quarta-feira, 30 de junho de 2010

Prêmio Mérito em Biologia


O Conselho Regional de Biologia - 4ª Região tem a honra de convidar Vossa Excelência e família para a entrega do Prêmio Mérito em Biologia, a realizar-se no dia 14 de julho de 2010, quarta-feira, às 20 horas, na sede do CRBio-04, Avenida Amazonas, 298 - 15º andar, Centro.

Os agraciados são a vereadora Luzia Ferreira (Destaque Especial) e o professor doutor José Rabelo de Freitas (Meio Ambiente).

R.S.V.P: comunicacao@crbio04.gov.br

Concurso Pinhal da Serra – RS (01 vaga para Biólogos)

Estão abertas as inscrições para concurso público da Prefeitura de Pinhal da Serra (RS).

Biólogos podem concorrer ao cargo de Analista Ambiental (salário de R$2.434,00).

As inscrições devem ser feitas no site www.fundatec.com.br, até 26 de julho de 2010.

A prova objetiva será na data provável de 15 de agosto de 2010.

Maiores informações:
http://migre.me/Te90

International Conference on Nutrigenomics e 10ª International Conference on Mechanisms of Antimutagenesis and Anticarcinogenesis


A Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Botucatu realizará, de 26 a 29 de setembro, o International Conference on Nutrigenomics (Incon) e a 10ª International Conference on Mechanisms of Antimutagenesis and Anticarcinogenesis (ICMAA), no Guarujá (SP).

Os eventos discutirão, respectivamente, como a dieta pode interagir com o genoma humano e como compostos naturais (incluindo os alimentos) exercem atividades antimutagênicas e anticarcinogênicas.

As conferências serão realizadas no hotel Sofitel Jequitimar, localizado a Av. Marjory da Silva Prado, Praia de Pernambuco, no Guarujá.

A data limite para envio de resumos é 31 de julho de 2010.

Mais informações:
www.nutrigenomicabrasil.org/congresso

MBA EM GESTÃO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL E AMBIENTAL


Descontos para Biólogos registrados e em situação regular com o CRBio-02.

Justificativa
O contexto atual, competitivo e globalizado, requer das organizações uma preocupação com os impactos sociais e ambientais causados pela atuação das mesmas. Esta preocupação percorre toda a cadeia produtiva, desde a extração de insumos, passando pela produção de materiais/prestação de serviços, chegando ao consumo final e reiniciando com a reciclagem de exsumos pós-consumo. Todo este processo deve ser demarcado por padrões éticos, em face de todos os públicos interessados em uma empresa. Neste sentido, o presente curso tenciona dotar os gestores organizacionais e demais interessados, de instrumentos e conhecimentos, teóricos e práticos, que propiciem melhor inserção e sucesso no gerenciamento organizacional.

Objetivos
Especializar profissionais para a análise, planejamento, estruturação, implementação e controle de projetos, com base nos conceitos atuais de gestão da responsabilidade social e ambiental.

Público-Alvo
Graduados que atuem ou desejam atuar na área ambiental, tais como contadores, administradores, economistas, engenheiros, psicólogos, professores, pedagogos e outros.

Disciplinas
Responsabilidade Social Empresarial. Terceiro Setor e Voluntariado Empresarial. Balanço Social e Governança Corporativa. Gestão de Operações Sustentáveis. Ética nos Negócios. Gestão Social de Pessoas. Planejamento Empresarial. Gestão Ambiental . Marketing Social. Desenvolvimento Sustentável. Metodologia da Pesquisa. Gerenciamento de Projetos. Legislação Ambiental.

Local
Rua Ituá 1875, (esquina com Rua Cambaúba), Ilha do Governador, Jardim Guanabara, Rio de Janeiro-RJ
ou
Rua Hilarião da Rocha, 774/809/826 Ilha do Governador, Tauá, Rio de Janeiro-RJ

Horário
Sábados alternados 8h às 17h (360 horas)

Contato
(21) 4101- 8883 / 3181-1517
http://www.rio92.com/

terça-feira, 29 de junho de 2010

19ª Reunião dos Jardins Botânicos Brasileiros


A 19ª Reunião dos Jardins Botânicos Brasileiros será realizada em Brasília (DF), no período de 05 a 09 de julho de 2010.

A reunião fará parte do I Fórum de Biodiversidade das Américas (http://biodiversidadedasamericas.blogspot.com/), que está sendo organizado pelo Jardim Botânico de Brasília.

Informações sobre o evento podem ser solicitadas pelo seguinte email: mcosta@jbrj.gov.br .

III Ciclo de Palestras

A Faculdade Anhanguera de Brasília irá promover o III Ciclo de Palestras - A Atuação do Biólogo, que possui o seguinte tema: "Biodiversidade e Preservação".

Participarão biólogos de várias instituições: Fundação Jardim Zoológico de Brasília, Jardim Botânico de Brasília, Ministério do Meio Ambiente, WWF Brasil e Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente.

O evento será de 19 a 23 de julho de 2010, a partir de 18h30.

Inscrições e maiores informações no blog:
http://amigosdecienciasbiologicas.blogspot.com/

Parceria do CRBio-04 com empresa de Estatística


O papel da produção científica em Biologia é estudar fenômenos e realizar experimentos para descobrir novas prerrogativas nessa área do conhecimento. Essa investigação exige que sejam cumpridas todas as etapas do método científico e a estatística é uma ferramenta indispensável que está presente em todas as fases do projeto de pesquisa.

Ao testar hipóteses é necessário compreender a natureza das variáveis responsáveis pelos fenômenos e uma avaliação estatística dessas é indispensável para reluzi-las, explorá-las e finalmente inferir sobre seu comportamento.

A ABG Consultoria Estatística, empresa sediada em Belo Horizonte (MG), oferece seus serviços em produção científica desde o delineamento do experimento até a defesa da tese ou publicação do artigo científico, sempre com o propósito de difundir os conhecimentos e as técnicas estatísticas para os pesquisadores.

A empresa agora possui uma parceria como o CRBio-04. Registrados no Conselho possuem descontos em cursos oferecidos e nos serviços de consultoria estatística para produção científica.

Maiores informações:
http://www.abgconsultoria.com.br/

Projeto de biólogo mostra degradação do meio ambiente no Rio


Em 1997, o biólogo Mário Moscatelli, então com 32 anos, resolveu empreender um projeto de monitoração de áreas verdes na Região Metropolitana e no Litoral Sul do estado do Rio de Janeiro. O objetivo do Projeto Olho Verde era fazer sobrevoos para tirar fotos aéreas, de modo a acompanhar a degradação de matas, encostas, mangues, rios, lagoas e baías. Para a desolação do biólogo, desde o começo as imagens não eram nada animadoras. "Não tem foto bonita desde o primeiro voo. Entra ano, sai ano, só vejo degradação", afirma.

Passados 14 anos, Moscatelli está pessimista com o futuro do meio ambiente que os dois filhos pequenos vão desfrutar. "Infelizmente, falta muito para os gestores públicos e, principalmente, a sociedade entenderem que estamos cavando nossa própria sepultura", sentencia Moscatelli.

Essa previsão é baseada nas centenas de fotografias que o biólogo tirou, praticamente todos os meses, ao longo de quase uma década e meia. As imagens comprovam como a ação do homem devastou planícies e encostas para a construção de favelas e condomínios de luxo, poluiu bacias hidrográficas com esgoto in natura e desmatou imensas áreas verdes para a criação de lixões.

"Rios foram transformados, institucionalmente, em valões de esgoto. Os rios Faria, Jacaré, Irajá, São João de Meriti, Sarapuí-Iguaçu e Guaxindiba, todos com grande volume de água, hoje, são esgoto puro", denuncia Moscatelli. "Esses rios não têm mais vida. Morreram", diz. O biólogo inclui nesta lista as bacias hidrográficas de Sepetiba, da Baixada de Jacarepaguá e a Baía de Guanabara. "Os rios levam esgoto para lagoas e baías, que se transformaram em imensos penicos", afirma.

Veja as fotos feitas pelo Biólogo

Biólogo diz que é possível recuperação em 20 anos

Apesar de todos os problemas, Moscatelli afirma ser possível despoluir rios, lagoas e baías a médio e longo prazo. Segundo ele, várias UTRs devem ser instaladas nos leitos dos rios.

"Em dois anos não teremos mais esgoto chegando. Vão ser necessários mais cinco anos para fazer dragagens, retirar o lodo depositado no fundo e recuperar os manguezais", calcula o biólogo. "Tecnicamente falando, incluindo as políticas de saneamento, habitação e transporte, em 20 anos é possível reverter o processo de degradação de 200 anos", afirma.

Fonte: G1

Curso Aspectos da vegetação do Cerrado, orientação e técnicas científicas de campo


O Centro de Estudos Terra Brazilis/CETB irá promover o curso Aspectos da vegetação do Cerrado, orientação e técnicas científicas de campo.

As aulas serão ministradas nos dias 14 e 15 de agosto de 2010, de 08 às 17h, em Uberlândia (MG).

Durante o curso, serão apresentadas as características de várias espécies vegetais do Cerrado em conjunto com técnicas de escaladas em árvores e orientação com uso de bússola, GPS e leitura de mapas no campo.

Maiores informações:
http://www.ceterrabrazilis.blogspot.com/ e comunicacaocetb@gmail.com

Empresa sediada em Contagem (MG) contrata Biólogo

A Elasa Elo Alimentação S/A (ALIMENTA) irá contatar Biólogo com experiência em tratamento de efluentes industriais e tratamento de esgoto por filtro anaeróbico e lodos ativados.

O profissional terá a função de fazer o acompanhamento de condicionantes ambientais.

O local de atuação é em Contagem (MG) e é necessário disponibilidade imediata para começar a trabalhar.

Salário a combinar.

Os interessados devem enviar o currículo até o dia 05 de julho (segunda-feira) para o e-mail rhfrig@alimenta.com.br

Águia-cinzenta monitorada via satélite


Os voos de uma águia-cinzenta começaram a ser monitorados no País via satélite. Uma ave fêmea, com 3 anos de idade, 3,5 quilos e envergadura de 1,8 metro foi capturada na zona rural de Patrocínio (MG) neste mês.

