quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Feriado Municipal - Atendimento CRBio-04

Devido ao feriado municipal de Assunção de Nossa Senhora no dia 15/08/2014. Não haverá atendimento no CRBio-04.

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Avistar BH



CURSO DE CAPACITAÇÃO EM CONSULTORIA AMBIENTAL

Data de início do curso:  16 de agosto de 2014
 
Local:  ABES - Rua São Paulo 824 - 14º Andar - Centro - Belo Horizonte / MG
 
Carga Horária: 128 horas / aula
 
Aos sábados 
 
Maiores informações:  GS EDUCACIONAL / www.gseducacional.com   Contato: (31) 3225-9504
 
Os biólogos que apresentarem o número do registro no CRBio terão desconto no curso.

Substância perde carga tóxica quando misturada ao solo



quarta-feira, 25 de junho de 2014

Edital para seleção de bolsista no Instituto Mamirauá


Estão abertas duas vagas para bolsista no Instituto Mamirauá para o Monitoramento de primatas e da fauna cinegética das RDS's Mamirauá e Amanã.


O edital está disponível em: http://mamiraua.org.br/pt-br/editais/edital-262014/


O prazo para envio dos currículos é até dia 30/06/2014.

quarta-feira, 14 de maio de 2014

1° Workshop Latino-Americano de Bio-Hidrogênio

O Laboratório de Processos Biológicos (LPB), do Departamento de Hidráulica e Saneamento (SHS), da Universidade de São Paulo por meio da Coordenadoria e Comissão Organizadora tem o prazer de convidar aqueles que estão envolvidos com pesquisa e desenvolvimento de processos relacionados a produção de bio-hidrogênio para participara do “1° Workshop Latino-Americano de Bio-Hidrogênio” a ser realizado no período de 28 a 30 de julho de 2014, no The Palace Eventos em São Carlos/ SP. Este Workshop tem caráter multidisciplinar dedicado a apresentar os mais recentes avanços na área de biotecnologia na produção de bio-hidrogênio.

O 1° Workshop Latino-Americano de Bio-Hidrogênio reúne pesquisadores de diversas Universidades e Centros de Pesquisas da América Latina e Europa em diversas áreas de conhecimento. O público alvo deste workshop são os estudantes de graduação (iniciação científica), pós-graduação (internos e externos), professores, pesquisadores e profissionais da área. Estimamos que participem aproximadamente 200 pessoas.

As palestras serão ministradas e discutidas por especialistas de renome na área em seções de debates com os demais grupos de pesquisas envolvidos neste tema de estudo enfatizando a realidade dos países latino-americanos na produção de bio-hidrogênio. Serão aceitos trabalhos para apresentação em forma de pôster com o objetivo de divulgação das pesquisas realizadas nas diversas linhas de pesquisas relacionadas à produção e otimização do processo de bio-hidrogênio.

Prêmio Mérito em Biologia 2014.


O Prêmio tem por objetivo incentivar, destacar e premiar os profissionais registrados no Conselho Regional de Biologia da 4ª Região, nos Estados de Minas Gerais, Goiás, Tocantins e no Distrito Federal, em razão do destaque profissional em uma das seguintes áreas: Meio ambiente, Saúde, Biotecnologia, Destaque especial.


As inscrições para a edição deste ano deverão ser formalizadas através de correspondência dirigida ao Conselheiro Presidente do CRBio-04, subscritas por um número mínimo de 10 biólogos inscritos no CRBio-04, acompanhadas da justificativa, do "curriculum vitae" do indicado, que poderá ser qualquer profissional registrado no CRBio-04. 


O prazo para inscrições vai do dia 16 de junho a 31 de julho.

sexta-feira, 9 de maio de 2014

Jornal Eletrônico Instituto NANOCELL

CÂNCER: uma via sem saída?

