sexta-feira, 29 de abril de 2011

Curso Manejo de Serpentes - Teórico / Prático


No dia 22 de maio (domingo), de 8h às 18h, irá acontecer o Curso Manejo de Serpentes em Belo Horizonte, no Centro Universitário UNA (Rua Aimorés, 1451 - Lourdes - Auditório E1).

A aula será ministrada pelo Biólogo Breno Texeira Damasceno, diretor do CEAM Galápagos e curador da Coleção de Animais Venenosos e Peçonhentos do Hospital João XXIII - CIAT/BH.

Mais informações:

Processo Seletivo TRANSPETRO - Petrobras (02 vagas para Biólogos)

O processo seletivo da Petrobras Transporte S.A. - TRANSPETRO visa suprir cargos vagos e formar cadastro de reserva.

Biólogos podem concorrer ao cargo "Profissional de Meio Ambiente Júnior". São 02 vagas disponíveis para as cidades de Vitória (ES) e Cabiúnas (RJ).

O salário básico é de R$ 4.117,07 (com garantia de remuneração mínima de R$ 6.056,30).

A inscrição deve ser feita entre os dias 03 a 22 de maio de 2011, através do site www.cesgranrio.org.br .

O processo seletivo constará somente de prova objetiva, aplicada a todos os participantes, com caráter eliminatório.

A previsão é que a aplicação aconteça na data de 10 de julho de 2011.

Mais informações:

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Perito da Polícia Federal (Biólogo/Biomédico) – Preparatório + Pós-graduação


Está confirmada para o dia 27 de maio (sexta-feira), às 19h, em Brasília, a aula inaugural da Pós-Graduação em Biociências Forenses + Preparatório para PF e Polícias Civis.

O curso preparará os candidatos com todo conteúdo específico da PF, além de Direito Penal, Processual Penal e dos conteúdos da prática Forense.

As aulas serão realizadas quinzenalmente, nos fins-de-semana (sexta de 19h às 23h, sábado de 8h30 às 18h e domingos de 8h30 às 12h30).

O curso é chancelado pela Universidade Católica de Goiás.

Mais informações:
(61) 3274-7777 / 3224-6932

Concurso Público Salinópolis - PA (02 vagas para Biólogos)

O concurso público da Prefeitura Municipal de Salinópolis (PA) irá contratar 02 Biólogos (salário de R$2.300,00).

As inscrições devem ser realizadas pelo site www.kota.net.br, entre os dias 09 de maio e 03 de junho de 2011.

19 de junho de 2011 é a data provável para a aplicação da prova objetiva.

Mais informações:

Belo Monte vai exportar empregos

Philip Fearnside

O biólogo americano Philip Fearnside acompanha os planos do governo para explorar o potencial hidrelétrico da Amazônia desde os anos 70, quando morou em Altamira, no Pará. Pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), órgão federal, Fearnside afirma que a Usina de Belo Monte, vendida como solução para evitar o apagão no País, terá boa parte de sua energia usada pela indústria de eletrointensivos, em especial a de alumínio. Para ele, o Brasil vai exportar produtos primários, criando empregos no exterior. "E os impactos vão ficar aqui, com os ribeirinhos e os índios."

O projeto de Belo Monte mudou muito nesses 30 anos?

Mudou e não mudou. Lembro de, em 1976, ter entrado no escritório do Incra e ter conseguido o mapa com as hidrelétricas que iam inundar uma parte da área da colonização idealizada pelo Estado e terras indígenas. Na época ninguém podia fazer nada porque era uma ditadura. Hoje, temos o sistema do EIA-Rima (Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental), mas a tomada de decisões não mudou, continua no mesmo círculo, e todo o resto parece que vira formalidade. Para tomar uma decisão dessas, você tem de olhar todos os impactos, não só os do EIA-Rima.

E o que há de importante que não está no EIA-Rima?

O que chama atenção é que 30% da energia (de Belo Monte) vai para a indústria de eletrointensivos, basicamente alumínio. Será a fonte de energia para novas unidades de grandes produtoras de alumínio no Pará e no Maranhão. Vai haver expansão das usinas de alumina e de alumínio primário. Belo Monte é apresentada como uma iniciativa contra o "apagão". O brasileiro médio é levado a pensar que vai ficar sem ver TV se não forem feitas as hidrelétricas do Madeira, de Altamira, mas o País tem grande margem de flexibilidade. Tem toda essa energia sendo exportada, boa parte em forma de lingote de alumínio. Algo muito diferente de exportar um avião de alumínio feito pela Embraer, que gera empregos. O importante no valor do lingote não é o minério ou a mão de obra: é a energia. Exportamos energia elétrica e, com ela, empregos.

Os impactos se justificariam, então, se os objetivos da geração fossem "mais nobres"?

O Brasil não enfrentou ainda a questão mais crítica: o que fazer com essa energia. Mas está importando os impactos ambientais para gerá-la. Ninguém quer fazer hidrelétrica nos Estados Unidos, na Europa, para fazer alumínio. A solução é fazer isso na Amazônia e deixar os impactos aqui e os benefícios no Hemisfério Norte. Lá vão gerar empregos para transformar esse lingotes em produtos acabados e os impactos vão ficar com ribeirinhos e índios. No caso de Belo Monte, está se deixando quase seco um trecho de mais de 100 quilômetros do Rio Xingu com duas áreas indígenas e comunidades de ribeirinhos.

O que é "quase seco"?

No EIA-Rima, a "vazão ecológica" é o mínimo necessário para passar para essas comunidades. Uma dos condicionantes foi aumentar esse volume, o que foi feito. Belo Monte tem duas casas de força e duas barragens. Em Volta Grande do Xingu gera-se pouca energia, correspondente à vazão ecológica. O grosso da água vai ser desviado para o Reservatório dos Canais, onde está a casa de força principal, com 11 mil megawatts. Isso deixa na Volta Grande uma quantidade de água mínima. O impacto de uma hidrelétrica em geral é inundação, aqui é a falta de água.

E quanto seria inundado para a construção da usina?

A soma dos reservatórios dos Canais e da Calha (o da Volta Grande) estava calculada em 400 quilômetros quadrados de inundação. Subiu para 516 km² e depois saiu o edital com o número em torno de 615 km². O reservatório de Belo Monte é pequeno se comparado à energia gerada. Agora, cerca de 11 km acima da Volta Grande ficaria, pelos planos do governo, a barragem de Altamira. Ela é um lago de 6.140 km². Mais que duas vezes Balbina (usina inaugurada nos anos 80 que é considerada o maior desastre ambiental do País). Em 2008, o Conselho Nacional de Política Energética disse que só iria fazer Belo Monte, e não as outras hidrelétricas. Mas o conselho muda de um governo para outro.

Existe esse risco?

O projeto de só uma hidrelétrica é inviável. Durante quatro meses, na seca do Rio Xingu, não se conseguirá movimentar uma turbina sequer da grande casa de força. O governo e as empresas planejam com outros cenários. O plano inicial previa seis hidrelétricas no Xingu. Depois, diminuiu para quatro. Quando Marina Silva era ministra, tentou criar uma Reserva Extrativista na área que seria inundada pelas hidrelétricas, e isso foi vetado pela Dilma, na época na Casa Civil. A cúpula não tem intenção de ter só uma hidrelétrica.

Quanto de metano Belo Monte emitiria?

Belo Monte e o reservatório da barragem de Altamira juntos, para os primeiros dez anos, uma média de 11,2 milhões de toneladas de carbono equivalente ao ano. É mais do que a cidade de São Paulo emite em um ano.

Você contesta a geração de energia por hidrelétricas?

Não. Para cada uma você tem de avaliar os impactos e as alternativas a elas. E tem de saber para que vai servir essa energia.

QUEM É
Philip Fearnside - Pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia - Formado em Biologia pelo Colorado College, nos EUA, é mestre em Zoologia e doutor em Ciências Biológicas pela Universidade de Michigan. Está no Inpa desde 78.

