sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Lista Vermelha ganha novos animais na categoria ameaçados de extinção



A Lista Vermelha dos animais ameaçados de extinção da União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês) aumentou. A organização incluiu animais como o ocapi (Okapia johnstoni), símbolo nacional da República Democrática do Congo, e o frango-d'água-d'asa-branca (Sarothrura ayresi), um dos pássaros mais raros da África na relação de espécies ameaçadas de extinção.

A IUCN informou que houve um sério declínio na população do ocapi. A espécie agora é classificada como ameaçada, um passo antes de ser considerada altamente ameaçada de extinção. A perda de habitat, presença de rebeldes em áreas de floresta do Congo, além de caçadores de elefantes e mineiros ilegais seriam as principais causas de perda de espécimes, conforme reportagem do portal G1.

Segundo atualização da lista, quase 200 espécies de pássaros estão incluídas na categoria criticamente em perigo. O pequeno frango-d'água-d'asa-branca, encontrado em regiões da Etiópia, Zimbábue e África do Sul, foi a mais recente espécie a ser agregada nessa categoria. A destruição de seu habitat, além da conversão de áreas para agricultura que provoca, muitas vezes, um déficit hídrico, prejudicaram essa ave.

A IUCN também divulgou boas notícias no estado de preservação de alguns animais. A tartaruga-de-couro (Dermochelys coriacea), uma das maiores da Terra, saiu da categoria criticamente ameaçada e foi reclassificada para vulnerável.

Duas espécies de albatroz também correm risco menor de extinção devido ao aumento de suas populações. O albatroz-de-sobrancelha (Thalassarche melanophrys) e o albatroz-patinegro (Phoebastria nigripes) passaram de espécies vulneráveis para quase ameaçadas.

Outro animal que também corre menos risco de desaparecer da natureza é a a raposa-das-ilhas (Urocyon littoralis), nativa de seis das oito ilhas do arquipélago da Califórnia.

A Lista Vermelha já conta com 71.576 espécies cadastradas, sendo 21.286 consideradas ameaçadas de extinção.

Fonte: G1
Postar um comentário