Ela teve um transmissor via satélite adaptado ao corpo em forma de mochila. Também foram coletadas amostras de sangue para estudos de DNA, e ela recebeu anilha (anel de aço inox) do Centro de Pesquisa para a Conservação de Aves Silvestres, órgão do Ibama. Segundo Robson Silva e Silva, biólogo responsável pelo projeto, procedimento semelhante já foi realizado na Argentina. “Os hábitos da águia-cinzenta ainda são pouco conhecidos pelos cientistas”, afirma.

A espécie (Harpyhaliaetus coronatus) está classificada como em perigo de extinção pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN). A ação integra o projeto Águia-cinzenta, da empresa Fosfertil.

Fonte: Estadão

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Concurso Público Cláudia – MT (01 vaga para Biólogos)

O concurso público para a Prefeitura de Cláudia (MT) irá contratar um Biólogo.

A remuneração mensal é de R$2.000,00.

Os interessados podem inscrever-se de 05 a 16 de julho de 2010, através do site www.grupoatame.com.br

A realização da prova objetiva será na data provável de 08 de agosto de 2010.

Maiores informações:
http://migre.me/SO73

Concurso Hospital Dr. Oswaldo Brandi Faria (01 vaga para Biólogos)

O concurso público do Hospital Dr. Oswaldo Brandi Faria, em Mirandópolis-SP, objetiva o provimento de cargos em caráter temporário.

Os profissionais contratados pelo Hospital Dr. Oswaldo Brandi Faria cumprirão jornada semanal de 30 horas.

Biólogos podem se candidatar ao cargo de Biologista. Requer registro no Conselho Regional de Biologia ou Biomedicina (com Especialização em Análises Clínicas) ou registro no Conselho Regional de Medicina ou Farmácia, mais experiência profissional.

A inscrição é aceita diretamente do interessado ou de seu procurador, no prazo de 30 de junho a 01 de julho de 2010. O local da realização é o Auditório do Hospital Dr. Oswaldo Brandi Faria, à Avenida Doutor Raul da Cunha Bueno, no Centro de Mirandópolis, sendo que o horário é das 10h às 16h.

Para maiores informações, clique aqui

Processo Seletivo Professor UNICAMP – SP (01 vaga para Biólogos)

Saiu o o edital para processo seletivo da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), onde é disponibilizada vaga de Professor Doutor para atuação durante 3 anos, prorrogável pelo mesmo período.

A única vaga oferta destinada-se ao Instituto de Biologia da Unicamp, a Docência será na área de Sistemática e Evolução de Angiospermas.

As inscrições devem ser feitas até 26 de julho de 2010, na Secretaria da Instituto de Biologia, na Cidade Universitária “Zeferino Vaz”, em Barão Geraldo.

Maiores informações:
http://migre.me/SNTx

2ª Conferência Internacional sobre Clima, Sustentabilidade e Desenvolvimento Sustentável em Regiões Semiáridas


A 2ª Conferência Internacional sobre Clima, Sustentabilidade e Desenvolvimento Sustentável em Regiões Semiáridas (ICID 2010) será realizada entre os dias 16 e 20 de agosto, em Fortaleza (CE).

O evento reunirá participantes de diversos países para discutir ações focadas nos desafios e oportunidades que enfrentam as regiões áridas e semiáridas do planeta, principalmente dentro dos aspectos ambientais e climáticos, vulnerabilidades, impactos, respostas de adaptação e desenvolvimento sustentável.

Maiores informações:
http://www.icid18.org/

Panamazônia apresenta primeiros resultados


O Panamazônia, projeto do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) que mapeia os biomas Floresta e Cerrado no Estado de Mato Grosso, acaba de apresentar seus primeiros resultados, revelando a evolução da ocupação das terras em São José do Xingu, Colniza, Água Boa e Reserva do Cabaçal.

O projeto tem o objetivo de classificar as condições dos biomas em fragmentos florestais, desflorestamento e rebrotas, entre outras categorias. O mapeamento está sendo estendido para todos os municípios mato-grossenses, a fim de gerar informações que possam ser utilizadas pelos gestores locais.

As mudanças na cobertura vegetal se revelam no estudo dos mapas feitos a partir de imagens de satélites obtidas entre 1973 e 1980 por satélites Landsat. Os dados foram complementados com mosaicos compostos por imagens captadas entre 1990 e 2000. As imagens mais recentes, de 2009, foram obtidas pelos satélites Terra e Aqua.

O processamento e todo o trabalho para a visualização e interpretação das imagens foram realizados com o software Spring. Ao estudo das imagens se somam os resultados obtidos durante verificações em campo.

Por apresentar desflorestamentos e rebrotas em diferentes níveis, foram selecionados para a verificação em campo os municípios de São José do Xingu e Colniza – situados no bioma Floresta – e Água Boa e Reserva do Cabaçal – em áreas classificadas como Cerrado. Em São José do Xingu e Água Boa há grandes áreas desmatadas, enquanto que em Colniza e Reserva do Cabaçal a vegetação está mais preservada.

Mais informações:
www.dsr.inpe.br/panamazon

Fonte: Agência FAPESP

Dobra o número de cientistas brasileiros no IPCC


O painel do clima da ONU divulgou nesta quarta (23) a lista cientistas que deverão escrever o quinto relatório sobre aquecimento global. Serão 17 brasileiros elaborando os estudos e outros oito fazendo as revisões. No quarto relatório, eram oito pesquisando e cinco tiveram suas considerações levadas em conta na revisão.

Os revisores terão de trabalhar mais agora, diz Suzana Kahn Ribeiro, da UFRJ, que participou do último relatório e vai participar do próximo. "Antes o revisor não era muito valorizado, não era muito cobrado. Agora haverá uma maior participação", diz.

Para ela, dois aspectos colaboram para o aumento no número de brasileiros. Um é a evolução da ciência do clima no país. O outro está relacionado à vontade do IPCC de ter, entre os cientistas, um maior equilíbrio regional. "Vamos abordar mais aspectos e impactos regionais", diz. Para as pessoas que tomam decisões pelos países, o importante não são os grandes números do aquecimento global, defende Kahn, mas sim as consequências das mudanças climáticas ao seu redor.

As mudanças são uma tentativa de evitar que o quinto relatório, que deve ser publicado em 2014, sofra críticas como o quarto. Um dos problemas apontados neste foi a previsão de que as geleiras do Himalaia derreteriam até 2035. A fonte da informação incluída no documento do painel era um trabalho sem revisão técnica, e estava errada.

Outro bombardeio de críticas ocorreu após o vazamento de e-mails roubados de cientistas na Universidade de East Anglia. Em algumas mensagens, membros do IPCC sugeriam vetar aos opositores da teoria vigente de aquecimento global o acesso a dados de temperatura.

Maiores informações:
http://www.ipcc.ch/

Fonte: Folha Online

PD em morfologia vegetal com Bolsa da FAPESP


O Laboratório de Biologia e Ecologia da Secreção em Plantas do Instituto de Biociências de Botucatu da Universidade Estadual Paulista (Unesp) está selecionando candidatos para uma Bolsa de Pós-Doutorado vinculada ao Projeto Temático "Estruturas secretoras em espécies vegetais do Cerrado: abordagens estrutural, química e ecológica", apoiado pela FAPESP.

O objetivo do projeto de pós-doutoramento é investigar a composição química da secreção produzida em diferentes espécies das famílias Bignoniaceae, Malpiguiaceae, Fabaceae e Rubiaceae, com foco na elucidação do papel ecológico e funcional dos principais constituintes químicos, prioritariamente em relação ao papel das secreções nas interações planta-animal.

Os candidatos devem ter doutorado em química, botânica ou áreas afins desde que comprovem conhecimento e experiência na operação de equipamentos de cromatografia gasosa acoplada à espectrometria de massa, capacidade de interpretação de espectros de massa e interesse e disponibilidade no desenvolvimento de projeto de forma integrada entre as áreas de botânica, ecologia e química.

Os interessados devem enviar carta de recomendação, carta de apresentação (até 1 página) e curriculum vitae, em formato pdf, para o e-mail smachado@ibb.unesp.br, até o dia 2 de julho de 2010.

A vaga está aberta a brasileiros e estrangeiros. O selecionado receberá Bolsa de Pós-Doutorado da FAPESP, no valor de R$ 5.028,90 mensais.

Outras vagas de bolsas de pós-doutorado, em diversas áreas do conhecimento, estão no site FAPESP-Oportunidades, em http://www.oportunidades.fapesp.br/.

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Vice de associação ruralista está em lista suja do Ibama


O presidente da Comissão de Meio Ambiente da CNA (Confederação da Agricultura e da Pecuária do Brasil), tem uma fazenda embargada pelo Ibama por desmate irregular em Tocantins.

Segundo dados do processo, o pecuarista Assuero Doca Veronez foi multado por desmatar sem licença uma área de 969 hectares no município de Campos Lindos.

Na época, foi lavrada uma multa de cerca de R$ 90 mil, que não foi paga. O fazendeiro recorreu, e o processo ainda tramita no Ibama.

A área, uma fazenda de soja, foi listada pelo órgão em 2006 entre as áreas embargadas da Amazônia Legal. Isso significa que todo grão produzido ali é considerado "pirata" e pode ser apreendido.

Veronez diz que vendeu a área em 2002. Segundo ele, não houve crime ambiental, mas multa administrativa. Ou seja, a reserva legal e as áreas de preservação permanente (APPs) não teriam sido desmatadas. No entanto, o corte raso foi feito antes do licenciamento ambiental.

"Havia pressão de tempo, o licenciamento demorou e quase todas as pessoas [da região] desmataram", disse Veronez à Folha. "Era uma vegetação de campo, nem floresta era", afirmou. "Nunca cheguei nem a plantar ali", prosseguiu.