Fonte: Jornal O Estado de S.Paulo

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Manifestações pelo Brasil contra a alteração do Código Florestal Brasileiro


O dia 28 de abril é o dia de mobilização nacional contra o substitutivo à PL 1876/99, proposta de flexibilização do Código Florestal Brasileiro, que está para ser votada na Câmara.

Veja abaixo quais são as cidades que aderiram ao manifesto:

São Paulo (SP)
Concentração às 11hs, nas escadarias da Catedral da Sé, no centro da cidade.

Rio de Janeiro (SP)
Concentração às 10hs, na escadaria da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro.

Volta Redonda (RJ)
Concentração às 17hs na Praça Brasil
(os organizadores pedem para confirmar presença através do e-mail educa.matatlantica@gmail.com).

Curitiba (PR)
Concentração às 16hs na Praça Santos Andrade.

Natal (RN)
Concentração às 15hs na Av. Rio Branco, esquina com a Rua João Pessoa, Praça Kennedy.

I Congresso de Áreas Verdes - Florestas Urbanas

Data
27, 28 e 29 de outubro de 2011

Local
Parque Ibirapuera, Porão das Artes, Pavilhão Ciccillo Matarazzo - Bienal, Avenida Pedro Álvares Cabral, Portão 3. São Paulo (SP)

Temas
A Floresta Urbana enquanto Patrimônio; Gestão da Floresta Urbana; Floresta Urbana e Sociedade

Programação
Comunicação Oral, Oficina, Painel

Cronograma
Data de entrega dos trabalhos, em formato artigo, juntamente com a ficha de inscrição:
De 18/abril a 17/junho de 2011, até às 16:00 horas.
Divulgação dos inscritos: a partir de 25/junho de 2011.
Divulgação dos selecionados: a partir de 12 de agosto de 2011.

Contato
congressoareasverdes@prefeitura.sp.gpv.br
Telefones: (11) 2741-5959/ 5666-2672

Para mais informações, clique aqui

Livro "O CÓDIGO FLORESTAL E A CIÊNCIA - Contribuições Para o Diálogo"


A Academia Brasileira de Ciências (ABC) e a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) formaram um grupo de trabalho (GT) para oferecer dados e argumentos técnico-científicos que pudessem subsidiar as discussões em torno de mudanças no Código Florestal propostas no substitutivo ao Projeto de Lei no 1.876/99.

Todos os encontros ocorreram na sede da SBPC em São Paulo. O primeiro ocorreu no dia 07 de julho de 2010. Foram delimitadas metas a serem atingidas e fez-se um diagnóstico do estado da arte do Código Florestal e do mencionado substitutivo.

O resultado do GT foi o documento "O CÓDIGO FLORESTAL E A CIÊNCIA - Contribuições Para o Diálogo". Ele pode ser acessado gratuitamente através do link: http://migre.me/4mIBR

Processo Seletivo UFPEL – RS (04 vagas para Professor Temporário)

Está aberto o processo seletivo da Universidade Federal de Pelotas – RS (UFPEL), com o objetivo de suprir cargos de docente por tempo determinado.

O interessado deve comparecer, ou enviar procurador, ao Centro de Gerenciamento de Informações e Concursos, à Rua Gonçalves Chaves, 3126, na cidade de Pelotas – RS. Haverá atendimento das 8h às 11h30 e das 14h às 17h30.

A data-limite para inscrição é o dia 05 de maio.

Biólogos podem se candidatar para as seguintes áreas:

- Biotecnologia Animal e Transgênese;

- Proteômica e Bioinformática;

- Zoologia de Invertebrados;

- Ecologia.

Os vencimentos estão na faixa de R$1.645,96 a R$3.912,44; variando conforme a formação do docente (graduado, especialista, mestre ou doutor) e sua jornada de trabalho (20 ou 40 horas semanais).

Mais informações:

terça-feira, 26 de abril de 2011

Institutos federais estão autorizados a contratar professores e técnicos


Os institutos federais de educação, ciência e tecnologia estão autorizados a contratar docentes e técnicos administrativos para as escolas federais de educação profissional em funcionamento no País. Portaria interministerial (Nº 56, de 20 de abril de 2011) dos ministérios da Educação (MEC) e do Planejamento, Orçamento e Gestão (Mpog), publicada no Diário Oficial da União (DOU) de hoje (25), altera anexos dos decretos do banco de professor-equivalente e do quadro de referência dos técnicos administrativos dos institutos federais.

Na prática, a medida amplia o banco e o quadro de referência, permitindo que as instituições contratem, via concurso público, 2,867 mil professores (da Carreira de Educação Básica, Técnica e Tecnológica; e 1,816 técnicos administrativos em Educação para dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia vinculados ao MEC. Aqueles institutos que tenham concurso válido podem convocar e nomear o candidato aprovado de imediato.

O banco de professor-equivalente e o quadro de referência de educação básica, técnica e tecnológica dos institutos federais de educação, ciência e tecnologia foram criados por decretos em setembro de 2010. No entanto, o quantitativo de vagas previsto estava desatualizado em relação às novas escolas da rede federal.

Histórico

Antes da existência do banco e do quadro de referência, as instituições necessitavam pedir autorização do Mpog cada vez que servidores se aposentavam ou ou se desligavam da escola.

Fonte: MEC

44° Congresso de Fitopatologia


O 44º Congresso Brasileiro de Fitopatologia ocorrerá de 14 a 19 de agosto de 2011, no Fundaparque, centro de eventos localizado na cidade de Bento Gonçalves (RS), a 109 km de Porto Alegre.

A programação do evento será composta por palestras, mesas-redondas e minicursos, com convidados nacionais e internacionais.

O envio de trabalhos deve ser feito até o dia 15 de junho de 2011.

As inscrições com desconto vão até o dia 30 de maio.

Mais informações:

2ª Reunião Brasileira de Citogenética


A 2ª Reunião Brasileira de Citogenética será realizada de 28 a 30 de agosto de 2011, no Hotel Monte Real Resort, em Águas de Lindóia, São Paulo, como evento satélite do 57º Congresso Brasileiro de Genética.

As inscrições com trabalho deve ser feitas até o dia 03 de junho.

A programação do evento conta com sessão de painéis, mini-cursos, palestras, conferências e 01 mesa-redonda.

Mais informações:

Curso Avançado sobre Diagnóstico e Tratamento de Doenças Metabólicas


O curso Avançado sobre Diagnóstico de Tratamento de Doenças Metabólicas vem sendo realizado anualmente desde 2005, com o objetivo de difundir conhecimento na área de Erros Inatos do Metabolismo, promovendo a integração de pesquisadores, professores e alunos do Brasil, América Latina, EUA e Europa.

Os participantes são estimulados desde o início a interagir com renomados pesquisadores e debater temas atuais relacionados com o diagnóstico e o tratamento das doenças metabólicas. O curso inclui atividades teóricas interativas, discussões de caso, avaliação de pacientes e práticas laboratoriais.

A sétima edição do ACDTMD será realizada no período de 07 a 12 de agosto de 2011, no Hotel Mercure Manhattan, em Porto Alegre (Rua Miguel Tostes, 30, Moinho de Vento, Porto Alegre - RS, 90430-060, telefone 51 3024-3030).

As inscrições podem ser feitas até o dia 15 de junho.

O curso é uma promoção do “Instituto Genética para Todos” (IGPT – Instituto Roberto Giugliani).

Mais informações:

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Curso de Criação de Pscitacídeos

Curso Turismo Rural & Ecológico


A Adiante Negócios Ambientais irá promover em Belo Horizonte (MG) o curso teórico e prático de Turismo Rural & Ecológico - Planejamento e Gestão Sustentável.

As aulas serão realizadas nos dias 27, 28 e 29 de maio, na Rua Gonçalves Dias, 1922, sala 803 - Bairro de Lourdes.

Mais informações:
adiantenambientais@gmail.com
(31) 2516-1504

Processo Seletivo UFU (01 vaga para Professor)

Foi lançado o edital de processo seletivo simplificado que visa a contratação de professor substituto da Universidade Federal de Uberlândia – UFU.

A vaga em aberto é para o cargo de Professor Adjunto Nível 1, área Sistemática Vegetal.