Certo dia, uma amiga acorda, levanta, vai ao banheiro e prepara-se para tomar seu banho. Enquanto se ensaboa levando a mão por todas as partes de seu corpo ela, de repente, sente um nódulo, um caroço em seu seio. A sensação do caroço é repentinamente sentida como um aperto no coração e, então, vem aquela dúvida. É câncer? É assim que termina minha história? E meus filhos, como ficam? Meu marido está do meu lado? Veja mais

ESTILO DE VIDA QUE PROTEJE O CORAÇÃO TAMBÉM REDUZ O RISCO DE CÂNCER

Aquele que pensou em cuidar da saúde pensando em evitar um ataque cardíaco agora pode ficar mais feliz e, com certeza, com mais vontade de se exercitar. Veja mais

POSSÍVEL CURA PARA A ANEMIA CRÔNICA PODE ESTAR À CAMINHO

 POSSÍVEL CURA PARA A ANEMIA CRÔNICA PODE ESTAR À CAMINHO Marcos Alexandre Bezerraa, Nathália Alves dos Santosb a Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo/USP b Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo/USP Vol. 1, N. 10, 22 de Abril de 2014 Veja mais

TRANSGENIA A SERVIÇO DA QUALIDADE DE VIDA: combate à dengue

A dengue é uma doença transmitida principalmente pela picada da fêmea do mosquito Aedes aegypti  (vetor) em regiões tropicais e subtropicais. É somente a fêmea que se alimenta de sangue, insetos hematófagos. Na Ásia a transmissão também pode se dar pelo Aedes albopictus. Segundo estimativa da Organização Mundial da Saúde, por ano no mundo são infectadas de 50 a 100 milhões de pessoas (1). Veja mais

QUEM TEM MEDO DA MERITOCRACIA?

Meritocracia (do latim meritum, "mérito" e do sufixo grego antigo ?????? (-cracía), "poder") é um sistema de gestão que considera o mérito, como aptidão, a razão principal para se atingir posição de topo. As posições hierárquicas são conquistadas, em tese, com base no merecimento e entre os valores associados estão educação, moral, aptidão específica para determinada atividade. Constitui-se uma forma ou método de seleção e, num sentido mais amplo, pode ser considerada uma ideologia governativa. Veja mais

DEMOCRACIA E O "eu sou tão bom quanto você"

Escrevo aqui um complemento do outro texto intitulado QUEM TEM MEDO DA MERITOCRACIA. Neste texto, tomei a liberdade de pegar trechos de um autor, uma sumidade, um professor de Literatura Medieval e Renascentista na Universidade de Cambridge, na Inglaterra, para que a opinião aqui apresentada não seja declarada como sendo de um mero e reles mortal, embora mortal todos somos, mas o respeito galgado pelos anos de carreira do professor de Cambridge e reconhecimento mundial, muito acima está do meu. Veja mais

CÉLULAS STAP SÃO REAIS? Células-tronco podem mesmo ser produzidas por banho ácido ou estresse mecânico?

Na 7ª edição do Nanocell News divulgada em 20/02/2014, mencionou-se o trabalho de Obokata e colaboradores (http://sbsc.org.br/nanocell/uma-alternativa-simples-para-producao-de-celulas-tronco-induziveis-estimulos-externos-reprogramam-celulas-diferenciadas-para-pluripotencia/) que alegavam terem obtido sucesso em converter células somáticas em células-troncoatravés do uso de banho ácido, aplicação de uma toxina bacteriana ou estresse mecânico, o processo chamado como STAP (do inglês, stimulus-triggered acquisition of pluripotency), ou seja, aquisição de pluripotência induzida por estímulos (1). Veja mais

segunda-feira, 31 de março de 2014

Curso Biologia e Controle de Roedores, Pulgas e Moscas



Terça com Pragas



Seminário de Arborização Urbana e o Conforto Ambiental



Nos dias 14 e 15 de abril, será realizado em Belo Horizonte (MG), o Seminário de Arborização Urbana e o Conforto Ambiental.

