segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Pesquisadores do RS que estavam na Antártida estão bem, diz Universidade



Entre os brasileiros que estavam na Estação Antártica Brasileira Comandante Ferraz, que pegou fogo durante a madrugada de sábado (25), na Antártida, três pesquisadores representavam a Universidade do Vale do Sinos, a Unisinos, de São Leopoldo (RS). De acordo com a instituição, que se manifestou através de seu site, todos passam bem e devem chegar ao Brasil no início desta semana.

A equipe da Universidade contava com um funcionário biólogo, do laboratório de Zoologia; uma graduanda de Biologia; e uma mestranda de Biologia. As duas têm, respectivamente, bolsas de Iniciação Científica e Capes pelo Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia Antártica de Pesquisas Ambientais. "Eles não sofreram nada no incêndio e logo foram retirados do local e transferidos para a base chilena", informou a Universidade.

Um avião modelo Hercules C130 da Força Aérea Brasileira (FAB) fez voo emergencial para resgatar os brasileiros e levá-los até uma base no Chile. A aeronave também transportava doações. A Universidade Federal do Rio Grande (Furg) prestou apoio com 20 kits com roupas e calçados especiais para temperaturas extremas. O voo contará com tripulantes da FAB e membros da Secretaria da Comissão Interministerial para os recursos do mar.

Entre os pesquisadores do Rio Grande do Sul que estavam na estação na Antártida haveria, ainda, representantes da Universidade Federal do Pampa (Unipampa), mas o G1 não conseguiu informações em contato com a instituição na manhã deste domingo (26).

Ao todo, estavam em Punta Arenas à espera de resgate 30 pesquisadores, um alpinista que auxilia nos estudos, um representante do Ministério do Meio Ambiente e 12 funcionários do Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro.

O incêndio começou por volta das 2h (horário de Brasília) na praça de máquinas. Dois militares morreram e um ficou ferido. Um inquérito foi instaurado para apurar as causas do acidente.

Fonte: G1
Postar um comentário