A remuneração é de R$4.300,00.

As inscrições devem ser feitas na Secretaria do Instituto de Biologia, situada no Campus Umuarama, à Rua Ceará s/n, bloco 2D, Uberlândia/MG – CEP 38400-902, no período de 04 a 18 de maio de 2011, no horário de 8h às 11h30 e de 14h às 17h, nos dias úteis.

Mais informações:

Concurso Público FUB (01 vaga para Professor)

Concurso FUB - Universidade de Brasília

Classe
Professor Adjunto

Área
Botânica

Requisito Básico
Doutorado em botânica ou áreas afins

Departamento de Lotação
Faculdade UnB - Planaltina

Remuneração
R$ 7.333,67 (VB)

Vaga
01

Inscrição
Pelo site http://www.cespe.unb.br/concursos/docentesunb, solicitada entre 25 de abril e 25 de maio de 2011.

Mais informações

CRBio-07 fez reunião em São J. Patrocínio


No último final de semana, a cidade de São Jorge do Patrocínio sediou a 27ª Reunião Plenária do Conselho Regional de Biologia 7ª Região – CRBio-07. A cidade foi escolhida a convite do secretário executivo do CORIPA, Erick Caldas Xavier que também é conselheiro do CRBio, em razão do perfil ambiental do município: 100% de coleta seletiva tanto na cidade quanto nas áreas rurais; 60% da área do município inserida em áreas protegidas; coleta de água da chuva em prédios públicos e 100% da mata ciliar do município isolada e em processo de recuperação, como informou aos conselheiros visitantes a secretária de Meio Ambiente do município, Gisele Petinelle, que ainda discorreu sobre o ICMS Ecológico do município que representa 70% da arrecadação, sobre o aterro sanitário municipal que foi construído com recursos próprios e é uma referencia na região.

A reunião contou com a presença do prefeito municipal Cláudio Palozi, que recebeu os membros do conselho, todos biólogos de importante atuação no Estado do Paraná. Além de discutir assunto internos do próprio CRBio, a reunião foi a oportunidade para os biólogos presentes aproveitarem para tirar dúvidas comuns como, por exemplo, sobre a atuação do profissional que cursou licenciatura e pretende atuar como Biólogo.

O conselheiro presidente, Rogério Duílio Genari, informou sobre a resolução do Conselho Federal de Biologia que tem como exigência para que o profissional possa se inscrever no conselho e atuar como biólogo, que o curso, seja de licenciatura ou de bacharelado possua no mínimo 2.400 horas de conteúdo biológico.

CODIGO FLORESTAL

O vice-presidente do CRBio, Jorge Augusto Callado Afonso, que até recentemente foi o secretário de estado de Meio Ambiente na gestão do ex-governador Orlando Pessuti, relatou a nota técnica do CFBio encaminhada ao Relator do projeto de lei, a respeito da discussão do Código Florestal Brasileiro, baseado em estudo da biota Fapesp a respeito do tema. Lembrou que o parecer do CFBio pode representar a posição da categoria de classe e que essa nota será publicada no site do CRBio-07 para lembrar aos Biólogos sobre o trabalho do sistema CFBio-CRBios sobre o assunto.

Gisele Petinelle ressaltou que o poder público por anos tem se esforçado junto à população da região para a averbação da reserva legal e que existe uma preocupação por parte dos agricultores em torno da discussão sobre o código florestal, principalmente com o futuro das áreas que já foram recuperadas com muito custo pelos produtores rurais que em sua maioria são agricultores familiares e que já fizeram a regularização ambiental de suas propriedades.

HIDRELÉTRICAS NO RIO PIQUIRÍ

O conselheiro do CRBio e secretário executivo do CORIPA, Erick Xavier, informou aos presentes que há intenções de se construir barragens no rio Piquiri, área de influência de grande importância para o rio Paraná. Frisou que o Ministério Público pretende formar uma rede para acompanhar a eventual construção de barragens no Piquiri, solicitando informações sobre o andamento no processo. Segundo, César Augusto Koczicki do Instituto Ambiental do Paraná, trata-se de um estudo prévio do potencial hidrelétrico do rio e informou que é possível realizar consulta ao site da ANEEL para acesso ao inventário hidrelétrico na bacia do Piquiri, reforçando a necessidade de acompanhamento dos processos. Ao final da reunião os membros da reunião plenária foram convidados a conhecer as belezas do Parque Nacional de Ilha Grande do ultimo trecho do rio Paraná livre de barragens.

Fonte: Umuarama Ilustrado

Matança crescente ameaça de extinção os botos da Amazônia


Associado a antigos mitos e lendas amazônicas, o boto cor-de-rosa corre o risco de virar mesmo apenas história, de acordo com denúncias de biólogos e ambientalistas. A população de botos da região estaria sendo dizimada por pescadores, interessados em usar sua carne e seus ossos como isca para fisgar um peixe chamado piracatinga, muito valorizado em algumas cidades brasileiras e na Colômbia.

Na comunidade de Igarapé do Costa, no Pará, este símbolo da Amazônia é visto pelos pescadores como uma praga. “Ele estraga as redes, come e espanta os peixes”, reclama um pescador. “Eu meti o arpão em alguns”, confessa outro. A recente reputação de boa isca se soma à lenda que associa o boto cor-de-rosa ao sumiço de pessoas e à gravidez das moças da região.

São histórias locais, cheias de passagens sombrias e referências à magia. “Ele é mau, porque leva as pessoas embora e abusa delas”, diz um habitante. “Sempre digo a minhas filhas e netas que o boto engravida as moças e que elas não devem nunca entrar na água quando estiverem menstruadas. Minha mãe me dizia isso”, afirma a moradora Maria Siqueira.

Assim, esses seres considerados inteligentes e amigáveis acabam vistos como inimigos ameaçadores. Segundo os biólogos, nas últimas décadas, centenas ou milhares de botos foram mortos na Amazônia por causa da pesca da piracatinga, uma das poucas fontes de renda de comunidades paupérrimas. “Às vezes, jogamos a rede na água e passamos uma semana sem pegar um único peixe”, diz Ronan Benício Rego, líder comunitário. “Mas a piracatinga dá para pescar na hora, então, pegamos para alimentar a família. Se não, vamos padecer”, justifica.

“Este foi morto por um pescador, com uma machadinha”, diz o biólogo português Miguel Miguéis, com a cabeça de um boto nas mãos. Ele luta para proteger esses mamíferos. “A população de botos cor-de-rosa diminui a cada ano. A principal ameaça à espécie é essa matança indiscriminada que acontece aqui na Bacia Amazônica, sem nenhum controle. Eles matam porque não há autoridade nesse lugar”, lamenta.

Há dois anos, a equipe do biólogo registrou 250 botos numa reserva perto da cidade. Este ano, somente 50 foram encontrados. Os pesquisadores têm documentado as mortes, na tentativa de chamar a atenção para o problema. Também procuram conversar com os pescadores responsáveis, de modo a orientá-los a manter a fonte de renda, sem matar os botos. Miguéis diz que a carne de porco pode perfeitamente substituir a do boto na hora de pegar a piracatinga.

Ronan Benício Rego alega que os pescadores de Igarapé fizeram a substituição há mais de um ano, mas muitos dizem que a matança continua. A piracatinga pescada nessas águas geralmente vai para mercados de Bogotá, na Colômbia. Num esquema fraudulento, ganha outro nome e é vendida como uma espécie de peixe muito popular e cara, o capaz. “É excelente, muito saboroso. Não tem espinhas, os colombianos gostam muito”, diz o comerciante David Aguirre.

“O consumidor não tem ideia do que está comprando e comendo. E nem sonha que botos estão sendo mortos para servir de isca para esse peixe”, afirma Fernando Trujillo, da Fundação Omacha, um grupo ambientalista de Bogotá. “O boto é um mamífero ameaçado de extinção. Se dependesse de mim, não apoiaria essas práticas”, diz Andrés Garcia, vendedor de peixes.

