sexta-feira, 20 de julho de 2012

Projetos brasileiros de conservação da biodiversidade recebem premiação



As melhores iniciativas de empreendedores da conservação brasileira, ou seja, projetos que buscam a preservação da biodiversidade, foram premiados pelo programa Empreendedores da Conservação (E-Cons). Os seis vencedores estavam incluídos nos biomas Cerrado, Amazônia, Pantanal, Caatinga e Mata Atlântica. Os representantes dos projetos dividirão R$1 milhão em seus trabalhos de preservação.

"É uma nova abordagem. Valoriza indivíduos com ações inspiradoras e com potencial de se expandir e ter desdobramentos concretos", explica Clóvis Borges, diretor executivo da ONG Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental (SPVS), que comanda a iniciativa junto com o HSBC.

Bicudinho-do-brejo

Vencedora da Mata Atlântica, a bióloga Bianca Reinertela se encantou por um pássaro exclusivo de parte do Paraná e de Santa Catarina: o bicudinho-do-brejo, ameaçado sobretudo pela destruição de seu habitat. Em 2009, ela e outras quatro pessoas compraram uma área na região de Guaratuba (PR), um dos pontos com maior concentração do pássaro, e a transformaram em Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN).

Área de proteção

A também vencedora do bioma Mata Atlântica, mas na categoria urbana, Terezinha Vareschi mora em uma área de 36 mil metros quadrados de mata nativa em plena Curitiba. Ela decidiu ignorar a pressão da especulação imobiliária e transformou seu terreno em área de proteção. Em 2011, criou com outros proprietários a Associação dos Protetores de Áreas Verdes Relevantes de Curitiba e Região Metropolitana (Apave), que se reúne para discutir e cobrar soluções para incentivar os proprietários a preservarem as áreas de mata restantes.

Lobo-guará

Preocupado com a matança de Lobos-guarás por parte de fazendeiros, irritados com as constantes invasões que esses animais fazem a seus galinheiros, o biólogo Jean Pierre Santos, vencedor da categoria Cerrado, usou a criatividade para tentar resolver o problema. Ele desenvolveu um modelo de galinheiro diferente, praticamente à prova de Lobos-guarás. Com isso, as mortes dos canídeos foram sensivelmente reduzidas. O novo galinheiro já é replicado em várias outras localidades.

Soldadinho-do-araripe

Na Caatinga, Weber Andrade de Girão e Silva tenta, há 15 anos, salvar o Soldadinho-do-araripe, passarinho endêmico da chapada do Araripe, no Nordeste. Ele se dedica à conscientização de moradores e à preservação das áreas de florestas e nascentes de rio onde os animais se reproduzem.

Papagaio-verdadeiro

No Pantanal, o tráfico de animais silvestres é uma das maiores ameaças e o Papagaio-verdadeiro, uma de suas maiores vítimas. A vencedora no bioma, a zootecnista Gláucia Seixas, comanda há 15 anos um projeto para preservar a espécie em seu ambiente natural. Ao longo do tempo, outras espécies foram incorporadas a iniciativa.

Escola da Amazônia

Por acreditar que o desmatamento é, em sua raiz, um problema de educação, o biólogo Silvio Marchini, vencedor do bioma Amazônia, criou em 2002 a Escola da Amazônia. O projeto já atendeu mais de duas mil crianças no chamado arco do desmatamento, uma das áreas mais críticas de destruição da mata. Além de conscientizar os jovens sobre a importância social e econômica de manter a floresta de pé, Marchini está envolvendo pessoas de outras regiões, chamando a atenção para a situação da conservação no bioma.

Fonte: AMDA
Postar um comentário