quarta-feira, 31 de agosto de 2011

XIV Congresso Latino-Americano de Ciências do Mar


A Associação Latino-Americana de Pesquisadores em Ciências do Mar – ALICMAR e a Associação Brasileira de Oceanografia – AOCEANO irão realizar a décima quarta edição do Congresso Latino-Americano de Ciências do Mar – XIV COLACMAR, a ser realizado entre os dias 30 de outubro e 04 de novembro de 2011, na cidade de Balneário Camboriú, litoral centro-norte do Estado de Santa Catarina.

O evento conta com simpósios temáticos (workshops), palestras, Conferências, apresentação de trabalhos técnico-científicos, cases e mini-cursos.

Terão descontos as inscrições feitas até o dia 10 de outubro.

Mais informações:

XXIX Congresso Brasileiro de Zoologia - CBZ


A Sociedade Brasileira de Zoologia e o Instituto de Biologia da UFBA irão promover, nos dias 05 a 09 de março de 2012, o XXIX Congresso Brasileiro de Zoologia (CBZ).

O tema do evento será “Biodiversidade e Memória”.

A Comissão Organizadora do XXIX CBZ oferece 25% de desconto nas inscrições feitas até 30 de setembro de 2011. Esta é a mesma data o prazo final de submissão de trabalhos.

Mais informações:

The International Symposium on Fish Endocrinology


Mais informações:

XVII Congresso Brasileiro de Engenheira de Pesca - CONBEP


O XVII Congresso Brasileiro de Engenheira de Pesca - CONBEP será realizado no período de 27 de novembro a 1º de dezembro de 2011, na cidade de Belém.

O evento acontecerá em um contexto de muitas conquistas e comemorações do setor pesqueiro do país: a consolidação do Ministério da Pesca e Aqüicultura; os 42 anos da Extensão Pesqueira no Brasil e os 40 anos da Engenharia de Pesca no Brasil.

O objetivo do XVII CONBEP é congregar profissionais, pesquisadores, estudantes, armadores de pesca, pescadores, empresários do setor e aquicultores para discutirem o tema central do evento “Construindo o Desenvolvimento Sustentável do Setor Pesqueiro Nacional”

15 de setembro é a data-limite para envio de trabalhos.

Mais informações:

I Congresso Nacional de Ciências Biológicas e IV Simpósio de Ciências Biológicas


A cidade de Recife (PE) irá sediar, nos dias de 07 a 11 de novembro de 2011, o I Congresso Nacional de Ciências Biológicas (I CONABIO) e o IV Simpósio de Ciências Biológicas (IV SIMCBIO).

O tema central dois eventos será “Biodiversidade e Floresta: desafios e perspectivas”.

O congresso e o simpósio que são uma promoção do Curso de Ciências Biológicas do Centro de Ciências Biológicas e Saúde da Universidade Católica de Pernambuco – UNICAP.

O envio de trabalhos poderá ser feito até o dia 15 de outubro.

Mais informações:

X Congresso Brasileiro de Defesa do Meio Ambiente


O X Congresso Brasileiro de Defesa do Meio Ambiente (CBDMA) acontecerá na cidade do Rio de Janeiro (RJ) nos dias 26, 27 e 28 de outubro de 2011 e terá como tema “Cidades: Qualidade de Vida e Justiça Social”.

O objetivo do evento é discutir as cidades e seus problemas climáticos, urbanos, de trânsito e como se dá a busca constante de uma vida melhor, mais sustentável e qualificada.

O CBDMA conta com palestras, paineis, mesas-redondas e mini-cursos.

Para mais informações, clique aqui

World Conference on Marine Biodiversity


Mais informações:

I Seminario Taller Macroregional Norte


Mais informações:

Polícia Federal procura pontos de poluição na baía de Guanabara


Uma inspeção foi realizada na baía de Guanabara, no Rio de Janeiro, para identificar atividades potencialmente poluidoras, nesta terça-feira (30). Foram recolhidas amostras de resíduos vindos da Reduc (Refinaria Duque de Caxias) para análise.

Policiais Federais da Delegacia do Meio Ambiente, com apoio de técnicos do Inea (Instituto Estadual do Ambiente) e do biólogo Mário Moscatelli, responsável pelo Projeto Olho Verde, participaram do trabalho.

Baia despoluída

As obras que faltavam para a despoluição da baía de Guanabara serão concluídas antes das Olimpíadas de 2016, quando já começarão a ser sentidos os seus efeitos. Esta é a previsão divulgada em 27 de julho do coordenador executivo do Psam (Programa de Saneamento Ambiental dos Municípios do Entorno da Baía de Guanabara), da Secretaria Estadual do Ambiente, Gelson Serva.

Fonte: R7

Concurso Público DAEMO de Olímpia – SP (Cadastro de Reserva para Biólogos)

A Superintendência de Água, Esgoto e Meio Ambiente de Olímpia/SP (DAEMO AMBIENTAL Olímpia) lançou edital para concurso público no intuito de suprir a necessidade de pessoal com contratações estatutárias.

O cargo Biólogo é destinado a cadastro de reserva. O salário é de R$1.930,33.

O candidato ou seu procurador podem solicitar a inscrição no prazo de 29 de agosto a 15 de setembro de 2011, das 8h às 11h ou das 13h às 16h. O local é a Estação Rodoviária “Paschoal Lamana”, situada à Av. Aurora Forti Neves, 450, em Olímpia (SP).

Mais informações:

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Concurso Público São Vicente - SP (03 vagas para Biólogos)

O concurso público da Prefeitura de São Vicente (SP) irá contratar servidores através do Regime Jurídico Estatutário.

O cargo Biólogo possui o vencimento mensal de R$1.753,13. São 02 vagas em aberto e 01 reservada para portadores de deficiência.

As inscrições devem ser feitas pelo site www.zambini.org.br, entre os dias 05 de setembro a 07 de outubro de 2011.

Mais informações:

Concurso Público Alegrete – RS (Cadastro de Reserva para Biólogos)

Estão disponíveis as inscrições para o Concurso Público da Prefeitura de Alegrete (RS), que tem a necessidade de contratar pessoal em diversas áreas.

O cargo Biólogo é destinado a cadastro de reserva e possui a remuneração mensal de R$1.154,85 (jornada de trabalho de 20 horas semanais).

As inscrições encontram-se disponíveis até o próximo dia 09 de setembro, através do endereço da organizadora: www.msconcursos.com.br .

Mais informações:

Seca de 2010 na Amazônia foi a mais drástica desde 1902


Cientistas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) concluíram em um estudo, publicado na revista Geophysical Research Letters, que a seca de 2010 na Amazônia foi a mais drástica já registrada desde 1902, superando a de 2005, que até então era considerada a maior do século.

A constatação foi feita a partir da análise de uma série histórica de dados de pluviosidade na região da bacia amazônica, com medições desde 1902.

Os resultados do estudo apontam que o processo teve início no começo do verão, durante o El Niño (um processo natural de aquecimento das águas do Pacífico), mas foi intensificado pelo aquecimento das águas tropicais do Atlântico Norte. Em função disso, se originou uma estação seca que se estendeu por muitos meses, ocasionando alterações no ciclo hidrológico.

Como consequência desse processo, houve rebaixamento dos níveis de água e seca completa de cursos d’água e tributários de rios na bacia amazônica. A região sul foi a mais afetada. O fenômeno causou graves problemas socioambientais, especialmente às populações ribeirinhas, que ficaram isoladas por dependerem dos rios para seu deslocamento.

