quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

FELIZ NATAL! FELIZ 2011!

Concurso IPT – Instituto de Pesquisas Tecnológicas/ SP (01 vaga para Biólogos)

Foi publicado o edital para concurso público do IPT – Instituto de Pesquisas Tecnológicas/ SP, objetivando preencher vagas na equipe permanente de servidores da instituição.

Biólogos podem candidatar ao cargo Assistente de Pesquisa Trainee (CÓD 3014). O profissional irá trabalhar no Centro de Tecnologia de Recursos Florestais. A remuneração mensal é de R$3.296,35.

O candidato deve ter inglês nível intermediário e domínio no uso de editor de texto, planilha eletrônica, apresentação, correio eletrônico e internet.

A seleção de profissionais para o Concurso do IPT será feita a partir da aplicação das seguintes provas: Provas Objetivas; Currículo Documentado; Banca Examinadora – Entrevista.

A empresa organizadora do concurso é a Vunesp e a inscrição é aberta em seu site (www.vunesp.com.br) entre os dias 10 de janeiro e 09 de fevereiro de 2011.

Mais informações:

OPINIÃO: Código Florestal - Processo de reforma precisa de novos rumos


Por Bruno Taitson, do WWF

O ano de 2010 chega ao fim e o processo de reforma do Código Florestal não caminhou para uma solução conciliadora. O relatório apresentado em junho pelo deputado federal Aldo Rebelo (PCdoB-SP) sofreu críticas, tanto de pesquisadores como de acadêmicos, ambientalistas, representantes do movimento social e pequenos agricultores. A principal queixa gira em torno do fato de que o documento não foi produzido a partir de critérios técnicos e científicos, além de não ter sido debatido de forma ampla pela sociedade.

De acordo com o superintendente de conservação do WWF-Brasil, Carlos Alberto de Mattos Scaramuzza, é fundamental que o processo seja reconduzido para o caminho correto, com propostas baseadas na ciência. “A sociedade não aceita mais esse debate marcado pelo extremismo. Esperamos que as partes que tenham bom senso assumam o protagonismo das discussões, e que um novo substitutivo que tenha mais legitimidade seja apresentado”, avaliou Scaramuzza.

Além disso, o superintendente lembrou que foi difundido um conceito errôneo de que o Código Florestal representa entraves ao agronegócio brasileiro. Ele lembra que recente artigo* escrito por pesquisadores das áreas de agricultura e meio ambiente, reconhecidos nacional e internacionalmente, aponta para a propagação de um falso conflito entre a preservação da vegetação natural e a produção de alimentos.

De acordo com os autores do artigo, os maiores obstáculos para a agricultura e a pecuária não estão na legislação ambiental, e sim em fatores como escassez de crédito agrícola, falta de assistência técnica, distribuição desigual de terras no país e carência de investimentos em infraestrutura para armazenamento e escoamento da produção, entre outros pontos.

Mediação pelo MMA

Segundo Scaramuzza, é fundamental que não só acadêmicos, pesquisadores e cientistas sejam envolvidos nos debates, mas também representantes da sociedade civil organizada, que foi ignorada no processo de elaboração do substitutivo apresentado em junho. “A mediação do Ministério do Meio Ambiente é fundamental para garantir que uma nova proposta, com legitimidade técnica e respaldo de diferentes setores, seja apresentada para a sociedade”, destaca o superintendente do WWF-Brasil.

A ministra do Meio Ambiente, afirmou nesta quinta (16/12) em Brasília, durante reunião do Conselho Nacional de Recursos Hídricos, que as discussões a respeito das mudanças no Código Florestal não contemplaram os segmentos com envolvimento direto na questão. Ela salientou ainda que as políticas ambientais devem dialogar entre si e com todos os setores da sociedade brasileira.

Histórico

Em junho de 2010, o deputado federal Aldo Rebelo apresentou um substitutivo ao projeto de lei 1876/99, que trata das mudanças no Código, que foi aprovado no mês seguinte pela Comissão Especial para Analisar as Mudanças no Código Florestal. Este mês, após acordo feito por intermédio do deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), os ruralistas tentaram votar o regime de urgência para o plenário da Câmara apreciar o substitutivo. Após inúmeras manifestações contrárias por parte de diversos setores da sociedade, o pedido não foi para votação.

Fonte: Agência Envolverde

Gene da impulsividade


A impulsividade tem sido relacionada a vários distúrbios psiquiátricos e também a formas diferentes de comportamento violento. Um novo estudo acaba de descobrir uma mutação que pode predispor seus portadores a reagir sob o impulso do momento e de maneira irrefletida.

A pesquisa foi feita com 96 presidiários na Finlândia por um grupo internacional e teve seus resultados publicados na edição desta quinta-feira (23/12) da revista Nature.

A mutação está presente no gene HTR2B, um receptor de serotonina, neurotransmissor que atua no controle de impulsos. A descoberta foi feita após os pesquisadores sequenciarem e compararem o DNA de condenados por crimes violentos com um grupo controle.

Denominada HTR2B Q20, a mutação se mostrou três vezes mais presente entre os presidiários do que nos demais. Os 17 condenados que carregavam a mutação (do total de 96 analisados) cometeram em média cinco crimes violentos, 94% dos quais sob a influência de bebidas alcoólicas. Os crimes se constituíram em reações agressivas a eventos menores sem premeditação ou ganho financeiro.

Apesar de a presença da mutação ter se mostrado mais frequente nos criminosos, os cientistas ressaltam que sua presença não é suficiente para provocar ou prever o comportamento impulsivo.

Segundo Laura Bevilacqua, do Instituto Nacional sobre Abuso de Álcool e Alcoolismo dos Estados Unidos, e colegas, outros fatores devem ser levados em conta ao se discutir o tema, como gênero, níveis de estresse ou consumo de álcool. Por conta disso, reforçam, mais estudos são necessários para entender melhor o papel particular dessa mutação descoberta agora.

Fonte: Agência FAPESP

Pós em biociência e tecnologia de bioativos


O Instituto de Biologia (IB) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) abriu as inscrições para o processo seletivo de candidatos para os cursos de mestrado, doutorado direto e doutorado com título de mestre para o primeiro semestre de 2011 do Programa de Pós-Graduação em Biociência e Tecnologia de Produtos Bioativos.

Os cursos visam a oferecer opções de treinamento avançado em diversas áreas de biociências aplicadas a produtos bioativos (insumos, fármacos e medicamentos).

Entre outros requisitos, os interessados devem possuir graduação em farmácia, biologia, saúde ou outras áreas inter-relacionadas.

As inscrições podem ser feitas pessoalmente ou pelo correio até 14 de janeiro de 2011 no Serviço de Pós-Graduação do IB, situado na Av. Bertrand Russel, s/nº, bloco O, na Unicamp.

Para mais informações, clique aqui e aqui

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Filhotes fêmeas de chimpanzé 'parecem brincar com bonecas'


Cientistas americanos dizem que filhotes fêmeas de chimpanzés parecem tratar pedaços de pau como bonecas, carregando-os consigo até terem seus próprios filhotes.

Os pesquisadores, da universidade de Harvard, em Cambridge, Massachusetts, e do Bates College, em Lewiston, Maine, dizem que filhotes machos se comportam dessa forma com muito menos frequência.

O estudo, publicado pela revista científica Current Biology, é o primeiro a obter evidências de espécies não humanas, selvagens, brincando com bonecas rústicas. O trabalho também é o primeiro a observar diferenças na escolha de brinquedos por animais selvagens de sexos diferentes.

Os especialistas acreditam que o comportamento observado pode ser um indício de que a diferença na forma como meninos e meninas brincam teria um fundo genético - ou seja, as crianças não estariam simplesmente imitando o comportamento de outras.

Biologia

Os cientistas especulam que o hábito de brincar com bonecas, entre os humanos, poderia ter origem no hábito de carregar objetos entre os primeiros macacos.

"Em humanos, há diferenças marcantes na forma como crianças de sexos diferentes brincam com brinquedos, e elas são incrivelmente similares em diferentes culturas", disse a bióloga Sonya M. Kahlenberg, do Bates College.

"A socialização por adultos e outras crianças tem sido vista como a explicação principal, mas nosso estudo sugere que a biologia pode ter também um papel importante nas preferências por determinadas atividades".