O evento acontecerá no Auditório do CREA-MG (Av. Alvares Cabral, 1600, 1º subsolo).

O presidente do CRBio-04, Gladstone Corrêa de Araújo, estará presente na abertura do seminário, no dia 14, às 8h. O Biólogo Juno Assis Morais também participará do evento no dia 14, às 13h30. Ele será um dos palestrantes.

O seminário tem o apoio do CRBio-04. 

Mais informações e inscrições:
(31) 3299 8901

Peixes continuam a aparecer mortos no Rio Itapecerica em Divinópolis



Cartão postal de Divinópolis (MG), o Rio Itapecerica tem atraído os olhares da população e de Biólogos. No entanto, desta vez o motivo não é a beleza das águas ou a diversidade de espécies, mas os peixes mortos que têm aparecido desde segunda-feira(24). A situação se agravou e a Polícia Militar do Meio Ambiente(PMA) registrou o segundo Boletim de Ocorrência (BO). De acordo com a polícia, o BO será encaminhado para órgãos que podem fazer a análise da água, dos animais mortos e apontar uma possível solução para o problema. 

Segundo o biólogo Márcio Cleib Ferreira, os alevinos, peixes filhotes, são os que mais têm sofrido. Cardumes inteiros tentam subir o rio e agonizam em busca de oxigênio, alguns sangram. “Tudo indica que existe algum tipo de fungo que tem provocado os ferimentos”, comentou. O biólogo explicou também que o nível de oxigênio está baixo por causa da quantidade de nutrientes, proveniente de esgoto jogado no rio. “A falta de chuvas é outra é um problema para os peixes”, completou.

O mototaxista Flávio Lima fotografou não só os animais mortos, mas outros problemas recentes. Ele registrou os aguapés que se proliferaram no rio e uma espuma branca que apareceu na superfície do Itapecerica. Ele afirma que irá denunciar o descaso das autoridades. “Se ninguém fizer nada vamos ficar até sem água”, reclamou.

Quem acompanha o rio há mais tempo também fica indignado. O aposentado João Paulo de Deus, que mora próximo ao rio há 53 anos, disse que o coração chega a doer ao ver os peixes mortos. “Eu já nadei no Itapecerica. Antigamente a gente também via os peixes, mas vivos, subindo o leito, hoje só vejo lixo”, declarou.

Fonte: G1

Livro RPPN Fazenda: educação, pesquisa e conservação da natureza.



O Instituto Sul Mineiro de Pesquisa e Conservação da Natureza acaba de publicar o livro RPPN Fazenda: educação, pesquisa e conservação da natureza.

O livro esta sendo comercializado e o valor é de R$40,00 + frete. O pagamento pode ser realizado por depósito bancário ou cartão de crédito.

Todo livro será utilizado para manter as linhas de pesquisas em andamento na RPPN Fazenda Lagoa, contamos com sua colaboração.

Adquira já o seu exemplar, pelo email:
rafaelslaurindo@gmail.com

Sinopse do Livro
A RPPN Fazenda Lagoa possui uma importante área para a manutenção da biodiversidade na Floresta Atlântica do sul de Minas Gerais, e as ações de educação ambiental e pesquisa científica tem sido estratégicas para a conservação da natureza em uma região severamente impactada pela ação humana. A partir da compilação de informações históricas e resultados de pesquisas inéditas, este livro apresenta sete capítulos que fazem uma caracterização da paisagem, dos impactos ambientais e criam a primeira lista de espécies da fauna e da flora da RPPN Fazenda Lagoa. A contribuição desse livro vai além do interesse regional, e ajuda a compor um cenário real sobre as possibilidades de conservar a biodiversidade remanescente em regiões que sofrem constante pressão por conta da expansão agrícola e pecuarista.

sexta-feira, 28 de março de 2014

Pós-graduação INCURSOS



O INCURSOS Pós-graduação está com as inscrições abertas para seus cursos de especialização: Microbiologia; Análises Clínicas, Toxicologia e Bioequivalência; Ciências Forenses “Perícia Criminal”; Medicina Genômica, Biotecnologia e Inovações.