Em outro artigo recém-publicado na revista Theoretical Applied Climatology, pesquisadores do Inpe apresentaram os resultados de um amplo estudo sobre as inundações na Amazônia e Nordeste do Brasil, ocorridas no período de maio a julho de 2009. O fenômeno provocou mortes e deixou milhares de famílias desabrigadas. O trabalho demonstra que essas chuvas torrenciais foram as mais intensas e duradouras já registradas.

O rio Negro, principal tributário do rio Amazonas, atingiu seu maior nível em 107 anos. Os autores concluíram que o evento foi resultado de uma conjuntura de fatores meteorológicos, especialmente o aquecimento acima do normal das águas superficiais do Atlântico Sul – aspecto importante para a explicação das chuvas abundantes em vastas regiões do leste amazônico e Nordeste do país.

Os pesquisadores destacaram também que esses episódios extremos, assim como a seca duradoura ocorrida no ano de 2010 na bacia amazônica, reforçam a hipótese de que anomalias no regime pluviométrico e de temperatura serão mais frequentes em cenários futuros de mudanças climáticas.

Entre os autores dos estudos está José Antônio Marengo Orsini, chefe do Centro de Sistema Terrestre do Inpe.

O artigo The drought of 2010 in the context of historical droughts in the Amazon region (doi:10.1029/2011GL047436), de Orsini e outros, pode ser lido em

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

03 de setembro está chegando...


Curso Conservação e manejo de fauna silvestre em cativeiro


Estão abertas, até 08 de setembro, as inscrições para o curso "Conservação e manejo de fauna silvestre em cativeiro" da PUC-Goiás.

As aulas abordarão diferentes estratégias para conservação e manejo de fauna ex situ, com carga horária válida como complementação das atividades acadêmicas.

O curso começará no dia 16 de setembro e acontecerá nas sextas-feiras, das 19h às 22h e aos sábados, das 8h às 13h.

Mais informações:

II Seminário de Educação Ambiental da Bacia Hidrográfica do Ribeirão Arruda


O II Seminário de Educação Ambiental da Bacia Hidrográfica do Ribeirão Arruda com o tema Redes Sociais e Educação Ambiental irá ser realizado no dia 05 de outubro de 2011, das 8h às 12h, no Auditório do Instituto de Educação de Minas Gerais, localizado à rua Pernambuco, nº 47, bairro Funcionários em Belo Horizonte (MG).

Além de ampliar a articulação e fundamentação da rede de educadores ambientais desta bacia, este Seminário selecionará algumas experiências locais em educação ambiental, para serem apresentadas em formato de comunicação oral durante o evento.

As inscrições devem ser feitas até 15 de setembro, através do site http://arrudas.cbhvelhas.org.br/ .

Mais informações:
(31) 3409-9818 / 3409-9817

Cientistas criam bactérias transgênicas que limpam águas poluídas com mercúrio


Cientistas desenvolveram mais um experimento que vai ajudar na contribuição social e ambiental. É uma bactéria transgênica que tem o poder de facilitar a limpeza de áreas contaminadas com o mercúrio. Esse metal é considerado muito tóxico quando entra na cadeia alimentar na forma de metilmercúrio.

A criação dos pesquisadores da Universidade Interamericana do Porto Rico contribui em muito para as indústrias químicas, já que há uma estimativa que atualmente são despejados no meio ambiente seis mil toneladas de mercúrio no ambiente.

De acordo com o estudo, as bactérias transgênicas suportam altas doses de mercúrio e são capazes de proliferar em uma solução contendo 24 vezes a dose mortal de mercúrio para bactérias não resistentes. Os dados indicam ainda que as cepas transgênicas conseguiram absorver, em cinco dias, 80% do mercúrio contido no líquido.

O processo de resistência das bactérias Escherichia coli ocorrem devido à inserção de um gene que permite a elas produzir metalotioneína, proteína que desempenha um papel de desintoxicação no organismo de ratos.

Para a equipe de Oscar Ruiz, o mercúrio recuperado pelas bactérias nas áreas contaminadas poderia ser utilizado em novas aplicações industriais. “As bactérias transgênicas demonstraram ser capazes de extrair mercúrio de um líquido, de forma que a primeira e principal aplicação poderia recuperar o mercúrio na água e em outros líquidos”, disse Ruiz.

Fonte: Portal Educação

Estudo explica mecanismos da evolução


Embora a evolução seja um processo constante e que, em alguns momentos, acontece de uma forma rápida, os cientistas constataram que as mudanças que perduram demoram um milhão de anos a acontecer.

Um estudo publicado no “Proceedings of the National Academy of Sciences” e que foi realizado por investigadores da Universidade de Oregon, nos EUA, ajudou a resolver um velho debate e a aparente contradição entre mudanças evolutivas de curto e longo prazo.

Pela primeira vez, foram combinados dados de períodos curtos entre dez e cem anos com outros de períodos mais longos, em registos fósseis de mais de cem milhões de anos. Desta forma, estudou-se em conjunto a rápida evolução observada por biólogos em espécies contemporâneas; as mudanças lentas e estáveis observadas por paleontólogos; e as diferenças drásticas e macro-evolutivas entre os tamanhos e formas das espécies.

A análise destas informações mostrou que as mudanças rápidas em populações localizadas nem sempre persistem. Exemplo disso é o fato de os seres humanos serem entre cinco e oito centímetros mais altos do que eram há 200 anos. Tal não implica que este processo vai continuar, tornando a população 60 centímetros maior dentro de dois mil anos.

De acordo com Josef Uyeda, líder da investigação, as mudanças rápidas são uma realidade, mas nem sempre são duradouras. Por motivos ainda desconhecidos, os dados mostram que as alterações observadas a longo prazo são muito lentas. A equipe de cientistas calculou que, em média, demora um milhão de anos para que as grandes mudanças persistam e se acumulem ao longo das gerações.

O cientista explicou que para uma mudança evolutiva persistir numa espécie, a pressão ambiental que a encaminhou também precisa de perdurar. "Não se trata apenas de uma mutação genética que toma o controle", disse Uyeda, acrescentando que "as adaptações evolutivas são causadas pela força da selecção natural e isso é mais lento e raro do que imaginamos".

Embora lento, o processo é “implacável”, na medida em que a maioria das espécies muda tanto que raramente dura mais do que dez milhões de anos, antes de desaparecer completamente ou dar origem a uma nova espécie.

A causa exata das mudanças de longo prazo não é clara. Os cientistas afirmam que as mudanças climáticas não parecem ser a única força envolvida porque muitas espécies não sofreram praticamente nenhuma alteração durante períodos em que o clima se transformou drasticamente.

Fonte: Ciência Hoje

II Seminário Internacional de Sustentabilidade e EcoConstrução


O II Seminário Internacional de Sustentabilidade e EcoConstrução irá acontecer nos dias 21 e 22 de setembro de 2011, em Belo Horizonte (MG), no Auditório Fênix da FUMEc (Rua Cobre, 200 - Cruzeiro).

O evento tem como objetivo a apresentação das melhores práticas de gestão em construção sustentável, as tecnologias construtivas e os materiais ecológicos ou sustentáveis disponíveis no mercado. Além da discussão sobre sustentabilidade tendo como tripé: a eficiência, a inovação e a racionalização dos recursos disponíveis.

O Simpósio é uma realização da Universidade FUMEC e da EcoConstruct.

Informações e inscrições:

Cientistas encontram nova espécie de macaco em Mato Grosso


Uma expedição formada por unidades de conservação da Reserva Extrativista Guariba-Roosevelt, no noroeste do Mato Grosso, descobriu uma nova espécie de macaco.

