sexta-feira, 27 de julho de 2012

Principal mecanismo de conservação da biodiversidade do país completa 12 anos



Sistema de Unidades de Conservação da Natureza (Snuc), principal mecanismo de conservação da biodiversidade do país, completou, na última quarta-feira (18), 12 anos de existência. Atualmente, o Snuc contém 1.649 áreas de preservação em todo o país, o que representa 1,5 milhão de quilômetros quadrados (km²) de terrenos protegidos.

Os presentes na comemoração dos 12 anos do Snuc salientaram os resultados alcançados como um marco de sucesso da implantação do sistema, estabelecido pela Lei nº 9.985/2000. "Raríssimos países tiveram uma iniciativa tão ambiciosa e conseguiram executar o que o Brasil executou com o Snuc. Será necessário, agora, levar esse conceito inovador para uma próxima etapa", avaliou o secretário de Biodiversidade e Florestas, Roberto Cavalcanti.

Para o presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Roberto Ricardo Vizentin, é preciso elevar o Snuc para o centro da agenda do país. "As unidades precisam ser compreendidas como elemento estratégico do desenvolvimento, pois são elas que qualificam esses inúmeros serviços ambientais, levando esse projeto de desenvolvimento rumo à sustentabilidade", afirmou Vizentin.

Vizentin pontuou ainda sobre a dificuldade de conscientizar a sociedade acerca da importância das Unidades de Conservação (UCs). "Um de nossos maiores desafios para a consolidação do SNUC ao longo dos anos é aproximar as unidades de conservação da sociedade, em um contrato social de pertencimento e co-responsabilidade entre ambos. É aí que entra a importância das consultas públicas para criação de novas unidades e dos conselhos, instâncias nas quais a participação social se dá de forma efetiva", ressaltou.

O ministro interino do Meio Ambiente, Francisco Gaetani, alertou que o sistema enfrenta uma série de desafios. "A lei é um grande avanço. Mas será preciso compatibilizar a vontade e a ciência com uma visão de longo prazo", pontuou.

Quatro linhas de ação devem ser consideradas nas iniciativas que darão continuidade à implantação do SNUC. De acordo com o ministro, o processo tem de contemplar a variedade de modelos de gestão das UCs, a compensação ambiental, o método de criação de novas áreas e a revisão das que já existem.

Funbio investirá em projetos de conservação da biodiversidade

O Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio) lançará, em setembro deste ano, edital para selecionar projetos que possuam atividades voltadas para Unidades de Conservação, manejo de paisagens e de espécies nativas, para capacitação e que beneficiem comunidades locais. O Funbio dispõe de R$ 7,5 milhões para investir nas iniciativas que atenderem às exigências desse edital.

Haverá ainda abertura para nova seleção de propostas destinadas aos biomas Mata Atlântica e Caatinga, via edital, no valor total de R$ 2,2 milhões para executar projetos ambientais.

Este ano, já foram selecionados três projetos de apoio às redes socioambientais do Cerrado no valor de R$ 1,1 milhão.

Fonte: AMDA
Postar um comentário