sexta-feira, 29 de agosto de 2008

Vaga de estágio

Precisa-se de estagiário/a para trabalho de campo de aproximadamente 3 ou 4 dias em local nas proximidades de Lagoa Santa. É necessário algum conhecimento de fitofisionomias e espécies mais importantes do cerrado, para trabalho de zoneamento ambiental. Haverá uma ajuda de 150 reais e alimentação, transporte e alojamento.
Interessados enviar e-mail para inribeiro@hotmail.com

Semana da Biologia nas FAMATh

Entre os dias 1º e 5 de setembro, as Faculdades Maria Thereza (FAMATh) realizam a Semana da Biologia. Serão oferecidos gratuitamente mini-cursos, palestras e oficinas, ministrados por profissionais de destaque na área.

As oficinas começam no dia 2, terça-feira, e terão sempre uma hora de duração. A primeira será oferecida às 8h e às 17h, e é sobre construção de terrário com garrafas PET. Já na quarta-feira, dia 3, o tema da oficina é reaproveitamento de óleo de cozinha para fabricação de sabão, também nos horários de 8h e 17h. Quem quiser aprender a montar aquário de água doce pode se inscrever na oficina do dia 4 (8h ou 17h) e de água salgada, na do dia 5 (8h ou17h). No último dia, sexta-feira, dia, 5, às 8h ou às 17h, os inscritos vão aprender a construir puf´s com garrafas PET.

Há ainda diversas opções de mini-cursos, voltados para estudantes e profissionais da área. Maria Colodete, mestre em Botânica pela da UFRJ, ministra sobre ecologia de restinga, nos dias 2 e 3 (das 14h às 17h). Polinização: vetores bióticos e abióticos será o assunto abordado por Lorena Coutinho Nery da Fonseca, doutora em Biologia Vegetal pela Unicamp, nos dias 4 e 5, das 14h às 17h. O mini-curso dado pela bióloga e farmacêutica Márcia D´andrea , que será nos dias 1º, das 20h às 22h, e 2, das 18h às 22h, será sobre bactérias intestinais, intoxicação alimentar por bactérias.

As inscrições para participar de qualquer evento da Semana da Biologia pode ser feita na sede da faculdade, que fica na rua Visconde do Rio Branco, 869, Gragoatá, Niterói, das 8h às 20h.

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

XXII Jornada de Biologia: '"De Darwin a Maturana: construindo a Ciência"

Com o tema "De Darwin a Maturana: construindo a Ciência", a XXII Jornada de Biologia visa discutir temas relacionados a área, dando enfoque à atuação do Biologo nos diversos níveis de Ensino, Pesquisa e Prestação de Serviços. Dentre a programação encontram-se mini-cursos, palestras, mesas redondas e eventos culturais, promovendo a integração de discentes e docentes da área. A Jornada irá acontecer entre os dias 29 de Setembro e 03 de Outubro, na PUC Minas, campus Coração Eucarístico.

Para maiores informações, acessem o blog:
xxiijornadabio.blogspot.com

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

BIÓLOGO DESAPARECIDO!

terça-feira, 5 de agosto de 2008

Proteínas podem compor vacina contra sorotipos da dengue

O desenvolvimento de uma vacina contra os quatro sorotipos da dengue tem mobilizado grupos de pesquisa em todo o Brasil e no mundo. Buscando contribuir para esse desafio, um estudo da Fiocruz Pernambuco analisou uma proteína estrutural, a glicoproteína E, localizada na superfície do vírus da dengue. O trabalho identificou 11 peptídeos (proteínas) que, por terem se mostrado capazes de desencadear a produção de anticorpos, têm potencial para compor uma vacina contra a doença. A descoberta rendeu o depósito da quinta patente da Fiocruz Pernambuco no Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI).

Para esse estudo, essencial para o entendimento dos anticorpos envolvidos na resposta do organismo frente ao vírus da dengue, foram sintetizados, em laboratório, 95 peptídeos (compostos formados por 15 aminoácidos cada), a partir da seqüência de 490 aminoácidos da glicoproteína E. Os peptídeos foram testados através do método Elisa (enzyme linked immunosorbent assay), utilizando soros de pacientes infectados e não-infectados com o vírus da dengue sorotipo 3.

“Os soros reagiram com 11 dos 95 peptídeos testados, mostrando serem esses os mais expostos na superfície da glicoproteína E, ou seja, os mais reconhecidos pelos anticorpos”, explica a biomédica Andréa Rangel, que desenvolveu a pesquisa no mestrado em saúde pública da Fiocruz, sob a orientação dos pesquisadores Silvia Montenegro e Ernesto Marques. As amostras de sangue utilizadas no estudo foram coletadas nos pacientes positivos durante a fase de recuperação da doença. Elas fazem parte do projeto da Fiocruz Pernambuco, coordenado por Marques, que pretende desenvolver uma vacina contra a dengue.


Foto: Agência Fiocruz



Diagnóstico
Além de possuírem potencial para serem usados na construção de uma vacina, 9 dos 11 peptídeos identificados também poderão ser utilizados na elaboração de um kit de diagnóstico específico para a dengue tipo 3. “A maioria dos kits comerciais utilizados atualmente usa preparações totais de vírus, o que permite dizer apenas se o paciente tem ou não a doença, mas não o tipo do vírus com o qual foi infectado”, afirma Andréa.

Na próxima etapa da pesquisa, os peptídeos serão analisados por meio de ferramentas de biologia molecular junto com as moléculas identificadas em outras proteínas, denominadas de não-estruturais (NS1 e NS3), que também fazem parte da constituição do vírus da dengue. O objetivo desses estudos será identificar o comportamento dos peptídeos nas células in vitro e analisar a resposta imunológica dos camundongos frente a esses peptídeos.

Fonte: Agência Fiocruz de Notícias