O novo primata Callicebus (conhecido como zogue-zogue) foi encontrado entre os rios Guariba e Roosevelt pelo biólogo Júlio Dalponte.

Segundo ele, uma "barreira" criada pelos dois rios e seus afluentes pode separar ao menos três espécies diferentes do mesmo gênero de macacos.

"Cada espaço desses tem uma espécie. Então é difícil encontrarmos este mesmo macaco em outros lugares, por exemplo. Daí a importância de conservar essas áreas", disse o biólogo à BBC Brasil.

"Este zogue-zogue, que encontramos entre as margens direita do rio Roosevelt e esquerda do rio Guariba, possui um padrão de coloração de pelo diferente de todas as outras espécies conhecidas do mesmo gênero naquela região."

Dalponte acrescentou que uma possível segunda nova espécie de macaco foi avistada perto do rio Guariba, mas ainda é preciso fotografá-la.

CLASSIFICAÇÃO

Um dos macacos da nova espécie, encontrado morto, está sendo estudado no museu Emílio Goeldi, em Belém, no Pará, e classificado de acordo com as normas internacionais de taxonomia.

"Precisamos comparar as características desses animais com os que já conhecemos. Mas temos certeza de que se trata de uma nova espécie", explicou Dalponte.

A descrição completa das características do novo zogue-zogue deve levar pelo menos seis meses para ser concluída.

Mais um ano pode ser necessário para que um estudo sobre ele seja aprovado pelos comitês de publicações científicas especializadas.

A descoberta do animal é um trabalho da organização de proteção animal WWF Brasil, em parceria com a Secretaria de Meio Ambiente do Mato Grosso.

A expedição reuniu nove pesquisadores, que percorreram quatro unidades de conservação ambientais do Estado para colher informações e elaborar um novo plano de manejo destas áreas.

Fonte: BBC Brasil

FAPESP e Agilent lançam chamada


A FAPESP e a Agilent Technologies lançam chamada de propostas com o objetivo de identificar, selecionar e apoiar pesquisas de classe mundial em instrumentação avançada e técnicas de medição relacionadas a metabolômica em biologia de plantas e microbiologia, espectrometria de massa e bioenergia.

A chamada envolve dois ingredientes essenciais: a criação de conhecimento científico e a comunicação de resultados na comunidade acadêmica mundial.

Propostas deverão ser submetidas por pesquisadores de instituições de ensino superior e de pesquisa, públicas ou privadas, no Estado de São Paulo.

A chamada disponibilizará um total de US$ 400 mil para apoiar as propostas selecionadas – 50% da FAPESP e 50% da Agilent. Espera-se que sejam selecionadas entre três e cinco propostas, com valores individuais de US$ 75 mil a US$ 150 mil.

As pesquisas poderão ter duração de até 36 meses. A data final para recebimento de propostas na FAPESP é 28 de novembro de 2011.

Mais informações:
www.fapesp.br/en/6546

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Processo Seletivo Florianópolis – SC (Cadastro de Reserva para Professores)

A Prefeitura de Florianópolis (SC) abriu processo seletivo para formação de reserva de professor substituto para o ano letivo de 2012.

Os cargos Professor de Ciências e Professor Auxiliar de Ensino de Atividades de Ciências possui o vencimento bruto inicial de R$1.283,76.

O número de contratados em cada função será definido pela necessidade futura.

No endereço http://educapmf.fepese.org.br as inscrições ficam liberadas entre 12 de setembro de 2011 e 14 de outubro de 2011.

Mais informações:

Concurso Público IFES (04 vagas para Professor)

O IFES – Instituto Federal do Espírito Santo divulgou dois editais de concurso público para provimento de cargos de docente.

Os interessados podem se inscrever até o dia 16 de setembro de 2011.

O edital 02/2011 (http://migre.me/5z6u9) possui 03 vagas em aberto para a disciplina/área de Biologia I.

A remuneração inicial é de R$ 2.130,33 e é exigido apenas graduação do candidato. O local de atuação é no Campus Ibatiba, Linhares ou São Mateus.

O edital 03/2011 (http://migre.me/5z6xq) possui apenas 01 vaga destinada a disciplina/área Biologia II.

O docente deve ter doutorado em Botânica ou em Biologia Vegetal. O local de atuação é no Campus Alegre e o salário é de R$3.678,74.

Informações e inscrições:

Concurso Públicio HCFMUSP (01 vaga para Biólogos)

Estão abertas as inscrições para o concurso público do HCFMUSP – Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, onde o regime de contratação dos funcionários é Celetista.

É disponibilizada uma vaga na função de Biologista.

A jornada de trabalho do contratado será de 30 horas/semana, remuneradas com vencimento de R$1.001,95.

No endereço www.hcnet.usp.br fica disponível a ficha de inscrição, que deve ser preenchida e encaminhada aos organizadores até o dia 06 de setembro de 2011. Junto a ficha de inscrição o candidato deve encaminhar seus documentos pessoais, conforme orientações em edital oficial.

Mais informações:

10º Prêmio Furnas Ouro Azul


Os Diários Associados, por meio do jornal Estado de Minas, e o Sistema Eletrobrás Furnas, lançaram no dia 21 de agosto a 10ª edição do Prêmio Furnas Ouro Azul, projeto que incentiva e premia a criação de soluções viáveis para revitalização e conservação dos recursos hídricos em Minas Gerais.

Reconhecido nacionalmente, o Ouro Azul valoriza iniciativas que abordam a preservação da água. São sete categorias distintas que proporcionam a oportunidade de todos mostrarem seus projetos, sejam empresas públicas, privadas, estudante ensino superior, mestrado/doutorado, comunidade, pessoa física e mirim.

A entrega dos prêmios será feita em cerimônia a ser realizada em Belo Horizonte (MG) até o dia 10 de dezembro de 2011.

As inscrições poderão ser efetuadas até 30 de setembro, através do site www.ouroazul.com.br .

26º Simpósio sobre Manejo da Pastagem



Tema
A empresa pecuária baseada em pastagens

Local
Anfiteatro do Pavilhão de Engenharia, Campus “Luiz de Queiroz”, Av.Pádua Dias, 11, em Piracicaba, SP

Período
06 a 08 de setembro de 2011

Objetivos
- Elucidação de problemas ligados à economia da produção animal em pastagens
- Alcance de profundidade na compreensão desses problemas
- Levantamento de sugestões para estudos mais profundos
- Sistematização de informações seguras e atualizadas

Mais informações
Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz – FEALQ
Centro de Difusão de Tecnologia – CDT
Av.Centenário, 1080, em Piracicaba, SP
Tel: (19) 3417-6604/Fax: (19) 3422-2755

Simpósio Científico sobre Oceanografia e Defesa Sanitária Animal e Vegetal



A FAPESP e a Fundação Bunge realizarão, no dia 12 de setembro, o Simpósio Científico sobre Oceanografia e Defesa Sanitária Animal e Vegetal.

O evento integra as atividades do 56º Prêmio Fundação Bunge e do 32º Prêmio Fundação Bunge Juventude, que este ano serão outorgados às áreas de Oceanografia e Defesa Sanitária Animal e Vegetal, respectivamente. O encontro, cujo início será às 9h30, é dividido em dois seminários, o de Oceanografia (manhã) e o de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (tarde).

O simpósio ocorrerá na sede da FAPESP, localizada na R. Pio XI, nº 1500, Alto da Lapa, São Paulo.