Todos os cursos acontecerão em Goiânia e serão realizados um final de semana por mês, sexta (à noite), sábado (durante o dia) e domingo de manhã.

As aulas das especializações não tem uma previsão de início, pois precisam ter no mínimo 20 alunos para acontecerem.

Mais informações:

Fragmentação florestal afeta biodiversidade de aves



Por Samuel Antenor, da Agência Fapesp

Processos de deflorestação são conhecidos como obstáculos para a manutenção dos ecossistemas em florestas, mas suas consequências, distintas para espécies da flora e da fauna, podem ser ainda piores para determinados grupos de animais. É o que indica uma pesquisa liderada pelo professor Mauro Galetti, do Departamento de Ecologia da Unesp, Câmpus de Rio Claro.

Segundo a pesquisa, é este o caso das aves, cuja diversidade de espécies é ameaçada não apenas em circunstâncias de desmatamento de grandes áreas verdes para, por exemplo, a produção agroindustrial, mas também quando as matas são preservadas de forma não contínua e tecnicamente sem proximidade. Ou, ainda,quando não háconservação de áreas suficientemente densas para sua sobrevivência e reprodução.

Dados que relacionam a diminuição das matas à sobrevivência de diferentes espécies de aves – e a diminuição de aves como fator de declínio na taxa de dispersão de sementes – , parte de um projeto de pesquisa mais abrangente sobre a maneira como a fragmentação das florestas afeta essa biodiversidade, foram apresentados por Galetti no dia 12 de novembro durante a FAPESP Week na Carolina do Norte, em Raleigh, Estados Unidos.

O simpósio internacional – organizado pela FAPESP, pela University of North Carolina em Chapel Hill, pela University of North Carolina-Charlotte, pela North Carolina State University (NCSU) e pelo Brazil Institute do Woodrow Wilson International Center for Scholars, de Washington – reuniu pesquisadores dos dois países com o objetivo de intensificar o intercâmbio e ampliar as pesquisas conjuntas realizadas nos Estados de São Paulo e da Carolina do Norte.

Os dados da pesquisa, que também foram publicados na revista Science, fazem parte do Projeto Temático “Efeitos de um gradiente de defaunação na herbivoria, predação e dispersão de sementes: uma perspectiva na Mata Atlântica”, apoiado pela FAPESP e concluído em março no Instituto de Biociências da Unesp de Rio Claro.

Galetti e sua equipe se concentraram na investigação do comportamento de determinadas espécies de aves e de sua capacidade de evolução em ambientes que sofrem intensa ação humana, como nos remanescentes da Mata Atlântica na região Sudeste do Brasil.

O professor da Unesp também destacou a redução de um tipo específico de palmeira, a Euterpe edulis, em decorrência direta da exploração humana, reunindo informações presentes no artigo publicado na Science. O trabalho contou com a participação de 15 pesquisadores de oito instituições de São Paulo, Paraná, Pará, Rio de Janeiro, Goiás e também do México e da Espanha.

A palmeira descrita na palestra de Galetti é uma espécie dominante na região da Mata Atlântica e seus frutos são consumidos por mais de 58 espécies de aves. Essa palmeira, porém,também fornece o palmito, o que a coloca em risco por causa da ação humana.

Ao verificar as consequências evolutivas do processo de diminuição de espécies animais como resultado dessa ação, a pesquisa obteve dados sobre o processo de defaunação que ocorre nesse bioma, buscando identificar a perda ou o declínio da população de vertebrados nativos de médio e grande portes.

A defaunaçãorepresenta uma ameaça significativa não apenas para a Mata Atlântica, mas também para a biodiversidade dos diversos ecossistemas tropicais.

