segunda-feira, 28 de maio de 2012

Cães modernos parecem pouco com seus ancestrais



Uma análise feita por cientistas da Universidade Durham, no Reino Unido, mostra que, geneticamente, os cachorros modernos apresentam poucas similaridades com os seus ancestrais.

Os cães foram os primeiros animais domesticados pelo homem e conhecer seus antecedentes pode levar a informações que elucidem um ou outro aspecto do desenvolvimento da civilização humana.

O "melhor amigo do homem", da mesma forma que seu dono, está condicionado às interferências do ambiente. A população canina, por exemplo, sofreu os efeitos da Primeira e Segunda Guerra Mundiais, afirmaram os envolvidos na pesquisa.

Mas a dificuldade de estudá-los é ainda maior por um detalhe que faz toda a diferença: os vários cruzamentos de raça que foram realizados durante milhares de anos. Isso faz com que muito pouco ainda se saiba sobre eles, como, quando e onde se deu a domesticação.

De acordo com a pesquisa, akita, galgo afegão e sharpei, raças classificadas como antigas, estão tão perto de se parecer com o primeiro cão doméstico como qualquer outra.

"Tanto a aparência quanto o comportamento dos cães modernos seriam estranhos para nossos ancestrais, que viveram há algumas centenas de anos", afirmou o biólogo Greger Larson, um dos autores da pesquisa.

O estudo também sugere que, dentro dos 15.000 anos de história de domesticação canina, o ato de tornar os cães mascotes começou apenas a 2.000 anos. Antes disso, eles eram utilizados apenas para trabalhos específicos.

ISOLADOS

Pesquisas anteriores afirmavam que diversas raças, como basenjis, salukis e dingos, por possuirem uma assinatura genética diferente, seriam a evidência da herança ancestral.

Mas a análise atual mostrou que essa diferença se deu por causa de um isolamento geográfico, já que elas não fizeram parte dos clubes de canis do século 19, onde a mistura de linhagens resultou nas atuais raças caninas.

Segundo os cientistas, o barateamento e agilidade das tecnologias de sequenciamento de DNA poderão levar a novas revelações sobre a domesticação e a evolução dos cães.

Fonte: Folha Online
Postar um comentário