As autoridades brasileiras dizem que os pescadores estão infringindo a lei e vão apurar se eles têm alguma conexão com o crime organizado colombiano. Em meio às denúncias e promessas de investigação, o biólogo Miguel Miguéis se preocupa ainda com o folclore que envolve o boto. “Se o boto desaparecer, toda a cultura, todas as lendas vão desaparecer, assim como uma parte da Amazônia. Para mim, isso é a coisa mais triste que pode acontecer”, afirma.

Fonte: New York Times

IV Jornada Científica Faculdade União de União de Goyazes


A IV Jornada Científica Faculdade União de União de Goyazes irá acontecer em Trindade (GO), entre os dias 16 e 21 de maio de 2011.

O tema do evento este ano será "Saúde e Tecnologias: perspectivas".

A programação da jornada conta com palestras, tais como "Melhoramento Genético: Benefícios e Malefícios" e "O Desafio das Tecnologias e a Ação dos Conselhos Profissionais". O evento também conta com mini-cursos, 01 mesa-redonda e 01 workshop.

Mais informações:

Propostas de alteração do Código Florestal beneficiam 18 parlamentares da bancada ruralista


Entre as propostas de modificações para o Código Florestal Brasileiro mais polêmicas estão anistiar desmatadores que cometeram crimes ambientais até julho de 2008 e a redução das Reservas Legais e áreas de preservação permanente (APPs). Se for aprovado no Congresso com essas alterações, o novo Código beneficiará pelo menos 15 deputados federais e três senadores integrantes da bancada ruralista, que faz forte lobby para que a proposta entre em votação no plenário da Câmara ainda este semestre. Os 18 parlamentares foram multados pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) em razão de algum crime ambiental.

A maior parte dos autos de infração, cujos processos ainda estão em trâmite no Ibama, refere-se a desmatamentos ilegais e desrespeito à delimitação de reservas legais e APPs. As áreas devastadas ou que deixaram de ser restauradas por parlamentares somam 4.070 hectares, área suficiente para abrigar 97 parques da cidade.

O levantamento, feito pelo jornal O Estado de Minas no sistema de protocolo do Ibama, levou em conta a bancada ruralista composta por 158 deputados e senadores nesta legislatura, definida conforme critérios adotados pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap). A quantidade de parlamentares multados que ainda recorrem contra os processos equivale a 11,3% da bancada.

Outros seis parlamentares foram autuados, porém, os autos de infração já estão no arquivo. Cinco integrantes da bancada ruralista pediram ao Ibama autorização para desmatar vegetação nativa ou para usar motosserras. A área total a ser desmatada é de quase 1,2 mil hectares, o equivalente a 120 estádios do Morumbi. Fora da bancada ruralista, outros oito parlamentares aparecem no sistema do Ibama.

Os líderes

O deputado federal que responde ao maior número de autos de infração é Paulo Cesar Justo Quartiero (DEM-RR). São cinco processos contra o parlamentar. Na Câmara, ele é porta-voz dos arrozeiros de Roraima derrotados na Justiça no caso da decisão da demarcação da reserva indígena de Raposa Serra do Sol, em 2008. Um dos processos refere-se ao fato de o deputado "impedir a regeneração natural de 3,51 mil hectares de vegetação nativa". Quartiero utilizou ainda dois hectares com "infringência das normas de proteção ambiental", extraiu cascalho sem autorização do Ibama e não deu destinação adequada a embalagens de defensivos agrícolas.

No Senado, o campeão de multas em curso é o senador Ivo Cassol (PP-RO), ex-governador de Rondônia. Ivo desmatou 160 hectares em área de reserva legal numa fazenda, sem autorização; destruiu 352 hectares de floresta nativa; infringiu normas de proteção de uma área de 13,5 hectares; e desmatou a "corte raso" 2,5 hectares de uma APP, também sem autorização.

O sistema do Ibama registra um mandado de notificação e intimação e um auto de infração contra a porta-voz do agronegócio, a senadora Kátia Abreu (TO, recém-saída do DEM). Presidente da Confederação Nacional da Agricultura (CNA), ela é a principal defensora da aprovação do novo Código Florestal. Outro senador autuado é Renan Calheiros (PMDB-AL). O auto de infração refere-se à instalação de uma "pavimentação" dentro da Estação Ecológica (Esec) de Murici, em Alagoas, cidade natal do senador. A estação existe desde 2001 e preserva fragmentos de Mata Atlântica. Entre os deputados federais, Augusto Coutinho (DEM-PE) foi multado pelo Ibama por "causar dano direto" à área de proteção ambiental (APA) Costa dos Corais. Segundo o órgão, ele também não recompôs APP na Praia de Mamucabinhas, em Pernambuco.

Confira lista de parlamentares defensores das alterações do Código Florestal que foram multados pelo Ibama:

Câmara
Augusto Coutinho (DEM-PE): uma notificação e dois autos de infração
Eduardo Gomes (PSDB-TO): dois autos de infração
Giovanni Queiroz (PDT-PA): dois autos de infração e uma notificação
Hélio Santos (PSDB-MA): um auto de infração
Iracema Portella (PP-PI): um auto de infração
Júnior Coimbra (PMDB-TO): dois autos de infração
Lira Maia (DEM-PA): um auto de infração
Márcio Bittar (PSDB-AC): um auto de infração
Marcos Medrado (PDT-BA): dois autos de infração
Moreira Mendes (PPS-RO): um auto de infração
Nelson Marchezelli (PTB-SP): um auto de infração
Paulo César Quartiero (DEM-RR): cinco autos de infração
Raul Lima (PP-RR): um auto de infração
Reinaldo Azambuja (PSDB-MS): um auto de infração
Sandro Mabel (PR-GO): um auto de infração e uma notificação

Senado
Ivo Cassol (PP-RO): quatro autos de infração
Kátia Abreu (TO, recém-saída do DEM): um auto de infração
Renan Calheiros (PMDB-AL): um auto de infração

Fonte: AMDA, com informações do jornal O Estado de Minas

OPINIÃO: O custo de Belo Monte


Por Felício Pontes Jr - Procurador da República no Pará.

A tecnologia para exploração da energia solar sempre foi apresentada como de alto custo, bastante superior aos de outras fontes de energia. Por isso, um país como o Brasil, privilegiado pela alta incidência de insolação em seu território, deixou de investir na tecnologia solar em favor de outras fontes, principalmente a hídrica, responsável hoje pela geração de mais de 70% da energia no País. No entanto, esse argumento, o dos altos custos, não se justifica mais.

Nos Estados Unidos, dois projetos desenvolvidos na Califórnia de aproveitamento da energia térmica utilizando espelhos para a concentração de calor, Ivanpah e Blythe, provam que os custos dessa tecnologia já são bastante menores. O projeto Ivanpah, da empresa Brightsource, dobra a produção de energia solar no país. É prevista a geração de 370 MW de energia firme. São três usinas que, no total, terão um custo de R$ 3,4 bilhões. Já o projeto Blythe, das empresas Chevron e Solar Millennium, pretende produzir 960 MW ao custo de R$ 9,6 bilhões.

Se multiplicássemos o custo para geração de um megawatt nesses dois projetos de matriz solar por 4 mil megawatts médios – a quantidade, sendo otimista, de geração de energia prevista no projeto hidrelétrico de Belo Monte – teríamos um total de R$ 38 bilhões, no caso de Ivanpah, e de R$ 36,7 bilhões, se utilizarmos os valores relativos a Blythe.

Na primeira ação judicial contra Belo Monte, proposta em 2001, o governo dizia que a usina custaria R$ 10,4 bilhões. Ao pedir empréstimo ao BNDES, em 2011, o consórcio de empresas para fazer Belo Monte solicitou R$ 25 bilhões, o que representaria em torno de 80% dos custos. Logo, o custo oficial seria de R$ 31,2 bilhões. Nesse custo não estão previstos o valor do desmatamento que pode atingir 5,3 mil km² de floresta (segundo o próprio consórcio), o valor de 100 km de leito do Xingu que praticamente ficará seco, a indenização a povos indígenas e ribeirinhos localizados nesse trecho, todos os bairros de Altamira que estão abaixo da cota 100 e, portanto, serão inundados… só para mostrar alguns exemplos.

