quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Cinco animais brasileiros estão na lista dos cem mais ameaçados de extinção do mundo



Cinco espécies de animais brasileiros foram classificados entre os cem mais ameaçados de extinção em todo o mundo de acordo com lista elaborada pela Sociedade Zoológica de Londres. Esta é a primeira vez que mais de oito mil cientistas se reuniram para avaliar animais, plantas e fungos que mais correm riscos de desaparecerem ao redor do globo. A lista contém espécies encontradas em 48 países diferentes.

De acordo com a lista, as espécies brasileiras ameçadas de extinção são macaco muriqui-do-norte (Brachyteles Hypoxanthus); pássaro soldadinho-do-Araripe (Antilophia bokermanni); duas borboletas (Actinote zikani e Parides burchellanu); e uma espécie de preá (Cavia intermedi).

O muriqui-do-norte, maior macaco das Américas, só encontrado na Mata Atlântica, no Sudeste do país, é um dos destaques da lista. Sua população é calculada em menos de mil macacos, principalmente em algumas dezenas de reservas privadas e do governo. Conforme acentuado no relatório, "o desmatamento em larga escala e um passado de corte seletivo de madeira reduziu o ecossistema único do muriqui-do-norte para uma fração de sua extensão original, e as pressões de caça também afetaram as populações locais".

Já a população do soldadinho-do-araripe, ave de cerca de 14 centímetros que vive apenas na Chapada do Araripe, no Ceará, é calculada em 779 indivíduos. O relatório afirma que a principal ameaça é a "destruição do hábitat devido à expansão da agricultura, unidades de recreação e parques aquáticos".

Segundo divulgação do portal de notícias G1, o preá Cavia intermedia, que existe apenas nas Ilhas Moleques do Sul, em Santa Catarina, tem população de apenas 40 a 60 indivíduos. Para a Sociedade Zoológica de Londres, deve haver mais fiscalização no parque estadual onde estão as ilhas, além de regulamentação do acesso à área.

A lista de 100 espécies mais ameaçadas inclui ainda a borboleta Actinote zikani, que vive na Serra do Mar, perto de São Paulo, e a Parides burchellanus, com uma população de menos de 100 indivíduos no Cerrado brasileiro.

Fonte: AMDA
Postar um comentário