Mais informações e inscrições:

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Pós-Graduação em Perícia Criminal


O Centro de Pós Graduação (CPG), em parceria com o Centro Educacional Realengo - CER (Entidade Mantenedora da Universidade Castelo Branco - UCB), irá promover a pós-graduação em Perícia Criminal.

O curso será realizado em Belo Horizonte/MG (iníco das aulas 28 de outubro); Goiânia/GO (iníco das aulas 18 de novembro) e Uberlândia/MG (iníco das aulas 30 de setembro).

A pós tem como objetivo capacitar profissionais atuantes na área ou que nela pretendem ingressar dentro das exigências atuais do mercado de trabalho em Perícia Criminal, quanto aos conhecimentos necessários para dar sustentação quando de sua utilização na elaboração de laudo pericial.

As aulas serão realizadas sempre um final de semana por mês, por 20 meses, às sextas-feiras (18h às 22h), aos sábados (8h às 12h e 14h às 18h) e aos domingos (8h às 12h).

Mais informações:

XXXI Encontro Regional de Botânicos (ERBOT)


A Universidade Federal de Viçosa irá sediar, de 28 de outubro a 1º de novembro de 2011, a XXXI edição do Encontro Regional de Botânicos de Minas Gerais, Bahia e Espírito Santo (ERBOT).

O evento é uma promoção da SBB - Diretoria Regional de MG, BA e ES e tem como objetivo: a divulgação dos resultados de pesquisas e de novas tecnologias de ensino na área de Botânica; o intercâmbio de idéias; a inserção de novos talentos na comunidade cientifica e a integração de profissionais e estudantes de graduação e pós-graduação.

A inscrição de trabalhos deverá ser feita entre os dias 29 de agosto e 16 de setembro.

Mais informações:

Concurso Público Gaspar – SC (Cadastro de Reserva para Professor)

A Prefeitura de Gaspar (SC) abriu concurso, em formato de processo seletivo, no intuito de constituir cadastro de reserva possíveis vagas temporárias.

O cargo Professor de Ciências possui a remuneração mensal de R$1.903,61.

As inscrições devem ser feitas através do endereço www.ibam-concursos.org.br, entre os dias 29 de agosto e 15 de setembro de 2011.

Mais informações:

I Simpósio Brasileiro de Termitologia


O I Simpósio Brasileiro de Termitologia (I-SBT) será o primeiro de uma série de eventos bianuais que visa reunir os termitólogos brasileiros a fim de discutir e compartilhar pesquisas científicas e aplicadas sobre cupins.

O I-SBT será realizado na Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas (UnUCET), da Universidade Estadual de Goiás (UEG), localizada em Anápolis (GO), entre os dias 03 e 06 de outubro de 2011.

A programação do evento conta com palestras, seções temáticas com apresentação de trabalhos orais e escritos (pôsteres), além de cursos teórico-práticos.

O Simpósio tem o apoio o CRBio04.

Mais informações:

Programa de bolsas Fórmula Santander


Estão abertas até 30 de setembro as inscrições para a segunda edição do Programa Fórmula Santander, iniciativa de mobilidade internacional que deverá beneficiar 100 estudantes do Brasil.

O objetivo do programa é promover o intercâmbio de pessoas, culturas e conhecimentos, além da internacionalização da atividade acadêmica.

O valor da bolsa de estudo concedida aos estudantes brasileiros de graduação e pós-graduação será de 5 mil euros. As bolsas poderão ser usadas pelos estudantes em uma das 955 instituições de ensino parceiras do Santander Universidades no mundo.

Para concorrer, o candidato deverá estar matriculado em uma das universidades participantes do programa, sendo necessário preencher o formulário disponível no site do programa. O documento deverá ser entregue na instituição de ensino do aluno até o prazo final das inscrições (30/09).

Entre as universidades participantes do programa estão PUC-MG, PUC-Goiás e UFG.

Mais informações:

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Curso Gestão Ambiental na Mineração


A GS Educacional mudou a data do curso de Gestão Ambiental na Mineração.

A aula será agora no dia 10 de setembro (sábado), de 8h às 12h e de 13h às 17h, no CREA-MG (Av. Alvares Cabral 1600 - Santo Agostinho - BH).

Biólogos registrados no CRBio04 possuem desconto.

Mais informações:
(31) 3225-9504

IV Seminário Hospitais Saudáveis - SHS 2011


Promoção
Centro de Vigilância Sanitária da Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo

Organização
Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP, Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina – SPDM, Organização Saúde Sem Dano – SSD (Health Care Without Harm - HCWR), Organização Civil Projeto Hospitais Saudáveis - PHS e Centro de Vigilância Sanitária – CVS/CCD/SES-SP

Data
26 e 27 de setembro de 2011

Horário
8h30 às 18h

Local
Centro de Convenções do Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio-Libanês (IEP) Rua Nicolau dos Santos, 69 - Bela Vista CEP 01308-010.

Inscrições
Gratuitas

Tema
"O papel do gestor ambiental nas organizações de saúde, sua formação, responsabilidades, desafios e oportunidades"

Programação
Conferências e painéis

Mais informações

Sistema quer prever o que acontecerá com corais


Foi inaugurado ontem em Arraial d"Ajuda, no sul da Bahia, o primeiro mesocosmo de corais da América Latina. Trata-se de um sistema intermediário entre um aquário e um experimento em ambiente natural, no qual uma estrutura formada por 16 tanques será controlada para a simulação de quatro condições ambientais diferentes.

Uma tubulação de 500 metros permite a captação de água do mar, direto da região na qual existem os únicos recifes de coral da América Latina, que se entendem do sul da Bahia até o parcel de Manuel Luís, no Maranhão.

"Teremos o melhor dos dois mundos: no ambiente natural, trabalha-se em condições reais, mas se tem pouco controle sobre elas. No aquário, pode-se controlar tudo, mas não se consegue reproduzir por muito tempo um ambiente natural", explica o pesquisador e biólogo Emiliano Calderón, biólogo do Museu Nacional.

O objetivo do experimento é muito simples: saber como os corais e os organismos que dependem de sua estrutura vão se comportar daqui a 50 ou 100 anos, se a temperatura e a acidez da água seguirem aumentando, como afirma o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU (IPCC). "A ideia é usar o mesocosmo como uma máquina do tempo, trabalhando com diferentes condições de pH e temperatura da água", compara Calderón. "Um aumento de apenas 1°C na temperatura da água em certa região pode gerar desequilíbrio na relação entre os corais e as algas que permitem sua reprodução", explica.

Pesquisa. A empreitada é uma iniciativa da ONG Projeto Coral Vivo, com patrocínio da Petrobrás (R$ 3,6 milhões), e do Arraial d"Ajuda Eco Parque, que cedeu em comodato uma área para a estrutura. "O projeto inclui ações de educação ambiental, capacitação de professores e apoio a pesquisadores que queiram desenvolver trabalhos lá", explica o coordenador do Projeto Coral Vivo, Clóvis Castro.

Até agora, dez pesquisadores de quatro diferentes instituições já estão cadastrados para trabalhar no mesocosmo. "Qualquer pesquisador poderá se inscrever para realizar estudos no local, que tem uma equipe multidisciplinar", diz Castro.

O experimento fica na área de visitação do parque e poderá ser visto pelos veranistas e visitantes através de uma grossa parede de vidro. "São experimentos muito sensíveis e não podemos deixar que as pessoas cheguem muito perto, como fazem num aquário", explica Castro.

A Petrobrás patrocina o projeto até o verão de 2013.