Os custos finais de Belo Monte ainda são incertos, graças ao descumprimento das leis do licenciamento ambiental em vários momentos. Conforme apontou o relatório de análise de riscos feito por especialistas e intitulado “Megaprojeto, Megarriscos”, Belo Monte tem elevados riscos associados a incertezas sobre a estrutura de custos de construção do empreendimento, referentes a fatores geológicos e topológicos, de engenharia e de instabilidade em valores de mercado. Tem elevados riscos financeiros relacionados à capacidade de geração de energia elétrica, que é muito inferior à capacidade instalada. E tem riscos associados à capacidade do empreendedor de atender obrigações legais de investir em ações de mitigação e compensação de impactos sociais e ambientais do empreendimento.

Assim, computando-se todos os custos socioambientais que normalmente estão fora do orçamento das hidrelétricas na Amazônia (vide Tucuruí, Jirau, Santo Antônio e Balbina) e mais os incertos custos da própria obra (como escavações), pode-se afirmar que o valor da energia solar já é competitivo com o de Belo Monte. Se não fosse, algumas das maiores empresas do mundo não estariam nessa área. O Grupo EBX investe na primeira usina solar comercial do País, no Ceará, a MPX Solar, com 4,4 mil painéis fotovoltaicos e capacidade de abastecer 1.500 residências. E a Google investe US$ 168 milhões no projeto Ivanpah.

Mas, enquanto países de clima temperado e com territórios muito menores, como a Alemanha e a Espanha, produzem mais energia a partir do sol do que o Brasil, aqui o governo prefere impor um modelo ultrapassado. E que agora não tem mais a vantagem de ser mais barato.

Em Belo Monte, senhores investidores, tenham certeza de que todos esses custos socioambientais serão cobrados se a barragem vier a ser construída.

Fonte: EcoDebate

Concurso Público Guapé – MG (01 vaga para Biólogos)

Foi divulgado o edital para concurso público da Prefeitura de Guapé (MG).

As inscrições devem ser feitas pelo site www.exameconsultores.com.br, entre os dias 13 de maio a 12 de junho 2011.

A única vaga para Biólogos possui o vencimento de R$1.361,00 e jornada de trabalho de 20 horas semanais.

Mais informações:

Concurso Público COMUSA – RS (01 vaga para Biólogo)

Está aberto o concurso público da COMUSA – Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo/RS.

O cargo Biólogo possui 01 vaga disponível e a remuneração é de R$3.622,23.

Mediante acesso a www.fundacaolasalle.org.br/concursos as inscrições estão disponíveis até o dia 22 de maio de 2011.

Mais informações:

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Concurso Público UFVJM (01 vaga para Professor)

Está aberto o concurso público da UFVJM – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri/MG visando admissão de docente para seu campus de Diamantina. A UFVJM contratará 01 profissional com Mestrado (classe Assistente) ou Doutorado (classe Adjunto). As remunerações serão de R$4.651,58 ou R$7.333,66 para regime de dedicação exclusiva.

Área do Conhecimento
Educação: Estágio Supervisionado I e II, Laboratório de Ensino em Ciências e Biologia, Estrutura e Funcionamento da Educação.

Requisitos
Graduação em Ciências Biológicas e Doutorado em Educação para professor Adjunto ou mestre em Educação para professor Assistente.

Inscrição Presencial
O recebimento vai até o dia 02 de maio de 2011 na Superintendência de RH, à Rodovia MGT 367, Km 583, 5000, em Alto da Jacuba na cidade de Diamantina-MG. Haverá atendimento das 8h às 12h e das 14 às 17h.

Edital

2º Congresso Internacional de Meio Ambiente Subterrâneo


O 2º Congresso Internacional de Meio Ambiente Subterrâneo será realizado de 04 a 06 de outubro de 2011 em São Paulo.

O enfoque do evento é debater o uso sustentável do solo e da água subterrânea. Durante o encontro também serão discutidos outros temas, como a demanda do passivo ambiental de longo prazo e técnicas de remediação e soluções inovadoras.

O congresso será realizado no Centro Fecomércio de Eventos, localizado na R. Dr. Plínio Barreto, 285, em São Paulo.

O prazo para envio de trabalhos técnicos encerra-se em 1º de maio e deverá ser feito pelo site do evento.

Mais informações:

Enciclopédia de DNA


O projeto “Encyclopedia of DNA Elements” (Encode) acaba de publicar um guia para auxiliar os cientistas a como utilizar os dados e recursos produzidos pelo projeto.

O Encode é um projeto internacional lançado em 2003 pelo National Human Genome Research Institute (NHGRI), dos Estados Unidos, com o objetivo de encontrar todos os elementos funcionais do genoma humano. Todos os dados gerados pelo projeto são publicados rapidamente em bancos de dados públicos.

O guia foi publicado nesta terça-feira (19/4) na revista PLoS Biology e, da mesma forma que os dados e softwares usados no projeto, estará disponível no site encodeproject.org.

“O projeto Enconde exige a colaboração de muitas pessoas espalhadas pelo mundo que estão na vanguarda de suas áreas de pesquisa, para trabalhar de forma coordenada de modo a desvendar as funções do genoma humano”, disse Richard Myers, presidente do Instituto de Biotecnologia HudsonAlpha, um dos membros do projeto.

O guia explica como os dados podem ser úteis na interpretação de associações entre nucleotídeos únicos e doenças, usando exemplos como o da relação entre o gene c-Myc e o câncer.

Os dados permitem que pesquisas sejam feitas em milhares de variantes identificadas em estudos de associação genômica ampla, enfocando questões relacionadas aos mecanismos por trás das suscetibilidades a determinadas doenças.

Cientistas que integram o projeto Encode estão aplicando 20 testes diferentes a 108 linhas celulares usadas comumente. O guia explica como encontrar os dados resultantes desses testes e também a aplicá-los em interpretações do genoma humano.

O guia mostra onde o RNA é produzido a partir do DNA, onde as proteínas se grudam ao DNA e onde partes do código genético humano são modificadas por marcadores químicos adicionais. Essas adições, na forma de proteínas ou outras substâncias químicas, são fundamentais para compreender como as diferentes células no corpo humano interpretam a linguagem do DNA, destacam os autores.

Mais informações: encodeproject.org .

Fonte: Agência FAPESP

terça-feira, 19 de abril de 2011

Curso Especialização em Licenciamento e Certificação Ambiental


O INCURSOS (www.incursos.net) irá realizar em Goiânia (GO) o curso de Especialização em Licenciamento e Certificação Ambiental.

O objetivo é o de possibilitar aos gestores das áreas de políticas públicas e empresarial uma visão global e o entendimento dos diversos tipos de condicionantes atribuídas pelos órgãos fiscalizadores para aquisição de licença prévia, licença de instalação e licença de operação.

As aulas acontecerão uma vez por mês. A previsão de início é para maio de 2011.

Mais informações:

Workshop de Gestores das Entidades de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (EPDIs)


A Associação Brasileira das Instituições de Pesquisa Tecnológica e Inovação (ABIPTI) e gestores das entidades de pesquisa, desenvolvimento e inovação (EPDIs) que a entidade representa redigirão um documento para ser entregue ao Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). A iniciativa será realizada durante um workshop no dia 27 de abril, em Brasília, e tem como objetivo apresentar ao órgão as reais necessidades do setor em prol da inovação.

De acordo com a presidente da ABIPTI, Isa Assef, entre os anseios dos associados está a importância da rapidez na transferência de recursos dos projetos aprovados por agências de fomento. “Esperamos que esse relatório subsidie políticas para o setor e torne mais tangível as necessidades deste segmento como uma importante parte da tríplice hélice que alicerça o processo de inovação do nosso país”.

O encontro dos gestores dos institutos de pesquisa tecnológica (IPTs) de todo o país e de outras entidades de pesquisa, desenvolvimento e inovação parceiras faz parte do cronograma de atividades do Programa da Excelência na Gestão (PEG), realizado pela ABIPTI, em parceria com a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), agência de fomento ligada ao MCT. A meta do programa é apoiar a melhoria contínua do desempenho das EPDIs do país, por meio da aplicação dos fundamentos dos critérios de excelência na gestão reconhecidos e usados mundialmente.