Bonecas

Kahlenberg e o biólogo Richard W. Wrangham, de Harvard, passaram 14 anos observando o comportamento de chimpanzés no Kibale National Park, em Uganda, na África.

Eles identificaram mais de cem exemplos de animais carregando pedaços de pau. Em muitos casos, as fêmeas filhotes não estavam usando as varetas para procurar comida ou brigar - como os macacos adultos às vezes fazem - ou por qualquer outra razão clara.

Alguns filhotes carregavam as varetas para o ninho para dormir com elas e, em uma ocasião, um filhote construiu um ninho separado para a vareta.

"Vimos alguns casos de jovens chimpanzés carregando os pedaços de pau por muitos anos, e como às vezes eles os tratavam como bonecas, queríamos saber se, de maneira geral, esse comportamento representaria algo como brincar com bonecas", disse Wrangham.

"Se a hipótese das bonecas fosse correta, achávamos que as fêmeas deveriam carregar os pedaços de pau mais vezes do que os machos, e que os chimpanzés deveriam parar de carregar as varetas quando tivessem seus primeiros filhotes. Agora, observamos os jovens chimpanzés o suficiente para testar ambos os pontos".

Kahlenberg e Wrangham observaram algumas fêmeas adultas carregando pedaços de pau, mas apenas antes de se tornarem mães pela primeira vez. As evidências apontaram vínculos claros entre as brincadeiras infantis e o comportamento adulto, uma vez que, em 99% do tempo, as fêmeas, e não os machos, carregam os bebês chimpanzés.

"Obviamente, em humanos, os amigos, pais e outros (membros do grupo) têm um papel importante em influenciar as preferências das crianças por diferentes tipos de brinquedos, e o mesmo pode acontecer com os chimpanzés", disse Wrangham.

"Uma das coisas que tornam nossa descoberta tão fascinante é que existe pouca evidência de algo comparável em outras comunidades de chimpanzés. Isso levanta a possibilidade de que os chimpanzés estariam copiando uma tradição local de comportamento. Esse pode ser o caso de influências biológicas e sociais se combinando."

Fonte: BBC Brasil

Concurso Público Ministério do Meio Ambiente

Profissionais com diploma de nível superior em qualquer área de formação podem se candidatar às vagas oferecidas pelo Ministério do Meio Ambiente para o cargo de Analista Ambiental da carreira de Especialista em Meio Ambiente.

Os 200 postos estão divididos igualmente em cinco áreas de concentração: Recursos Humanos, Planejamento Estratégico, Política Nacional de Recursos Hídricos, Mudança Climática e Biodiversidade.

A remuneração é de R$ 5.577,64 para uma jornada de 40 horas semanais.

Os interessados poderão se inscrever no período de 6 a 27 de dezembro pelo endereço eletrônico www.cespe.unb.br/concursos/mma_2010, com taxa no valor de R$ 65,00.

A seleção terá provas objetivas e prova discursiva, que serão aplicadas na data provável de 06 de fevereiro de 2011, em todas as capitais brasileiras.

Os candidatos aprovados participarão ainda de Curso de Ambientação e serão lotados em Brasília.

PL do Ato Médico: profissões da saúde apresentam questionamentos ao Senado


Representantes dos conselhos profissionais da área de saúde, entre eles o Conselho Federal de Biologia (CFBio), o Conselho Nacional de Saúde (CNS) e do Fórum das Entidades Nacionais dos Trabalhadores da Área da Saúde (Fentas) foram recebidos pelo senador Romero Jucá (PMDB/RR), líder do governo no Senado Federal, na tarde de 14 de dezembro. Jucá ouviu os questionamentos, sobretudo em relação ao Artigo 4º e disse. “Não vou colocar PL do Ato Médico [em votação] neste contexto conturbado. Mas preciso ter, concretamente, os pontos de desacordo", que mostrou interesse em entender os pontos de atrito que permanecem na redação do PL para "ter idéia do tamanho do conflito".

Para os representantes a divergência é grande. Há muitos anos os conselhos profissionais vêm participando de fóruns na expectativa de dirimi-las. “O Sistema CRBio/CRBios sempre esteve junto nesta campanha. Procedeu uma análise dos PLs nº 7.703-c /2006 e nº 268/2002 e identificou os itens que interferem no exercício do biólogo, enviando também suas considerações aos parlamentares, por entender que esses projetos afrontam e desrespeitam as profissões regulamentadas da área da saúde, desvalorizando as conquistas e avanços obtidos na área pelas equipes multiprofissionais”, destaca a presidente do CFBio, Maria do Carmo Brandão Teixeira.

"Não somos contrários à regulação da profissão do médico, mas temos preocupação com impactos que o PL terá sobre o sistema de saúde", afirmou Ana Cristhina Brasil, do Fentas, para o qual um dos princípios do SUS, o da integralidade, será descumprido se o PL for aprovado como está. Ana Cristhina ressaltou os impactos do PL sobre a autonomia das profissões de saúde, pois ele restringe aos médicos diversas atividades realizadas com qualidade e competência por outros profissionais da saúde. Ana Christina lembrou também que há recomendação do Conselho Nacional de Saúde para que o PL não seja aprovado em sua forma atual, em consonância com indicações da 12ª e 13ª Conferências de Saúde.

A psicóloga Maria Ermínia Ciliberti, representante do Conselho Federal de Psicologia e do Conselho Nacional de Saúde (CNS), apontou que a posição do Ministério da Saúde é diferente da posição do CNS, externada na Recomendação do CNS nº 031, a qual solicita para o Senado que, ao analisar a questão, "leve em consideração as garantias constitucionais relativas ao direito dos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) ao atendimento integral e preserve a autonomia dos profissionais de saúde, em favor da continuidade da prática de assistência integral, do acesso universal às ações de promoção, proteção e recuperação da saúde, efetivadas a partir das políticas e dos programas do SUS".

Na reunião, a representante do Ministério da Saúde (MS) Maria Helena Machado, afirmou que o MS concorda com o texto do PL conforme foi aprovado pelo Senado. Houve debate, os representantes dos conselhos profissionais esclareceram que embora o PL vem sendo discutido há muito tempo, as proposições apresentadas, na busca de um consenso, não foram incorporadas e que esta versão desrespeita as demais profissões da Saúde.

Desta forma, o senador Jucá solicitou ao grupo que lhe apresentasse um documento explicitando os pontos de conflitos do PL do Senado. No mesmo dia, os representantes se reuniram na sede do Conselho Federal de Psicologia, debateram os pontos mais polêmicos, e no dia seguinte, na sede do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO) quando finalizaram o documento que foi encaminhado ao senador Romero Jucá.

Fonte: CFBio

Emprego analista conservação agricultura (cana-de-açúcar e soja), Brasília – DF


Empresa Contratante
WWF-Brasil

Salário
A Combinar

Benefícios
Seguro saúde, seguro de vida, auxílio para tratamento odontológico e ticket alimentação/refeição. Remuneração compatível com o cargo, formação profissional e experiência de trabalho.

Carga Horária
40 horas


Dados da Vaga do Emprego
- Graduação em Agronomia, Biologia, Ecologia ou áreas correlatas. Pós-Graduação na área de Ciências Naturais e/ou Agropecuária. Desejável Pós-graduação em tema relacionado à sustentabilidade no setor agrícola.
- Experiência profissional com os temas: cana-de-açúcar e soja. Desejável experiência internacional. Visão regional e global da cadeia de custódia de produção e processamento da cana-de-açúcar e suas interrelações.
- Conhecimento técnico com foco em boas práticas agrícolas e sustentabilidade sócio ambiental. Bom conhecimento de mercados agropecuários e da interface entre produção, meio ambiente e conservação da natureza. Conhecimento em ferramentas de Geoprocessamento como SIG. Desejável conhecimento de outras cadeias de commodities agrícolas. Desejável conhecimento em certificação agrícola, pecuária ou florestal. Desejável Conhecimentos de espanhol ou outras línguas. Inglês (Leitura, redação e comunicação para participar de atividades em geral).
- Disponibilidade para residir em Brasília. Disponibilidade para viajar a trabalho.
- Competências e habilidades desejadas: Boa redação e habilidade de argumentação na defesa de questões prioritárias para o WWF-Brasil. Fluência em Inglês (leitura, escrita e comunicação). Formação cultural e habilidade de relacionamento para trabalhar com pessoas de diferentes culturas e formações. Capacidade empreendedora, iniciativa, criatividade e dinamismo. Foco na busca de soluções inovadoras e transformadoras. Bom relacionamento interpessoal, visando um eficiente trabalho em equipe. Forte senso de organização. Capacidade de utilizar aplicativos e equipamentos necessários para o bom desempenho da função. Trabalho em Equipe. Relacionamento Interpessoal.