“Buscamos verificar como essa perda de espécies, em diferentes níveis, afeta sistemas biológicos ao longo de diferentes processos, da fisiologia e reprodutibilidade vegetal ao comportamento animal, incluindo padrões de migração, abrigo e dieta alimentar”, disse Galetti.

Determinadas mudanças nesses padrões podem levar a interrupções no funcionamento dos ecossistemas e, consequentemente, à degradação ambiental em prazos curtos ou médios. “No longo prazo, porém, as alterações podem significar alterações fenotípicas e até na estrutura genética de populações animais”, disse.

Para Galetti, os dados levantados pelo estudo indicam que é preciso identificar necessidades e apontar possíveis prognósticos, para haver tempo de adaptação a uma condição em que haja possivelmente menos espécies.

Composta em grande medida por espécies herbívoras e frugívoras, a fauna de médio e de grande porte tem animais importantes para a dispersão de sementes, que atuam no controle de plantas por meio da herbivoria e da predação de sementes.

Segundo Galetti, a caça ilegal tem reduzido consideravelmente adiversidade desses animais em distintas áreas nos trópicos, especialmente na Mata Atlântica, o que pode ter profundos efeitos na diversidade e na composição das espécies vegetais.

Com apenas 12% de floresta remanescente, a Mata Atlântica ainda possuiaté 8% das espécies deaves do mundo e altas taxas de endemismo.

Espécies relacionadas

Grandes migrações entre as populações de aves sugerem que a Euterpe edulis compartilha uma história evolutiva comum com essas aves, que são importantes agentes para a germinação dessa espécie de palmeira.

“Suas sementes são espalhadas por ação de regurgitação e defecação. Contudo, as evidências apontam para uma diminuição de espécies de aves com capacidade de colher grandes sementes, como tucanos, o que torna vulnerável a dispersão de sementes maiores, entre elas a da E. edulis”, disse Galetti.

Segundo os pesquisadores, a diferença entre as características de tamanho de sementes ocorre em razão de recentes mudanças causadas pelo crescente isolamento das florestas,cada vez mais fragmentadas.

O tamanho da semente estaria relacionadoà perda de água e de germinação. Quanto maior a semente, menor a área de superfície exposta em proporção ao volume. Isso agravaria o problema, visto que as sementes não germinam com menos de 20% de sua superfície exposta à água.

“A defaunação cria um novo regime de seleção para a evolução de plantas no antropoceno. Essas mudanças podem até passar despercebidas, mas são capazes de levar várias espécies à extinção em cenários climáticos futuros”, disse Galetti.

A pesquisa foi apresentada no painel sobre biodiversidade, que contou também com apresentações dos pesquisadores Maritta Koch-Weser, do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (USP), Erin Sills, da North Carolina State University, e Daniel Janies, da University of North Carolina-Charlotte.

Brazilian Nature

Ainda sobre o tema biodiversidade, a FAPESP Week North Carolina contou com a exibição daexposição Brazilian Nature – Mystery and Destiny em dois locais distintos.

A primeira delas foi aberta na James B. Hunter Library, no Institute of Emerging Issues da NCSU, em Raleigh, onde ficará exposta no saguão principal até o dia 20 de novembro. A segunda mostra foi aberta no dia 13 de novembro, na Student Union da University of North Carolina-Charlotte.

Com 37 painéis, a exposição retrata o trabalho do naturalista alemão Carl Friedrich Philipp von Martius (1794-1868) e permite comparar as imagens originais feitas no século 19 com fotografias atuais de plantas e biomas, entre elas algumas feitas durante pesquisas realizadas no âmbito do projeto Flora Fanerogâmica do Estado de São Paulo e do Programa de Pesquisas em Caracterização, Conservação, Recuperação e Uso Sustentável da Biodiversidade do Estado de São Paulo (BIOTA-FAPESP). Os painéis digitalizados da exposição podem ser vistos com legendas em português, inglês, espanhol, japonês e alemão no endereço:

II Curso de Introdução a Primatologia



O Núcleo de Pesquisas Integradas do ISMECN irá realizar no dias dias 26 e 27 de abril de 2014, na RPPN Fazenda Lagoa (Monte Belo/MG), o II Curso de Introdução a Primatologia.