HERANÇA

O pecuarista, que é um dos vice-presidentes da CNA, foi um dos quase 50 beneficiários de um decreto do então governador de Tocantins, Siqueira Campos (PSDB).

Em 1997, ele desapropriou uma área de 105 mil hectares para a implementação de um polo produtor de grãos.Três outros fazendeiros beneficiados pelo decreto tiveram áreas embargadas.
A presidente da CNA, a senadora Kátia Abreu (DEM-TO), esteve entre os produtores instalados na região pelo decreto, mas não está na lista suja do Ibama no município.

Veronez diz não saber por que a fazenda entrou na lista. "O Ibama jogou tudo que tinha multa como área embargada", afirma.

Procurada pela Folha anteontem e ontem, a assessoria de imprensa do Ibama afirmou que não conseguiu localizar ninguém no órgão para comentar o caso.

PASSIVO

A CNA tem sido uma das principais defensoras de reforma no Código Florestal, a lei de proteção às florestas.

Os produtores argumentam que a lei criminaliza a maior parte dos agricultores do país e que é impossível recompor toda a vegetação nativa que precisaria ser replantada caso a lei fosse ser aplicada à risca.

A CNA tem defendido a moratória a novos desmatamentos, mas a anistia a desmates já feitos em áreas agrícolas "consolidadas".

É nessa direção que vai um projeto de mudanças no código, de autoria do deputado Aldo Rebelo (PC do B-SP), que tramita numa comissão especial da Câmara e tem recebido críticas de ONGs e do Ministério do Meio Ambiente.

Ele anistia de multa todos os desmatamentos feitos até julho de 2008.

Os ruralistas querem aprovar a mudança na lei no plenário da Câmara este ano. Ontem, sua votação na comissão especial foi marcada para o próximo dia 5.

Fonte: Folha Online

Estudo aponta emissão de quase 89 milhões de toneladas de gases estufa por grandes empresas


Um estudo inédito no Brasil apontou que, em 2009, um grupo composto por 35 grandes empresas foi responsável pela emissão de quase 89 milhões de toneladas de gás carbônico (CO2). De acordo com o levantamento, a indústria de transformação lidera as emissões com 89%, seguida pelo setor de mineração, com 10%.

Os dados fazem parte do Inventário Registro Público de Emissões de Gases de Efeito Estufa, lançado nesta terça-feira (22), em São Paulo. O evento teve a presença da ministra do Meio Ambiente, Isabella Teixeira.

O levantamento foi feito sob a coordenação do Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas (Gvces), em parceria com o World Resources Institute, organização norte-americana pioneira na formulação de ferramentas de gestão para a economia de baixo carbono.

Para o coordenador do GVces, Mário Monzoni, a transparência das empresas, que concordaram em divulgar a quantidade de emissão de gases que causam o efeito estufa, significa “um passo de excelência empresarial de um movimento grande de sustentabilidade”. A expectativa dele é que o número de empresas participantes cresça a cada ano. Entre as companhias integrantes do inventário estão a Petrobras, o Banco do Brasil, a Alcoa, Ambev, Furnas Centrais Elétricas, Natura e Souza Cruz.

As ações do Centro de Estudos em Sustentabilidade fazem parte do programa internacional de normas de gestão ambiental, o GHG Protocol, integrado à Política Nacional de Clima e ao cumprimento da meta estabelecida na Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-15), realizada em Copenhague, em dezembro de 2009.

Para a ministra do Meio Ambiente, Isabella Teixeira, a iniciativa deve ajudar no processo de discussão da Política Nacional de Mudança Climática. Ela lembrou que os países desenvolvidos já adotam esse tipo de gestão ambiental transparente.

Os dados do levantamento podem ser acessados pelo site da FGV (http://www.fgv.br/ces/registro/)

Fonte: FGV

XI CURSO LATINO AMERICANO DE BIOLOGIA DA CONSERVAÇÃO


Na última década o Curso Latino Americano de Biologia da Conservação vem contribuindo para a formação de profissionais comprometidos com a conservação da diversidade socioambiental da América Latina. Durante as quatro semanas de capacitação os participantes compartilham experiências com renomados profissionais que atuam nas diferentes esferas da Biologia da Conservação.

O conteúdo programático deste curso trata primeiramente de uma abordagem conceitual teórica, seguido de metodologias e ferramentas úteis em estudos de campo e por último, estudos de caso nos quais os alunos vivenciarão a realidade de um programa de conservação.

O curso acontecerá de 03 de novembro a 03 de dezembro de 2010.

Informações: http://www.ipe.org.br/ / cbbc@ipe.org.br
(11) 4597-1327 / 9981-2601

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Assinatura Revista Terra da Gente - Desconto Especial para Biólogos


Processo Seletivo Professor Fesurv (05 vagas para Biólogos)

A Fesurv - Universidade de Rio Verde abriu as inscrições para o processo seletivo simplificado para contratação de professores substitutos.

Biólogos podem se candidatar para as seguintes disciplinas:

- Genética;
- Anatomia Humana e Animal Comparada;
- Primeiros Socorros e Biossegurança;
- Microbiologia Básica;
- Recursos Naturais e Manejo de Ecossistemas.

O valor da hora-aula será de R$16,24.

As inscrições serão feitas no Protocolo Central, localizado no Bloco administrativo do Campus Universitário “Fazenda Fonte do Saber”, no município de Rio Verde, Estado de Goiás, entre os dias 28 de junho e 02 de julho de 2010, das 07 às 11h, das 13 às 17h e das 19 às 22h.

Maiores informações:
http://www.fesurv.br/

VI Fórum Ambiental


Chamada SMOLBnet 2.0 prorroga prazo


A FAPESP prorrogou para o dia 13 de setembro o prazo de entrega de propostas na chamada da Rede de Biologia Estrutural em Tópicos Avançados de Ciências da Vida – SMOLBnet 2.0.

O objetivo principal da chamada (Chamada FAPESP 07/2010) é identificar e selecionar projetos de pesquisa fundamental e aplicada, elaboradas em parceria, que promovam o avanço da compreensão de sistemas biológicos complexos em nível estrutural. Podem participar pesquisadores vinculados a instituições de ensino superior e de pesquisa no Estado de São Paulo.

A rede SMOLBnet 2.0 pretende promover o estabelecimento de parcerias entre grupos de pesquisa que tenham expertise em resolução de estrutura de macromoléculas por cristalografia com raio X ou RMN (Grupo de Biologia Estrutural) e grupos de pesquisa de área molecular que desenvolvem projetos competitivos de alto impacto em sistemas biológicos complexos (Grupo de Biologia Molecular).

Os projetos selecionados deverão: a) Promover a associação de grupos de biologia estrutural e biologia molecular e celular para responder perguntas relevantes em biologia; b) Disseminar o uso de abordagens em biologia estrutural (cristalografia por raios X, ressonância magnética nuclear, difração de raios X em baixo ângulo e criomicroscopia eletrônica de partículas isoladas) no Estado de São Paulo; e c) Contribuir para a formação e/ou o treinamento de jovens pesquisadores.

A FAPESP espera aprovar dez propostas com valor médio de R$ 300 mil cada uma. A duração de cada projeto deve ser compatível com a modalidade de Auxílio à Pesquisa ou de bolsa escolhida.

As propostas devem ser apresentadas em papel e enviadas pelo correio à FAPESP até 13 de setembro de 2010. Os formulários estão disponíveis na página da chamada no portal FAPESP.

Mais informações:
www.fapesp.br/smolbnet

Workshop

No dia 28 de junho, será realizado workshop da rede SMOLBnet 2.0 para estabelecimento de parcerias entre grupos de pesquisa em biologia molecular e estrutural.

A reunião ocorrerá no Laboratório Nacional de Biociências (LNBio), em Campinas (SP), com o objetivo de promover o estabelecimento de parcerias entre grupos de pesquisa que tenham expertise em resolução de estrutura de macromoléculas por cristalografia com raio X ou RMN (Grupo de Biologia Estrutural) e grupos de pesquisa da área molecular que desenvolvem projetos competitivos de alto impacto em sistemas biológicos complexos (Grupo de Biologia Molecular).

Organizado por um grupo de pesquisadores das áreas de biologia molecular e estrutural do Estado de São Paulo, o workshop discutirá as linhas do programa com a comunidade científica.

O LNBio fica na Rua Giuseppe Máximo Scolfaro, 10.000, Polo II de Alta Tecnologia, Campinas (SP), telefone (19) 3512-1001.

Mais informações e inscrições:
http://smolbnet2.lnbio.org.br
aczeri@lnls.br

Fonte: Agência FAPESP

3º Festival Andando de Bem com a Vida


12ª International Conference on Culture Collections


A World Federation for Culture Collections (WFCC) realizará a 12ª International Conference on Culture Collections em Florianópolis (SC), de 26 de setembro a 1º de outubro, com o tema principal “Centro de recursos biológicos: caminho para a biodiversidade e serviços para a inovação em biotecnologia”.

Os resumos de trabalhos podem ser submetidos até o dia 30 de junho e devem ser enquadrados em um dos quatro temas: aplicações biotecnológicas, taxonomia e ecologia microbianas, gerenciamento de dados, redes e sistemas de informação e centros de recursos microbiológicos: preservação, gestão da qualidade, questões legais e de segurança.

Maiores informações:
http://www.iccc12.info/

Biólogo no IPCC


Nos próximos dias será anunciada a lista de autores principais do quinto Relatório de Avaliação do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês), que será publicado em 2014. Cerca de 300 cientistas de todo o mundo foram escolhidos, entre mais de 1,2 mil candidatos, para reunir e avaliar informações técnicas disponíveis sobre o estado atual das mudanças do clima na Terra. Em meio a inúmeros meteorologistas e climatologistas está um biólogo brasileiro.

Marcos Buckeridge, diretor científico do Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE) e membro da coordenação do Programa FAPESP de Pesquisa em Bioenergia (BIOEN), atuará no Grupo de Trabalho II do IPCC, responsável por abordar impactos, adaptação e vulnerabilidade das mudanças climáticas. Ele será um dos redatores do capítulo que tratará desta temática na América do Sul e Central.