Na avaliação da presidente da ABIPTI, o ambiente da CT&I tem apresentado grande dinamismo e importância para a competitividade e o desenvolvimento do país. Para manter e ampliar a sua dinâmica, completa ela, é preciso alcançar um novo patamar de conhecimento para as organizações que o compõem, permitindo que os atores que o integram participem ativamente de ações estratégicas.

“É fundamental trabalharmos para a definição de políticas públicas para os diferentes setores da economia, a alocação de recursos públicos, a promoção de estímulos à iniciativa privada para que canalizem seus investimentos em programas e projetos na área, visando ao desenvolvimento sustentável nacional”, completa.

Sobre a ABIPTI

Criada em 1980, a ABIPTI representa e promove a participação das entidades de pesquisa e desenvolvimento tecnológico no estabelecimento e na execução da política de desenvolvimento nacional. Essas entidades desenvolvem estratégias para que o conhecimento já consolidado nas universidades e centros de pesquisa seja absorvido pelo setor produtivo.

Com sede em Brasília, a ABIPTI reúne atualmente em seu quadro de associados 202 entidades tecnológicas e científicas e está presente nas cinco regiões e 27 unidades da Federação, o que representa aproximadamente 30 mil técnicos e corresponde a 1/3 da comunidade técnico-científico nacional.

Entidade de direito privado, sem fins lucrativos, a ABIPTI atua em atendimento a demandas do Ministério da Ciência e Tecnologia e suas agências - a Finep e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Serviço
Workshop de Gestores das Entidades de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (EPDIs)
Dia: 27 de abril (quarta-feira)
Horário: das 9h às 17h
Local: Auditório Biomas, na Embrapa Estudos Estratégicos e Capacitação (ao lado da sede da Embrapa)
Endereço: Parque Estação Biológica - PqEB s/n° - Brasília/DF
(final da Asa Norte)

Mais informações:
(61) 3348-3127

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo site www.abipti.org.br

Concurso Público UFG (01 vaga para Professor Assistente)

Encontram-se abertas as inscrições para o concurso público de provas e títulos da Universidade Federal de Goiás (UFV) - Campus Catalão.

A vaga disponível é para a classe de Professor Assistente - Zoologia e Invertebrados.

A titulação mínima exigida do candidato é mestrado.

As inscrições devem ser feitas pelo site www.ufg.br, até o dia 10 de maio de 2011.

A remuneração mensal é de R$1.993,04.

Mais informações:

Ser humano é o "terceiro chimpanzé", diz biólogo


"Ainda não temos uma Grande Teoria Unificada do Tamanho do Pênis", brinca o biólogo americano Jared Diamond, da Universidade da Califórnia em Los Angeles, quando a reportagem da Folha aborda esse tema.

"Nossa incapacidade de explicar o tamanho desmesurado do pênis humano continua sendo um dos fracassos mais embaraçosos da ciência moderna", completa Diamond, que gastou alguns dos parágrafos mais divertidos da história da biologia evolutiva enfrentando a questão no livro "O Terceiro Chimpanzé".

A obra, clássico de 1991 que só agora chegou ao Brasil, consegue a façanha de transformar a discussão em algo um bocado relevante.

Ocorre que, entre os grandes macacos ""grupo dentro do qual o homem se encaixa como o terceiro chimpanzé do título, ao lado do chimpanzé-comum e do chimpanzé-pigmeu ou bonobo"", o tamanho relativo do corpo, dos testículos, dos pênis e dos seios é a chave para entender a natureza de cada espécie.

EM FAMÍLIA

Se um biólogo de Marte baixasse por aqui, só precisaria desses dados para saber que 1)chimpanzés são promíscuos, 2)gorilas formam haréns e 3)humanos são, bem, "fracamente monógamos".

Os gorilas são o caso mais fácil. A brutal diferença de tamanho entre machos e fêmeas implica que eles podem, na base do muque, monopolizar várias feito sultões. Daí os testículos e pênis pífios.

Chimpanzés, mais igualitários fisicamente, adotam a promiscuidade e testículos imensos para dar conta dela. E os humanos trocaram as despesas com esperma pelas com canções de amor, chocolates e idas ao cinema.

"A evolução de uma sexualidade distinta parece ter sido uma das chaves para tornar os seres humanos únicos, embora seja difícil dizer a que época remonta a nossa quase-monogamia", diz o autor.

Que o leitor não pense, porém, que o livro é só sexo. É nele que aparecem, pela primeira vez, as importantes e polêmicas ideias de Diamond sobre os "vencedores" e "perdedores" da história.

Ou seja: por que europeus conquistaram as Américas e a África, e não o contrário?

A resposta, depois ampliada pelo cientista na obra "Armas, Germes e Aço", envolve esses três fatores "mas principalmente o fato de que Europa e Ásia possuíam mais espécies domesticáveis de animais e plantas, ganhando um "pontapé inicial histórico" melhor que o resto da Terra".

Aliás, Diamond diz que, apesar do tempo transcorrido, pouco mudaria no livro hoje. Mas faria uma alteração pontual. Hoje, ele considera que os falantes da língua ancestral de quase todos os idiomas da Europa foram justamente os primeiros agricultores vindos da atual Turquia.

Fonte: Folha Online

Baleias jubarte ouvem e passam canções adiante, diz estudo


Registros das atividades das baleias jubarte mostram que elas são capazes de ouvir "canções" e transmiti-las para outros da sua espécie, a milhares de quilômetros de distância.

Pesquisadores na Austrália escutaram centenas de horas de gravações de baleias macho durante mais de uma década.

Essas gravações revelaram como um padrão musical específico, originado no leste da Austrália, passou adiante para populações de baleias na Polinésia Francesa, a seis mil quilômetros de distância - tal como as músicas que "grudam" nas nossas cabeças quando cantadas por outras pessoas.

As descobertas foram relatadas no periódico científico Current Biology.

'Tendências culturais'

A equipe de pesquisadores, liderada por Ellen Garland, da Universidade de Queensland, diz que as descobertas mostram que os animais transmitem "tendências culturais" por longas distâncias.

"Dentro de uma população, todos os machos cantam a mesma canção", explicou Garland. "Mas essa canção muda constantemente. Então queríamos observar a dinâmica das canções ao longo do oceano."

Para isso, ela e seus colegas estudaram as gravações de 775 canções de baleias jubarte, feitas por cientistas do consórcio South Pacific Whale Research.

"Vários sons diferentes compunham as canções", disse Garland. "Há gemidos, chiados e rosnados de baixa frequência, além de gritos mais altos e todas as variações de (notas) altas e baixas."

Padrões desses sons compõem frases, e as baleias repetem as frases - como versos repetidos - por até 30 minutos.

Com um software de análise de sons, a equipe de Garland descobriu que quatro novas canções desenvolvidas por uma população de baleias no leste australiano gradualmente se difundiram rumo ao oeste oceânico.

Dois anos depois de uma nova canção ter sido "inventada", baleias na Polinésia Francesa estavam cantando a mesma "versão".

Os pesquisadores creem que as baleias no Pacífico Sul podem ouvir e aprender novas canções durante sua migração anual para a Antártica.

"A população (de baleias) do leste da Austrália é a maior da região, com mais de 10 mil jubartes", explicou Garland. Como estão em grande número, elas podem ter maior influência sobre quais canções vão "pegar".

O biólogo Peter Tyack, do Instituto Oceanográfico Woods Hole, nos EUA, diz que o estudo australiano apresenta "uma nova maneira de olhar para a cultura desses animais".

"Eles são muito móveis, podem nadar centenas de quilômetros por dia. E suas canções são carregadas pelas águas", disse. "Então bastam alguns machos itinerantes agindo como embaixadores culturais para espalhar as canções (para outras populações)."