Responsabilidades
- Implementar as estratégias do WWF-Brasil para mitigação dos impactos da agropecuária na conservação da natureza e incorporação do capital natural nos modelos de negócio adotados pelo setor, responsabilizando-se pelo planejamento, execução, avaliação, monitoramento e aprendizagem de projetos e ações.
- Apoiar o desenvolvimento de modelos e cenários de analise da expansão da agropecuária e avaliação de seus impactos ambientais, em conjunto com o Coordenador e equipe.
- Promover o diálogo entre os agentes da cadeia produtiva agropecuária, organizações ambientalistas, movimentos sociais e Governo, propondo adoção de melhores práticas e responsabilidade socioambiental.
- Contribuir para o desenvolvimento de uma abordagem multifuncional e redução dos impactos ambientais associados principalmente a cadeia de produção da cana-de-açúcar e de biocombustíveis (boas práticas de produção, identificação de áreas prioritárias para conservação, regulação da cadeia de custódia, etc).
- Apoiar e facilitar as atividades relacionadas ao tema de agricultura, principalmente cana-de-açúcar e soja, de forma transversal nos Programas de Conservação das Superintendências Temática e Regional, nas áreas de Comunicação e Relações Corporativas/Marketing do WWF-Brasil e nas Iniciativas da Rede Amazônia e Transformação de Mercados contribuindo para o alinhamento e implementação destas ações.
- Auxiliar usinas de cana-de-açúcar e seus fornecedores a atingirem a certificação BSI (Better Sugar Initiative).
- Gerenciar e executar, junto a parceiros, WWF, usinas e fornecedores, o trabalho de levantamento e mitigação da pegada do carbono, outros gases de efeito estufa e água na produção e processamento de cana-de-açúcar.
- Gerenciar e executar, junto a parceiros, WWF, usinas e fornecedores, o trabalho de identificação e mapeamento da vegetação nativa existente, a criação e implementação de plano de conservação visando adequar as propriedades ao Código Florestal e a construção de possíveis alternativas ao Código.
- Alinhar as ações de sua responsabilidade – sob orientação do seu coordenador – com as demais áreas e programas do WWF-BR que tem interface nos temas a serem abordados em água, clima, Pantanal e Mata Atlântica, por exemplo.
- Interagir com a Rede WWF, inclusive na captação financeira e gestão de contratos.

Envio de currículos até dia 12 de Março de 2010.

Interessados que se encaixem no perfil acima devem encaminhar carta de apresentação e currículo em anexo e no corpo da mensagem contendo os pontos relacionados abaixo A/C Deana Florêncio para recursoshumanos@wwf.org.br sob o Assunto: “Seleção Agricultura” / Contato somente por e-mail.

Necessário enviar os seguintes pontos:

- Por que gostaria de trabalhar no WWF-Brasil?
- Identifique problemas sobre a sustentabilidade da cadeia da cana-de-açúcar no Brasil, em áreas consolidadas e em áreas de expansão, discutindo possíveis soluções e inovações.
- Informar pretensão salarial e 3 referências profissionais com telefone.

Concurso Público FREA – SP (Cadastro de Reserva)

O Concurso Público da FREA – Fundação Regional Educacional de Avaré/SP objetiva o preenchimento de vagas existentes no quadro celetista de pessoal.

As inscrições devem ser feitas até o dia 06 de janeiro de 2011, através do site do Instituto Soler (www.institutosoler.com.br).

Biólogos podem se candidatar para os seguintes cargos:

- Professor de Ensino Básico – Biologia;

- Professor de Ensino Superior – Biologia (exige mestrado do candidato);

- Técnico de Laboratório.

As vagas são destinadas a cadastro de reserva.

Para mais informações, clique aqui

34º Congresso Paulista de Fitopatologia


O 34º Congresso Paulista de Fitopatologia, promovido pela Associação Paulista de Fitopatologia em parceria com o Instituto de Tecnologia de Alimentos (Ital) e com o Instituto Agronômico (IAC), será realizado de 15 a 17 de fevereiro 2011, em Campinas (SP).

O tema central será “sustentabilidade na agricultura moderna” em que serão discutidos uso de tecnologias limpas e boas práticas agrícolas. A programação inclui palestras, conferências e simpósios sobre pesquisa, desenvolvimento e inovação em fitopatologia com foco na sustentabilidade.

“Sustentabilidade e a Agricultura Moderna: cenário atual e perspectivas”, “Brasil Food Trends 2020: tendências globais da alimentação”, “Problemas gerais no cultivo de hortaliças em ambiente protegido”, “Doenças em hortaliças e seu manejo em ambiente protegido”, “Epidemiologia de doenças pós-colheita do morango”, entre outras, são algumas das palestras do encontro.

O evento será realizado na sede do Instituto Agronômico, localizado na Av. Barão de Itapura, 1481, Bairro Botafogo, em Campinas.

Mais informações:

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Debate Publico Biodiversidade e Mecanismos de Mercado

Tema
Biodiversidade: gestão e desafios à luz do mercado.

Promoção
Sisema

Data
22/12/10 (quarta-feira)

Horário
17 horas

Local
Espaço Cultural Bar Reciclo, Rua da Bahia, 2164 - BH

Debatedores
- Representante da Fiemg
- Representante da Biodiversitas
- Representante da Amda
- Representante do Sisema
- Representante da UFMG

Contextualização
O PNUMA lançou em 2010 o Relatório: A Economia dos Ecossistemas e da Biodiversidade (TEEB), o qual foi relançado em outubro na Convenção da Biodiversidade, em Nagoia (www.teebweb.org). Foi também apresentado em diversas capitais brasileiras, inclusive em Belo Horizonte (julho/2010 na Fiemg). O documento chama a atenção para o valor econômico da biodiversidade, o que pode ser um mecanismo inteligente para promover a sua proteção e conservação, por meio de mecanismos de mercado. Neste sentido, pode se entender que não existe dicotomia entre a ecologia e a economia, fator que muitas vezes pauta a discussão entre ambientalistas e agentes econômicos.

Muitos outros estudos apontam também nesta direção. A Academia Brasileira de Ciências propôs, por intermédio do documento: Amazônia, Desafio Brasileiro do Século XXI ("ITA da Biodiversidade"), um novo modelo para o desenvolvimento da Amazônia. Estudos e Programas de Universidades e órgãos governamentais apontam que o valor da biodiversidade brasileira supera o pré-sal, ultrapassando a casa dos trilhões de dólares. Conhecer um pouco da "visão mineira" sobre este contexto; e promover uma troca de idéias descontraída entre ambientalistas, empresários, acadêmicos e gestores públicos é o objetivo deste debate.

Inscrições
No horário e local do evento.

Informações
(31) 3915-1774 / 3915-1775

INCISA-IMAM – Complementação de carga horária


A INCISA-IMAM está disponibilizando, para egressos de outras instituições de ensino, oferta de obtenção de novo Título ou complementação de carga horária para atender à nova Resolução CFBio nº 213 (http://migre.me/361Q4) quanto à carga horária de conteúdos Biológicos.

As inscrições devem ser feitas até o dia 28 de janeiro de 2011.

Mais informações:

Processo Seletivo Professor Substituto IFMG (02 vagas para Biólogos)

Está aberto o Processo Seletivo do Instituto Federal de Minas Gerais – IFMG, cujo objetivo é o provimento de cargos vagos em caráter temporário.

A lotação será no Instituto Federal – MG, no Campus de Bambuí.

Biólogos podem se candidatar para 02 cargos que irão ser responsáveis por lecionar as seguintes disciplinas:

- Citologia
- Histologia
- Fisiologia Vegetal
(salário de R$2.743,94)

-Química Geral
- Química inorgânica
- Química orgânica
- Bioquímica
(salário de R$2.688,76)

As inscrições estão abertas de 20 de dezembro de 2010 a 06 de janeiro de 2011 e a solicitação pode ser feita mediante acesso ao website da instituição, em www.ifmg.edu.br .