O professor do Departamento de Botânica do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (USP) e editor do livro Biologia e Mudanças Climáticas no Brasil explica de que forma o seu trabalho pode colaborar para uma análise climática mais ampla.

“Sempre achei que o IPCC deveria contemplar melhor o ‘olhar do biólogo’. Quais são os eventos que ocorrem em escala micro, dentro da célula de uma planta por exemplo, que podem interferir nos acontecimentos da atmosfera terrestre? Biólogos podem ajudar a modelar ambientes como o interior da célula de um vegetal e identificar quais fatores ali são determinantes para as mudanças climáticas globais”, disse.

Segundo Buckeridge, dois trabalhos podem ter contribuído para a sua indicação ao IPCC. Um deles foi o estudo da bioenergética de plântulas, iniciado em 1999, que visa a compreender os processos metabólicos que tornam possível a vida celular de uma planta (do ponto de vista energético) nos seus primeiros dias de vida. Tal conhecimento permite melhorar as estratégias atuais de recuperação de florestas. Essa pesquisa foi essencial à especialização do pesquisador em parede celular de plantas, tema relevante à bioenergia.

O outro trabalho foca na resposta de plantas como a cana-de-açúcar a climas com alto teor de gás carbônico. A equipe de Buckeridge descobriu que a cana é beneficiada com as mudanças climáticas, pois aumenta consideravelmente sua taxa de fotossíntese e produção de biomassa.

Em 2007, 12 cientistas brasileiros participaram diretamente da elaboração do relatório do IPCC, oito deles como autores principais.

O Primeiro Relatório de Avaliação (AR1, na sigla em inglês) do IPCC foi publicado em 1990. Sua última versão (AR4), divulgada em 2007, teve grande repercussão mundial. É que os cientistas que o preparam foram taxativos ao afirmar que indícios substanciais apontam o ser humano como o principal causador de mudanças no clima, com sérias consequências ao planeta.

O próximo relatório do IPCC está em fase de preparação inicial. Países afiliados à ONU indicaram pesquisadores para compor o quadro de autores principais do relatório.

Três esboços gerais serão produzidos e revisados tecnicamente até que o relatório seja submetido à revisão e avaliação de especialistas dos governos participantes do IPCC. Buckeridge participou desta etapa no último relatório publicado. Após acertos finais, o documento oficial será divulgado em 2014.

Fonte: CTBE

terça-feira, 22 de junho de 2010

Processo Seletivo Professor IFMG (01 vaga para Biólogos)

O Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG) abriu processo seletivo para contratação de professores substitutos por tempo determinado.

O local de atuação é em Ouro Preto (MG).

As inscrições devem ser feitas no site da própria instituição (www.ifmg.edu.br), entre 21 e 25 de junho de 2010.

A disciplina Biologia e Microbiologia: conteúdo afins e projetos exige do candidato graduação em Ciências Biológicas.

A remuneração é de R$3.034,82.

Para maiores informações, clique aqui

Hospital Business


A 16ª edição do Hospital Business, será realizado este ano nos dias 19, 20 e 21 de outubro, das 10 às 20 horas no Centro de Convenções SulAmérica – acesso principal pela Av. Paulo de Frontin, 01, Cidade Nova/RJ ou acesso lateral para o estacionamento pela Rua Madre Teresa de Calcutá s/nº, Cidade Nova /RJ.

Hospital Business é uma realização das entidades representativas do segmento de saúde do Estado do Rio de Janeiro, AHCRJ (Associação de Hospitais e Clínicas do RJ), SINDHERJ (Sindicato de Hospitais e Estabelecimentos de Serviços de Saúde no Estado do RJ), SINDHRIO (Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Casas de Saúde do Município do Rio de Janeiro) e FEHERJ (Federação dos Hospitais e Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Estado do RJ), com apoio da CNS (Confederação Nacional de Saúde) e ABAH (Academia Brasileira de Administração Hospitalar).

Anualmente o evento reúne administradores e gerentes de compras hospitalares, empresários e lideranças do setor de saúde nacional, médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, nutricionais, biólogo e demais profissionais da área médico-hospitalar para visitação à feira de produtos, equipamentos e serviços e participação no congresso científico, possibilitando a realização de bons negócios e contatos, bem como o seu aprimoramento técnico, econômico e científico.

Maiores informações:
www.hospitalbusiness.com.br

Blog da Unesp Ciência


A revista Unesp Ciência, publicação de divulgação científica da Universidade Estadual Paulista, possui um blog na internet.

Os leitores têm acesso a materiais extras, podem comentar as reportagens e acompanhar os trabalhos da equipe.

Para acessar o blod da Unesp Ciência, clique no link:
http://www2.unesp.br/revista/

Peixe recém-descoberto está ameaçado por vazamento no Golfo


Uma espécie de peixe descoberta há pouco tempo no Golfo do México já corre o risco de desaparecer por causa do vazamento de petróleo da BP, segundo pesquisadores da Louisiana State University (LSU), nos Estados Unidos.


O halieutichthys aculeatus, chamado em inglês de pancake batfish (“peixe-morcego panqueca”, em tradução livre), vive a cerca de 400 metros de profundidade. A espécie foi descoberta há cerca de seis meses pelo biólogo Prosanta Chakrabarty, da Universidade do Estado da Louisiana (LSU, na sigla em inglês).

O peixe leva este nome por ser achatado e redondo como uma panqueca, apesar de ser muito menor que uma. Segundo Chakrabarty, "se você faz um formato oval com seu dedão e o dedo indicador, você tem aproximadamente o tamanho dele".

"Eles são realmente esquisitos", afirmou o biólogo. "Muita atenção é dada à carismática megafauna, as baleias e as tartarugas, mas nós não podemos dizer o que está acontecendo abaixo da superfície."

Chakrabarty alerta que o vazamento de petróleo está ocorrendo no nível do habitat destes peixes, o que pode dizimar a espécie no Golfo do México.

Alimento de atum

O peixe passa a maior parte de seu tempo descansando sobre o fundo arenoso do Golfo do México, já que ele não nada, mas pula sobre o solo com a ajuda de nadadeiras.

"Durante minha expedição pela LSU nós pescamos cerca de 100 mil peixes e apenas três eram peixes-morcego panqueca. É difícil estimar qual é a população deste tipo de peixe, mas se eles são raros em museus, eles devem ser raros no mar", disse Chakrabarty.

De acordo com o biólogo, a BP e o governo pioraram a situação para as espécies que vivem no fundo do mar ao injetar imensas quantidades de químicos para dispersar a mancha de óleo.

"Apenas porque é abaixo da superfície não quer dizer que não está causando danos. Significa apenas que nós não sabemos quais são as consequências", afirmou Chakrabarty à estação de rádio pública americana NPR, que traz em seu website um quadro com a contagem em tempo real da quantidade de petróleo vazada no oceano.

A cientista Samantha Joye, da Universidade da Geórgia, faz parte de uma equipe de pesquisadores que está mapeando uma imensa mancha de água poluída a cerca de 20 km a oeste e sudoeste do poço que está vazando.

Esta mancha teria mais de 3 km de extensão e cerca de 600 m de profundidade. "Quanto mais perto do poço as amostras foram coletadas, maior a concentração de óleo e gás. Outros cientistas independentes encontraram diversas outras manchas, e cientistas do governo também estão fazendo essas buscas. Mas até agora, a BP diz que não pode confirmar que a (plataforma que explodiu e afundou) Deepwater Horizon está criando grandes manchas submarinas", afirmou Joye à NPR.

Apesar de não se saber ao certo em que nível da cadeia alimentar o peixe-morcego panqueca se encontra, alguns foram encontrados nos estômagos de atum e do marlim.

Chakrabarty, que pretende registrar a descoberta da espécie em agosto, diz que até lá é capaz de o peixe não existir mais.

A possibilidade da espécie desaparecer está alarmando os cientistas, que dizem ser impossível estimar os impactos do vazamento da BP em longo prazo.

Fonte: BBC Brasil

Concurso Público Prefeitura de Juruti – PA (02 vagas para Biólogos)

Foi publicado o edital do concurso público para a Prefeitura de Juruti (PA), que destina-se ao provimento de vagas efetivas em diversas áreas.

As inscrições devem ser feitas presencialmente, entre 05 e 09 de julho. O local é a Avenida Marechal Rondon, no Centro de Juruti, das 08h às 17h. A inscrição também poderá ser feita através de procuração.

O cargo Biólogo possui 02 vagas disponíveis e remuneração mensal de R$1.695,00.

Maiores informações pelo edital:
http://migre.me/Rdsw

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Espécie humana estará extinta dentro de 100 anos, diz Biólogo


A espécie humana estará extinta em menos de um século. A previsão nada otimista é do conceituado biólogo australiano Frank Fenner, professor da Universidade Nacional Australiana e um dos responsáveis pela erradicação da varíola.

Em entrevista ao jornal "The Australian", publicada na quinta-feira (17), ele explicou que por conta "da explosão demográfica e do consumo desenfreado" a humanidade não será capaz de sobreviver. "Seremos extintos. Tudo o que fizermos agora será tarde demais", disse o pesquisador, hoje com 95 anos.

A afirmação foi feita durante uma rara ocasião em que Fenner se dispôs a falar com a imprensa. Membro da Academia Australiana de Ciência e da Sociedade Real, o biólogo já publicou centenas de artigos científicos e escreveu, sozinho ou em parceria, 22 livros.

"Como a população continua a crescer para sete, oito ou nove bilhões haverá muito mais guerras por alimentos", diz. "Os netos de gerações de hoje vão enfrentar um mundo muito mais difícil."

Polêmico, ele credita ainda à falta de ação para se reduzir emissões de gases do efeito de estufa o trágico destino da humanidade. "Vamos sofrer o mesmo que o povo da Ilha de Páscoa", afirmou. "A mudança climática está apenas no começo. Mas nós estamos vendo mudanças notáveis desde já".

