sexta-feira, 15 de junho de 2012

Nordeste de Minas ganha sua primeira unidade de conservação



No dia 1º de junho, a cidade de Teólio Otoni foi palco de evento para anunciar a criação da Área de Proteção Ambiental (APA) do Alto do Mucuri, a primeira unidade de conservação no Nordeste de Minas, e lançar o livro "Expedição Mucuri", produzido pelo Movimento Pró Rio Todos os Santos e Mucuri. A solenidade contou com a presença do secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Adriano Magalhães, e da presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Mucuri, Alice Godinho.

Para Alice, que também é presidente da ONG Movimento Pró-Rio Todos os Santos e Mucuri, a criação da APA tem importância especial: há anos ela se dedica às causas ambientais de uma das regiões mais carentes e ambientalmente castigadas de Minas, o Vale do Mucuri, marcado por inúmeros contrastes e pelo baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). A criação da unidade de conservação foi possível graças a um trabalho de articulação com prefeituras, governo de Minas, Ministério Público e outras instituições.

"Vínhamos lutando pela criação dessa unidade há anos. Afinal, trata-se de uma região muito degradada e nosso temor era perder os últimos fragmentos florestais ainda conservados," diz Alice à Revista Ecológico.

Um dos méritos do trabalho desenvolvido pelo Movimento Pró-Rio Todos os Santos é a forte interação com as comunidades, pilar que também foi decisivo no processo de criação da APA. "Não queríamos uma unidade de conservação que não fosse conhecida e desejada pela população do entorno. Por isso, tivemos o cuidado de interagir de forma direta com as comunidades vizinhas. A população tem de ser a parceira número um em todas as ações e projetos. Só assim, entende a importância da nova APA na vida de cada morador, inclusive do ponto de vista econômico, por meio da participação em projetos de conservação ambiental e de geração de emprego e renda," explica a ambientalista.

Já a publicação "Expedição Mucuri", lançada no evento, traz informações, mapas, gráficos e fotografias de cada município da bacia do rio de mesmo nome.  Ela é resultado de expedição realizada em 2007, que percorreu, durante 17 dias, os 321 quilômetros de extensão do rio principal e seus seis afluentes. De acordo com Alice Godinho, o objetivo da expedição foi conhecer os municípios, seus valores naturais e culturais, mobilizar a sociedade local e discutir e incentivar a criação do Comitê da Bacia Hidrográfica, que se concretizou em 2008.

Fonte: AMDA
Postar um comentário