Fonte: O Estado de S.Paulo

Reserva marinha mexicana quintuplica número de peixes em 10 anos


Uma reserva marinha na costa oeste do México conseguiu quase quintuplicar seu número de peixes em dez anos, segundo um estudo envolvendo várias instituições sob coordenação do Instituto Scripps de Oceanografia, da Universidade da Califórnia, San Diego.

O projeto de recuperação na área do Parque Nacional Cabo Pulmo, no Estado da Baja Califórnia, foi fruto do entusiasmo e dedicação da população local que, incomodada pela devastação do ecossistema, estabeleceu o parque em 1995 e desde então se dedica a protegê-lo.

"As mudanças mais importantes que observamos é que o número de espécies no parque quase duplicou, e o número de indivíduos e seu tamanho, que em conjunto são os quilos de peixes, aumentaram mais de 460%", disse à BBC o biólogo marinho Octavio Aburto-Oropeza, do Instituto Scripps.

"Em apenas uma década, o parque ganhou cerca de 3,5 toneladas por hectare", afirmou.

Segundo o pesquisador, a população da região de Cabo Pulmo decidiu interromper a atividade pesqueira em 1995, e desde então virou o seu "guardião".

"Pediram ao governo que declarasse a área como Parque Nacional, e eles mesmos se dedicam a vigiá-lo, cuidar dele em muitos aspectos, principalmente na redução da contaminação e da proteção de espécies em perigo, como as tartarugas marinhas", disse.

Experiência inspiradora

Cabo Pulmo tem 71 km quadrados e é quase 70 vezes maior que a maioria das reservas estudadas até hoje.

Entre as espécies mais comuns na área estão a garopa do golfo ("Mycteroperca jordani"), garopa sardineira ("Mycteroperca rosacea"), pargo cinza ("Lutjanus novemfasciatus"), pargo amarelo ("Lutjanus argentiventris") e cavalinha ("Seriola lalandi").

Para os autores do estudo, publicado no site de artigos científicos "PLoS One (Public Library of Sciences) ", a experiência da reserva é "comovente".

"É surpreendente que as comunidades de peixes em um recife superexplorado possam se recuperar até chegar a níveis comparáveis com os de recifes remotos, lugares prístinos onde nunca ocorreu a pesca humana", avaliou Aburto-Oropeza.

Para o especialista mexicano, o projeto mexicano ensina que o sucesso de projetos de proteção de áreas marinhas começa com a participação e a liderança das comunidades locais.

Aburto-Oropeza diz que a criação de áreas marinhas ao largo da costa mexicana, ou em qualquer região costeira do mundo, pode "elevar significativamente a produtividade dos oceanos, o que pode gerar benefícios econômicos para as comunidades costeiras".

Por último, avalia, é importante divulgar a experiência de Cabo Pulmo para interessados em outras partes do mundo.

"Poucos legisladores no mundo estão conscientes de que o tamanho e a abundância dos peixes pode aumentar extraordinariamente em muito pouco tempo, a partir do momento em que se estabelece a proteção ambiental e se cria uma reserva marinha", defende.

"Divulgar o que ocorreu em Cabo Pulmo contribuirá para os esforços de conservação dos ecossistemas marinhos e a recuperação das economias costeiras."

Fonte: BBC Brasil

Mini-Curso: Direito de Águas no Brasil


Promoção
CBCN - Centro Brasileiro Para Conservação da Natureza e Desenvolvimento Sustentável

Data
23 de setembro de 2011 (sexta-feira)

Horário
8h às 12h e de 13h às 17h

Local
IMA - Instituto Mineiro de Agropecuária (Av. dos Andradas, 1220 - Centro - Belo Horizonte/MG)
OBS: Possui estacionamento própio.

Ministrante
Angélica Sezini - Advogada OAB/MG 72.556

Inscrições

Mais informações

Cientistas calculam quantas espécies existem


Cientistas acabam de estimar quantas espécies existem na Terra. O total chegaria a 8,7 milhões, com 1,3 milhão a mais ou a menos.

Apesar do tamanho da margem de erro, é o cálculo mais preciso já feito sobre a presença de vida no planeta. Até então, as estimativas giravam entre 3 milhões e 100 milhões.

Dos 8,7 milhões, 6,5 milhões são espécies terrestres e 2,5 milhões, marinhas. Para a ciência, os números representam um desafio gigantesco, uma vez que a grande maioria ainda não foi classificada ou mesmo descoberta.

Os números foram divulgados pelo Censo da Vida Marinha, uma rede de pesquisadores de mais de 80 países em uma iniciativa de dez anos focada na diversidade, distribuição e abundância de vida nos oceanos. Estão em artigo publicado na revista PLoS Biology.

“A questão de quantas espécies existem tem intrigado cientistas há séculos e a resposta, somada a pesquisas em distribuição e abundância de espécies, é particularmente importante nesse momento, uma vez que diversas atividades e influências humanas estão acelerando as taxas de extinção”, disse Camilo Mora, da Universidade do Havaí, um dos autores do estudo.

“Muita espécies podem desaparecer antes mesmo que saibamos de sua existência, de seu nicho particular ou de sua função em ecossistemas”, alertou.

Os autores do estudo destacam que a mais recente Lista Vermelha, feita pela União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais, estima que 19.625 espécies estão classificadas como ameaçadas. Isso de uma amostragem total de 59.508, ou menos de 1% do total agora estimado de espécies.

“Sabemos que o número exato de livros na Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos em 1º de fevereiro de 2011 era de 22.194.656, mas não somos capazes de dizer, mesmo em uma ordem de magnitude, quantas espécies distintas de plantas e animais dividem o mundo conosco”, disse Lord Robert May of Oxford, ex-presidente da Royal Society.

Desde que o sueco Carl Linnaeus (1707-1778) publicou, em 1758, um sistema usado até hoje para classificação biológica, cerca de 1,25 milhão de espécies – aproximadamente 1 milhão em terra e 250 mil nos oceanos – foram descritas e seus dados estão disponíveis em bancos de dados. Outras cerca de 700 mil foram descritas mas ainda não publicadas.

Segundo o estudo, do total estimado de 7,77 milhões de espécies de animais, apenas 953.434 foram descritas e catalogadas. Das espécies marinhas, 11% foram descritas e catalogadas. Entre as plantas o conhecimento é muito maior: das estimadas 298 mil espécies, 215.644 foram descritas e catalogadas.

Mais informações:

Fonte: Agência FAPESP

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Curso de Licenciamento Ambiental


Do dia 12 ao dia 14 de setembro, o Ietec (www.ietec.com.br) irá oferecer o curso de curta duração Licenciamento Ambiental, voltado para profissionais que atuam em áreas de controle, planejamento e gerenciamento ambiental de empresas.

O curso será realizado das 8h30 às 17h30, na sede do Ietec (Rua Tomé de Souza, 1065, Savassi, Belo Horizonte/MG).

Mais informações: (31) 3223-6251 / 3116-1000 e cursos@ietec.com.br

Estudo revela como HIV se esconde dos remédios anti-Aids


O HIV está conseguindo escapar da ação de drogas antirretrovirais porque é capaz de passar diretamente de uma célula para outra.

A conclusão é de um novo estudo do laboratório do biólogo David Baltimore, ganhador do prêmio Nobel de Medicina em 1975.

Realizando experimentos com culturas de células no Caltech (Instituto de Tecnologia da Califórnia), o grupo do cientista oferece uma explicação de por que o coquetel anti-Aids reduz o número de vírus nos soropositivos, mas não cura a infecção.

Em geral, uma célula infectada se rompe e libera HIVs soltos no plasma sanguíneo.