Cantores gigantes

Apesar de ainda haver dúvidas quanto a se as canções cantadas pelos machos são destinadas às fêmeas ou a eles mesmos, a maioria dos cientistas acredita que a música tenha um papel no processo reprodutivo.

"Observamos 'cantores' competindo entre si e fêmeas se unindo aos 'cantores', então acreditamos (que o ato de cantar) esteja associado à procriação", disse Tyack.

Patrick Miller, do centro de pesquisas de mamíferos aquáticos da Universidade de St. Andrews (Grã-Bretanha), disse que o estudo sugere que "alguns fatores de larga escala, antes não detectados, promovem as mudanças anuais nas canções das jubartes".

"Podemos apenas especular sobre esses fatores, mas a exploração disso certamente abrirá caminho para um novo entendimento da vida desses gigantes cantores e cosmopolitas." BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Fonte: BBC Brasil

Concurso Prefeitura de Machadinho – RS (01 vaga para Biólogos)

Estão abertas as inscrições para o concurso oúblico da Prefeitura de Machadinho (RS), que visa a contratação de servidores sob Regime Jurídico Estatutário.

O candidato ou seu procurador poderá solicitar a inscrição nos dias úteis entre 18 e 29 de abril de 2011. O atendimento será das 7h45 às 11h45 e das 13h às 17h, na sede da Prefeitura de Machadinho.

Biólogos podem concorrer ao cargo Licenciador Ambiental (salário de 1.204,00 e 20 horas de carga horária semanal).

Mais informações:

Concurso Público Miracema - RJ (01 vaga para Biólogos)

O concurso público da Prefeitura de Miracema (RJ) visa provimento de vagas efetivas.

O cargo Biólogo possui remuneração mensal de R$1.458,52.

As inscrições serão efetuadas no endereço eletrônico http://www.cepuerj.uerj.br, link Prefeitura Municipal de Miracema 2011, até o dia 08 de maio de 2011.

Mais informações:


segunda-feira, 18 de abril de 2011

Concurso Público Capão da Canoa - RS (01 vaga para Biólogos)

O concurso público da Prefeitura de Capão da Canoa (RS) irá contatar Biólogo (vencimento de R$2.537,22).

O local de recebimento das inscrições é o Auditório da Prefeitura, à Avenida Paraguassu, 1881, no Centro de Capão da Canoa (RS). O prazo vai até o dia 09 de maio de 2011, nos dias úteis das 13h às 19h, e em alguns sábados das 8h30 às 12h.

Mais informações:

XXIX Encontro Anual de Etologia


De 08 a 12 de outubro de 2011, irá acontecer em Uberlândia (MG) o XXIX Encontro Anual de Etologia.

O terma este ano será "Um olhar no futuro da Etologia no Brasil".

O evento contará com conferências, simpósios, mini-cursos, workshops e apresentações orais.

O prazo final para envio de trabalhos é dia 20 de agosto.

Terão descontos as inscrições feitas até o dia 30 de maio.

Mais informações:

Sem contribuição científica, Código Florestal será desastre, diz pesquisador


A revisão do Código Florestal precisa ter embasamento científico e, por isso, não deveria ser aprovada rapidamente - são necessários ao menos dois anos para que sejam oferecidas importantes contribuições científicas e tecnológicas. Foi o que afirmou nesta terça-feira (5) o pesquisador Antonio Donato Nobre, durante audiência pública realizada no Senado. Ele disse que, da forma como está, a proposta que reformula o código "será um desastre". Nobre participou da reunião como representante do grupo de trabalho criado pela Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e pela Academia Brasileira de Ciência (ABC) para oferecer subsídios à revisão do código.

Nobre anunciou que o grupo de trabalho da SPBC e da ABC pretende divulgar um relatório nas próximas semanas ("talvez em duas semanas"). E antecipou algumas das conclusões a serem apresentadas. Uma delas, "mais óbvia", é que essa legislação está ultrapassada e precisa ser reformulada. Ele alegou, no entanto, que o Código Florestal atual (Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 1965) e o anterior, de 1934, "contaram com o que havia de melhor na ciência em suas respectivas épocas".
- A ciência e a tecnologia precisam ser aproveitadas no processo legislativo, neste momento em que há, por exemplo, vários satélites no espaço e a Embrapa faz um trabalho maravilhoso - argumentou.

Outra conclusão é que as áreas de conservação "têm amplo suporte científico e, portanto, qualificam-se como produtivas unidades da paisagem, o que mostra que se deve parar com as discussões sobre sua redução ou aumento".

Durante a audiência, o pesquisador apresentou, como exemplo de conhecimento científico que pode ser utilizado nas discussões, uma tecnologia desenvolvida pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), onde ele trabalha. Essa tecnologia permite o mapeamento geomorfológico de terrenos a partir de maquetes digitais.

Vários senadores apoiaram a participação da comunidade científica nas discussões sobre o código, como Aníbal Diniz (PT-AC), Paulo Davim (PV-RN) e Rodrigo Rollemberg (PSB-DF). Este último é o presidente da Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado (CMA), que promoveu a audiência em conjunto com a Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado (CRA).

Polarização e integração - Antônio Donato Nobre ressaltou ainda que a análise feita pelo grupo de pesquisadores "encontrou suporte qualificado para ambos os lados", referindo-se à polêmica entre produtores rurais, de um lado, e ambientalistas, de outro. Essa polarização esteve presente na audiência quando o senador Ivo Cassol (PP-RO) criticou os ambientalistas, afirmando que as ideias desse grupo, se atendidas, vão prejudicar a atividade produtiva e a população do país. A senadora Marina Silva (PV-AC), que não participou da reunião, é uma das principais representantes dos ambientalistas no Congresso.

Para Nobre, "essa discussão deve se fundamentar numa construção participativa com consulta de todos os setores diretamente envolvidos".
- Mas o que temos visto são fortes lobbies de um lado e de outro - frisou.

Ao defender a integração entre as duas correntes, Nobre ressaltou que os estudos do grupo de que faz parte indicam que é possível aumentar e aperfeiçoar a produção agrícola com um impacto ambiental mínimo. A integração também foi defendida por Elíbio Rech Filho, membro da ABC. Elíbio declarou que "a biodiversidade sustenta todo o sistema agrícola e, por isso, a manutenção e a sinergia entre a biodiversidade e o agronegócio deve ser intensificada". Ele destacou que isso terá de ser feito em um contexto no qual não apenas o agronegócio é fundamental na pauta das exportações do país, mas no qual a expectativa é que o Brasil aumente sua produção de alimentos para atender à crescente demanda global nas próximas décadas.

Quanto à proposta que vem sendo defendida pelo deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), Nobre avaliou que "ela resolve alguns problemas dos agricultores, o que é justo", mas gera vários outros problemas, como o eventual fim das Áreas de Preservação Permanente (APPs) em topos de morro. Ele reiterou que medidas como essa põem em risco parte da biodiversidade do país, que pode se extinguir.

- É o risco da irreversibilidade, que é muito sério - declarou ele.

O pesquisador sugeriu que os parlamentares ofereçam soluções de curto prazo para os agricultores (para questões como a cobrança das multas previstas no Decreto 6.514, de 2008), mas não aprovem rapidamente o novo código, para que se possam incorporar os subsídios da comunidade científica.

Nobre também avaliou que a nova lei, para ter sucesso, "deve estimular boas práticas, em vez de ter somente caráter punitivo", idéia que também foi defendida pela senadora Ana Amélia (PP-RS).

Fonte: Agência Senado

Circuito Cemig de Arborização Urbana


Local: Auditório FIEMG – SENAI
Av. Engenheiro Benjamim de Oliveira, 144 A
Bairro Esplanada – Divinópolis – MG

Inscrições até dia 26 de abril de 2011 pelo e-mail circuitoarborizacao@cemig.com.br ou pelo telefone (31) 3506-2745

Data: 28 de abril de 2011 (quinta-feira)

Mais informações:

Prêmio México de Ciência & Tecnologia 2011


O governo mexicano está com inscrições abertas para candidatos de instituições da América do Sul, Central, Caribe, Portugal e Espanha para o Prêmio México de Ciência & Tecnologia 2011.