As inscrições deve ser feitas pelo e-mail rafaelslaurindo@gmail.com .

O curso será formado por módulos teóricos e práticos, e objetiva compreender aspectos da biologia e ecologia da Ordem Primates, com ênfase nos Primatas Neotropicais, além de abordar os principais métodos de estudos com primatas e apresentar informações sobre as ferramentas básicas para a formulação de projetos de pesquisa na área da Primatologia.

Mais informações:

quinta-feira, 27 de março de 2014

Curso Ecologia de Estradas: Planejamento de Estudos para Avaliação de Impactos de Rodovias sobre a Biodiversidade



O curso Ecologia de Estradas: Planejamento de Estudos para Avaliação de Impactos de Rodovias sobre a Biodiversidade  será realizado entre os dias 24 e 25 de maio, de 8h às 17h, em Belo Horizonte (Av. General Olímpio Mourão Filho, nº 400, Bairro Itapoã).

O tema é de grande importância na atualidade e a Ecologia de Estradas tem ganhado cada vez mais espaço no Brasil e no mundo com a expansão das malhas viárias.

O curso terá aulas de dois especialistas que integram o CBEE - Centro Brasileiro de Ecologia de Estradas: Clarissa Alves da Rosa e Helio Secco, ambos pós-graduados pela UFLA - Universidade Federal de Lavras.

Mais informações:

Brasil aparece em terceiro lugar no ranking de conflitos ambientais



Um projeto inédito da Universidade Autônoma de Barcelona mapeou conflitos ambientais em todo o mundo. No mapa, o Brasil aparece em terceiro lugar (ao lado da Nigéria) em número de disputas. A mineradora brasileira Vale ocupa a quinta posição no ranking de empresas envolvidas nessas questões.

Na América Latina, o maior número de conflitos documentados pelo mapa está na Colômbia, com 72 casos, Brasil, com 58, Equador, 48 conflitos ambientais, Argentina, 32, Peru, 31, e Chile com 30 casos. Entre os 58 conflitos brasileiros há disputas agrárias como o caso de Lábrea, cidade no Amazonas próxima à fronteira com o Acre e Rondônia, onde agricultores são vítimas da ameaça de madeireiros e grileiros. Há ainda diversos conflitos indígenas, disputas por recursos hídricos e por reservas minerais.

Segundo o pesquisador da Fiocruz Marcelo Firpo Porto, vários conflitos estão associados à expansão da agricultura, mineração, hidroelétricas e exploração de petróleo em áreas de terras altas e no litoral. Entre as áreas afetadas, ele destaca os territórios de comunidades tradicionais que, historicamente, viviam de forma sustentável. O pesquisador aponta que vários casos também estão associados à construção de obras de infraestrutura e geração de energia, como estradas, ferrovias, oleodutos, complexos portuários, hidroelétricas e termelétricas e até fazendas de energia eólica.

Por enquanto, apesar de os milhares de conflitos assinalados ainda despertarem pessimismo, os responsáveis pelo mapa apontam para sinais positivos: "O mapa mostra tendências preocupantes como a impunidade de companhias que cometem crimes ambientais ou a perseguição dos defensores do meio ambiente, mas também inspira esperança. Entre as muitas histórias de destruição ambiental e repressão política, também há casos de vitórias na justiça ambiental", disse Leah Temper, coordenadora do projeto. Este é o caso em 17% dos conflitos analisados: ações foram vencidas na justiça, projetos foram cancelados e bens foram devolvidos para algumas comunidades.

Fonte: AMDA