"A espécie Homo sapiens será extinta, possivelmente dentro de 100 anos", disse. "Muitos outros animais também serão. É uma situação irreversível. Eu acho que é tarde demais. Tento não me manifestar sobre isso, porque as pessoas estão tentando fazer alguma coisa".

O jornal The Australian lembra que a opinião de Fenner é compartilhada por outros cientistas, porém abafada na discussão entre os pesquisadores que creem e os que são céticos em relação às mudanças climáticas.

Na semana que vem Fenner fará a abertura do simpósio sobre Clima, Planeta e Pessoas Saudáveis, na Academia Australiana de Ciência. Em 1980, durante uma Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), foi ele quem anunciou a erradicação global da varíola, única doença a ser considerada erradicada em todo o mundo.

Fonte: Exame

Entrevista com o Biólogo Marinho Richard Steiner


Veja abaixo a entrevista com o Biólogo Marinho Richard Steiner, que fala sobre o acidente (vazamento) acontecido recentemente no Golfo do México.

O respeitado biólogo marinho e consultor ambiental Richard Steiner conhece bem a espinhosa encruzilhada da política com o desastre ecológico. Veterano do vazamento do navio-tanque Exxon Valdez, em 1989, ele acaba de renunciar à cátedra na Universidade do Alasca sob pressão do establishment do Estado de Sarah Palin. As autoridades o puniram por prever que um desastre como a explosão da plataforma Deepwater Horizon poderia ocorrer nas águas pristinas do Ártico.

Nesta entrevista, o também consultor de governos internacionais defende melhores critérios de segurança para a indústria que ele considera gravemente insegura. E já começa com um alerta ao Brasil.

Se o sr. fosse um biólogo marinho brasileiro, o que tentaria apreender dessa catástrofe (vazamento no Golfo do México)?

Eu diria que os brasileiros devem se preocupar, e muito, com o risco da prospecção offshore. E, se o governo vai levar seus planos adiante, deve fazer isso exigindo a melhor tecnologia disponível para reduzir o risco de uma explosão semelhante à da Deepwater Horizon, tecnologia que aliás está sendo desenvolvida enquanto conversamos. São as two-shear hydraulic rams (travas hidráulicas de lâmina dupla), destinadas a selar o blow pipe (a tubulação de escape). A maioria das travas hoje só tem uma lâmina. Outra sugestão que eu faria aos brasileiros é que seja perfurado, mesmo durante a fase exploratória, um poço de alívio próximo. Em caso de explosão, não seria preciso esperar meses para a solução do caso, como ocorre no golfo. Os brasileiros têm todos os motivos para olhar para o que acontece aqui e se preocupar porque um acidente pode ser catastrófico.

A tecnologia disponível cobre o risco da prospecção de petróleo em profundidade?

Não cobre. Mas, se a prospecção vai ser levada adiante, deve haver a compreensão do risco real de uma catástrofe. A indústria demonstrou que não consegue fazer um top kill (injeção de lama pesada para exercer pressão contrária) em águas profundas.

Vamos voltar às vésperas da explosão da plataforma. Quanto do ecossistema do Golfo do México já havia sido destruído?

Ainda bem que você tocou no assunto, a mídia não está falando disso. Aquela área já estava muito prejudicada. O controle de lodo no Rio Mississippi reduziu as áreas para as aves marinhas construírem seus ninhos. Há muito menos sedimento vindo do Mississippi, de modo que o delta do rio está encolhendo. O uso de fertilizantes na agricultura, por sua vez, tem provocado as chamadas zonas mortas, que se formam em períodos sazonais. Quando os fertilizantes descem para o mar há uma explosão de plâncton, que absorve o oxigênio e dizima a vida marinha naquela área. Junte a isso o impacto do aquecimento global, que trouxe tempestades intensas. Esperamos, aliás, uma temporada violenta de furacões neste ano.

Qual sua opinião sobre a reação do governo federal e de Barack Obama ao acidente?

Tanto o governo como a BP foram lentos para entender a enormidade do desastre. Leve em conta que o vazamento do Exxon Valdez demorou seis horas e o vazamento do golfo ocorre há dois meses. Vamos admitir que isso influi na percepção. A responsabilidade de prevenir o acidente era da BP, da Halliburton e da TransOcean. Eles não tinham uma estratégia. Acho que a responsabilidade era 80% deles e 20% do governo. Mas 80% da responsabilidade federal recai sobre o governo de George Bush, que derrubou regulamentações à indústria. Chamamos a atenção da equipe de transição de Obama, no ano passado, para o que acontecia na Minerals Management Service, a agência que regula a indústria de petróleo. Quero também lembrar que, durante toda a crise do Exxon Valdez, George Bush pai não botou os pés no Alasca, a despeito dos nossos apelos. Obama já foi ao golfo quatro vezes. Ele deu muito mais atenção a esse desastre do que Bush pai.

O senhor foi ouvido por governos locais, pelo governo federal ou por empresas a respeito desse acidente?


Tenho sido consultado por ONGs, nacionais e estaduais, e por comitês do Congresso. E tratei com a frente unificada montada pelo governo para conter o desastre, mas não tenho contrato com ninguém.

Quem diz que o vazamento é uma oportunidade para uma virada na política energética está sendo ingênuo?

Espero que seja uma oportunidade. Se nada mais emerge de um desastre como esse, esperemos ao menos algo construtivo. A verdadeira lição desse desastre é sobre o custo oculto do petróleo. Espero que possamos nos mobilizar para fontes alternativas de energia. Podemos ser até acusados de ingenuidade, mas ainda assim temos que insistir nisso. Temo que seja desperdiçada a última grande chance de promover energia sustentável antes de um colapso ecológico. O que conseguimos obter com o Exxon Valdez? Só navios-tanque mais seguros.

A catástrofe ambiental do golfo é amplificada pela crise econômica. É possível conciliar a pressão econômica local com o abandono da exploração de petróleo em profundidade?

É possível, mas politicamente difícil. Há muitos empregos na área de energia sustentável. O governo deve oferecer subsídios para acabar progressivamente com nossa dependência do petróleo. É preciso comunicar ao público o verdadeiro custo dessa dependência energética. O prejuízo desse desastre já está calculado em US$ 20 bilhões, e deve subir. Isso sem contar o que gastamos na guerra do Iraque para defender nosso acesso ao óleo. Quanto mais cedo a transição for feita, melhor não só para o planeta, mas também para o bem-estar econômico deste país. Já estamos 40 anos atrasados, deveríamos ter despertado no começo dos anos 70.

Há ambientalistas defendendo um aumento expressivo do número de reservas marinhas. É uma solução útil a curto prazo?

Com toda a certeza. Menos de 1% dos oceanos está sob proteção, enquanto as reservas mundiais em terra cobrem de 10% a 12% da superfície do planeta. Nós chamamos as reservas de "planejamento espacial marinho". Elas devem ser demarcadas estrategicamente. A moratória que o governo americano acaba de decretar na exploração em profundidade deve ser mantida até termos mais controle sobre a tecnologia usada. Não temos os protocolos corretos sobre as plataformas nem a supervisão governamental. E comemoro especialmente o fato de que a exploração de gás e petróleo no Ártico não vai começar no mês que vem. Jamais deveriam explorar aquela área.

O senhor encerrou sua carreira universitária de 30 anos por causa da controvérsia sobre a exploração no Alasca, certo?

Sim. Todo ano, como professor da Universidade do Alasca, eu recebia bolsas de pesquisa federais - até o ano passado, quando alertei sobre o risco da exploração na Baía de Bristol, o maior santuário de salmão vermelho do mundo. Argumentei que uma explosão poderia provocar uma catástrofe na baía. Por causa da pressão econômica local para a exploração, fui acusado de tomar uma posição política e suspenderam minha bolsa. Movi uma queixa contra a universidade, que é uma instituição estadual, e perdi. Por isso pedi demissão, há três meses. Agora, meus críticos parecem uns tolos.

O desastre do golfo chamou a atenção para a região do Delta do Níger, onde vaza óleo constantemente há cinco décadas. Aquela área simboliza o pior dano ambiental causado pela exploração de petróleo até hoje?

Sim, e eu fui um dos responsáveis pelos cálculos, com cientistas e o governo nigeriano. Estimamos que de 5 milhões a 11 milhões de galões de petróleo vazaram ali nos últimos 50 anos, um desastre ignorado sistematicamente pelo mundo desenvolvido. Os EUA importam 10% de seu petróleo da Nigéria e não prestam atenção a isso. Há uma tendência de atribuir grande parte dos vazamentos aos atos de sabotagem de grupos terroristas da Nigéria. Mas o senhor argumenta que companhias de petróleo não calculam corretamente sua responsabilidade nos acidentes. Veja, é comum tanto as companhias de petróleo como os governos subestimarem os vazamentos. É comum superestimarem a eficácia de suas técnicas de limpeza. E, por fim, é comum subestimarem os riscos envolvidos. Garanto que você ainda há de ver isso acontecer no Brasil. Uma solução preventiva é envolver organizações não governamentais para monitorar, manter o público informado e fazer pressão.

Por que os Estados Unidos não conseguem desenvolver uma política energética?

Porque vivemos uma disfunção sistêmica em que o poder do lobby do petróleo é enorme graças à maneira como as campanhas políticas são financiadas. Tivemos três mandatos de presidentes íntimos dessa indústria, com Bush pai e Bush filho. As companhias de petróleo e gás gastaram mais de US$ 150 milhões fazendo lobby em 2009. Quem pode competir com isso? O lucro deles é obsceno e eles podem financiar suas campanhas para evitar aumento de impostos sobre combustíveis. Esta é a primeira catástrofe ecológica provocada pelo homem na era do Twitter e do YouTube.

O senhor acha que a profusão de imagens ajuda a mobilizar o sentimento do público a distância? Ou a enxurrada de informação pode tornar as pessoas insensíveis?

