 minutos. 

O objetivo é chamar atenção para o aquecimento global. No ano passado, 131 cidades brasileiras aderiram oficialmente ao ato. Em 2013, a Hora do Planeta acontecerá em 23 de março, sábado, às 20h30. 

O vídeo oficial já foi lançado na internet: 

Mata tropical tem 18 mil espécies de artrópodes por hectare



Um esforço sem precedentes, reunindo mais de uma centena de cientistas, esquadrinhou uma floresta tropical do Panamá de alto a baixo na tentativa de responder uma pergunta aparentemente simples: quantas espécies de artrópodes (o grupo dos insetos e aranhas, entre outros bichos) existem ali?

O resultado - nada menos que 18 mil tipos de artrópodes em apenas meio hectare de mata - é a estimativa mais precisa já obtida a respeito da diversidade desses seres, que correspondem a mais de 80% dos animais da Terra. "Até onde sabemos, conseguimos amostrar todos os habitats, do solo da floresta ao alto das árvores, e todos os principais grupos de artrópodes", diz o brasileiro Sérvio Pontes Ribeiro, da Universidade Federal de Ouro Preto, coautor do estudo em edição recente  da revista "Science".

Ribeiro é especialista na diversidade de bichos no chamado dossel superior, a área mais alta da floresta. Paradoxalmente, diz ele, o ambiente nessa região lembra o do cerrado: muita luz solar, pouca umidade e nutrientes mais escassos.

As condições especiais favoreceram a evolução de insetos que põem seus ovos dentro das folhas e formam uma espécie de tumor vegetal nelas - um abrigo mais úmido e nutritivo para elas. Mapeando esse e outros ambientes com vários tipos de armadilhas e redes, os cientistas estimam que, em toda a floresta de San Lorenzo, com seus seis mil hectares, há cerca de 25 mil espécies.

Curiosamente, um único hectare é suficiente para abrigar dois terços desse total. "Essa é a grande mudança trazida pelo nosso estudo", afirma Ribeiro.

"Achava-se que a maioria das espécies de artrópodes existia em espaços muito pequenos. O que nós estamos vendo é que elas ocorrem em áreas amplas e provavelmente precisam de territórios grandes."

A equipe está replicando a metodologia em outros lugares, como a Austrália e Vanuatu, na Polinésia. Com mais dados, a expectativa é que seja possível ter uma ideia mais clara sobre outro número misterioso: quantas espécies, no total, existem na Terra toda.

Fonte: Folha de São Paulo

21º Congresso de Biólogos do CRBio-01 - Transformando o Planeta



O 21º Congresso de Biólogos do CRBio-01 (21º ConBio) será realizado no campus da Universidade Santa Cecília (UNISANTA), em Santos (SP), no período de 14 a 17 de julho de 2013.

A programação do evento conta com conferências,mesas-redondas, mini-cursos, cursos de atualização e apresentação de trabalhos científicos na forma de painéis.

Mais informações: 

VI Congresso Brasileiro de Herpetologia



O VI Congresso Brasileiro de Herpetologia (CBH) acontecerá de 22 a 26 de julho de 2013, em Salvador - BA. 

A programação geral do VI CBH inclui ampla diversidade de assuntos relacionados ao estudo de anfíbios e répteis. Embora esta programação cubra muitos assuntos, a organização do congresso pretende oferecer espaço privilegiado para assuntos aplicados ao tema-alvo do evento – Herpetologia Integrativa.

O evento terá diversas atividades simultâneas, tais como apresentações de trabalhos (painel e oral), palestras, conferências, mesas-redondas, oficinas e concursos.

A data limite para envio de trabalhos é 07 de abril.

Terão descontos as inscrições feitas até o dia 28 de fevereiro.

Mais informações

Curso de Capacitação: Perícia e Licenciamento Ambiental



Data
18 a 22 de Março de 2013

Local
Auditório do Hotel Mangabeiras "ARAÇÁ" (Endereço: Avenida da Feb, 1.275 - Manga, Várzea Grande, Mato Grosso) / Várzea Grande / Mato Grosso

Objetivo
Capacitar estudantes e profissionais para a atuação na Perícia e o Licenciamento Ambiental através do conhecimento dos procedimentos, práticas e aspectos legais da Perícia e Licenciamento Ambiental e das principais ferramentas aplicáveis.

