quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

COP 18: Protocolo de Kyoto é renovado até 2020



Após doze dias de negociações ferrenhas na Conferência da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre Mudanças Climáticas (COP 18), em Doha, no Qatar, cerca de 200 países concordaram em renovar a validade do Protocolo de Kyoto até 2020. O Protocolo, única ferramenta vinculante para reduzir as emissões de gases de efeito estufa que provocam o aquecimento do Planeta, foi assinado em 1997 e expiraria no final deste ano.

Apesar do acordo, o novo alcance do Protocolo é ainda menor do que em sua primeira edição. Japão, Rússia, Canadá e Nova Zelândia se recusaram a assiná-lo porque queriam que países emergentes como Índia, China e Brasil também tivessem metas a cumprir, o que não é previsto pelo documento. Os Estados Unidos nunca ratificaram o Protocolo de Kyoto.

Dessa forma, o grupo comprometido com as metas do documento se reduz a 36 países: Austrália, Noruega, Suíça, Ucrânia e todos os integrantes da União Europeia. Juntos, eles respondem por apenas cerca de 15% do total de emissões de gases estufa de todo o mundo. Com o acordo deste sábado (08), é possível que novas metas sejam estabelecidas já em 2014. A União Europeia, por exemplo, já prometeu reduzir suas emissões em até 20%, em comparação com os dados de 1990.

O financiamento de US$ 10 bilhões por ano a serem doados pelos países desenvolvidos para auxiliar o combate à mudança climática nas nações em desenvolvimento foi mantido. Contudo, segundo informações do portal de notícias G1, os países desenvolvidos não conseguiram apresentar um planejamento de como eles alcançarão essa soma, que é prevista para a partir de 2020.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, acredita que o novo acordo sobre o aquecimento global é apenas um primeiro passo e que os governos devem fazer "muito mais" para conter o aumento da temperatura.

Paris 2015

Quando o Protocolo de Kyoto perder sua validade em 2020, as nações pretendem colocar em prática um novo acordo que estabeleça metas para todos os países. Esse será o tema da próxima grande reunião que acontecerá em 2015, em Paris, na França. O maior desafio dos negociadores será incluir os dois maiores poluidores do planeta: China e Estados Unidos.

Antes de Paris, encontros preliminares serão realizadas em 2013 e 2014; o primeiro está marcado para abril de 2013, em Bonn, na Alemanha.

Fonte: AMDA
Postar um comentário