Para mais informações, clique aqui

X Curso de Identificação em Campo das Famílias Botânicas da Mata Atlântica

Público-alvo: Estudantes de cursos técnicos, de graduação ou pós-graduação na área de Meio Ambiente, Biologia, Ecologia, Engenharia Agronômica, Ambiental e Florestal. Profissionais, consultores ambientais, botânicos e demais interessados.

Objetivos:
O participante terá oportunidade de:
- conhecer o domínio Mata Atlântica, sua origem, fatores condicionantes, fisionomias, usos e riscos;
- identificar os diferentes estágios sucessionais da floresta, com base na análise de sua fisionomia e composição de espécies;
- ter contato com conhecimentos teórico-práticos na área de morfologia que sirvam de subsídios na atividade de identificação de plantas nativas através de caracteres vegetativos básicos das famílias botânicas da Mata Atlântica.

Investimento: R$ 420,00 (profissional ou pós-graduando) e R$ 320,00 (estudante de graduação), à vista ou parcelados em até 2 vezes (Pagamentos: 09/01 e 09/02).

Local: Sede do Viveiro Maria Tereza - Juquitiba/SP (60 km de São Paulo).

O que está incluído no valor: Hospedagem, refeições no local (5 por dia), apostila, CD com fotos das principais espécies (destacando os aspectos abordados), equipamentos utilizados durante as práticas do curso e certificado.

Carga horária: 20 horas

Responsável Técnico:
Rodrigo Trassi Polisel: bacharel e licenciado em Ciências Biológicas pelo IB/USP, pós-graduando em Biologia Vegetal pela UNICAMP. Atua na seção de Ecologia Florestal do IF/SP e é consultor ambiental. Participa de elaboração de EIA/RIMAs, planos de manejo de UCs, relatórios para licenciamento ambiental, inventários florestais e laudos de vegetação.

Restrição climática: O mês de fevereiro é caracterizado por alto nível pluviométrico. Por isso, dependendo da ocorrência de eventos chuvosos ou possível queda de energia momentânea, o cronograma do curso poderá ser alterado, sem prejudicar o andamento das atividades.

Inscrições: Enviar email para nest_usp@yahoo.com.br (Rodrigo) com o assunto: Inscrição X Curso de Identificação.

Mais informações:
@cursosbotanica (Twitter);
email nest_usp@yahoo.com.br

Oportunidade de estagio na área de Educação Ambiental

A Petrel Engenharia abre uma vaga para estágio na área de Educação Ambiental

OBJETIVO: Estágio na área de Educação Ambiental.

ATIVIDADE: Fazer acompanhamento das atividades que serão desenvolvidas nas Unidades da Fundação de Parques Municipais pelos transatores civis e penais encaminhados pelo Ministério Público e ter interesse em atuar na área de Educação Ambiental.

PRÉ REQUISITO: Os candidatos devem ser estudantes do 2º ao 6º período dos cursos de: Ciências Biológicas e Geografia ou estudantes do 3º período do curso de Gestão Ambiental.

HORÁRIO: No período da manhã ou tarde e nos finais de semana. O estagiário deverá cumprir uma carga horária de 20 horas semanais.

Os interessados devem enviar currículo até o dia 15 de janeiro de 2011 para:

Ari Gobira: ari@petrelengenharia.com.br

Karine Martins: karine@petrelengenharia.com.br.

OBS: No campo assunto deve constar "Seleção de estágio para Educação Ambiental".

Mais informações no telefone (31) 3335-0281 com Ari ou Karine.

10º Germplasm and Breeding


O 10º Germplasm and Breeding (10º Workshop de Melhoramento Genético da Cana-de-Açúcar) e o 7º Molecular Biology Workshop (7º Workshop de Biologia Molecular) serão realizados entre os dias 15 e 20 de maio de 2011, em Maceió.

Segundo os organizadores, os eventos pretendem debater temas relacionados ao melhoramento genético e à biotecnologia, identificando pontos de interface entre essas áreas. O tema principal será "Quebrando os paradigmas do melhoramento e da biotecnologia – uma abordagem complementar da pesquisa em cana-de-açúcar".

Os participantes terão oportunidade de conhecer estações de cruzamento de programas de melhoramento genético do Brasil e também de observar variedades de cana-de-açúcar durante o pico de floração e tempo de cruzamento, que normalmente ocorre no mês de maio.

Os interessados têm até 31 de janeiro para enviar propostas de resumos (oral e pôster) e até 15 de abril para se inscrever.

Mais informações:

Curso de Verão em Métodos Matemáticos em Biologia das Populações


O Instituto de Biociências (IB) da Universidade de São Paulo (USP) realizará, de 7 a 12 de fevereiro de 2011, o Curso de Verão em Métodos Matemáticos em Biologia das Populações, em São Paulo (SP).

O curso é gratuito e pretende dar noções introdutórias sobre o tema a estudantes de física, matemática, biologia, ecologia, engenharias e áreas afins. Podem se inscrever pós-graduandos e graduandos que tiverem completado o segundo ano do bacharelado.

As inscrição vão até 7 de janeiro e a seleção será com base na análise do currículo do candidato. Existe a possibilidade de auxílio alojamento para os participantes de fora da cidade de São Paulo.

São 40 vagas e o curso será das 8h30 às 19 horas, com carga horária de 12 horas para as aulas expositivas e de 48 horas para as oficinas. No último dia, haverá apresentações dos resultados dos projetos.

O curso será na IB, na Rua do Matão, trav. 14, nº 321, na Cidade Universitária, na capital paulista.

Mais informações:

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Concurso Público SEGER – ES (01 vaga para Biólogos)

Estão abertas as inscrições para o concurso público da SEGER – Secretaria de Estado de Gestão e Recursos Humanos do Espírito Santo, cujo objetivo é suprir vagas demandadas em diversas áreas vinculadas a administração local.

As inscrições podem ser feitas até o dia 07 de janeiro de 2011 mediante acesso ao endereço www.cespe.unb.br/concursos/seger_es2011 .

O cargo ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL (área de formação Biologia) possui a remuneração mensal de R$3.993,99.

A prova objetiva da SEGER será em 20 de fevereiro de 2011 e detalhes sobre a aplicação serão divulgados em 11 de fevereiro, no website www.cespe.unb.br .

Mais informações:

Quanto custa ser resistente a um parasita


Por Fernando Reinach - O Estado de S.Paulo

A ilha de Hirta é a maior do Arquipélago de St. Kilda, no noroeste da Escócia. Medindo cerca de 3 quilômetros de ponta a ponta e isolada por um mar revolto, foi ocupada ininterruptamente por aproximadamente 200 seres humanos desde o Neolítico até 1930, quando uma mulher morreu de apendicite e toda população resolveu deixar a ilha. Desde então, é uma reserva ecológica.

Ficaram para trás os carneiros selvagens, provavelmente trazidos na época neolítica. A população de carneiros na ilha nunca passa de mil animais. Em invernos rigorosos, ela baixa para 200, por causa da alta mortalidade. Nos anos seguintes, ela se recupera rapidamente, até ser exterminada por um novo inverno rigoroso. Esse ciclo se repete a cada 3 ou 4 anos.

Sem predadores, o crescimento da população é controlado pelo clima e pelas doenças parasitárias. Desde 1985, quando foi iniciado o estudo dessa população de carneiros, os ecologistas têm um registro preciso de todos os nascimentos e vêm coletando sangue e fezes.

O que intrigava os cientistas é que, apesar de muitos desses carneiros possuírem anticorpos capazes de matar os parasitas intestinais, nem todos produziam níveis suficientemente altos de anticorpos para exterminá-los. Seria de se esperar que, em condições tão adversas e após 2 mil anos, os carneiros capazes de resposta imunológica mais potente tivessem sido selecionados. Será que possuir um sistema imunológico eficiente poderia ser desvantajoso para o animal?

De posse dos soros coletados anualmente de cada animal por 25 anos, os cientistas tentaram correlacionar a quantidade de anticorpos no sangue com sua capacidade de sobreviver ao inverno rigoroso e com sua capacidade reprodutiva durante os anos em que a população cresce rapidamente.