Acredito que há um pouco dos dois, mas ainda vejo o fenômeno cibernético como positivo. Na época do Exxon Valdez não havia internet nem celulares lá. Hoje qualquer fato adquire logo uma escala global. E sabemos que as imagens em vídeo são muito efetivas. Mas há, sim, o problema da difusão de muita informação incorreta. É difícil o público separar o joio do trigo.

Fonte: Estadão

Bolsas de doutorado da Austrália


A Universidade de Sydney, na Austrália, abriu inscrições para o seu programa de bolsas de doutorado para o ano de 2011. Mais de 20 estudantes serão contemplados com bolsas integrais de três anos de duração.

A universidade elege regularmente regiões prioritárias para a concessão de bolsas e o Brasil foi enquadrado nesse grupo para o próximo ano.

O programa oferece também até 1.250 dólares australianos para o custeio de cada trecho, ida e volta, das passagens aéreas de seu país de origem até a cidade australiana.

O estudante deve procurar um potencial orientador e discutir com ele sua proposta de pesquisa. Para isso, deve acessar a página http://sydney.edu.au/research/opportunities .

Em seguida, deve preencher o formulário disponibilizado e enviar até o dia 31 de julho. Os candidatos que receberem resposta positiva da instituição devem enviar pelo correio a documentação requerida até o dia 17 de setembro.

A School of Molecular and Microbial Biosciences possui vagas em aberto.

Maiores informações:
http://migre.me/QVcF

Lei permite destruir 70% da mata seca


A Assembleia Legislativa de Minas aprovou, em reunião extraordinária realizada na noite de quarta-feira, um polêmico projeto de lei que retira a chamada mata seca - na região norte do Estado - da área de preservação ambiental da Mata Atlântica.

Os defensores da nova lei afirmam que o fim do rigor na proteção ambiental é necessário para o desenvolvimento da região e levará à criação de 250 mil postos de trabalho. Ambientalistas e estudiosos afirmam que serão beneficiados, na verdade, grandes fazendeiros.

A região tem como principais atividades o cultivo de frutas irrigadas, a pecuária e a produção de carvão vegetal. Com uma área remanescente de 16,1 mil km² (48% do total), de acordo com o Instituto Estadual de Florestas (IEF), a mata seca foi incluída na área de preservação da vegetação nativa da Mata Atlântica por decreto federal de 2008. Esse decreto proíbe o desmatamento de florestas nativas do bioma a não ser por motivo de utilidade pública e interesse social.

O projeto de lei 4.057/2009 - aprovado por 45 votos a favor e apenas 1 contra - permite o desmatamento de até 70% da área coberta pela vegetação, como prevê a legislação estadual, que é mais permissiva. Para virar lei, o projeto precisa ser sancionado pelo governador Antonio Anastasia (PSDB).

Similaridade. Estudioso das matas secas, o biólogo Mário do Espírito Santo, da Universidade Estadual de Montes Claros, diz que existe uma similaridade muito grande entre as matas secas do norte de Minas - classificadas como florestas estacionais deciduais (que perdem folhas) - e a Mata Atlântica ao longo da costa do País. Citando dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística de 2006, ele observa que todo o norte de Minas, em uma área de 126 mil km², possuía 278 mil postos de trabalho e 21 mil empregos formais na zona rural. "Não sei qual conta foi feita para se chegar a esse número de 250 mil postos de trabalho em 16 mil km². Parece ilógico."

Em recente pesquisa da Fundação Mata Atlântica, Minas figura como o Estado campeão em desmatamento de Mata Atlântica, entre 2008 e maio de 2010.

Fonte: Estadão

Prêmio Sérgio Arouca abre inscrições


Estão abertas até 30 de junho as inscrições para o Prêmio Sergio Arouca de Excelência em Atenção Universal à Saúde, organizado pela Fundação Pan-Americana para a Saúde e Educação (Pahef) e pela Organização Pan-Americana da Saúde (Opas).

Segundo os organizadores, o prêmio visa a reconhecer a importância da assistência de saúde universal e seu impacto nos povos das Américas. Serão homenageadas uma ou mais pessoas, instituições ou organizações governamentais ou não-governamentais que se destacaram na elaboração de políticas e estratégias nacionais para promoção dos programas de saúde e gestão em saúde.

O vencedor receberá prêmio em dinheiro, diploma de honra ao mérito e viagem paga a Washington para participar da cerimônia anual de Prêmios à Excelência no Evento de Saúde Pública Interamericana da Opas/Pahef.

O candidato deve incluir carta apresentada e assinada, com curriculum vitae, além de carta de apoio do representante oficial da organização a que pertence ou do representante da Opas/OMS no país do candidato ou de um representante oficial do Ministério da Saúde. A indicação pode ser apresentada em espanhol, inglês ou português.

Criado em 2010, o prêmio homenageia o médico Sérgio Arouca (1941-2003), pesquisador e professor na Escola de Saúde Pública Nacional, ex-presidente da Fundação Oswaldo Cruz. Arouca dedicou sua carreira ao progresso da saúde pública nas Américas, com o foco na promoção da causa e no aumento do acesso a serviços de saúde.

Mais informações: www.pahef.org/awards/universal_health_care/index_pt.html

Fonte: Agência FAPESP

4º Simpósio – O rio e a cidade – Cidade sustentável: um direito


A Prefeitura de Mauá realiza nos dias 30 de junho e 1 de julho o “4º Simpósio – O rio e a cidade – Cidade sustentável: um direito”, no Teatro Municipal. A abertura será no dia 30, às 9h.

O crescimento dos municípios e a relação que se estabeleceu com os rios que os cortam, os avanços da política ambiental no Brasil, a gestão das Prefeituras da região, a produção e o consumo conscientes e direitos humanos são alguns dos assuntos a serem discutidos. Em cada dia, serão três mesas de debate com a participação de gestores, ambientalistas, educadores e o meio acadêmico.

“O evento tem como objetivo dar continuidade a uma discussão iniciada em 2002, que teve sequência em 2003 e 2004, e reafirmar o compromisso com o aprimoramento de políticas públicas voltadas para o cuidado da cidade”, ressalta o secretário de Meio Ambiente de Mauá, José Afonso Pereira.

As inscrições vão até 27 de junho.

Maiores informações:
http://www.maua.sp.gov.br/

Concurso Público Funasa (02 vagas para Biólogos)

Foi publicado o edital do concurso público para a Fundação Nacional de Saúde (Funasa), que visa seleção de pessoal por tempo determinado.

Biólogos podem se candidatar para a seguinte área de atuação: Engenharia de Saúde Pública.

É necessário ter experiência profissional superior a 03 anos ou qualificação diferenciada, como pós-graduação lato sensu, mestrado ou doutorado em Bioquímica ou Biologia ou Química.

A remuneração é de R$6.130,00.

As inscrições devem ser feitas entre os dias 28 de junho e 16 de julho de 2010, através do site www.institutocetro.org.br .

São 02 vagas disponíveis e os locais de atuação são Macapá (AP) e Manaus (AM).

Maiores informações pelo edital:
http://migre.me/QUUf

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Curso de Biologia Marinha


A INCISAIMAM (www.incisaimam.com.br) irá realizar o curso de Biologia Marinha.

As aulas serão ministradas em Aracruz (ES). A saída de Belo Horizonte será no dia 20 de agosto e o retorno no dia 22 do mesmo mês.

O objetivo do curso é o de ampliar o conhecimento sobre os ecossistemas costeiros brasileiros que apresentam grande importância econômica e ecológica enriquecendo o estudo da fauna, flora e ambiente marinho voltado para alunos e profissionais relacionados à área ambiental e demais interessados.

As inscrições poderão ser feitas até o dia 02 de julho de 2010.

Maiores informações:
http://migre.me/Q7xb

Green Talents 2010


A segunda edição do concurso Green Talents – The International Forum for High Potentials in Green Technologies (Fórum Internacional para Grandes Potenciais no Desenvolvimento Sustentável) tem inscrições abertas até o dia 20 de junho.

O concurso, promovido pelo Ministério da Educação e Pesquisa da Alemanha (BMBF), premiará 15 jovens cientistas, que poderão trocar experiências com renomados pesquisadores em um fórum de dez dias, na Alemanha.

O fórum será realizado no segundo semestre, com o tema “Ano da Ciência 2010 – O Futuro da Energia”. Os ganhadores também visitarão instituições de ensino e pesquisa no país.

O concurso selecionará trabalhos de pesquisadores em todo o mundo (com exceção da Alemanha) em meio ambiente, em áreas e temas como energias renováveis, conservação de energia, eficiência energética e redução de dióxido de carbono, gestão sustentável de recursos, tratamento de resíduos, biomateriais e estratégias de sustentabilidade.

No concurso de 2009, entre os ganhadores três foram brasileiros: Antônio Carlos Caetano de Souza (Universidade Estadual Paulista), Caetano Dorea (Universidade de Glasgow) e Juliana Aristéia de Lima (Universidade Estadual de Campinas).

Mais informações: http://www.greentalents.de/

Governo e cientistas lançarão campanha pelo uso de cobaias


Na briga contra organizações de direitos dos animais que querem acabar com pesquisas envolvendo cobaias, cientistas e governo criaram uma campanha publicitária tentando convencer a opinião pública da importância desses estudos.

A partir da próxima quarta-feira, serão feitas inserções na televisão, no rádio e em jornais e revistas.

Os anúncios têm dois motes. Um é que "quase todos os medicamentos e vacinas são resultado de pesquisas com animais de laboratório", salvando muitas vidas. O outro é que, depois da Lei Arouca, aprovada em 2008 para regular o uso de cobaias, nenhum animal deixa de ser tratado com "ética e dignidade".

A iniciativa já recebeu R$ 1 milhão, diz Marcelo Morales, biólogo da UFRJ e um dos responsáveis pela campanha. O dinheiro vem do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) e do Ministério da Ciência e Tecnologia. E o valor pode aumentar.

Segundo ele, por mais que agora existam regras para a pesquisa, os grupos de direitos animais continuarão a ser contra. A ideia, então, é convencer a população, que hoje "não tem noção" da importância das cobaias. "Acham que o cientista está lá para matar ratinho", afirma.
"Muitos não sabem que, sem os animais, medicamentos contra diabetes e o coquetel anti-Aids, por exemplo, não seriam possíveis."