Esses vírus vagam pelo sangue até encontrar outro linfócito T CD4+, a célula do sistema imune que o HIV ataca. É quando os vírus estão soltos que a droga age.

Baltimore e seus colegas, porém, mostraram que uma parcela menor da transmissão ocorre diretamente, de célula para célula, quando dois linfócitos entram em contato no sangue.

É nesses casos que os antirretrovirais falham. A infecção célula a célula não é tão frequente mas, quando ocorre, a quantidade de vírus transferida é grande.

Explorando essa brecha de segurança, o vírus consegue sobreviver como um reservatório latente dentro das células, mesmo quando o sangue está repleto de moléculas das drogas antirretrovirais.

ESPERANÇA FRUSTRADA

"No início dos anos 1990, quando os inibidores de protease [primeira classe eficaz de droga anti-HIV] surgiram, os médicos estavam medindo o ritmo de queda da carga viral dos soropositivos e concluindo que, com tal redução, os pacientes estariam curados em alguns anos", disse à Folha Alex Sigal, cientista que coordenou o trabalho. "Algumas pessoas vêm sendo tratadas com antirretrovirais por mais de 15 anos, mas, se você para de administrar a droga, o vírus volta."

Sigal descobriu o problema da transmissão célula a célula ao realizar um experimento em que cultivou linfócitos vivos num pires de laboratório para comparar os dois tipos de transmissão.

Quando as células estavam separadas, o efeito da droga sobre o HIV foi muito mais acentuado do que quando estavam juntas. Segundo os cientistas, que descrevem o trabalho em um estudo publicado hoje na revista "Nature", a descoberta é também uma má notícia para a criação de uma vacina terapêutica anti-HIV.

Esse preparado estimularia o sistema imune a atacar o vírus, mas sua ação se limitaria ao exterior dos linfócitos. A transmissão célula a célula seria um problema.

Mas há esperança de que isso não ocorra no uso preventivo de uma vacina, afirma Sigal. Se o organismo conseguir combater o vírus logo que ele entra, não haveria brecha para a formação de um reservatório.

Estudos de opções terapêuticas no laboratório de Baltimore, porém, já sofreram uma mudança de abordagem. "Estamos buscando inibidores de infecção do HIV que não funcionam da mesma maneira que as drogas antirretrovirais", afirma Sigal.

"Essas novas drogas afetam a célula infectada. Assim, não importa quantos vírus estão dentro dela."

Fonte: Folha Online

Pós-graduação UniBH na Área Ambiental


O UniBH (www.uni.br) está com as inscrições abertas para 03 cursos de pós-graduação na área de Meio Ambiente: Diagnóstico e Análise Ambiental; Avaliação de Impactos Ambientais e Recuperação de Áreas Degradada; Gestão Ambiental e Geoprocessamento.

As aulas irão acontecer no Campus Estoril (Av. Prof. Mário Werneck, 1685, BH/MG) e serão quinzenais, às sexta-feiras (18h às 22h35) e aos sábados (7h40 às 17h35).

O curso tem previsão de começar no dia 16 de setembro e durará 18 meses.

Biólogos registrados no CRBio04 terão desconto de 20%.

Mais informações:
(31) 3319-9309

Encontrados micróbios fossilizados com 3,4 bilhões de anos, os mais antigos da Terra


Uma equipe científica encontrou nas rochas do oeste da Austrália micróbios fossilizados que viveram há 3,4 bilhões de anos em um mundo sem oxigênio e que proliferavam graças a compostos à base de enxofre, segundo um estudo publicado neste domingo na revista científica Nature Geoscience.

"Temos por fim uma boa prova de vida com mais de 3,4 bilhões de anos. Isso confirma que na época havia bactérias que viviam sem oxigênio", declarou o professor Martin Brasier, da Universidade de Oxford, que participou destas pesquisas dirigidas por David Wacey, da Universidade da Austrália Ocidental.

"São os fósseis mais antigos achados na Terra", afirmou a Universidade de Oxford em um comunicado.

A Terra tem 4,5 bilhões de anos. A vida surgiu entre 3,5 e 3,8 bilhões de anos, segundo os pesquisadores anteriores.Os fósseis descobertos por David Wacey e sua equipe em uma das praias mais antigas da Terra, em um lugar chamado "Strandley Pool", estão incrustados em microscópicos cristais de pirita, de minerais à base de sulfeto de ferro, segundo o estudo. Estes cristais seriam o efeito da atividade biológica (metabolismo) dos microorganismos fósseis.

Os cientistas acreditam estar certos sobre a idade dos fósseis, já que as rochas sedimentares onde os encontraram foram formadas entre dois episódios vulcânicos. "Isso limita a algumas dezenas de milhões de anos o intervalo de tempo no qual os fósseis puderam se formar", afirma o professor Brasier.

Ele enfatiza que os microfósseis foram submetidos a provas que demonstram que as formas detectadas na rocha são de natureza biológica e que não são o resultado de um processo de mineralização. Foram observadas estruturas similares a células.

"Pela primeira vez achamos em rochas arqueanas uma associação direta entre uma morfologia celular e subprodutos do metabolismo", concluem os pesquisadores. Há 3,4 bilhões de anos, a Terra era um lugar quente, com uma forte atividade vulcânica, e a temperatura dos oceanos alcançava os 40 a 50°C.

Atualmente, afirma o professor Brasier, continua havendo bactérias que utilizam mais enxofre do que oxigênio para carregar de energia e proliferar. São encontrados principalmente em lugares quentes como chaminés hidrotermais, no fundo dos oceanos.

Fonte: AFP

Encontros: Brasileiro sobre Chironomidae, Latino-Americano sobre Simuliidae


O VII Encontro Brasileiro sobre Taxonomia e Ecologia de Chironomidae e o IV Encontro Latino - Americano sobre Simuliidae irão ser realizados entre os dias 09 e 12 de outubro de 2011, em Manaus.

Os dois eventos reúnem cientistas que se dedicam ao estudo dessas famílias em todas as suas especialidades, para avaliarem o avanço do conhecimento e a aplicabilidade dos estudos na região Neotrópica, principalmente no Brasil, através de eventos periódicos contendo palestras, debates e apresentações de trabalhos científicos.

Os resumos serão aceitos até 15 de setembro de 2011.

Mais informações:

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

XI ENBIP - Encontro de Biologia de Iporá


O XI ENBIP - Encontro de Biologia de Iporá (GO) é organizado pelos alunos de graduação da Universidade Estadual de Goiás (UEG), em Ciências Biológicas, tendo também o apoio de professores da unidade.

O evento será realizado durante os dias 26 a 30 de setembro de 2011, abordando o tema “A biologia em seus múltiplos olhares”, com o intuito de chamar a atenção dos congressistas para as áreas afins da biologia, revelando os diversos campos de atuação do biólogo/professor.

A data-limite para submissão de resumos é 05 de setembro.

Mais informações:

Concurso Público UFCG (01 vaga para Professor Adjunto Zoologia)

A UFCG – Universidade Federal de Campina Grande/PB abriu concurso público para provimento de vaga a Carreira do Magistério Superior.

Trata-se de uma vaga cuja lotação do contratado de dará no Campus da UFCG em Cajazeiras – PB. A oportunidade é destinada a profissional com Doutorado que atuará em regime de dedicação exclusiva.