Foi observado que os animais com baixas taxas de anticorpos têm menor chance de sobreviver nos invernos rigorosos. Enquanto 65% dos animais com baixos níveis de anticorpos sobrevivem a esses invernos, 75% dos que têm altas taxas de anticorpos conseguem sobreviver.

O curioso é que o oposto ocorre nos anos mais quentes, quando a taxa de sobrevivência no inverno é de 95% para os animais com poucos anticorpos e 90% para os animais com alto nível de anticorpos.

Em seguida, verificaram se a quantidade de anticorpos nos machos afetava sua capacidade reprodutiva. Nesse caso, 50% dos machos com poucos anticorpos geravam filhos a cada ano, mas só 15% dos com alta taxa de anticorpos reproduziam todos os anos. No caso das fêmeas, a fecundidade (porcentagem das fêmeas que geram um filhote vivo a cada ano) era maior (85%) no caso das com poucos anticorpos e menor nas com muitos anticorpos (77%).

Mas quando se examinava a sobrevivência desses filhotes durante o primeiro ano de vida, o resultado se invertia: 85% dos filhotes de fêmeas com baixo nível de anticorpos sobreviviam, enquanto 93% dos filhotes das fêmeas com altos níveis o faziam.

Esses resultados demonstram que produzir muitos anticorpos traz vantagens (sobrevivência nos invernos rigorosos e filhotes com mais chances de sobreviver), mas também tem custos altos (machos e fêmeas perdem fecundidade e têm mais dificuldade de sobreviver nos invernos menos rigorosos). Isso explica porque a resposta imune contra os parasitas não é sempre robusta.

Normalmente, imaginamos que uma resposta imune forte é invariavelmente vantajosa, pois evita doenças ou faz com que elas se manifestem de forma mais branda. É a primeira vez que se demonstra em mamíferos que desenvolver e manter uma resposta imune eficiente tem custos para o animal e que esses custos aparecem na forma de uma diminuição na sua capacidade reprodutiva.

Isso talvez ajude a explicar porque, mesmo depois de milhares de gerações expostas a certos patógenos, ainda nascemos suscetíveis a tantas doenças. Quem diria que estudar carneiros abandonados em uma ilha fria na Escócia ajudaria a explicar a variabilidade de nossa resposta imune?

ATO MÉDICO: VAMOS AGIR RÁPIDO PROJETO DE LEI PODE SER VOTADO AINDA ESTE ANO


Lideranças médicas estão se articulando no Senado solicitando que o Projeto de lei do Ato Médico (PL 268/2002 e PL 7703/2006) entre em votação ainda nesta legislatura, em regime de urgência.

Hoje o projeto está tramitando na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania e deveria ainda passar pela Comissão de Assuntos Sociais. No entanto, se for aprovado o regime de urgência, o projeto deixa de passar por essas Comissões e vai direto para votação no plenário do Senado, sem debate e consenso entre os profissionais da saúde.

O Projeto de lei do Ato Médico tira a autonomia de milhares de profissionais da saúde e torna crime a prática de vários atos que estamos exercendo há muito tempo, retirando também a liberdade do usuário de escolha do tratamento.

Faça a sua parte!

Exerça sua cidadania enviando urgentemente email aos Senadores, solicitando que eles votem NÃO ao Projeto de lei do Ato Médico.

Mais informações:

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Conselho Federal de Biologia nega que tenha aprovado novo Código Florestal

O CFBio (Conselho Federal de Biologia) reforçou hoje, em nota, que em nenhum momento aprovou o relatório do deputado Aldo Rebelo (PT) sobre o novo Código Florestal Brasileiro.

O pesquisador Luis Carlos Silva de Moraes disse, em matéria publicada pela Folha em 25 de novembro, que "o Conselho Federal de Biologia aprovou o relatório e que o texto de Rebelo acatou 70% das demandas da biologia".

Em ofícios enviados a Rebelo em 7 de dezembro, o CFBio reforçou que o substitutivo do deputado não atende as preocupações do Conselho, "pois mantém ainda o forte interesse de redução e ocupação das áreas hoje definidas como APPs [áreas de preservação permanente], a redução da reserva legal, sua compensação fora das propriedades e sua restauração com plantio de espécies exóticas", entre outros pontos.

De acordo com a nota, o novo código, se implementado, intensificará os problemas ambientais e causará impactos severos na manutenção das reservas hídricas, na conservação da biodiversidade e no clima.

"O substitutivo do deputado Aldo Rebelo mantém a mesma linha dos PLs [projetos de lei] anteriores, ou seja; o incentivo ao avanço do desmatamento e a destruição de nosso maior patrimônio - a biodiversidade", descreve a nota do CFBio.

A proposta de Aldo Rebelo, que estava em pauta nesta semana, deve ser votada no início do ano que vem.

Fonte: Folha Online

Nota de Esclarecimento Sobre a revisão do Código Florestal Brasileiro


Considerando as discussões sobre a revisão do Código Florestal Brasileiro e a publicação de uma matéria na Folha de São Paulo “Código Florestal reduz até 12 vezes absorção de CO2 – Ruídos na Academia” em 24/11/2010, colocando de forma equivocada a posição do Conselho Federal de Biologia, esclarecemos:

O Sistema CFBio/CRBios, em setembro de 2009, preocupado com os inúmeros projetos de lei que tramitavam na Câmara dos Deputados sobre as alterações do Código Florestal Brasileiro criou um grupo de trabalho (GT), para análise e elaboração de parecer que subsidiasse as suas colocações enquanto representante da categoria profissional dos Biólogos. O documento inicial produzido pelo GT fez uma primeira análise dos diversos PLs e não, especificamente, do substitutivo do deputado Aldo Rebelo. Este documento foi aprovado na 227ª Sessão Plenária, de 11 dezembro 2009, e encaminhado ao presidente da Comissão Especial do Código Florestal Brasileiro, deputado Aldo Rebelo, em 12 de dezembro de 2009, mediante Ofício CFBio nº 329/2009, que cita:

“O Sistema Conselho Federal e Conselhos Regionais de Biologia vê com preocupação as proposições apresentadas pelos PLs, por entender que muitos destes, buscam suportar a ganância especulativa, sem nenhum compromisso com o meio ambiente, a preservação da biodiversidade e a qualidade de vida de nossas comunidades.

Neste momento em que presenciamos no Brasil tantas catástrofes como desastrosas chuvas e enchentes, tornados, secas, bem como o avanço do desmatamento e a devastação de nossas florestas, que abrigam a maior megabiodiversidade do planeta, protegem nossos recursos hídricos e contribuem para o sequestro do carbono e a redução do aquecimento global, não podemos por uma simples e míope visão econômica, destruir este patrimônio nacional, bem público de todos os cidadãos, garantido pela CF”.

Em 22 de fevereiro de 2010, a coordenação do GT participou de Audiência Pública, na Câmara dos Deputados, quando expôs as considerações e reforçou as preocupações do Sistema contidas no parecer acima citado.

Em 8 de junho de 2010, o GT tomou conhecimento do parecer do relator Aldo Rebelo que se restringiu apenas às modificações apontadas em outros Projetos de Lei sobre o Código Florestal. Cabe destacar, que neste documento, o deputado menciona as contribuições recebidas de inúmeras instituições, sem citar o Conselho Federal de Biologia ou o parecer de seu Grupo de Trabalho, entregue à Comissão Especial e apresentado durante a audiência pública.
Ao longo de 2010, o Sistema se fez presente debatendo o assunto em programas de rádio e televisão, redigindo e subsidiando matérias para divulgação e participando de diversos fóruns, sempre se posicionando de forma contrária à revisão precipitada e tumultuada do Código Florestal.

Em 25 de novembro de 2010, o Sistema CFBio/CRBios foi surpreendido por uma matéria divulgada pelo jornal Folha de São Paulo, na qual o pesquisador Luis Carlos Silva de Moraes disse que “o Conselho Federal de Biologia aprovou o relatório e que o texto de Rebelo acatou 70% das demandas da biologia". Negamos esta assertiva, pois nem o Ofício CFBio nº 329/2009 e nem o relatório do Grupo de Trabalho do Conselho emitiram análise com estabelecimento de demandas ou recomendações, somente apresentaram as preocupações do Sistema quanto às alterações propostas nos inúmeros PLs sobre o assunto.