As organizações envolvidas, como a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência e a Academia Brasileira de Ciências, desejam evitar que episódios como o de 2008 se repitam.

Na época, um laboratório da USP foi destruído por vândalos que se disseram membros da organização Frente de Libertação Animal.

Fonte: Folha Online

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Curso de Perícia Ambiental


Instituição
Instituto Ecológico Aqualung

Público-alvo
O presente curso destina-se aos diversos profissionais, portadores de diploma de nível superior (completo) ou nível médio técnico com especialidade (completo), interessados em adquirir formação em perícia ambiental para ampliar seus conhecimentos na área ambiental, obtendo um diferencial competitivo para o mercado de trabalho.

Objetivos Gerais
1º - Qualificar os participantes, como especialistas, para o desempenho de funções inerentes à Perícia Ambiental, nos setores público e privado.
2º - Capacitar e qualificar os participantes para atender à demanda crescente do mercado de trabalho na área ambiental, nos setores público e privado.

Local
Na sede do Instituto Ecológico Aqualung - Rio de Janeiro

Período das aulas
6ª feiras e sábados, quinzenalmente

Horário das aulas
de 8h às 17h30min

Início das aulas
09 de julho de 2010

Término das aulas
21 de agosto de 2010

Valor do curso
R$ 2.650,00 (R$ 450,00 de inscrição + 4 parcelas de R$ 550,00 c/ cheque pré-datado)

Maiores informações
Telefone: (21) 2558-3428 ou 2558-3429 ou 2556-5030
E-mail: instaqua@uol.com.br
Site: http://www.institutoaqualung.com.br/

Processo Seletivo São Gonçalo do Amarante – RN (02 vagas para Biólogos)

Foi publicado o edital do processo seletivo para a Prefeitura de São Gonçalo do Amarante (RN), objetivando prover vagas sob o Regime Jurídico Estatutário.

As inscrições devem ser feitas no site www.acaplam.com.br, entre os dias 28 de junho a 1º de agosto de 2010.

São 02 vagas abertas para Biólogos, sendo que 01 é reservada para deficientes.

O salário é de R$1.979,17.

A avaliação escrita está marcada para o dia 29 de agosto de 2010.

Maiores informações pelo edital:
http://migre.me/PL67

Concurso Santa Maria Madalena – RJ (04 vagas para Biólogos)

Foi publicado o edital para concurso público da Prefeitura de Santa Maria Madalena (RJ), cujo objetivo é admitir pessoal em Regime Estatutário.

As 04 vagas para Biólogos são para o cargo de 'Professor de Ciências' - salário de R$718,43.

As inscrições devem ser feitas entre 23 de junho e 14 de julho de 2010, através do site www.consulplan.net .

Maiores informações pelo edital:
http://migre.me/PKQA

MundusCarbo contrata Biólogos



A MundusCarbo (www.munduscarbo.com) é uma empresa líder em Consultoria em Mudanças Climáticas no Brasil, com foco em consultoria estratégica, inventários de Gases de Efeito Estufa e em elaboração de projetos de mitigação das Mudanças Climáticas (MDL e REDD).

No momento a empresa possui vagas em aberto para Biólogos (estagiários, Consultores Júniors, Plenos e Sêniors).

O local de atuação é em Belo Horizonte ou São Paulo.

Os interessados devem enviar:

1. Currículo atualizado;

2. Indicação do nível de responsabilidade aspirado (estágio, consultor júnior, pleno ou sênior);

3. Pretensão salarial (no caso de consultores) ou disponibilidade de horário (no caso de estágio);

4. Uma carta de apresentação pessoal sintetizando experiências profissionais e/ou acadêmicas relevantes e contendo uma exposição da motivação e habilidades para atuar na área de Consultoria em Mudanças Climáticas. Tamanho máximo de 1 página e preferencialmente em inglês.

A documentação acima deverá ser encaminhada por email para matheus@munduscarbo.com e a data limite para o envio é 20 de junho (domingo).

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Vídeo do Hino Nacional Brasileiro feito pelo CFBio


O Sistema CFBio/CRBios (Conselho Federal e Conselhos Regionais de Biologia) produziu um vídeo do Hino Nacional com imagens da biodiversidade brasileira e de Biólogos em atuação.

O vídeo já pode ser visto por todos no site YouTube, através do link:
http://www.youtube.com/watch?v=EX6DmhqAyRM

Curso de Técnicas de Criação de Insetos para Programas de Controle Biológico, com Ênfase à Comercialização de Inimigos Naturais


Período e horário
26 a 30 de julho de 2010, das 8h às 12h e das 14h às 17h

Local
Anfiteatro do Setor de Entomologia, do Depto de Entomologia, Fitopatologia e Zoologia Agrícola da ESALQ/USP, na Av.Pádua Dias, s/nº, em Piracicaba, SP

Número de vagas
97

Taxa de inscrição
R$ 150,00

Informações
Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz – FEALQAv.Centenário, 1080, em Piracicaba, SP
Tel.: (19) 3417-6604/3417-6601
Fax: (19) 3422-2755
E-mail: cdt@fealq.org.br
Site: http://www.fealq.org.br/

FNMA vai investir em recuperação florestal


O Fundo Nacional do Meio Ambiente (FNMA) vai investir R$ 3 milhões em 10 projetos de recuperação florestal de áreas degradadas e de manejo da biodiversidade com base no desenvolvimento comunitário, em todo o País. As propostas devem ser enviadas ao FNMA por meio do Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse (Siconv) até 09 de agosto.

Somente no caso das instituições federais, a proposta deve ser elaborada por meio de carta consulta, informada no sítio do FNMA, e encaminhada pelo correio, seguindo rigorosamente o prazo limite.

Para o tema de recuperação florestal, os projetos devem ser voltados ao reflorestamento de áreas de nascentes onde o manancial seja usado para abastecimento humano. A ideia é assegurar a qualidade da água e garantir o abastecimento dos usuários. As propostas devem promover a participação social na gestão dos recursos florestais e hídricos.

Esse tipo de atividade envolve a mobilização social. Por isso, a educação ambiental deve fazer parte da proposta, com palestras, cartilhas e mutirões. Esta linha de ação responde aos anseios da própria sociedade, em diálogos realizados em 2009, conduta que vem pautando a elaboração e implementação das políticas de financiamento à gestão ambiental recepcionadas pela demanda espontânea FNMA.

A segunda linha de financiamento é o manejo da biodiversidade com base no desenvolvimento comunitário. Ressaltando a importância da mulher no sustento da família e na proteção do meio ambiente, o FNMA vai incentivar o protagonismo feminino nas atividades de conservação da floresta que visem a gestão sustentável. Essas iniciativas incidem diretamente na geração de renda das famílias e valorizam o saber tradicional de quem vive na floresta, como as quebradeiras de coco babaçu e agricultoras familiares.

Os projetos deverão garantir, preferencialmente, a utilização dos produtos da sociobiodiversidade - castanha-do-Brasil, babaçu, andiroba, copaíba, borracha natural, piaçava, pequi e carnaúba. Consolidando as cadeias de produção desses produtos, as famílias poderão ser beneficiadas pela Política de Garantia de Preço Mínimo para produtos da Sociobiodiversidade.

Os 10 projetos serão divididos de forma igual para as cinco regiões brasileiras. Esses dois temas foram escolhidos pelo conselho deliberativo do FNMA no final de maio. Cada projeto poderá receber de R$ 200 e 300 mil e deverá ser executado no prazo de um ano.

Este ano o FNMA inovou e receberá, durante dois meses, propostas simplificadas, com informações básicas como, por exemplo, objeto, justificativa e valor do projeto. Depois dessa etapa, será realizada a seleção regional. Um grupo de trabalho, composto por membros do conselho deliberativo, escolherá as melhores propostas, e o FNMA vai realizar oficinas para ajudar as instituições escolhidas a elaborarem o projeto completo.

As regras e orientações para apresentação de projetos estão na página eletrônica do FNMA (www.mma.gov.br/fnma).

Mais informações pelos telefones (61) 2028-2161/2160 ou pelo e-mail fnma@mma.gov.br.

Histórico

O FNMA é um fundo contábil sujeito às regras orçamentárias estabelecidas pelo governo. Considerado um potente instrumento de fomento da política nacional do meio ambiente, foi fundado em 1989 e já beneficiou mais de 1.400 projetos, distribuídos em todos os biomas do território nacional, com recursos estimados em R$ 230 milhões.

O Fundo já operou por meio de empréstimos e doações, mas hoje os recursos são provenientes exclusivamente do Tesouro Nacional. Os projetos aprovados foram implementados nas mais diversas áreas: Agenda 21, educação ambiental, recuperação de áreas degradadas, recursos pesqueiros, resíduos sólidos, produtos químicos e espécies ameaçadas de extinção, unidades de conservação dentre outras.

Fonte: Ministério do Meio Ambiente

Carta Aberta aos Habitantes do Brasil

Veja abaixo o Manifesto lançado pela Rede Mata Atlântica (RMA) em defesa do Código Florestal e contra o parecer do deputado Aldo Rebelo.

Senhores e Senhoras,

O Relatório apresentado à Comissão Especial do Congresso Nacional sobre o Código Florestal na quarta-feira, dia 09 de junho, pelo Deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP) apresenta propostas de mudanças na legislação que ultrapassam - e muito - os limites dos temas que deveriam ser objeto de análise por parte desta Comissão e colocam em risco não apenas os ambientes naturais do País, mas também os princípios e institutos que norteiam a moderna legislação brasileira.

Foi o Código Florestal Brasileiro que consolidou, em 1965, o princípio de que as florestas são bens de interesse comum e que o direito à propriedade se submete a este interesse. Esse princípio permeia toda a legislação ambiental brasileira e encontra abrigo no artigo 225 da Constituição Brasileira que estabelece que “todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo.” Ainda mais, impõe ao poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações.