Instituído em 1990, o prêmio prestigia anualmente o trabalho científico e tecnológico realizado por pesquisadores das regiões ibero-americanas e caribenha.

O objetivo da homenagem é estreitar o conhecimento entre as comunidades científicas e tecnológicas dos países dessas regiões com o México.

O cientista vencedor receberá 624.600 pesos mexicanos (equivalentes a R$ 80 mil), uma medalha e diploma, que serão entregues em cerimônia pelo presidente do México.

O prazo para a inscrição dos candidatos e entrega da documentação termina em 1º de outubro de 2011.

Mais informações (em espanhol):

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Concurso Público Londrina – PR (02 vagas para Biólogos)

Foi divulgado o edital para concurso público da Prefeitura Municipal de Londrina (PR).

Biólogos podem concorrer ao cargo Gestor Territorial – Serviço de Biologia.

São 02 vagas disponíveis e a remuneração é de R$3.063,83.

Os interessados devem acessar o site www.consulplan.net, entre os dias 18 de abril e 05 de maio de 2011.

Mais informações:

Bolsas de estudo na Europa


O programa Institutos Europeus para Estudos Avançados (Eurias) oferece 36 bolsas de pesquisas em diversas áreas do conhecimento, em instituições da Europa e de Israel, para o ano acadêmico 2012-2013. Candidatos de todo o mundo podem se inscrever pela internet até o dia 31 de maio.

O Eurias é um consórcio de 14 institutos de estudos avançados coordenado pela Rede Francesa de Institutos de Estudos Avançados (RFIEA). As bolsas são oferecidas principalmente para as áreas de ciências humanas e sociais, mas candidatos das áreas de ciências exatas e naturais também podem ser contemplados, caso seus projetos não exijam o uso de instalações laboratoriais.

No ano acadêmico 2012-2013, o programa oferece 36 bolsas, sendo 19 para pesquisadores juniores e 17 para pesquisadores seniores. Os programas de pesquisa nos 14 institutos participantes têm duração de dez meses.

As bolsas totalizam 26 mil euros para candidatos juniores e 38 mil euros para candidatos seniores. Os candidatos selecionados também terão alojamento à disposição, uma ajuda de custo para pesquisas e para despesas de viagem.

Os 14 institutos participantes estão localizados em Berlim (Alemanha), Bolonha (Itália), Bruxelas (Bélgica), Bucareste (Romênia), Cambridge (Reino Unido), Helsinki (Finlândia), Jerusalém (Israel), Lyon (França), Nantes (França), Paris (França), Uppsala (Suécia), Viena (Áustria) e Wassenaar (Holanda).

Os candidatos devem apresentar uma proposta de pesquisa sólida e inovadora, demonstrar a habilidade de atuar além de seu campo de especialização, demonstrar comprometimento internacional bem como publicações de qualidade em foros de grande impacto.

Mais informações:

Semana do Meio Ambiente da UNESP e 1º Workshop em Ciências Ambientais


A Semana do Meio Ambiente da UNESP Sorocaba irá acontecer entre os dias 23 e 27 de maio de 2011 e apresenta como objetivo principal reunir profissionais ligados a área ambiental, para a discussão dos novos desafios na busca de meios produtivos sustentáveis e apresentação de possíveis soluções tecnológicas.

O evento conta sempre com atividades diferenciadas, palestras, mesas redondas, mini-cursos, visitas técnicas e oficinas que envolvem o tema proposto: a área ambiental em seus variados aspectos, seus trabalhos e experiências. Em momentos de descontração e entretenimento, durante os coffee-breaks ocorrerão apresentações culturais, exposições de empresas e lojas.

Durante o evento haverá a apresentação dos trabalhos do 1° Workshop de Ciências Ambientais - Unesp Sorocaba. Serão apresentados trabalhos de divulgação de pesquisas científicas, de desenvolvimento industrial, e de extensão universitária relacionados ao tema do evento, através de posters.

Mais informações:

Cientistas redescobrem no Tocantins pica-pau-do-parnaíba, que desapareceu por 80 anos


Pouco conhecido e bastante ameaçado. Este é o pica-pau-do-parnaíba (Celeus obrieni), redescoberto por um grupo de pesquisadores em 2006, em Goiatins, nordeste do estado do Tocantins, depois de 80 anos desde seu primeiro registro, ocorrido no município de Uruçuí, no sul do Piauí, em 1926, na região do rio Parnaíba. Endêmica do Cerrado, a espécie também foi registrada nos estados de Goiás, Mato Grosso e Maranhão.

Desde 2007, uma equipe de pesquisadores da Fundação de Apoio Científico e Tecnológico do Tocantins, apoiada pela Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, desenvolve uma pesquisa sobre o pica-pau-do-parnaíba. “A pesquisa tem dois objetivos: o de estudar a biologia e a ecologia da espécie, determinando seu hábitat preferencial, alimentação, reprodução, relação com outras espécies; e o de realizar expedições para áreas onde historicamente houvesse registros desta espécie”, explica Renato Torres Pinheiro, responsável técnico pelo projeto. Com estas informações, a equipe poderá propor medidas para a conservação do animal.

Pinheiro conta que, além de terem sido confirmados os registros anteriormente feitos, sua equipe chegou a realizar um registro inédito da ave no Mato Grosso. “Os resultados mostraram que a espécie tem uma preferência por áreas de cerradão com bambu, o que impossibilita uma definição de área exclusiva de ocorrência da ave, uma vez que este tipo de vegetação encontra-se disperso pelo Cerrado”, relata.

O pesquisador diz que ainda não existem dados suficientes para determinar o tamanho real da população do pica-pau-do-parnaíba no Brasil, mas sabe-se que é pequena. “Estima-se que haja entre três e seis mil indivíduos da espécie, sendo que as maiores populações estão no estado do Tocantins, onde ainda se encontram as maiores extensões de Cerrado preservado”, comenta.

O pica-pau-do-parnaíba alimenta-se quase que exclusivamente de formigas que vivem dentro das hastes da Guadua paniculata, uma espécie de bambu característica do Cerrado. “O fato de a ave ser especializada em um tipo específico de alimento, encontrado em um ambiente pouco explorado, que é o cerradão com bambu, faz dela uma espécie pouco abundante na natureza, o que justifica o seu desaparecimento por 80 anos e o que a coloca em risco ainda maior de extinção”, explica Pinheiro. “Em Goiás, por exemplo, a situação da espécie é bastante crítica, uma vez que mais de 65% da cobertura vegetal de Cerrado foi destruída no estado. Ainda assim, a probabilidade de extinção da espécie está relacionada à disponibilidade de ambientes propícios”, afirma.

Outra preocupação dos cientistas é que não foi realizado, até hoje, nenhum registro do pica-pau-do-parnaíba em unidades de conservação de proteção integral, o que aumenta a vulnerabilidade da espécie. Segundo Pinheiro, como a ave depende muito do seu hábitat, é muito importante que o Cerrado seja conservado.

A própria espécie contribui com a conservação do bioma. Como a ave se alimenta exclusivamente de formigas, os cientistas acreditam que ela tem uma relação ecológica importante com este grupo, seja alimentando-se e controlando algumas espécies, seja furando as hastes de bambu e permitindo que outras espécies façam uso deste recurso. “Apesar de ingerir mais de 20 espécies de formigas diferentes, seleciona apenas duas, que compõem 80% de sua dieta. Nesse sentido, por ser uma espécie altamente especializada no uso de alguns recursos do meio, seguramente a sua ausência causaria um desequilíbrio”, explica Pinheiro.

Andamento do projeto

No início do ano, Pinheiro e a equipe do projeto que pesquisa o pica-pau-do-parnaíba identificaram, pela primeira vez, a ocorrência da espécie em uma área protegida. A ave foi identificada em uma reserva particular do município de Minaçu, na região norte de Goiás.

Em janeiro, os pesquisadores também iniciaram a procura de indivíduos da espécie para captura e marcação com radiotransmissores. Está prevista a marcação de cinco aves, para a identificação de hábitos de vida que ainda não foram registrados.

Fonte: PortalCT