Por outro lado, é equivocado e fruto de uma leitura assoberbada e uma visão míope extrapolar que as preocupações levantadas pelo CFBio foram devidamente tratadas no substitutivo do deputado Aldo Rebelo, que mantém a mesma linha dos PLs anteriores, ou seja; o incentivo ao avanço do desmatamento e a destruição de nosso maior patrimônio – a biodiversidade - configurando-se assim como um projeto de lei retrógrado, sem incorporar os avanços científicos tecnológicos e totalmente, na contramão da sustentabilidade, tão necessária a conservação da vida na Terra.

Considerando ainda, as informações de que o substitutivo do deputado Aldo Rebelo seria pautado em caráter de urgência no início de dezembro, e face a necessidade de esclarecer que o Conselho Federal de Biologia em nenhum momento aprovou o relatório do deputado - como equivocadamente a informação do Sr. Luiz Carlos Silva de Moraes tenta passar - os membros do GT redigiram, juntamente com a Presidência do CFBio, o Ofício nº 344 e os Ofícios Circulares CFBio nº 10 e nº 11, que na mesma data - 7 de dezembro de 2010 - foram encaminhados ao deputado Aldo Rebelo e aos líderes de partidos da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, respectivamente, no intuito de ratificar a posição do Sistema que se alinha aquelas explicitadas no Documento-síntese produzido por pesquisadores do Programa BIOTA/ FAPESP, e pela ABECO, em 03/08/2010, bem como por outros cientistas brasileiros como o Prof. Aziz Ab Saber, protocolado na Câmara Federal em julho de 2010 para leitura em plenário.

Nestes ofícios, o Sistema CFBio/CRBios deixa claro que a forma com que o substitutivo do deputado Aldo Rebelo trata os temas, abordados no 1º Relatório do GT Código Florestal/CFBio, absolutamente não atende as preocupações do Sistema, pois mantém ainda o forte interesse de redução e ocupação das áreas hoje definidas como APPs, a redução da reserva legal, sua compensação fora das propriedades e sua restauração com plantio de espécies exóticas, a falta de incentivo à utilização de tecnologias para utilização das áreas abandonadas pela agricultura, o incentivo à abertura de novas frentes e, conseqüentemente, novos desmatamentos ─ pontos cruciais ─ que no entendimento da comunidade científica brasileira, na qual se incluem os Biólogos, intensificarão os problemas ambientais hoje vivenciados, com severos impactos sobre a manutenção quali-quantitativa de nossas reservas hídricas, à conservação da biodiversidade, à estrutura e funcionamento dos ecossistemas, o clima (aquecimento global), à produção agrícola, enfim à qualidade de vida de nossas coletividades.

Reafirmamos que o Sistema CFBio/CRBios entende que as alterações apresentadas no substitutivo se baseiam numa simples e direcionada visão econômica, lastreada por uma ganância especulativa sem nenhum compromisso com o meio ambiente – visão retrógrada e descartada pela sociedade, neste novo século, com as quais não coadunamos.

PS: Esta nota também foi encaminhada ao editor do jornal Folha de São Paulo buscando corrigir afirmações equivocadas quanto a posição do Sistema CFBio/CRBios divulgadas no artigo – Código Florestal reduz até 12 vezes absorção de CO2 – Ruídos na Academia - publicado em 24/11/2010.

Maria do Carmo Brandão Teixeira
Conselheira Presidente CFBio
CRBio 00381/04-D

Substituta de Minc, Izabella Teixeira fica no Meio Ambiente


Ministra do Meio Ambiente desde abril de 2010 - em substituição a Carlos Minc, de quem foi secretária-executiva desde 2008 -, Izabella Teixeira continuará no comando da pasta no governo de Dilma Rousseff.

Brasiliense e formada em Biologia pela Universidade de Brasília (UnB), em 1983, Izabella Teixeira fez mestrado em planejamento energético e doutorado em planejamento ambiental pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Izabella Teixeira é funcionária de carreira do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) desde 1984, onde chegou a ocupar cargo de direção. Ocupou cargos de direção também no Ministério do Meio Ambiente e no governo do Rio de Janeiro, de onde foi subsecretária de Estado do Meio Ambiente.

Especialista em avaliação ambiental estratégica, conduziu a gerência executiva de projetos e programas ambientais de cooperação internacional, como o Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil, o Programa Nacional do Meio Ambiente, Programa de Despoluição da Baía de Guanabara; e o Projeto Meio Ambiente e Comunidades Indígenas.

Fonte: Terra

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Ibama planeja executar 1,3 mil operações de fiscalização para 2011


Para 2011, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) planeja executar 1,3 mil operações de fiscalização. O foco das operações será o combate ao desmatamento ilegal e à biopirataria.

Nesta semana, o Instituto divulgou o Plano Nacional de Proteção Ambiental (Pnapa 2011), que também prevê ações contra queimadas ilegais, pesca predatória e plantio proibido de organismos geneticamente modificados. Com relação ao combate ao desmatamento, a estratégia adotada para a Amazônia nos últimos anos será aplicada em outros biomas, com grandes operações conjuntas de fiscalização e apreensão de produtos do crime ambiental.

De acordo com o Ibama, a partir do ano que vem, as equipes de fiscalização começarão a atuar no "pós-licenciamento", para checar se as condicionantes previstas no processo de licenciamento ambiental foram cumpridas pelos empreendedores responsáveis pelas obras.

Fonte: AMDA

Concurso Público Nova Mutum – MT (01 vaga para Biólogos)

Saiu o edital para concurso público da Prefeitura de Nova Mutum (MT), cujo provimento se dará no quadro efetivo municipal.

O cargo Biólogo possui a remuneração mensal de R$2.656,40.

As inscrições devem ser feitas presencialmente até o dia 30 de dezembro de 2010, das 8h às 14h, na Secretaria da Agricultura de Nova Mutum, no centro da cidade.

Mais informações:

Decifrando o cérebro humano com a ajuda de uma mosca


Pesquisadores de Taiwan conseguiram mapear 16 mil dos 100 mil neurônios do cérebro de uma mosca-da-fruta e reconstruíram seu mapa de ligações cerebrais. Em termos semelhantes aos que definem os computadores, a equipe descreveu a arquitetura geral do cérebro da mosca como composto por 41 unidades de processamento local, 58 vias que ligam as unidades a outras partes do cérebro e 6 hubs, ou centrais de distribuição.

Os biólogos vêem esse atlas do cérebro da mosca como o primeiro passo para a compreensão do cérebro humano. Seis das substâncias químicas que transmitem mensagens entre os neurônios são as mesmas nas duas espécies. E a estrutura geral – dois hemisférios com várias ligações cruzadas – também é semelhante.

"Acho que este é o começo de um novo mundo", diz Ralph Greenspan, um neurocientista da Universidade da Califórnia em San Diego. Os biólogos agora serão capazes de comparar os bem conhecidos comportamentos da mosca com os circuitos cerebrais estabelecidos pelo novo atlas, disse ele.

Atlas tridimensional

O atlas é mantido em um supercomputador em Taiwan, que biólogos que estudam moscas ao redor do mundo podem consultar. Também podem fazer uploads, com suas próprias imagens de neurônios de moscas-da-fruta. "Acho que isso realmente vai acelerar o processo", disse o especialista em neurobiologia Josh Dubnau, do Laboratório Cold Spring Harbor, em Nova York.

A equipe de Taiwan, liderada por Ann-Shyn Chiang, vem trabalhando no projeto desde a década passada. Ele reuniu um grupo de 40 pessoas que inclui programadores e engenheiros, trabalhando com um orçamento anual de 1 milhão de dólares.

A base do atlas é uma técnica de visualização da estrutura tridimensional individual dos neurônios, incluindo o núcleo da célula, seu longo axônio e o pequenos ramos, ou dendritos, com os quais entram em contato com outros neurônios.

Proteína fluorescente e cérebro transparente

A complexa estrutura de um neurônio pode ser evidenciada com uma proteína fluorescente verde. O gene da proteína é inserido no genoma da mosca-da-fruta, junto com outro gene que o reprime. Chiang desenvolveu uma técnica para a repressão do gene em apenas um neurônio de cada vez. Quando o gene se expressa, a proteína fluorescente verde chega a todas as partes do neurônio, definindo sua estrutura nos mínimos detalhes.