Segue a especificação da oportunidade:

Unidade Acadêmica: Ciências Exatas e da Natureza
Área de Conhecimento: Zoologia Geral
Titulação Acadêmica Mínima Exigida:
Professor Adjunto – Padrão I – Licenciado ou Bacharel em Ciências Biológicas, ou Licenciatura em Ciências/Habilitação Biologia e Doutorado em Zoologia, Biologia Animal, ou Ciências Biológicas (Área de Concentração Zoologia).
Vencimento: R$7.333,67

Se não houverem inscritos com os requisitos acima citados, será aberto novo período de inscrição para profissional nas seguintes condições:

Professor Assistente Padrão I – Licenciado ou Bacharel em Ciências Biológicas, ou Licenciatura em Ciências/Habilitação Biologia e Mestrado em Zoologia, Biologia Animal, ou Ciências Biológicas (Área de Concentração Zoologia).
Vencimento: R$4.651,59

A Inscrição é presencial: recebida até o dia 26 de agosto de 2011 na Secretaria do Centro de Formação de Professores da UFCG, situada a Rua Sérgio Moreira de Figueiredo, no Bairro Casas Populares, em Cajazeiras-PB. Se houver necessidade, o segundo período de inscrição vai 12 a 23 de setembro de 2011.

Para mais informações, clique aqui

IV Curso de Biologia Molecular Genotyping


A Genotyping Biotecnologia irá promover o IV Curso de Biologia Molecular Genotyping, que será realizado no período de 23 a 28 de janeiro de 2012, na Unesp, Campus de Botucatu (SP).

O curso apresenta uma visão detalhada das principais técnicas que constituem a Biologia Molecular Genotyping.

Nos módulos práticos, o participante tem a oportunidade de vivenciar a rotina laboratorial, tendo contato com equipamentos de última geração, bem como adquirindo conhecimento das técnicas de ponta.

Mais informações:

Código Florestal pode reduzir reserva legal para zero em todos os biomas brasileiros, diz especialista


O advogado Gustavo Trindade, ex-chefe da consultoria jurídica do Ministério do Meio Ambiente, apresentou na última segunda-feira (15), durante seminário sobre a reforma no código promovido por ONGs, em Brasília, análise que mostra que ‘pegadinhas’ no texto do projeto de lei podem reduzir reserva legal.

Segundo Trindade, o texto aprovado pela Câmara mantém nominalmente os valores de reserva legal vigentes hoje. A área de vegetação que deve ser poupada do corte raso em propriedades rurais continua sendo de 80% na Amazônia, 35% no cerrado amazônico e 20% no restante do país. Porém, o advogado afirma que o projeto contém ‘pegadinhas’ que reduzem gradativamente a reserva legal.

A primeira delas é a possibilidade de incluir no cômputo da reserva legal as áreas de preservação permanente (APPs) em todos os casos. A segunda é a possibilidade de recomposição de até 50% da reserva legal com espécies exóticas.

O Código Florestal atual veda a primeira possibilidade, e admite exóticas só temporariamente, para ajudar na recomposição de vegetação desamatada. Hoje, o código já permite que a reserva legal na Amazônia seja reduzida para 50% nas áreas onde o zoneamento ecológico-econômico destinar à intensificação da produção.

Supondo que uma propriedade nessas condições tenha 10% de APP, a reserva legal cai para 40% (na Amazônia), 25% (no cerrado) e 10% (no restante do país). Recompondo 50% da reserva legal com espécies exóticas, o percentual de vegetação a ser mantido na reserva legal cai para 20%, 12,5% e zero, respectivamente.

“Se você aplica o dispositivo que prevê a regularização de usos consolidados em reserva legal até julho de 2008 [como prevê o novo código], você fica com 0% de reserva legal em todos os biomas”, afirmou Trindade.

Fonte: AMDA

Curso sobre Impactos Ambientais e Manejo em Cavernas


O Instituto do Carste (www.institutodocarste.org.br) irá promover, em Belo Horizonte, entre os dias 31 de agosto e 4 de setembro, o Curso Internacional Impactos Ambientais e Manejo em Cavernas e Sistemas Cársticos. A importância e a fragilidade das cavernas e dos ambientes cársticos, cada vez mais, reconhecidas no Brasil, serão discutidos no curso.

Serão três dias de aulas téoricas e dois de aulas práticas centradas no carste de Lagoa Santa, nos arredores de Belo Horizonte. O curso será em inglês, proferido pelo Dr. George Veni, atual diretor do "National Cave and Karst Research Institute", instituição de referência sobre estudos em cavernas nos Estados Unidos.

O Dr. George Veni é atual diretor do “National Cave and Karst Research Institute”, uma instituição ligada ao serviço de Parques Nacionais dos Estados Unidos (National Park Service) e financiada por universidades e fundos públicos e privados.

Mais informações:

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Curso de Avaliação de Impactos Ambientais e Elaboração de EIA/RIMA em Salvador/BA


Promoção
Maxi Ambiental

Data
08 e 09 de Setembro de 2011

Horários
8h30 às 12h e das 13h30 às 18h30

Local
Hotel Golden Tulip - Rua Monte Conselho, 505. Rio Vermelho. Salvador/BA.

Objetivo
Capacitar os participantes para a avaliação de impactos ambientais de empreendimentos potencialmente poluidores, oferecendo conhecimento sobre os procedimentos técnicos para a elaboração de Estudo de Impacto Ambiental e seu respectivo Relatório de Impacto Ambiental.

Mais informações

Publicado edital que prevê R$ 36 milhões em investimentos nas bacias mineiras


Foi publicado o edital (http://migre.me/5w1JO) do Fundo de Recuperação, Proteção e Desenvolvimento Sustentável das Bacias Hidrográficas de Minas Gerais (Fhidro). Neste ano, estão disponíveis cerca de R$36 milhões para serem investidos em programas e projetos que tenham como objetivo promover a racionalização do uso e melhoria dos recursos hídricos. A publicação traz novidades. Entre elas, está a priorização dos projetos elaborados a fim de implementar o Plano Estadual de Recursos Hídricos e os Planos de Bacia das Unidades de Planejamento e Gestão de Recursos Hídricos (UPGRHs). Outra inovação é que 80% do total do recurso serão divididos entre as 36 UPGRHs, e os outros 20% serão destinados a demanda espontânea.

O edital determina a linha de atuação que os projetos apresentados devem seguir. São elas: cadastro de usuários, convivência com as cheias; convivência com a seca e mitigação das escassez; estudo de enquadramento de corpos d’água; estudo de flexibilização da vazão outorgável e disponibilidade hídrica; recuperação de nascentes, áreas de recarga hídrica, áreas degradadas e revegetação de matas ciliares; saneamento; estudos de impactos de mudanças climáticas nos recursos hídricos; monitoramento de ecossistemas aquáticos, além de projetos criados por demanda espontânea, ou seja, aqueles desenvolvidos visando uma atuação menos regionalizada.

Segundo a diretora-geral do Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam), Cleide Pedrosa de Melo, as mudanças têm o objetivo de motivar os proponentes a desenvolverem projetos para melhorar a qualidade e a quantidade dos recursos hídricos em todas as regiões mineiras. “Para os projetos serem inscritos, eles precisam ter anuência dos Comitês de Bacia Hidrográfica por meio de deliberação em plenária. Com isso, o CBH passa a ter maior protagonismo na indução de ações que beneficiem a bacia” ressalta.

O edital prevê, ainda, que os projetos e programas sejam avaliados em duas etapas. Na primeira, que é eliminatória, os trabalhos devem somar, pelo menos, 70 pontos. Os aprovados irão para a segunda fase, que é classificatória, na qual passarão por uma análise aprofundada.