Os ambientes naturais são bens de interesse comum porque asseguram a sociedade como um todo o que é essencial para que os seres vivos, inclusive os seres humanos, continuarem vivos, como disponibilidade de água potável, ar purificado e purificável, nutrientes do solo para produção de alimentos, controle de pragas e doenças, equilíbrio do clima, decomposição de dejetos industriais e agrícolas, polinização.

Vale notar que muitos desses bens essenciais dizem respeito exatamente à produção agrícola que o Relatório aponta como prejudicada pelas limitações estabelecidas pelo Código Florestal. Ao contrário, asseguram a produção de alimentos.

A legislação ambiental brasileira reconhece os bens ambientais e suas funções e protege sua integridade como direito de toda a sociedade. Um “bem ambiental” está acima das categorias “bem público” ou de “bem privado”. A necessidade de preservar a integridade dos ambientes naturais para as presentes e futuras gerações justifica os limites estabelecidos por lei para sua exploração. Por isso, o Código Florestal, já em 1965, introduziu os institutos de Reserva Legal (RL) e de Áreas de Preservação Permanente (APPs), inexistentes em muitos outros países, para assegurar que o país possa manter a integridade dos serviços ecológicos essenciais tanto para a obtenção de bens e insumos necessários à sobrevivência humana por meio de atividades agropecuárias, industriais e outras que se realizam de forma sustentável, por um lado, e que permitam a todos zelar pelo patrimônio ambiental do país como um legado para as futuras gerações.

Isso permite concluir que o real propósito do Relatório e das mudanças propostas estão voltados a outros interesses, centrados da absoluta desregulamentação do setor agrícola – leia-se médios e grandes proprietários - que passará a ser beneficiado com anistia para quem não cumpriu a lei, redução em até 50% das áreas consideradas de tal importância para o interesse como que devem ser permanentemente preservadas, desmatamentos legalizados em áreas até então parte do sistema de proteção instituído pelo Código Florestal, entre tantos outros privilégios individuais.

A proposta apresentada pelo Relatório vai além de ampliar as oportunidades de continuar devastando os ambientes naturais do país. Distorce completamente os propósitos e funções de APPs e RL. Convalida ações de degradação ambiental já ocorridas, e enfraquece instrumentos de prevenção ou de penalização de eventuais futuras ações de destruição indevida do patrimônio ambiental. Desmantela o Sistema Nacional de Meio Ambiente (SISNAMA) e o sistema federativo ao atribuir a Estados e Municípios o poder de estabelecer critérios próprios para o cumprimento da lei.

Resumindo, em tempos de eventos extremos provocados pelas mudanças climáticas globais e que já afetam o Brasil, especialmente comunidades mais vulneráveis nas cidades e no campo, a proposta faz o país regredir, não só na proteção aos ambientes naturais essenciais ao equilíbrio do clima, mas também em aspectos relacionados às conquistas da sociedade na legislação que protege o interesse comum. O Brasil, país soberano, precisa cuidar de seu patrimônio ambiental com sustentabilidade e seriedade, para poder exercer a responsabilidade que lhe cabe, em função das nossas características ambientais, econômicas, sociais e culturais, junto à comunidade internacional.

Em 2012, o Brasil sediará a Rio+20, a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, que abordará o progresso ou o fracasso dos países no cumprimento dos compromissos da Cúpula da Terra, a Rio-92, quando a Agenda 21 e as convenções internacionais sobre mudança de clima e sobre proteção, uso sustentável e repartição de benefícios da biodiversidade foram assinados. Esperamos que o Relatório apresentado não se configure em ações oportunistas de alguns parlamentares, e que interesses de setores específicos coloquem o Brasil na contra-mão da história global da sustentabilidade.

Aprovar esse Relatório e concordar em votar as propostas que contém é apostar no caos!

É permitir que - em pleno ano internacional da biodiversidade -, o Brasil, considerado o maior dentre os países megadiverso do planeta, descumpra metas assumidas na Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB), colocando em risco a riqueza de seus biomas e contribuindo para aumentar o grau de ameaça de extinção das espécies de sua fauna da fauna. É condenar ao insucesso os compromissos internacionais assumidos pelo Governo Brasileiro quanto à redução das emissões de gases de efeito estufa e as metas de diminuição do desmatamento até 2020.

É transformar os produtores de alimentos em dependentes da agroquímica e os consumidores em vítimas, porque pagarão mais por produtos que não serão “sadios e ecologicamente equilibrados”.

É propiciar a desigualdade de tratamento da questão ambiental em cada Estado ou Município, a partir do desmantelamento do Sistema Nacional de Meio Ambiente.

É transformar toda a sociedade em refém dos interesses de um segmento que ainda segue o modelo agrário-exportador.

É penalizar os cofres públicos – e, portanto toda a sociedade, sobretudo aqueles que mais necessitam dos serviços públicos - pelo custo da reparação dos danos causados pela falta de cuidados com os bens ambientais.

As organizações que assinam essa carta possuem como missão defender o interesse público em todas as dimensões e consideram que assunto de tal gravidade deve ser submetido a ampla discussão com toda a sociedade, incluindo os mais de 80% do povo brasileiro que vive nas cidades e sofrerá impactos diretos causados pelas medidas propostas.

Comprometidos com nossa missão, pedimos aos senhores e senhoras congressistas que avaliem muito bem as consequências das propostas apresentadas neste Relatório.

Comprometidos com o interesse comum do povo brasileiro, nos comprometemos a levar a toda a sociedade as informações sobre esse debate e divulgar a posição de todos os parlamentares sobre a questão.

Colocamo-nos à inteira disposição para comprovar cada uma das afirmações que fazemos nessa carta.

Não é sobre o Código Florestal


Por Efraim Rodrigues*

Nesta semana em que estivemos arriscados a retroceder algumas décadas em nossa legislação ambiental tornando o Código Florestal letra morta, evitarei repetir mais uma vez o que tem sido dito (já repeti a primeira vez na frase inicial).

No dia 05/06 a Folha de São Paulo publicou em sua seção de debates um artigo de Aldo Rebelo e outro de Thomas Lewinsohn, Jean Metzger, Carlos Joly e Ricardo Rodrigues.

Jornais precisam vender anúncios e para isso gostam de levantar discussões, mas nesse caso ela não existe.

Aldo Rebelo nunca esteve em uma floresta porque árvore não vota. Ele acredita que estar perto do povo é ser um misto de Bart Simpson e Jeca Tatu. Seu relatório engraçadinho e com fino verniz de cultura não contém dados concretos de fontes fidedignas porque se o fizesse, colocaria em risco os empregos de seus compadres (Dilma precisa do apoio da bancada ruralista para eleger-se e com isso manter os milhares de cargos de confiança). Antes, respeitava-o ao menos pela capacidade de ser fiel a uma causa, mas um comunista ligado ao agronegócio não merece respeito.

Os 4 professores que assinam o artigo em contrário, somam mais de 130 anos de dedicação integral a questões ambientais. Seus salários não serão subtraídos em um centavo mesmo que a Câmara aprove este assassinato do Código.

Como prometi no título, esta não é uma coluna sobre o Código Florestal. É sobre nosso gosto pela ignorância, demonstrado por um jornal de alcance nacional que coloca troca de favores e conhecimento em mesmo nível.

Políticos sabem como é a coisa. Gente como Lula e Sarah Palin se fez alardeando sua ignorância e, não perdoe o jogo de palavras, estão fazendo escola. Por que não copiamos o exemplo de Ângela Merkel, a chanceler Alemã doutora em química quântica ?

A troca de favores é comum até mesmo dentro das escolas “ - Faça networking em nosso curso de Pós”. Em português claro: Não gaste sua energia estudando, você vai se dar bem usando as amizades que fará aqui. Mas quem criará o IPhone para fazer o networking se ninguém quer de fato estudar?

É o momento de distinguirmos entre ignorância e sensibilidade com a ignorância. Devemos afastar-nos da ignorância por inúmeros motivos, e entre eles, o de aumentar nossa sensibilidade com aqueles que tiveram menos oportunidades (e que serão os maiores prejudicados com a alteração do Código Florestal).

Não faz sentido mantermos caríssimo sistema universitário se interesses escusos e conhecimento se igualam na hora da decisão.

Fonte: http://www.efraim.com.br/Blog/Blogger.aspx

*Efraim Rodrigues, Ph.D. (efraim@efraim.com.br) é Doutor pela Universidade de Harvard, Professor Associado de Recursos Naturais da Universidade Estadual de Londrina, consultor do programa FODEPAL da FAO-ONU, autor dos livros Biologia da Conservação e Histórias Impublicáveis sobre trabalhos acadêmicos e seus autores. Nos fins de semana ajuda escolas do Vale do Paraíba-SP, Brasília-DF, Curitiba e Londrina-PR a transformar lixo de cozinha em adubo orgânico e a coletar água da chuva.

Bolsas na União Europeia

Pesquisadores brasileiros interessados em trabalhar com projetos de pesquisa na União Européia têm até o dia 17 de agosto para inscrever-se no edital FP7-PEOPLE-2010-IIF (http://migre.me/PkP5), no âmbito do 7º Programa-Quadro (FP7).

O edital faz parte do Marie Curie International Incoming Fellowships.

A duração da bolsa é de um a dois anos, envolvendo a fase de chegada e retorno do pesquisador.

A segunda fase se inicia no máximo seis meses após o retorno efetivo do pesquisador ao seu país de origem.

O programa fornece apoio financeiro individual. As bolsas concedidas são contribuições para uso científico relacionadas ao projeto do pesquisador na instituição de origem.

O candidato deve ser pesquisador experiente (ter doutorado ou mais de quatro anos de experiências comprovadas).

As áreas de pesquisa envolvidas são alimentos, agricultura e biotecnologia; ciências socioeconômicas e humanas; espaço; energia; meio ambiente, nanociências, materiais e novas tecnologias de produção; saúde; segurança; tecnologias da informação e comunicação; e transporte.

Maiores informações:
www.bbice.unb.br