Ele também inventou um solvente para tornar o cérebro da drosófila transparente. Isso é essencial para o neurônio brilhante ser fotografado com precisão. O solvente é tão eficaz que se um pesquisador não ficar de olho no cérebro dissecado numa lâmina de microscópio, o cérebro pode simplesmente desaparecer quando o solvente é adicionado, disse Dubnau.

Cada cérebro de mosca tem um forma e tamanho diferentes, então a equipe de Chiang tem de definir a as dimensões médias para o cérebros masculinos e femininos, criando um cérebro virtual com dimensões padronizadas. Depois eles desenvolvem algoritmos de reformulação da imagem 3D de cada neurônio, de modo a registrá-lo com o tamanho padrão. Isso significa que as 16 mil imagens de neurônios, cada qual vindo de uma mosca diferente, podem ser comparadas em conjunto.

Código de barras

Cada neurônio ganha um código de barras com as coordenadas de onde seu núcleo celular se encontra dentro do cérebro da drosófila padrão, assim como informações sobre as outras partes do cérebro a que o neurônio se conecta e que tipo de transmissor químico utiliza.

Um grande revés ocorreu no meio do projeto quando Chiang descobriu que poderia coletar dados cinco vezes mais depressa se gravasse as imagens dos neurônios de uma forma diferente. "Dolorosamente", disse ele num e-mail, "tivemos de jogar todos os dados antigos fora", embora 3 mil neurônios já tivessem sido fotografados.

O código de barras do neurônio são informações numéricas que pode ser manipuladas por computador. Com 6 mil imagens em mãos, a equipe de Chiang foi capaz de analisar a arquitetura geral do cérebro da fêmea da mosca-da-fruta. O elemento básico, que eles chamam de unidade de processamento local, é um grupo de neurônios com conexões interneuroniais que não se estendem além do próprio grupo.

As unidades de processamento local correspondem às regiões anatômicas conhecidas do cérebro da mosca. São as mesmas em todas as moscas e lidam com tarefas específicas como o gosto ou o movimento.

Supercomputador

O cérebro da mosca se torna um "sistema híbrido de computação em grade e um supercomputador", disse Chiang. "Isso nos diz como um cérebro complexo se organiza e funciona. Dada a evidência crescente de programas de conservação genética que ressaltam o desenvolvimento e funções cerebrais, o cérebro humano consiste de unidades semelhantes de operações básicas."

O único sistema nervoso explorado até agora com grandes detalhes foi o da lombriga C. elegans. Mas o sistema do verme tem apenas 302 neurônios e talvez não mereça ser chamado de cérebro. O cérebro da mosca, com seus 100 mil neurônios, pode se revelar um melhor ponto de partida para a compreensão do cérebro humano, que tem um número estimado de 100 bilhões de neurônios, cada um com cerca de mil sinapses.

"A beleza desse trabalho está na plenitude do que realizou; na visão que teve para desenvolver por mais de uma década uma série de novos métodos para fazer frente a um problema que eles viam como fundamental", disse Dubnau, referindo-se ao trabalho da equipe de Chiang. O estudo de Chiang foi publicado na última edição da Current Biology.

Fonte: Veja.com

Acasalamento entre espécies pode levar ursos polares à extinção


As mudanças climáticas forçam os mamíferos do Ártico a acasalar com outras espécies, uma tendência que pode levar os ursos polares e outros animais à extinção, afirmaram biólogos na quarta-feira (15). "O rápido derretimento das banquisas do Ártico põe espécies em risco tanto através de cruzamentos quanto pela perda de seu hábitat", afirmaram em um estudo divulgado na revista científica britânica Nature. "À medida que mais populações e espécies isoladas entram em contato, elas acasalam entre si, e espécies raras podem ser extintas".

Em 2006, afirmam, cientistas ficaram surpresos ao descobrir um "Pizzly", ou um híbrido de urso pardo e urso polar, e em 2010 outro urso, morto a tiros por um caçador, também com seu DNA misturado. O aquecimento global atinge a região do Ártico duas ou três vezes mais do que outras partes do planeta, redesenhando o ambiente em que dezenas de mamíferos terrestres e marinhos vivem. Em particular, a diminuição da calota polar do Ártico - que deve desaparecer no verão no fim do século, caso não ocorra um profundo corte nas emissões de gases de efeito estufa - tem empurrado os ursos polares para fora de suas áreas de caça normal.

Os predadores ferozes utilizam a borda da calota polar como uma área de preparo para perseguir focas, seu alimento preferido. O fato de as espécies do Ártico se misturarem não ficou totalmente comprovado, embora existam muitos exemplos importantes, de acordo com o artigo, coordenado por Brendan Kelly, da Administração Nacional de Oceanos e Atmosfera americana (NOAA). No ano passado, o que pareceu ser um cruzamento entre uma baleia ártica e uma baleia-franca foi fotografado no Mar de Bering, entre o Alasca e a Rússia.

Existem menos de 200 baleias-francas do Pacífico Norte, e as muitas baleias do Ártico podem, por meio de cruzamentos, rapidamente levar essa população remanescente à extinção, alertaram os pesquisadores. Diferentes espécies de golfinhos e focas do Ártico também são conhecidos por ter produzido sua prole com uma mescla de cromossomos. Hibridização não é necessariamente uma coisa ruim, e tem sido um motor essencial da evolução, disse Kelly. Mas quando é causado por atividades humanas, o fenômeno tende a ocorrer em um período curto, o que conduz a uma redução prejudicial da diversidade genética.

Quando o pato-real foi introduzido na Nova Zelândia, no final do século 19, por exemplo, acasalou com patos-cinza nativos. Hoje, sobraram poucos patos-cinza puros. No caso dos "Pizzlies," a herança mista representa um risco à sobrevivência: enquanto eles mostram o instinto do urso polar para caçar focas, um híbrido tem a morfologia de um urso pardo, que não é bem adaptado à natação. A equipe de Kelly recomenda o abate de espécies híbridas, quando possível, como foi feito com a prole de lobos vermelhos e coiotes nos Estados Unidos. Eles também afirmam que reduzir drasticamente a quantidade de dióxido de carbono (CO2) jogado na atmosfera ajudará a retardar o desaparecimento da calota polar do Ártico. (AFP)

Fonte: Cruzeiro do Sul

Mestrado Profissional em Conservação da Biodiversidade e Desenvolvimento Sustentável (área de Ecologia)


Alinhados com o compromisso de preservar os recursos sócio-ambientais brasileiros, a Natura e o IPÊ se uniram para a criação deste projeto inovador: a ESCAS – Escola Superior de Conservação Ambiental e Sustentabilidade.

Com sede em Nazaré Paulista (São Paulo), a Escola oferece o Mestrado Profissional em Conservação da Biodiversidade e Desenvolvimento Sustentável (Ecologia). O curso é voltado aos profissionais de empresas privadas, governo e terceiro setor.

O programa de mestrado profissional é um curso de pós-graduação stricto-sensu, aprovado e reconhecido pela CAPES, e que fornece ao aluno o diploma de Mestre.

Inscrições prorrogadas até 20 de dezembro.

Mais informações:

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Reflorestamento na Mata Atlântica


O Instituto Butantan, órgão da Secretaria de Estado da Saúde, irá recuperar uma área de 27 hectares da Mata Atlântica da Fazenda São Joaquim, em Araçariguama, na região de Sorocaba (SP). A fazenda abriga cavalos utilizados no processo de produção de soros do instituto.

A iniciativa é fruto de parceria entre o instituto, a ONG Pé de Planta e a concessionária CCR Via Oeste. O projeto prevê o plantio de 46 mil mudas de árvores e servirá como compensação ambiental de obras realizadas pela Via Oeste.

Segundo o Butantan, estão previstos também o tratamento do solo da fazenda, a restauração de um espaço que servirá de alojamento para veterinários e a construção de três piquetes com todas as especificações ambientais legais.

O projeto pretende ainda promover trabalhos de educação ambiental com os funcionários e crianças da Fazenda São Joaquim.

Fonte: Agência FAPESP

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Mestrado e Doutorado UFMG


A UFMG lançou editais para mestrado e doutourado nas seguintes áreas: Fisiologia e Farmacologia; Biologia Celular; Neurociências; Microbiologia.