Caso não sejam classificados projetos em algumas das UPGRHs, ou os trabalhos não atinjam o total de recursos previstos para a unidade, o valor que sobrar será revertido para um ranking de projetos de acordo com sua pontuação. “Assim, vamos conseguir atender as UPGRHs de forma prioritária e, ao mesmo tempo, propiciar recursos para bons projetos habilitados”, explica a diretora.

No caso de empate, será considerada a prioridade do projeto dentro de sua respectiva UPGRH e a importância do objeto do trabalho ou sua linha de ação no Plano Estadual de Recursos Hídricos, entre outros critérios previstos no edital.

O prazo para elaboração e protocolo de projetos junto à Secretaria Executiva do Fhidro será foi aberto no dia 15 de agosto e vai até 15 de novembro de 2011. As propostas deverão ser enviadas por meio do Sistema de Cadastramento de Projetos do Fhidro, disponível no portal do Igam (www.igam.mg.gov.br/fhidro).

Desde 2006, o Fhidro já garantiu cerca de R$ 230 milhões para 99 projetos sendo que, desse total, foram repassados cerca de R$ 140 milhões para trabalhos que beneficiaram diversas bacias mineiras.

Fonte: Ascom / Sisema

Curso Preparatório para concurso público da SSE - MG


O Prefácio irá realizar um curso preparatório específico para o cargo de Professor de Educação Básica - Biologia do concurso da Secretaria de Estado de Educação de MG (http://migre.me/5jydo).

As aulas serão realizadas aos sábados (Conhecimentos Gerais: Português e Matemática) e aos domingos (Matérias específicas).

O curso terá início no dia 03 de setembro e terminará em 06 de janeiro de 2012.

Biólogos registrados no CRBio04 possuem 20% de desconto.

Mais informações:

Amazônia é a galinha dos ovos de ouro do agronegócio, diz biólogo


Por ANNA VIRGINIA BALLOUSSIER - Folha Online

O agronegócio sairia ganhando se visse a Amazônia como galinha dos ovos de ouro. Se a floresta morre, as chuvas na região secam, e o lucro evapora junto.

É o que pensa o biólogo americano Thomas Lovejoy, 69, pioneiro nas pesquisas sobre a região amazônica.

Quando visitou a floresta pela primeira vez, em 1965, ele era um jovem biólogo à procura da maior aventura possível. Pai de gêmeas cariocas, de férias no país, defendeu que o cuidado com a Amazônia seja parcelado entre várias nações.

Folha - O sr. afirma que a devastação na Amazônia pode chegar a um limite, a partir do qual o sumiço da floresta seria um caminho sem volta. Estamos perto?

Thomas Lovejoy - O Banco Mundial pôs US$ 1 milhão num estudo que projeta pela primeira vez os efeitos de mudança do clima, queimada e desmatamento juntos. Os resultados sugerem que poderia haver um ponto de inflexão em 20% de desmatamento [da floresta original]. Estamos bem perto, 18%. Isso significa que áreas do sul e sudeste da mata vão começar a secar e se transformar em cerrado. É como jogar uma roleta de dieback [colapso] na Amazônia.

Com o desmatamento subindo de novo, qual é o prazo para esses 20%?

Não fiz cálculos, mas não tomaria muito tempo. Pode ser cinco anos, se continuar assim. Claro que [a devastação] traz implicações para os padrões de chuva, incluindo as áreas agroindustriais de Mato Grosso e mais ao sul, até o norte da Argentina. O ex-governador [Eduardo] Braga [AM] costumava dizer ao ex-governador [Blairo] Maggi [MT]: Sua soja depende da chuva no meu Estado.

Quais as consequências para a agricultura?

Agricultura e economia teriam menos chuvas. E elas dependem da chuva. Talvez não em São Paulo, mas mais ao oeste, com a água passando pelas hidrelétricas, em projetos como Belo Monte.

O sr. estuda a Amazônia há mais de quatro décadas. Quais previsões deram certo e quais passaram longe?

Meu primeiro artigo sobre a Amazônia, escrito em 1972, chamava-se Transamazônica: estrada para a extinção?. Não acho que alguém tinha a capacidade de imaginar a soma de desmatamento que ocorreu. Lembro quando as primeiras imagens de satélite saíram, nos anos 1980. Todos ficaram surpresos. Também houve boas surpresas. Uma é a força da ciência brasileira aplicada na Amazônia. A outra é a consciência pública, que em geral é bastante alta no Brasil. E também a extensão das áreas protegidas, incluindo as demarcações de fronteiras indígenas. Tudo isso junto protege 50% da Amazônia, o que é impressionante.

Do jeito que está, o novo Código Florestal pode impedir o crescimento na produção de alimentos?

Não acho que precisemos enfraquecer o [atual] Código Florestal para aumentar a produção agrícola no Brasil. No caso do gado, o uso médio da terra na Amazônia é de uma cabeça por hectare. Essa é a média mais baixa em qualquer lugar do mundo. É uma questão de organizar a imensa capacidade da Embrapa [Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária], um dos centros líderes de agricultura no mundo. Comparado com os EUA, o Brasil tem legislação ambiental rígida. Lá, sequer estão na mesa criar coisas como a reserva legal. Pode soar paternalista dizer o que deve ser feito por aqui? Só estou tentando pensar no que faz sentido para o Brasil, não necessariamente no que faz sentido o Brasil fazer para o resto do mundo. O atual Código Florestal é um dos mais visionários do planeta. Nos EUA, temos de pagar o preço de não ter tido essa visão há muito tempo. E também não temos florestas tropicais, mais sensíveis. Economia e ecologia têm a mesma raiz grega: oikos, que remete a casa. Não existe ser no planeta que não afete seu ambiente sem consumo e produzir desperdício. A questão da sustentabilidade está nos detalhes de quanto e como se faz isso.

Qual a sua avaliação do governo Dilma no debate?

Até agora, parece muito prático, sério. Como ela vai responder a qualquer que seja o Código Florestal será, claro, um grande teste. Mas ter deixado claro que o governo Dilma não aprovaria a anistia [aos desmatadores] é um sinal bem positivo. O que é perigoso, na lei, é a ideia de dar o poder de demarcar as reservas legais aos Estados. Se você vai administrar a Amazônia como sistema, precisa ser consistente.

O sr. conhece a senadora Kátia Abreu, uma das vozes da bancada ruralista?

Não conheço, mas diria a ela: Você precisa tomar cuidado para não matar a galinha dos ovos de ouro. E o ovo de ouro é a chuva.

O caos nas finanças globais tira os holofotes da questão ambiental?

Geralmente, quando há forte recessão econômica, muitas das coisas que causam problemas ambientais se enfraquecem. Alguns dos motores do desmatamento, como os preços da soja e da carne, enfraquecem quando a demanda é menor.

O Brasil é capaz de cuidar sozinho da Amazônia?

O BNDES tem de ser cuidadoso com os projetos de infraestrutura, pois há todos os outros países [amazônicos]. O Brasil não deveria segurar a responsabilidade sozinho. A Amazônia é um elemento-chave no funcionamento do mundo. É do interesse de outros países ajudar o Brasil. Já chamaram o sr. até de espião da CIA. Há paranoia sobre um complô internacional para roubar a Amazônia? Isso não tem fundamento. A pior forma de biopirataria é destruir a floresta.

Parte da comunidade científica minimiza o papel do homem no aquecimento global. O que o sr. acha?

Não há quase nenhum cientista com credibilidade que acredite nisso. Nos últimos 10 mil anos, a história climática do planeta foi bem estável. Agora, nós o estamos mudando. Está claro que 2 ºC a mais é muito para a Terra.