Mais informações

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Seminários de Gerenciamento Costeiro Integrado



Estão abertas as inscrições para o evento Seminários de Gerenciamento Costeiro Integrado, que ocorrerá no dia 27 de março no Campus Experimental do Litoral Paulista da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em São Vicente.

O objetivo do evento é difundir conhecimentos que servirão de base para discussões em apoio ao fortalecimento das políticas públicas voltadas a gestão ambiental costeira.

O evento contará com a realização de ciclos de palestras temáticas, abordando assuntos pertinentes ao tema principal, propiciando aos participantes uma visão global, atual e integrada sobre as questões que envolvem o gerenciamento costeiro no Brasil. Ao final dos ciclos de palestras temáticas, será realizado o Congresso de Gerenciamento Costeiro Integrado.

A programção inclui a conferência de abertura de Antônio Carlos Diegues, da Universidade de São Paulo (USP), e a participação de especialistas e pesquisadores como Adriana Matoso (Fundação Florestal sobre Gestão de Áreas Protegidas na Zona Costeira), Sueli Angelo Furlan (USP) e Iara Bueno Giacomini (Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo).

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Resolução CFBio nº 300/2012 – Requisitos mínimos para atuação do Biólogo




Foi aprovada na 265ª Reunião Plenária do CFBio, realizada no dia 07/12/12, a Resolução nº 300/12 (publicada no DOU de 27/12/2012), que revoga a nº 213/2010, e “Estabelece os requisitos mínimos para o Biólogo atuar em pesquisa, projetos, análises, perícias, fiscalização, emissão de laudos, pareceres e outras atividades profissionais nas áreas de Meio Ambiente e Biodiversidade, Saúde e, Biotecnologia e Produção”. Os artigos 1° e 2° (transcritos abaixo) estabelecem novos procedimentos. 

¨Art. 1º Para fins de atuação em pesquisa, projetos, análises, perícias, fiscalização, emissão de laudos, pareceres e outras atividades profissionais estabelecidas no art. 3º da Resolução CFBio nº 227/2010, nas áreas de Meio Ambiente e Biodiversidade, Saúde e, Biotecnologia e Produção, o egresso que tenha concluído a graduação até dezembro de 2015, nos Cursos especificados no art. 1º da Lei nº 6.684/79, deverá ter cumprido uma carga horária mínima de 2.400 horas de Componentes Curriculares das Ciências Biológicas. 

Parágrafo único. O Biólogo que não comprovar as exigências de carga horária e Componentes Curriculares das Ciências Biológicas no Curso de Graduação, conforme previsto no caput deste artigo, poderá complementar por meio de Formação Continuada em uma das áreas de Meio Ambiente e Biodiversidade, Saúde e, Biotecnologia e Produção, conforme especificado na Resolução CFBio nº 227/2010 e no Parecer CFBio nº 01/2010 - GT Revisão das Áreas de Atuação. 

Art. 2º Para fins de atuação em pesquisa, projetos, análises, perícias, fiscalização, emissão de laudos, pareceres e outras atividades profissionais estabelecidas no art. 3º da Resolução CFBio nº 227/2010, nas áreas de Meio Ambiente e Biodiversidade, Saúde e, Biotecnologia e Produção, o egresso dos Cursos especificados no art. 1º da Lei nº 6.684/79, 
que concluir a graduação após dezembro de 2015, deverá atender carga horária mínima de 3.200 horas de Componentes Curriculares das Ciências Biológicas. 

Parágrafo único. O Biólogo que não comprovar as exigências de carga horária e Componentes Curriculares das Ciências Biológicas no Curso de Graduação, conforme previsto no caput deste artigo poderá complementar por meio de Formação Continuada em uma das áreas de Meio Ambiente e Biodiversidade, Saúde e, Biotecnologia e Produção, conforme especificado na Resolução CFBio nº 227/2010 e no Parecer CFBio nº 01/2010 - GT Revisão das Áreas de Atuação.” 

Fonte: CFBio