segunda-feira, 9 de abril de 2012

Profissões verdes terão 25 milhões de vagas


Gostar do meio ambiente e ser engajado na preservação das florestas e do clima são fortes ferramentas para garantir uma vaga na economia verde, que atualmente emprega 2.970 milhões de pessoas e deve abrir 25 milhões postos de trabalho até 2030, segundo estimativa da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que antecipou um estudo sobre o setor ao Estado.

"O mercado é bastante promissor, vem se fortalecendo e abrindo outros nichos de atuação. Tenho uma equipe multidisciplinar que conta com economista, biólogo, engenheiro, jornalista, entre outros", diz a diretora-executiva do Fundo Vale, Mirela Sandrini.

Criado em 2009 pela Vale, o Fundo Vale é uma instituição sem fins lucrativos que apoia programas que buscam soluções para combater o desmatamento e a degradação florestal em países em desenvolvimento.

A executiva acredita que as áreas mais promissoras atualmente são: operação de manejo florestal, biotecnologia, tecnologia e sustentabilidade.

Segundo a assistente de orientação e informação profissional do Centro de Integração Empresa Escola (CIEE), Giovana Cecília de Souza, um estudo feito no ano passado apontou que foram abertas duas mil vagas de estágios na área ambiental em 2011. "E a previsão é de que neste ano as oportunidades aumentem ainda mais", comenta.

De acordo com o coordenador de empregos verdes da OIT, Paulo Muçouçah, há oportunidade para todas as áreas. "As profissões verdes não são novas. Todas as áreas que têm alguma ligação com o impacto ambiental são consideradas verdes", conta.

Ele cita alguns dos segmentos em potencial: saneamento, produção de energia renovável, que envolve cultivo de cana de açúcar e hidroelétricas, gestão de resíduos urbanos ou industriais, transporte e logística - por conta da atuação de profissionais com foco em soluções para reduzir o consumo de combustível e no desenvolvimento de produção sustentável e ecodesign.

A diversidade de atuação na área é grande. A publicitária Ana Paula Juliato, de 29 anos, participou da criação da marca Recicla Kids, com cinco personagens que têm o objetivo de ensinar às crianças a importância da reciclagem na preservação do meio ambiente. "Fala-se muito que a preservação do meio ambiente está nas mãos das crianças, mas nunca mostramos para elas o que está acontecendo e o que podem fazer para contribuir", diz.

Segundo Ana Paula, hoje gerente de marketing e produtos da marca Recicla Kids, a melhor forma de falar com este público é investir em produtos ligados a computador e tevê. "Por isso criamos um site com jogos e aplicativos para smart TV. E estamos negociando com canais de tevê aberta e fechada para criarmos um desenho com a turma."

A economista Inessa Salomão, de 35 anos, trabalha há quatro anos em projetos voltados ao meio ambiente. E desde dezembro último integra o grupo de Mirela no Fundo Vale. "Fiz doutorado na área e sempre trabalhei no desenvolvimento de projetos. O mercado brasileiro é bastante promissor e necessita de profissionais em todas as regiões. Quem entrar vai se dar bem."

A opinião de Inessa é compartilhada pela advogada ambiental do escritório do Barbosa, Mussnich & Aragão Advogados (BM&A) Miriam Mazza Kopke Quadros. "Comecei a atuar nesta área no meu estágio e não abandonei mais. As empresas estão percebendo a necessidade de se adequar ao código florestal, principalmente com a entrada de investimentos estrangeiros. Quem está se formando em direito deve olhar com mais atenção para o ramo ambiental."

A professora e bióloga especialista em gestão de sistemas florestais Nadja Soares de Moraes, de 46 anos, acredita no potencial do mercado de trabalho, principalmente no setor privado. "Atuo há 15 anos na área. No começo da minha carreira não se ouvia falar em sustentabilidade. Hoje, a maioria das empresas necessita de certificação para a sua atividade e busca profissionais especializados no assunto."

Fonte: Estadão
Postar um comentário