As inscrições para o mestrado se encerram em janeiro e a do doutourado são de fluxo contínuo.

Mais informações:

Pós-graduação à Distância UFPR


A UFPR está com as inscrições abertas para dois cursos de pós-graduação à distância (www.negociosambientais.ufpr.br): Economia e Meio Ambiente com Ênfase em Negócios Ambientais; Mudanças Climáticas, Projetos Sustentáveis e Mercado de Carbono (www.mudancasclimaticas.ufpr.br).

As aulas começarão no dia 24 de março de 2011.

Biólogos registrados do CRBio04 terão 20% de desconto no curso.

Mais informações pelo telefone (41) 3350-5787 e pelos e-mails negociosambientais@ufpr.br e mudancasclimaticas@ufpr.br .

Entenda como cientistas criaram camundongos com dois pais


No Texas, um punhado de camundongos nasceu com dois pais e nenhuma mãe biológica. A técnica que possibilitou o feito é complexa, cheia de riscos e, ao menos por enquanto, inviável para humanos, mas abre a possibilidade de casais gays gerarem seus próprios filhos.

Para conseguir esse resultado, os pesquisadores da Universidade do Texas em Houston criaram um quebra-cabeças genético, que começa com as células-tronco pluripotentes induzidas --ou iPS, na sigla em inglês.

Assim como as células-tronco embrionárias, as iPS também podem se transformar em qualquer outra do organismo. Elas são chamadas de "induzidas" porque, embora venham originalmente de um organismo adulto, foram revertidas a um estágio muito semelhante ao de células embrionárias.

No caso, os cientistas liderados por Richard Behringer obtiveram células de um feto de camundongo macho e as transformaram em iPS.

Depois veio o mais esquisito: nesse tipo de situação, algumas dessas células (cerca de 1%) naturalmente perdem seu cromossomo Y --a marca genética dos machos. Próximo passo: essas células foram injetadas em um embrião normal de fêmea de camundongo. Isso deu origem ao que os biólogos chamam de quimera.

MONSTRINHO

O nome vem do monstro da mitologia grega feito de "pedaços" de cabra, leão e serpente, e se refere ao fato de que o bicho resultante tem células oriundas de dois indivíduos diferentes.

Com essa maluquice, a camundonga quimérica que nasceu podia produzir óvulos tanto "próprios" como derivados das células iPS do macho.

A fêmea, então, foi posta para cruzar com um outro macho também normal. Em alguns casos, nasceram filhotes que tinham o DNA dos dois machos.

Além do testes genéticos para determinar isso, os cientistas também usaram a cor da pelagem dos bichos como marcador. É que o primeiro macho era castanho e, o segundo, preto.

A técnica pode ser usada para criar tanto óvulos quanto espermatozoides. Embora a aplicação para casais humanos esteja distante (veja quadro à dir.), os pesquisadores apostam que o método pode ser útil para salvar espécies em extinção, caso não haja mais fêmeas.

No caso da criação de gado, por exemplo, o uso poderia ser para melhoramento genético. Seria possível unir características desejáveis de dois machos, sem precisar misturá-las com as de uma fêmea com qualidade genética menos elevada.

É bom lembrar que um feito parecido, só que com duas mães, já tinha sido atingido em 2004. Em ambos os casos, sabe-se pouco sobre os riscos e as implicações da técnica.

"Eu não tenho dúvidas de que isso vai gerar um burburinho entre casais gays", diz o biólogo Daniel Cadilhe, doutorando da UFRJ. "Mas qualquer aplicação disso em seres humanos ainda não passa de especulação."

OPINIÃO DE ESPECIALISTAS

O biólogo Daniel Cadilhe e a biomédica Tamara Meletti, ambos do laboratório Lance, na UFRJ, avaliaram o estudo do Texas, que está na revista científica "Biology of Reproduction", a pedido da Folha.

Segundo eles, é preciso levar em conta a ineficiência brutal da técnica. "Eles precisaram de 840 células clonadas para que 11 perdessem o cromossomo Y", lembra Cadilhe.

Há quem trabalhe com a possibilidade de criar óvulos ou espermatozoides diretamente com células iPS, sem passar pela fase de quimera -a qual seria mesmo impossível, por razões éticas, em pessoas.

"Mesmo assim, muita coisa poderia dar errado", diz ele. A principal envolve a estampagem genética, na qual os genes recebem "carimbos" moleculares indicando que têm origem materna ou paterna.

Embriões gerados por dois homens ou duas mulheres teriam "carimbos" bagunçados -e isso poderia levar a doenças sérias e até mortais.

Fonte: Folha Online

Pessuti é homenageado com título de “Biólogo Honorário”


O Conselho Regional de Biologia do Paraná concedeu o título de “Biólogo Honorário” ao governador Orlando Pessuti, na tarde desta sexta-feira (10), em Curitiba. O governador foi homenageado por ter sido autor da lei de Auditorias Ambientais (2006) e da primeira lei do Brasil de Proteção à Fauna Ameaçada de Extinção (1994). O secretário do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Jorge Augusto Callado Afonso, participou da entrega do título.

“Receber este título no dia do encerramento da conferência internacional sobre mudanças climáticas, organizada pela ONU, é muito gratificante. Fico ainda mais honrado ao dividir o mesmo título com o Gerdt, por ser uma pessoa brilhante que tanto contribuiu para a nossa biologia e ainda contribui ativamente”, agradeceu Pessuti.

O mesmo título também foi dedicado ao botânico e químico Gerdt Hatschbach. Gerdt chega aos 78 anos como o responsável por ter apresentado à ciência 500 novas espécies. Ele atua na botânica desde 1936 e foi um dos fundadores do Museu Botânico Municipal, que fica no Jardim Botânico, em Curitiba. Das 375 mil plantas coletadas no Museu, Gerdt foi o responsável pela coleta e identificação de 81 mil espécies.

O governador citou outro projeto de sua autoria na área ambiental. Trata-se da lei que obriga a colocação de um símbolo nos rótulos dos recicláveis para orientar a correta destinação das embalagens. Ele citou projetos que considera prioritários para a conservação do meio ambiente no Paraná.

“Devemos prosseguir com o programa de proteção da mata ciliar e da implantação das reservas legais”, exemplificou Pessuti. Quanto ao uso de agrotóxicos no Estado, ele acredita que a solução seja investir mais em ciência e tecnologia nas universidades.

“Devemos ensinar nossos alunos a serem professores dos nossos agricultores para a produção orgânica, livre de venenos agrícolas. Criar uma consciência de consumo em meio à sociedade para que os produtos sem agrotóxicos sejam os preferidos por todos, gerando maior demanda, aumento da produção e barateamento dos preços”, disse Pessuti.

O presidente do Conselho Regional de Biologia do Paraná, Rogério Duílio Genari, falou que a escolha da instituição para que Pessuti recebesse a homenagem se deve ao trabalho que ele dedicou à preservação dos recursos naturais.

“Hoje nosso secretário estadual de meio ambiente é biólogo, o que faz com que tenhamos mais orgulho da nossa profissão. Nossa maior bandeira é o desenvolvimento sustentável. Temos que fazer usinas hidrelétricas e estradas, mas respeitando o meio ambiente”, disse Genari.

Fonte: Agência de Notícias Estado do Parná

Avistar2011


O 6º Encontro Brasileiro de Observação de Aves - AVISTAR2011, acontece em maio no Parque Villa-Lobos em São Paulo e oferece palestras, mini-cursos, oficinas, observação de aves para inciantes.

Avistar2011 é a grande feira de observação da natureza brasileira focada em conservação, turismo, lazer e conhecimento.

Mais informações:

Paleontólogos usam imagens 3D para recompor espécies


Academia de Ciência francesa divulgou nesta semana a imagem de um inseto da ordem Raphidioptera.

A imagem virtual em 3D foi produzida a partir de uma rocha de âmbar encontrada no sítio Charentes, que fica a sudoeste da França.

Essa e outras ilustrações constam em um artigo da paleontóloga Carmem Soriano, que mostra exemplos de como a tecnologia em 3D está contribuindo com o trabalho de reconstituição do passado.

As imagens são produzidas por um escaneador chamado Synchrotron, que reproduz as características do insetos em detalhes.

Fonte: FRANCE PRESSE