sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Consciência ambiental dos brasileiros quadruplicou nos últimos vinte anos


De acordo com a segunda edição da pesquisa "O Que o Brasileiro Pensa do Meio Ambiente e do Consumo Sustentável", realizada este ano, a consciência ambiental dos brasileiros quadruplicou. Além disso, eles se mostraram mais dispostos em relação a atitudes ambientalmente corretas e preocupação com o consumo.

Na primeira edição da pesquisa, realizada em 1992, durante a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, 47% dos entrevistados não sabiam identificar problemas ambientais. Este ano, apenas 10% ignoravam a questão.

Ao longo de duas décadas, os mais jovens e os mais velhos são os que menos conhecem a realidade ambiental, mas a consciência aumentou. Conforme divulgado pelo jornal Estado de Minas, há 20 anos, quase 40% dos entrevistados entre 16 e 24 anos não opinaram sobre problemas ambientais, assim como mais de 60% dos brasileiros com 51 anos ou mais. Este ano, as proporções caíram para 6% entre os jovens e 16,5% entre os mais velhos.

Na média nacional, 34% sabem o que é consumo sustentável atualmente. Nessa projeção, a população da Região Sul mostrou-se mais engajada ambientalmente. Mais da metade dos sulistas detém conhecimento sobre o que é consumo sustentável.

A pesquisa foi feita por amostragem pelo instituto CP2 em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma). Ao todo, 2.201 pessoas, maiores de 16 anos, foram entrevistadas. A margem de erro é de 2,5 pontos percentuais, para mais ou para menos.

Desafios ambientais

A questão relacionada ao lixo foi um dos problemas que mais ganhou posições no ranking dos desafios ambientais apontados pelos brasileiros. O destino, seleção, coleta e outros processos relativos aos resíduos que preocupavam 4% das pessoas entrevistadas em 1992, agora são alvos da atenção de 28% dos cidadãos. Este ano, 48% dos entrevistados, principalmente nas regiões Sul e Sudeste, afirmaram que fazem a separação dos resíduos nas residências.

Na análise geral do país, segundo informações do jornal, os índices ainda são baixos, sendo que menos de 500 municípios têm coleta seletiva implantada. Por outro lado, a separação do lixo é um hábito de quase 80% das pessoas que vivem na Região Sul atualmente e de mais da metade dos moradores de cidades do Sudeste. No Norte e Nordeste, mais de 60% não separam resíduos.

O desmatamento das florestas continuou no topo da lista elaborada pelos entrevistados. "O bioma Amazônia continua sendo considerado o mais ameaçado na opinião das pessoas", disse Samyra Crespo, secretária de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental do Ministério do Meio Ambiente, comparando as edições da pesquisa. Em 2006, por exemplo, 38% dos entrevistados estavam dispostos a contribuir financeiramente para a preservação do bioma. Este ano, o índice cresceu para 51%.

No decorrer dos últimos vinte anos, a população também mudou a forma como distribui as responsabilidades acerca do meio ambiente. "Em 1992, o governo federal era o maior responsável. Isso vai diminuindo e a responsabilidade foi sendo atribuída às prefeituras. Continua a tendência a achar que é o governo federal, mas cada vez mais o governo local é priorizado", disse a secretária.

Região Norte: 73% dos entrevistados nunca ouviram falar em consumo sustentável

Apesar da consciência ambiental do país ter quadruplicado nesses vinte anos, a pesquisa "O Que o Brasileiro Pensa do Meio Ambiente e do Consumo Sustentável" apontou que 73% dos entrevistados da Região Norte nunca ouviram falar em consumo sustentável e somente 12% declararam estar bem informados sobre meio ambiente e ecologia.

Sobre desenvolvimento sustentável e Rio+20, Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável realizada em junho deste ano no Rio de Janeiro, 22 em cada 100 brasileiros afirmam ter ouvido falar da Conferência. O baixo índice é justificado por se tratar de um evento especializado e com temas que não são de caráter popular. A maior parte dos entrevistados que afirmou conhecer a Rio+20 está no Sudeste (49%) e os menores percentuais correspondem às regiões Norte (6%) e Centro-oeste (5%).

Contudo, a pesquisa mostrou que conceitos importantes ligados ao meio ambiente como "desenvolvimento sustentável", "consumo sustentável" e "biodiversidade" passaram a fazer parte do vocabulário de diversos brasileiros, especialmente os mais escolarizados e moradores de áreas urbanas.

Fonte: AMDA
Postar um comentário